15 de maio de 2014

Predestinados by Nubia Ruz

| |









Prólogo


O mundo não é mais o mesmo que conhecemos... As criaturas de nossas histórias de terror revelaram-se a nós com um acordo – estranho - de paz...
Vampiros, lobisomens, transmorfos e por fim os híbridos passaram a conviver entre os humanos como seus iguais.
Bancos de sangue foram criados para manterem vampiros (carnívoros) e híbridos alimentados.
Centros de ajuda foram criados para manterem lobisomens presos durante o período da lua cheia...
Mas não foi somente isso... O mundo foi divido em castas com suas posições sociais e trabalhistas.
Casta 1: A nobreza e o Clero.
Casta 2: Celebridades, modelos, atletas profissionais, políticos, atores e oficiais.
Casta 3: A elite, educadores, filósofos, inventores, escritores, cientistas, médicos, veterinários, dentistas, arquitetos, bibliotecários, engenheiros, psicólogos, cineastas, produtores musicais, advogados.
Casta 4: Fazendeiros, joalheiros, corretores de imóveis e de seguros, chefes de cozinha, mestres de obras, proprietários e donos de restaurantes, lojas e hotéis.
Casta 5: Artistas, músicos e dançarinos.
Casta 6: Secretários, serventes, governantas, costureiras, balconistas, cozinheiros, motoristas.
Casta 7: Jardineiros, pedreiros, lavradores, pessoas que limpam calhas e piscinas, e quase todos os trabalhadores braçais.
Casta 8: Pessoas com deficiência (especialmente quando desamparadas), viciados, fugitivos, sem-tetos.

Agora o mundo era governado pelo poder dos cinco líderes... Os grandes cinco reis do século 21.
Mas mesmo com o planeta tendo momentos de paz e felicidade, alguns se rebelaram contra os cinco querendo o extermínio dos humanos. Já que para as criaturas sobrenaturais, somos... criaturas nojentas e frágeis e devemos ser subjugados.
Mas contamos com a proteção de nossos líderes. Ou não?

oOoOoOoOo

Mas por que revelar suas origens aos humanos e dividir o planeta Terra? Simples!
Eles cansaram de viver na escuridão, de serem odiados sem nem mesmo as pessoas os conhecerem... E o maior motivos de todos, foi por causa de suas prometidas. As predestinadas.
Cada lobisomem, vampiro, transmorfo e híbrido. Nascem com sua alma gêmea, pode-se dizer isso, já predestinada a eles.
Vampiros reconhecem seus prometidos com a marca da cruz.
Lobisomens com a marca da meia lua.
E transmorfos com a marca de uma meia lua com uma estrela.
E os híbridos conforme suas metades dos seus dna.

Mas essa noticia não agradou muitos os humanos, por saberem que teriam que entregar suas filhas e seus filhos a esses seres das trevas.
Então uma lei teve que ser criada.
Cada criança que nascesse deveria de ser examinada e entregue ao grupo correspondente a sua marca e assim ser criada correspondente a sua casta.
Os pais humanos ficaram desesperados, já que as predestinadas nasciam com mais frequência em seu meio. Alguns chegaram a tomar medidas drásticas para que suas filhas não lhes fossem tomadas.

oOoOoOoOoOo

É ai que entra o nosso casal Layores, que aflitos pela mais nova membra da família possuir a marca da meia lua acompanhada com estrela. Resolvem fugir com a filha de dois dias e o filho mais velho de cinco anos para uma cidade no interior.
Mas por quanto tempo eles manterão a filha longe desse mundo? E principalmente, longe da sua alma gêmea?

Capítulo 1


Sabe quando você tem a sensação de que sua família está escondendo algo importante de você?
Mas ao mesmo tempo em que você deseja fervorosamente descobrir, você reza para permanecer no escuro e na total ignorância?
A primeira vez que isso aconteceu foi quando eu tinha 8 anos de idade...
Eram umas 4 horas da tarde e minha mãe estava me ajudando com a lição de matemática, quando uma van preta estacionou na frente da minha casa. Meus pais entraram em tal desespero que fiquei tão assustada que comecei a chorar. Parecia que o mundo estava se acabando naquele momento.
Meu irmão mais velho, Dereck, que na época tinha 13 anos me levou as pressas para a floresta, por ordem do meu pai. Eu perguntava a cada minuto o que estava acontecendo, mas meu irmão continuava a correr e a me puxar em silêncio.
Fomos parar em uma cabana caindo aos pedaços, onde havia várias outras garotas assustadas e apavoradas tanto quanto eu.
Ficamos trancadas naquele lugar por dois dias, até que cada pai das meninas e os meus, foram nos buscar.
Essa foi só a primeira vez.
Depois dessa, aconteceu mais quatros vezes. E nas quatro vezes seguintes fiquei aterrorizada.
Deste esse episódio, fiquei a espera do momento em que teria que fugir para aquele lugar horrível.
A única coisa de bom que aconteceu com esse incidente, foi que conheci minha melhor amiga, .
Ela assim como eu, tem a mesma marca de nascença. Uma meia lua acompanhada por uma estrela.
Nunca sabemos a origem de tal coisa, já que nossos familiares não possuem nada igual. E quando perguntamos a eles, recebemos mentiras em troca, então desistimos de saber a verdade e viver em um mar de mentiras onde as águas só aumentam.
E depois de tomada a essa decisão, 6 anos se passaram.
Mas meus pais estavam sempre alertas e se prevenindo para não sermos visitados de surpresa. Um dia cheguei a sugerir que devíamos no mudar, já que eles viviam com medo daquelas pessoas aparecerem aqui em casa.
Minha mãe apenas encarou meu pai que permaneceu calado olhando pro nada e eu não falei mais nada.

oOoOoOo

- Acho que meus pais vão se divorciar. – falou de repente.
Fechei a tela do meu laptop olhando para ela que estava deitada na minha cama de bruços.
- Por que você acha isso? – perguntei levantando e indo deitar ao seu lado.
- Ontem eu ouvi uma discussão deles. – ela respondeu. – Meu pai gritava dizendo que tudo isso está errado. Que não deveriam me esconder dele, que estavam interferindo na nossa felicidade.
- Te esconder dele? Dele quem? – perguntei confusa.
- Eu também não sei. E isso está acabando comigo. – ela falou frustrada. – Depois disso, é claro que me intrometi na conversa e perguntei de quem eles estavam falando. , minha mãe ficou tão pálida que pensei que ela estivesse passando mal, mas ela apenas desconversou e fugiu arrastando meu pai que a olhava com raiva.
- Sabe, eu também ouvir algo parecido de uma das conversas secretas dos meus pais. – confessei olhando para o teto.
- O que você ouviu? – ela perguntou curiosa.
- Minha mãe dizia para o meu pai que estava com medo de que ELE me achasse e me levasse para longe deles. Não me pergunte de quem se trata porque nunca descobrir e acho que nunca vou. – falei e respirei fundo. – Minha mãe chegou a sugerir para que fugíssemos para outro lugar, mas meu pai negou dizendo que já estávamos no sistema deles, e que se fossemos embora... Seríamos suspeitos e eles viriam atrás de nós.
- Estou cansada de tanto segredo.
falou sentando na cama no mesmo momento em que minha mãe entrou no meu quarto em um rompante. Sua expressão era de puro pavor.
- Mãe, o que foi? – perguntei preocupada indo até ela.
- Arrume as suas coisas agora. – ela falou abrindo as portas do meu guarda- roupa tirando três malas as colocando em cima da cama. – , não se preocupe, sua mãe está trazendo suas coisas. venha me ajudar aqui. – ela pediu tirando as minhas roupas de dentro do guarda- roupa com cabide e tudo as jogando dentro das malas.
- Mãe, o que está acontecendo? Por que está fazendo minhas malas às pressas? – voltei a perguntar agora ficando assustada com sua atitude.
- Pare de fazer perguntas e faça suas malas. – ela mandou séria. – , ajude a e separem só as coisas mais importantes. O resto tacaremos fogo. Não quero que eles possam te rastrear através de algo seu.
- Tá, agora tô realmente com medo. Quem vai querer me rastrear? – perguntei começando a me irritar com a falta de respostas. – Todo esse medo é por causa daquelas pessoas que vem aqui em casa?
- Só arrume suas malas . – dona Christina gritou e saiu correndo do meu quarto quando ouviu o choro da minha irmã mais nova de oito meses que também possuía a mesma marca que a minha na sola do pé esquerdo. Olhei para que parecia mais surpresa do que eu.
- É melhor fazer o que ela pediu . – falou passando a arrumar as minhas roupas direito nas malas.
oOoOoOo
Duas horas depois, comtemplei meu quarto que estava todo revirado. Meu irmão já tinha descido minhas malas e colocado na van que a mãe de chegou dirigindo.
- Vamos . – meu irmão falou me puxando para fora da casa e me colocando dentro da van, sentada ao lado de que segurava Claire que estava vermelha de tanto chorar. Peguei-a no colo e passei a cantarolar para acalma-la.
Olhei pela janela e vi meu irmão indo ajudar meu pai a jogar um líquido por toda parte da casa, que pelo cheiro só poderia ser gasolina.
- Acha que estamos correndo perigo? – sussurrou.
- Não duvido de mais nada. – respondi vendo meu pai queimar um pano que estava dentro de uma garrafa de vodca, jogando na direção da casa quebrando uma janela e meu irmão seguiu seu exemplo.
Em poucos segundos, chamas surgiram em todos os lados da casa.
- Agora podemos ir. – Meu pai falou assim que assumiu o lugar do motorista.
- Acho que merecemos saber o que está acontecendo aqui pai. E quero saber agora. – exigi olhando para todos os adultos ali, séria.
- Quando chegarmos à casa do lago, contaremos a vocês. – ele respondeu recebendo um olhar raivoso da minha mãe e da tia Cléo.

oOoOoOo

POV SARAH BLACK
- Sarah, estou preocupado com Jacob. – Billy, meu marido falou enquanto brincava com meus dedos.
Virei- me de frente para ele em nossa cama e acariciei sua bochecha.
- Eu também estou Billy. – confessei. – A marcada dele já deveria ter aparecido. Não entendo onde ela possa estar que não aqui.
- Jacob já está com 24 anos. Os lobos sempre encontraram sua marcada antes dos 18 e ele nada. E o pior é que ele pode sentir as emoções dela e isso está o enlouquecendo. Parece que a garota vive com medo. – Billy falou.
- Como assim com medo? – sentei na cama tapando a frente do meu corpo com o lençol. – Acha que ela corre perigo ou está sob custódia de algum vampiro? – perguntei começando a me exaltar.
- Sarah, calma. – Billy pediu segundo meu rosto entre suas mãos. – Jacob me disse que os sentimentos dela é confuso, ela parece está sentindo raiva e medo a todo tempo e isso acaba interferindo nas emoções dele também.
- É por isso que ele está saindo por ai caçando brigas sem motivos? – perguntei.
- Exatamente isso. Ele está tentando descontar a raiva dela e a frustração dele em brigas. – Billy passou a mão no seu cabelo comprido que está despenteado. - Já se passaram seis anos que criamos o grupo de busca, e não obtivemos nenhuma pista, Jacob teme que aconteça algo grave com ela e não está por perto para protegê-la.
- Isso iria acabar com o nosso filho, Billy. – falei temerosa. – O que podemos fazer?
- Nada, além de rezar para que essa garota apareça logo. – ele respondeu deixando seus ombros cair em sinal de derrota.

Capítulo 2


Miguel tinha acabado de retornar de uma viagem de trabalho indo direto para casa, ansioso para ver sua filha e sua querida “esposa”.
Ao se aproximar da casa estranhou. Tudo estava fechado e todas as luzes apagadas. Realmente tinha algo de errado ali.
Estacionou o carro que qualquer jeito, e abrindo a porta as pressas mal conseguindo colocar a chave na fechadura.
- Cléo? ? – ele gritou esperando por resposta que não vieram.
Miguel subiu a escada correndo entrando no quarto da filha, deparando- se com o mesmo revirado e com as portas do guarda- roupa abertas sem nenhuma peça de roupa. Nada.
Foi para o seu quarto e o segundo estava igual ao primeiro, com a diferença que só as suas coisas continuavam ali.
- Eu não acredito que ela teve coragem. – Miguel falou para si mesmo furioso saindo da casa correndo.
Mal tinha entrado no carro e já tinha dado partida saindo dali cantando pneus. Ele nem ao menos dirigiu 4 km e parou em frente à casa dos Layores e seu coração quase parou ao ver apenas os escombros de que um dia fora uma casa. Ele socou o volante sentindo a raiva crescer.
Eles tinham fugido com sua única filha...
E isso não ficaria assim!
Miguel voltou a dar partida no carro, agora indo direto a delegacia. Ele teria sua filha de volta de um jeito ou de outro.

oOoOoOo

- Senhor Gold? – o jovem policial falou ao bater na porta aberta.
- Sim? – o delegado de cabelos grisalhos respondeu colocando uns papeis que lia em cima da mesa.
- Tem um homem aqui dizendo que tem informações sobre três jovens marcadas. – o iniciante falou vendo os olhos de seu superior arregalar.
- Três marcadas? – o delegado repetiu sorrindo de orelha a orelha. Era muita sorte encontrar uma, imagine três de uma vez. – Mande-o entrar a agora. – mandou o delegado levantando de sua cadeira para sentar-se na ponta de sua mesa.
O delegado Gold viu Miguel entrar na sua sala e ficou ainda mais surpreso.
- Miguel? Vejo que voltou bem de viagem. – falou o delegado apertado a mão do amigo.
- Nem tanto assim. – respondeu Miguel sentando na cadeira em frente à mesa do policial.
- Então você tem informações sobre três marcadas? – começou Gold muito interessado.
- Sim, minha filha e sua amiga e sua mais nova. Você chegou a conhecê-las. – Miguel respondeu fazendo o delegado ofegar e depois rir.
- O quê? Hoje é primeiro de abril e ninguém me contou? – Gold perguntou em meio ao sua crise de riso.
- tem a marca da meia lua e uma estrela em seu abdômen no lado esquerdo, enquanto a tem a mesma marca em... humm... um lugar mais íntimo pra se dizer. Enquanto sua irmã, Claire de oito meses tem a marca na sola do pé esquerdo. – Miguel contou sério fazendo-o ir parando sua crise. – Eu e Tom nos conhecemos na primeira vez em que uma equipe de busca esteve aqui em Mairiporã. Escondemos nossas filhas em uma cabana que parece abandonada, mas que por dentro está reformada. E foi assim nas outras visitas também.
- Você tem a noção do que fizeram? – Gold perguntou com o maxilar trincado. – Vocês não só interferiram na vida dessas duas garotas, tem dois garotos por ai sofrendo também. – Gold socou sobressaltando Miguel. – Porra, meus dois filhos também são marcados e nem por isso eu os tranquei no porão. Você sabe muito bem, que eles não seriam completamente felizes, e não é isso que nós pais queremos? Que nossos filhos sejam felizes acima de tudo nesse mundo?
- Não é tão fácil assim para todos. – Miguel levantou da cadeira fulminando o delegado. – Minha única filha ia ser tirada de mim, eu não iria poder acompanhar seu crescimento, sua primeira palavra, o primeiro dia de aula porque eles estariam com ela. Eu me arrependo sim, no momento certo eu ia contar a ela e deixar que ela tomasse a decisão certa. E não joga-la em mundo onde ela não teria escolha nenhuma e seria pressionada constantemente a aceitar toda essa porcaria de profecia. – Miguel falou se exaltando no final.
- E agora estou vendo que o momento certo chegou, mas está com problemas. – Gold ironizou.
- Minha mulher e meus amigos não compartilham do mesmo pensamento que o meu, e aproveitaram que eu viajei e fugiram com as duas. – Miguel passou a mão no cabelo tentando inutilmente não ficar com raiva da esposa. – E tem mais uma coisa... – Miguel falou respirando fundo. – Christina e Tom são vampiros. – ele revelou deixando novamente Gold surpreso.
- Tudo bem. – Gold falou normalmente, tentando transparecer que não se abalou com a revelação. – Vamos colocar um grupo de busca, blitz nas estradas e informar nos aeroportos. Caso tentem sair do país e...
- Nada disso será necessário, eu sei para onde foram. – Miguel interrompeu Gold que sorriu vendo que aquilo seria muito fácil.

Capítulo 3

- Eu amo a natureza, mas não aguento mais ver tanto verde na minha frente. – falou ao se jogar na cama onde estava deitada lendo um livro.
- Ao menos podemos ler sossegadas aqui. – falou virando a página do livro.
- Eu quero ver gente além de nós, quero sair pelas ruas, fazer compras. – falou jogando as mãos pro alto. – O seu irmão e sua cunhada que tem sorte por não terem que ficar aqui também. Já faz uma semana que estamos aqui, quanto tempo mais vamos ficar?
- Acho que por muito tempo. Então é melhor se acostumar. – falou fechando o livro e sentando na posição de índio na cama.
- O que foi agora? Você era a mais irritada de nós duas. – a amiga apontou.
- A raiva não me levou a lugar nenhum. E duvido que me leve agora, e além do mais, eu gosto daqui. Adorava vi aqui nos finais de semana. – ligou a televisão. – E além do mais, estou cansada de fazer perguntas nas quais não querem me dar respostas e... Oh meu deus. – exclamou indo sentar na ponta da cama assistindo a reportagem do jornal com seus olhos quase saltando para fora.
- Mas o que... – começou uma pergunta que morreu em sua boca ao prestar atenção no que a repórter dizia.

oOoOoOo

Christina, Tom e Cléo estavam no escritório discutindo que lugar seria melhor para fazer residência, já que eles não pretendiam ficar naquela casa. Já que Miguel sabia de sua localização, ali não é um dos lugares mais seguros.
Tom temia que Miguel voltasse antes de viagem antes do previsto e resolvesse denunciá-los, já que ele estava decidido a contar a verdade a e consequentemente sua filha também ficaria sabendo. E ele não sabia qual seria sua reação ao descobrir que eles a impediam de que encontrar seu amor verdadeiro.
- Será que podem nos explicar o que isso significa? – entrou no escritório furiosa assustando os três adultos ali presente.
- Sobre o que você está falando filha? – Christina perguntou confusa.
ligou a televisão e aumentou o volume no máximo para que restasse duvida do que eles ouviam.

“Hoje fomos informados sobre a localização de três marcadas: Botton, e sua amiga Layores e sua irmã mais nova Claire.
O casal Layores da casta cinco fugiu com a filha recém-nascida e seu filho Dereck para o Brasil, onde fixaram residência em uma pequena cidade do estado de São Paulo onde ficaram desde então.
Mas ao que parece o Sr. Miguel Botton que é pertencente da casta quatro e se tornou amigo do casal, estava pretendendo contar a verdade à única filha quando voltou de viagem e descobriu que sua esposa tinha fugido com seus amigos e a filha.
Agora temos...”


- Será que agora podem nos contar a verdade? – perguntou desligando a televisão e encarando os pais.
- Não acredito que Miguel nos traiu. – Cléo falou puxando alguns fios de cabelos começando a se desesperar.
- Temos que sair daqui, Tom. – Christina falou balançando Claire em seus braços nervosamente. – Miguel procurou a policia e já deve ter entregado a localização daqui.
- Peguem somente o que puderem e coloque na van. – Tom ordenou ficando de pé e tirando um porta retrato da parede que escondia um cofre e o abrindo.
se engasgou com a própria saliva ao ver as várias notas de dinheiro enroladas em rolos grandes.
Ela sabia que não eram pobres, mas nunca pensou que os pais possuíssem tanto dinheiro, ainda mais sendo eles da casta cinco.
- Pai, como o senhor... como... Por favor, será que vocês podem nos explicar o que está acontecendo? Porque a repórter citou as nossas marcas? – perguntou aflita vendo o pai arrumar o dinheiro em uma mochila.
- Filha, você é destinada a pertencer um transmorfo. – o pai começou a contar enquanto andava pelo escritório pegando alguns documentos. – Você deveria ser entregue ao líder deles, mas por pura sorte a noite em que você nasceu choveu muito, e acabou alagando as estradas e eu tive que fazer seu parto em casa. Foi aí que vimos que você tinha a marca, nós sendo vampiros, não podíamos deixar que você se misturasse com essa raça. Nunca. Então fugimos. Mas agora Miguel nos traiu e eu o mataria sem pensar duas vezes se ele estivesse na minha frente. – Tom disse num folego só deixando a filha confusa.
- Espera, vampiros e transmorfos? Essas coisas não existem. – falou saindo do escritório e ofegou quando viu a mãe passar carregando três mala a uma super velocidade.
- Já peguei tudo, o que faltar a gente compra. – Christina falou quando entrou na casa pegando a filha do cerquinho.
- Então vamos antes... – Cléo se interrompeu quando ouviram sons de helicópteros.
- Todos para van. – Tom gritou.
- Eu não vou. – gritou saindo correndo porta a fora tentando alcançar a floresta vendo que era os helicópteros da policia que estavam sobrevoando a casa.
Mas ela não chegou muito longe e seu pai a puxava de volta, mas se debatia acabando por acertar um soco no rosto do pai que não fez efeito no mesmo. A não ser nela, que gritava de dor por sentir os ossos da mão quebrados.
Seu pai bufou irritado e a segurou pelos ombros inclinando sua cabeça para a direita. sentiu cada músculo do seu corpo paralisar ao ver que os dentes caninos de seu pai cresceram e despontavam.
Tom abriu sua boca e mordeu a base do pescoço da própria filha e sentiu seu veneno entrando na corrente sanguínea da mesma. se debatia em seus braços, tentando se livrar daquela dor, mas tudo que conseguiu foi piorá-la.
Aos poucos ela sentiu seu corpo perdendo as forças e sua visão embaçando. Seu pai não mordia mais seu pescoço, mas a dor continuou ali... Agora mais forte, passando para o resto do seu corpo mole deixando um rastro de fogo.
Ela somente teve a breve noção de está sendo carregada e tendo o corpo sendo depositado em algo, mas percebeu que ainda estava em movimentos.
Ela ouvia o choro de sua irmã, o choro de sua amiga e gritos dos seus pais e barulhos de freadas de carro. E é claro, o som de seus próprios gritos.
não soube por quanto tempo ficaram naquilo, mas um estrondo pode ser ouvido além dos outros e uma dor alucinante em seu abdômen a atingiu e tudo ficou silencioso ela pode cair na inconsciência.

oOoOoOoOo

POV JACOB
Entrei na minha casa empurrando todas as portas quase as quebrando, entrei no escritório de meu pai assustando a ele e minha mãe.
- Então? – perguntei olhando para os dois que sorriam felizes e ao mesmo tempo triste? – Vocês a acharam? – perguntei ansioso.
- Filho, acho melhor você se sentar. – minha falou caminhando até a mim e me puxando pela mão até o sofá.
- O que aconteceu? Por que essas caras? – perguntei agora preocupado.
- Filho, três marcadas foram achadas. – meu pai falou me surpreendo. – Mas duas delas são filhas puras de vampiros.
- O quê? – perguntei exaltado ficando de pé. – O sr. Está insinuando que a minha predestinada por de ser uma sanguessuga? – perguntei sentindo meus braços tremerem.
- Filho, acalme- se, por favor. – minha mãe pediu. – Não podemos afirmar nada e nem devemos nos preocupar antes da hora. Nem sabemos se sua predestinada é uma das três. – minha mãe falou acariciando meu rosto. – Mas se ela for uma vampira, não poderemos fazer nada além de mudar o cardápio. – Sarah falou rindo de sua própria piada.
Afastei-me de minha mãe passando a mão pelo cabelo e rosto tentando me acalmar. Minhas emoções que já não eram controladas, sendo misturadas com as delas não ajudava em nada.
- E tem mais uma coisa. – meu pai falou interrompendo meus pensamentos. – Uma delas, foi transformada durante uma perseguição. Os pais fugiram dos policiais e acabaram caindo de uma ribanceira e ela foi gravemente ferida. O estado da garota está controlado, mas já se passaram três dias e nada dela acordar. Então ela e as outras duas ficarão aqui em casa até que ela desperte e o baile de apresentação aconteça.
- Tudo bem. – falei deixando meu corpo cair sobre o sofá que protestou com o meu peso.
- Jacob, você deverá ficar longe das três até o baile entendeu? – meu pai falou e eu apenas fiz um gesto qualquer com a mão.
- Espero que sua predestinada seja uma das três, meu filho. – minha mãe falou empolgada. – Eu estou louca pra ser chamada de vovó. – ela falou sorrindo e saiu rodopiando da sala.
E eu estava louco para ser amado.

Continua...


21 comentários:

  1. CARACA QUE FIC MARAVILHOSA E ESSA, MUITO BOA POR FAVOR CONTINUE

    ResponderExcluir
  2. amei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! ansiosa pelo proximo capitulo...

    ResponderExcluir
  3. To amando demais essa fic continua rapido

    ResponderExcluir
  4. Tó curtindo muito a sua fic,por favor continue.

    ResponderExcluir
  5. Tó curtindo muito a sua fic,por favor continue.

    ResponderExcluir
  6. fazer oque.... será uma linda vampirinha... akkakakakkakak....

    ResponderExcluir
  7. Pela amor de deeeus,preciso da atualização urgentee,hahahaha!!!
    Muito boa a fic,adorei a historia.

    ResponderExcluir
  8. Fic muito boa.
    Já mostra que terei muitas emoções rsrs
    Por favor, não demore em postar o novo capitulo.

    ResponderExcluir
  9. Quase tive um troço lendo essa fic agora, ela é tudo de bom..amei amei mto mesmo. Estou ansiosíssima para ler mais e mais. E é por isso que peço, humildemente, que não demore pra postar outro cap, pois estou louca para saber o que vai acontecer.

    ResponderExcluir
  10. Por favor posta mais !!!!!! To adorando sua fic

    ResponderExcluir
  11. UAU! Que fic TUDA! Adorei o enredo! Quero matar esses pais filho da puta! E ainda mais o Tom, por ter me transformado AAAAAAAAAAARGH! Posta mais pelo amro de Deus! Super curti! Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oiii!! Continua a fic, to super curiosa!!

    ResponderExcluir
  13. Uauuuuu!
    Adorei o enredo, sem duvida gostei de cada detalhe.
    Por favor diz que vc pretende continuar, não acredito que comecei a ler uma fic tão legaal e vc não vai continuar????
    o.O
    Tadinho do Jake, tá sofrendo tanto e a PP tá tão perdida, mas calma ai, VAMPIRA???? Como assim, transformo e uma vampira? o.O será que isso vau dar certo? *-*

    Continuaa pleaseeee!

    Kiss Kiss Bye Bye! sz

    ResponderExcluir
  14. Olá Autora!!
    Como vai? Posso surtar?... My God, eu estou apaixonadíssima pela sua história, nossa!!
    Ah, Jake tão lindo, como sempre. Uh, virou vampira? Oh my.
    Esperando ansiosa pelo encontro dos três!
    Volta a postar, please!! Tô amando muito isso tudo.
    Bjocas.

    ResponderExcluir
  15. Será que ninguém vai atualizar... pfv atualizem rápido é a melhor que já li

    ResponderExcluir
  16. Será que ninguém vai atualizar... pfv atualizem rápido é a melhor que já li

    ResponderExcluir