13 de maio de 2011

Por trás da história by Deia

| |
Por tras da historia CAPÍTULO 1 - VIAGEM Pela manhã quando acordei não acreditei no que havia passado, eu voltara a fazer teatro por distração e por coincidência conhecera um grande diretor, estava para ser gravado o filme Amanhecer, desfecho da saga Crepúsculo, esse diretor assistindo uma das cenas e sabendo que a lista de personagens não estava completa, levou meu nome ao diretor do filme, fui aceita farei uma participação na parte das testemunhas, não me continha de felicidade, iria viajar para os Estados Unidos no final do dia. Demorei-me um pouco mergulhada nos pensamentos quando me dei conta da hora já estava atrasada, eu ainda precisava arrumar as malas, me encontrar com a antiga professora de inglês para ela me ajudar pelo menos nos primeiros quinze dias. Depois de tudo feito em casa segui eu juntamente com minha família e a professora para Chapecó, iríamos pegar um avião ali e seguir ate Florianópolis e depois para os Estados Unidos. Ricardo meu pai era um homem de estatura mediana, pele morena, olhos esverdeados, uma pessoa decidida, corajosa, determinada. Helena minha mãe também com estatura mediana, olhos azuis e pele clara, uma mulher que eu admiro muito. -Você esta muito distraída... pensando no que o futuro lhe reserva, no que esta para encontrar ou no que esta deixando para traz? A pergunta de me despertou dos pensamentos, na verdade não estava pensando em nem uma das duas coisas... -Nas duas coisas, nesses três meses que vou ficar nos Estados Unidos, vou perder muita coisa, muitos fatos, muitas histórias aqui no Brasil, mas em compensação vou ganhar em experiência. Nossas três messes fora vão aprender muita coisa, conhecer muita gente nova, vai melhorar meu inglês. -Sem falar em fazer um filme, um filme não né o filme, vai contracenar com atores maravilhosos. -É isso que me preocupa contracenar com esses atores, eles são experientes e eu... Tenho medo de não corresponder a esse confiança de não me adaptar, mas o que me deixa feliz é que vou conhecer os personagens e eles me encantam é uma história apaixonante. -Tenho que concordar com você é uma história muito linda. - abriu a boca de sono e percebi que a conversa estava terminando por ali, o avião atrasou em Florianópolis e realmente já era um pouco tarde. - , me acorda quando a gente chegar! Talvez eu devesse fazer o mesmo que ela, dormir, mas eu sei que não conseguiria minha cabeça esta a mil, mas depois finalmente fui vencida pelo cansaço. Foi um sono tranqüilo, sem sonhos havia dormido muito pouco quando minha mãe me chamou. -, acorda já chegamos. -Já - No mesmo instante olhei para o lado e chacoalhei-a – acabamos de chegar. Levantei da poltrona e me dirigi pelo corredor seguida de , descendo as escadas que davam para fora do avião tremi de frio era fim do inverno, mas estava ainda muito frio. Estava com uma cara horrível. -Nossa nunca pude imaginar que o inverno americano fosse tão frio! -É eu avisei lembro-me do frio de quando eu fiz o estagio. Entramos no saguão do aeroporto de Los Angeles, depois pegamos um taxi e fomos para o hotel que a direção do filme avia alugado para nos cinco, Assim que chegamos fomos todos dormir, precisávamos nos acostumar com essas cinco horas de fuso horário, mas havia pouco tempo, dali a duas horas teria que estar no set para a apresentação dos demais membros da direção a aos atores, coloquei o celular despertar dali a pouco mais de uma hora, daria tempo de disfarça as olheiras e tomar um banho. Capitulo 2 Encontro Acordei com o celular tocando, era o despertador, estava chegando à hora, só de pensar fiquei nervosa encarar eles olho no olho “ai meu Deus me ajuda”, então levantei chamei o restante da família, enquanto eles acordavam tomei um rápido banho e depois dei um jeito de esconder minhas olheiras. Faltando vinte minutos para a hora marcada saímos do hotel, eu não podia esconder meu nervosismo, o hotel ficava á três quadras do set fomos a pé. Durante o me mantive em silêncio, não prestei atenção sobre o que falavam, foi neste momento que avistei o pavilhão, cada passo que dava meu nervosismo aumentava, chegamos dez minutos adiantados, quando entrei prestei atenção em minhas mãos que tremiam , entrelacei-as para disfarçar. Estava preocupada em não conseguir entender o que falavam, logo chegou um homem que nos guiou até onde o diretor estava, respirei fundo e procurei me acalmar, quando nos aproximamos o diretor falou: -Olá! Está tudo bem com vocês? – Entendendo o que ele falou logo me prontifiquei a responder. -Oi! Esta tudo bem sim. -Quem são estas pessoas que acompanham você? -Ahh, meu pai Ricardo, minha mãe Helena e minha professora de inglês , ela veio... –Eu me atrapalhei, todas as palavras fugiram, percebendo isso se adiantou e começou a falar: -Eu vim para ajudar a no inglês, ela ainda não tem total domínio sobre a língua e eu me dispus a ajudá-la nessa jornada. Nesse momento eu vi Taylor, ele começou a caminhar em nossa direção, logo atrás dele estavam Kristen e Robert, minhas mãos tremiam novamente, nem dei mais atenção ao que eles falavam, até que tocou em mim, olhei-a e o diretor me disse: -Vejo que você já viu nossos protagonistas. Olhei para e ela traduziu o que ele falou. -Sim sempre quis conhecê-los. Olhei novamente para frente, o diretor nos levou para conhecer o pavilhão só assim pude perceber sua amplidão, era muito grande e todo dividido, depois o diretor nos levou onde Kristen e os demais estavam. Capitulo 3 - Amizades -Eu quero apresentar a vocês , ela ira contracenar com vocês no finzinho de filme. - falava tudo para mim bem baixinho- Estes são os pais dela, a Irma e a professora. Taylor me olhou e disse; -Professora pude perceber logo que te vi você não é americana. Eu e Taylor ficamos nos olhando, ele falara de um jeito tão doce, seu rosto era de menino não parecia ter quase vinte anos, ele me olhava de um jeito interrogativo, mudando sua expressão e lembrei que ele havia me frito uma pergunta e respondia. -Não. Eu sou brasileira e a professora é para me ajudar nos primeiros quinze dias, depois ele volta. Ele me olhava como se quisesse saber mais. -Brasil tem boas lembranças desse país é muito belo. Meus pais chegaram perto de mim e falaram; -, vamos para o hotel dormir. Dei um beijo em minha mãe e eles saíram. -Você quer que eu fique para te ajudar? -Não , pode ir, eu me viro. – Os quatro viraram as costas e saíram me virei e Robert me encarava. -É tão bonito como você trata sua família. – Ele deu um sorriso que deixo suas feições mais suaves, ele não é nem um pouco parecido com Edward, seus olhos são muito mais expressivos. -Família é tudo. – Falei isso e olhei para Kristen, ela me olhava de um jeito doce não sei por que mais eu percebi que seriamos boas amigas, depois olhei para Taylor de canto de olho e percebi que ele ainda me olhava do mesmo jeito de antes, do jeito que há muito tempo ninguém me olhava, senti alguma coisa subindo em minha garganta e um calor, acho que neste momento minhas bochechas coraram, pude ouvir um leve riso de Robert, isso me despertou e então olhei para ele no mesmo instante Kristen perguntou: -Você já leu todos os livros da coleção? Demorei um pouco para assimilar as palavras, mas respondi. -Sim, antes de Eclipse ser lançado, li também Sol da meia noite e Sol nascente. -E o que você acha? -Maravilhoso Kristen... -Kris só Kris. Sorri e balancei a cabeça positivamente. -Mas você faz ele – Então olhei para Taylor – sofrer demais e ele te ama tanto e só deu para perceber a intensidade disso em Amanhecer no livro dele não acho que em Eclipse ele seja um vilão ele simplesmente te amava. Atrapalhei-me e as palavras demoraram a sair, mas eles ouviram tudo com atenção e paciência, acho que perceberam que não estava sendo fácil para mim e tudo ia dificultar mais quando iria voltar para o Brasil. -Então você esta dizendo que Bella devia ficar com Jacob e não com Edward. Eu o olhei e pensei por um instante em parte traduzindo o que ele falou e em parte pensando na resposta, para eu entender melhor eles chegavam a falar mais devagar. -Em Crepúsculo percebi que Jacob gostava de Bella, mas só em Lua Nova tive certeza, e já nesse livro estava torcendo por pelo menos um beijo dos dois, quando assisti ao filme então, chorei – nos quatro rimos, olhei para Taylor – ele sofria tanto e quando Bella disse que amava ele, mas se tivesse que escolher era sempre Edward, morri de pena dele -Mais uma do meu lado, torcendo por mim – Taylor se aproximou e me abraçou, pôde sentir seu cheiro e o calor de sua pele seu coração batia forte e acelerado, ele me olhou nos olhos – Tenho que concordar com você Bella merecia Jacob não Edward. – Ele se afastou e então rimos de novo, estava agindo o mais naturalmente possível. -Você falou que leu Sol da Meia Noite e Sol Nascente, o que achou? – Perguntou Robert. -Robert eu – Então parei pensando nas palavras exatas na ordem certa de colo calas. – Sol da Meia Noite, Edward é muito calculista ele pensa muito antes de fazer as coisas, sem falar que tem um autocontrole surpreendente é muito interessante ver o que ele pensa de tudo. No meio de cada frase eu parava e pensava nas palavras, chegava a ser ridículo, demorava uma eternidade para falar uma frase, mas era o único jeito. - Só uma correção – Eu o olhei assustada pensando em tudo o que eu havia falado para ver onde estava o erro, mas não encontrei nada- Me chama de Rob. – Senti um alivio, mas eu teria que lidar com essas criticas, seria bom para eu crescer. - E o que você acha de Sol Nascente eu e a Ness, não é um casal bonito. – Tive que rir do seu convencimento. - Jacob olha... - Silenciei me dado conta do que havia falado, eu não podia confundir Jacob com Taylor nunca, levantei minha cabeça, olhei Taylor nos olhos, que por causa do ábaco de antes estava mais perto e falei deixando que toda sinceridade possível saísse junto com as palavras e no olhar. - Me desculpa... - Não tem problema isso acontece. – Percebi no olhar dele que ele também estava sendo sincero. - Eu realmente tenho que concordar com você, Jacob e Nessie é um casal muito bonito e Sol Nascente veio preencher os vazios que Amanhecer deixou porque Stephenie deixou de falar muita coisa. –Eu olhei Taylor – Mas você sofre tanto, um cara todo durão que não chora deixou escapar uma lágrima quando ela foi seqüestrada. Essa eu acho que foi a frase mais difícil de falar, eu não encontrava as palavras, não sabia muita coisa ainda bem que Kris me ajudou e que eles entenderam, eu não iria ter para sempre ali, toda vez que eu precisasse era só pedir para ela, uma hora ela ia voltar e eu ia ter que me virar. O diretor Se aproximou e nos chamou para nos juntar aos outros, seguimos o diretor e era uma espécie de reunião reconheci Alice, Charlie, Jane, Aro, entre outros. - Nossa é maravilhoso, só agora caiu à ficha de que eu faço parte do mundo Crepúsculo. –Falei em português não me dando conta de que estava cheio de pessoas ao redor. - Você falou alguma coisa? –Perguntou Taylor dando um passo à frente se colocando ao meu lado, pôde sentir novamente o cheiro e o calor que emanavam dele. - Eu falei sim, mas foi em português, me esqueci que não estava sozinha aqui- Então repeti a frase em inglês a ele. - É mesmo uma loucura fazer parte do mundo crepúsculo, depois daqui você não consegue mais caminhar sozinho na rua, em todo lugar que você vai tem gente te pedindo autografo, foto – Ele riu como se estivesse lembrando-se de algo – mas é gostoso. - O diretor falou que teríamos de um a um mês e meio de preparação antes das gravações e que ele gravaria primeiro as partes com mais gente para depois fazer só as gravações de Rob, Kris e Taylor e então as cenas da lua de mel no Brasil na ilha de Esme, até essa parte acompanhei depois foi difícil me concentrar o sono estava chegando com tudo não conseguia nem deixar meus olhos abertos, estava sentindo uma moleza e muito cansaço, quando me dei conta a reunião já terminara e o diretor caminhava até mim, Taylor, Kristen e Robert se afastaram nos deixando sozinhos. - , você deveria vir aqui todo dia para se preparar, um treinamento para saber como um vampiro se comporta já que você será uma, isso é para que no dia das gravações você saiba exatamente o que fazer. - É claro, eu estarei aqui todo dia - Foi um pouco difícil de entender, mas eu teria que me virar, nos despedimos e quando virei as costas e me dirigi em direção a saída percebi Taylor ao meu lado. - Foi tudo bem – Ele perguntou. - Sim, ele só me avisou do treinamento – Respondi prontamente abrindo a boca de sono, ele riu. - Você esta mesmo com sono, quando o diretor estava falando você não estava prestando nem um pouco de atenção. - É passei a noite dentro de um avião, não dormi quase nada, quando chegamos aqui deu para dormir uma hora e depois já vim para cá, tudo que eu quero agora é uma cama – Rimos, ele me acompanhou até a porta. - Uma carona até o hotel? - Não precisa é a três quadras daqui, vou a pé obrigada. Taylor me olhou por um momento, se aproximou me deu um beijo na testa, ali nos despedimos e me dirigi para o hotel no caminho fui pensando em varias coisas, já estava anoitecendo, quando cheguei ao apartamento foi um interrogatório, respondi a todas as perguntas, jantei e fui dormir, nem bem deitei na cama já adormeci, foi uma noite sem sonhos. CAPÍTULO 4 - TRABALHO Quando pela manhã acordei cheguei até a me assustar ao ver que horas eram, quase dez horas, mas pela manhã não iria ao estúdio, ficaria fazendo alguns exercícios, treinando, logo meus pensamentos se transferiram ao dia anterior nas pessoas que conheci nas experiências que adquiriria, mas eles pousaram-nas lembranças do rosto sorridente de Taylor, mas logo os dispersei não podia me fixar neles, não agora, não quero mais me machucar, me levantei tomei o café da manhã fiz alguns exercícios precisava me esforçar muito. Depois do almoço me dirigi ao estúdio desta vez fui sozinha, meus pais ficaram descansando e foi dar uma volta, quando eu cheguei à recepção foi calorosa, recebi um forte abraço de Kris e um beijo de Rob, Taylor ainda não havia chegado, nos fomos para dentro do pavilhão quando eu estava recebendo as instruções algum sussurrou em meu ouvido. - Oi – Senti um leve tremor percorrer meu corpo dos pés a cabeça, um sussurro delicado, o ar quente vindo de sua respiração me causou arrepios me voltei para trás já sabendo quem era sua voz era inconfundível. - Oi Taylor - Falei, ele me deu um abraço e um beijo e se juntou com Kris e Rob. Eu continuei com minha professora e depois fui a prática, não seria fácil aprender a me portar como um vampiro, seriam os primeiros sete dias de aulas teóricas, depois mais cinco dias para decorar textos e então ensaios o por fim as gravações, Kate estava me falando. - Vampiros são seres que não se movem, são mortos, não se importam com mobilidade, podem ficar horas e horas imóveis e você terá que treinar isso. – Por sorte ela era brasileira e estava me ajudando, me deu uma copia das instruções para estudar em casa. - Claro eu vou sim, mas e as expressões faciais, como é o rosto de um vampiro, as feições? - Olha geralmente é seria rígida porque vampiros têm a pele dura como mármore, sorri pouco e quando sorri procura não mostrar os dentes. - Sim porque os dentes são pontiagudos. - Seria isso por hoje, mas amanhã tem mais, todo dia vou te passar algo novo. - Ta bem. Vir-me-ei e sai, o tempo passou tão ligeiro, nem percebi que já estava entardecendo, dizem que quando o tempo passa ligeiro é porque as coisas são boas, então que vá tudo bem, abri minha boca de sono e percebi que Taylor estava ao meu lado - Sono? – Ele pediu parando de imediato. -Muito, o fuso horário ainda não me acostumou. – Dei um sorriso discreto e o olhei nos olhos, ele também sorria e seu olhar era tão doce, “Ai meu Deus porque ele faz isso comigo.” - E Kris? - Ela e Rob já saíram faz algum tempo, eu sai agora e vi você caminhando resolvi te fazer companhia. – Seguimos conversando até a frente do prédio, ali ele se despediu com um abraço apertado e um beijo, subi, jantei era umas 20:30h e eu já fora dormir. Capitulo 5 SAUDADES No outro dia às cinco horas todos já estavam acordados eles saíram para conhecer a cidade, pois era um horário que tinha menos gente a rua. Eu fique sozinha no ape, deitada na cama meus pensamentos estavam passando por diversos momentos de minha vida e pararam pela primeira vez no Brasil, nos meus amigos e logo depois em um lindo par de olhos negros, fiquei um bom tempo assim até que eu fui arrancada de meus pensamentos com o toque do meu celular pequei para atendê-lo, era minha melhor amiga. - Gabhy, como é bom ouvir sua voz? - A sua também to morrendo de saudade. E como ta tudo ai, já conhece o gato do Edward. – Eu e ela rimos, mas respondi sua pergunta. - Conheci Gabhy,mas ele sem maquiagem não é tudo aquilo que aparece nas fotos, mas o Rob é muito, muito legal e a Kris então ela é muito linda e simpática. - Nossa, Rob e Kris quanta intimidade. - Foram eles que me pediram para chamá-los assim. - E o Jacob, você o viu? Como foi? - Ahh, o Taylor – Falei quase num sussurro. - Ihh que jeito é esse de falar dele, ta acontecendo alguma coisa, pintando romance? - Gabhy, não! Mas você sabe que sempre fui encantada pelo Jake e quando cheguei aqui a primeira pessoa que falou comigo, que me olhou nos olhos, que me deu um abraço foi ele, e que olhada, que abraço, ai meu Deus ele é muito querido, e por mais que eu tente não paro de pensar naqueles olhos escuros, mas não posso confundir é só amizade, mas ele me olha de um jeito difícil não se deixar levar, viu sobre o Rob eu tava brincando ele é muito bonito. - Mais que o Taylor? – Falou num tom de malicia. - Ahh Gabhy. – Falei repreendendo-a, ela me fazia lembrar os nossos melhores tempos eu tinha dezoito anos e nos éramos amigas e treze, ela compartilhou comigo momentos bons e ruins, estava do meu lado sempre que precisava, sabia como eu estava só de ouvir minha voz, amiga para todas as horas, quantas risadas, quantos papos, quantos micos, quantos... - Hellooww, terra chamando. - Gabhy reclamou. - Ham, o que? - Tava pensando em quem? - Em você, na nossa amizade, tanta coisa. - É mesmo, muita história, mas tu ouviste o que te pedi como ta sendo se adaptar ai? - Há não ta fácil não, sorte que a prof ta aqui para me ajudar, aulas de manhã, trabalho à tarde, to tendo que me virar para entender o que eles falam, mas eu vou conseguir. - É isso ai amiga, olha eu vou ter que desligar, só queria saber como você tava, e acho que esta tudo bem ai então boa sorte para você, um beijo, te adoro. - Obrigada, um beijão, também te adoro, tchau. Larguei meu celular do meu lado e comecei a pensar em tudo o que estava perdendo, deixando de viver por estar aqui nos Estados Unidos, deixei meus amigos, todos até os do tempo de escola do ultimo ano, minha família, tios, avos, primos, tudo para vir atrás de um sonho, do desconhecido, viemos para Ca sem saber o que iríamos encontrar e ainda não sei se vai dar certo, pensando em minha família, meus amigos, senti uma saudade apertar meu peito e uma lagrima quente rolou pelo meu rosto, fiquei assim quieta por uns quinze minutos, depois tratei de secar meu rosto, levantei, puz o celular no bolso, peguei os papeis e comecei a estudar, neste momento meus pais chegaram e minha mãe foi diretamente para meu quarto. - Filha, vim ver como você está? - Eu to bem mãe – Mantive os olhos fixos no papel para ela não notar meus olhos avermelhados, o tempo havia passado muito ligeiro já faziam mais de duas horas desde que eles haviam saído – Como foi o passeio? - Foi ótima – Disse ela sentando na cama – Nossa como essa cidade é grande, iluminada e muito bonita também, você deveria um dia desses sair para conhecê-la também, se distrair ficar assim fixa nisso não vai te fazer bem. - Eu vou sim mãe, mas depois das gravações, primeiro eu vou me dedicar a isso, depois me distraio. - Então eu vou deixar você ai se precisar de alguma coisa é só chamar. - Ta bom mãe – Falei ainda mantendo os olhos no papel, ela se retirou fechando a porta. Continuei ali tentando me concentrar para estudar, mas quanto mais eu tentava mais meus pensamentos se dispersavam, não conseguia olhar para o papel o traduzi-lo, deixei-o de lado e me encostei contra a parede abraçando os joelhos, fiquei assim um bom tempo sem me preocupar que alguém entrasse no quarto, meus pensamentos cessaram com o susto que levei quando minha mãe bateu na porta dizendo que o almoço estava pronto. Arrumei os papeis para levar de tarde, arrumei a cama, sai do quarto para a cozinha, todos já estavam sentados á mesa comendo, sentei no meu lugar, me servi mais a comida descia com um gosto estranho, olhei para os outros e percebi que era só comigo, durante o almoço não disse uma só palavra, depois ajudei Helena a tirar os pratos da mesa, sequei-os depois de lavados, peguei minhas coisas e fui para ensaio. Capitulo 6 BRASIL me acompanhou pele primeira vez em uma semana, chegamos lá ela se sentou em uma cadeira e tudo foi como antes a não ser pelo fato de Kate me pedir para ver o que eu já estava treinando, não foi difícil fingir ser vampira não estava com vontade de sorrir. - Nossa muito boa sua expressão seria como de um vampiro, sua postura também rígida, mas seus movimentos são possíveis melhorar. - Sim eu vou melhorar, prometo. – Foi ai que percebi que Taylor, Rob e Kris me observavam. - É então acabou por hoje pode ir se quiser. – Kate se virou e me deixou sozinha com . - eu vou ir então, você vai comigo ou vai ficar mais um pouco. – Os três começaram a caminhar em minha direção então eu falei: - Pode ir eu fico um pouquinho logo vou. Então ela saiu, pude ouvir por um tempo muito curto o barulho do seu salto batendo no chão, depois disso não tive mais tempo de pensarem nada por que fui surpreendida com um forte abraço de Kris, depois do abraço ela me deu um beijo, os demais só me disseram um “oi” de longe. - Te dei esse abraço por que percebi que você precisava, ficou toda a tarde quieta e triste. – Disse Kris. - O que aconteceu, você esta com algum problema. – Disse Taylor demonstrando preocupação, eu nem havia acabado de entender o que Kris havia me falado e Taylor já me fez mais perguntas, demorei um pouco para assimilar tudo e respondi. - Eu só estou com saudades. - Do namorado? Você deixou um namorado no Brasil? - Não – Respondi – É da minha família e dos meus amigos. – Disse isso olhando para os três. - Se você quiser pode falar comigo sobre qualquer coisa ta. – Kris demonstrava sinceridade nas palavras eu só fiz sinal de positivo coma cabeça. - Tenho que ir para casa, tchau gente. – Virei às costas e sai Taylor me pediu se eu não queria companhia, mas eu preferi ir sozinha, no caminho meuá pensamentos fugiram de minha cabeça, ficou totalmente vazio, cheguei ao ape e fui direto para o banho, sem falar com ninguém que se encontrava na sala. Abri o chuveiro e esperei a água esquentar, estava uma noite um pouco mais fria que as demais, típico fim de outono, então fui debaixo da água ela descia queimando minha pela fria, todas as partes do meu corpo reagiam à água e fiquei ali assim imóvel só sentindo a água bater em minha pele, o banheiro foi tomado pelo vapor d’água fechei o chuveiro me sequei e me vesti. Depois de ter jantado fui para o quarto, estava menos triste sentindo uma paz muito grande, não dizem que a água lava tudo, pois é. Adormeci e como a muito não acontecia tive uma noite sem sonhos, calma e serena.
CAPITULO 7 - ÓBVIO, O QUÊ?
No outro dia pela manhã todas as coisas se repetiam, estudar de manhã, trabalho a tarde, dormir a noite, todos os dias se seguiam assim sem que houvesse muita coisa para ser mudada.
Sentia-me triste uns dias depois, a saudade apertava forte, mas se agora eu já estou me sentindo assim que dirá no terceiro mês, ou eu controlava isso ou eu não agüentava. A única novidade para essa semana é que começaram as aulas práticas, tive que mostrar o que aprendi e não me sai mal de um todo, Rob me assistiu e me ajudou, com um vampiro de professor foi fácil aprender, agora eu estava mais próxima dos três.
Kristen era uma pessoa forte determinada me surpreendi que ela fizesse uma personagem frágil como a Bella, ela se demonstrou muito amiga nos dias em que estive triste, conversamos bastante, Robert e muito engraçado rimos muito e ele também me ajudou bastante e Taylor era o contrario de Rob, ele ainda me olhava como da primeira vez, um jeito que deixava minhas bochechas coradas, ele era muito gentil e doce comigo, varias vezes me pegava pensando em seus olhos castanhos, mas eu não podia.
Depois de passadas as duas primeiras semanas <script>document.write(Soeli)</script> voltou para o Brasil e logo agora que eu mais ia precisar dela, ia ficar tudo mais difícil, eles falam tudo tão ligeiro, o problema não é falar por isso eu me viro, o ruim é entender e estava distraída pensando nisso quando fui surpreendida com um abraço de Kris.
- Tudo bem?
- Sim – Ela me soltou e arrumou sua roupa – O que esta acontecendo que você esta tão feliz?
- É finalmente vai tudo começar, decorar texto as gravações...
- É por isso então!
Nisso Taylor vinha chegando, ele se aproximou de mim, parou em minha frente e me encarava olhando nos olhos, senti um arrepio percorrer a minha espinha e meu corpo ficou rígido, então ele me deu um abraço, seus lábios quentes a macios tocaram minha bochecha, então ouvi o riso de Rob.
- O que foi? – Perguntou Taylor.
- Nada é que esta tudo tão Obvio!
- O que? – Perguntei e ela balançou a cabeça negativamente, percebi que ele não falaria nada, entramos e Taylor ficou do meu lado durante a pequena reunião que o diretor organizou para expor os planos, agora teríamos mais uma semana para decorar os textos, durante a tarde não teve mais nada de especial, peguei os textos que tinha para decorar e os outros que tinha para estudar e no cair da tarde fui para casa com Taylor me acompanhando como ele fazia toda noite nos despedimos com um beijo como sempre e subi para o apartamento.
Toda vez que ele se aproximava de mim meu coração disparava, sentia calor e acho que até ficava vermelha, “Meu Deus não pode acontecer, não tem chance não com ele”. Já que teria apenas que decorar os textos resolvi focar em casa essa semana, seria bom me afastar um pouco.
n/b: Oi flores... demorei a beça com esse capitulo não é mesmo? Sorry flores, é que Deia mandou vários capitulos por e-mail e eu achei que os tivesse perdido, mas ai dando uma geral no meu e-mail eu os econtrei *êhhhh*. Então ai está o capitulo 7, é pequeno, mas flores, eu já li uma boa parte dessa fic e ela é boa! Então não desanimem e deixem coments pra incentivar a autora, ela merece.
Bom é só isso, beijos e até o próximo capitulo!
CAPÍTOLO 7 OBVIO? O QUE? No outro dia pela manhã todas as coisas se repetiam, estudar de manhã, trabalho a tarde, dormir a noite, todos os dias se seguiam assim sem que houvesse muita coisa para ser mudada. Sentia-me triste uns dias depois, a saudade apertava forte, mas se agora eu já estou me sentindo assim que dirá no terceiro mês, ou eu controlava isso ou eu não agüentava a única novidade para essa semana é que começaram as aulas práticas, tive que mostrar o que aprendi e não me sai mal de um todo, Rob me assistiu e me ajudou, com um vampiro de professor foi fácil aprender, agora eu estava mais próxima dos três. Kristen era uma pessoa forte determinada me surpreendi que ela fizesse uma personagem frágil como a Bella, ela se demonstrou muito amiga nos dias em que estive triste, conversamos bastante, Robert e muito engraçado rimos muito e ele também me ajudou bastante e Taylor era o contrario de Rob, ele ainda me olhava como da primeira vez, um jeito que deixava minhas bochechas coradas, ele era muito gentil e doce comigo, varias vezes me pegava pensando em seus olhos castanhos, mas eu não podia. Depois de passadas as duas primeiras semanas Soeli voltou para o Brasil e logo agora que eu mais ia precisar dela, ia ficar tudo mais difícil, eles falam tudo tão ligeiro, o problema não é falar por isso eu me viro, o ruim é entender e estava distraída pensando nisso quando fui surpreendida com um abraço de Kris. - Tudo bem? - Sim – Ela me soltou e arrumou sua roupa – O que esta acontecendo que você esta tão feliz? - É finalmente vai tudo começar, decorar texto as gravações? - É por isso então! Nisso Taylor vinha chegando, ele se aproximou de mim, parou em minha frente e me encarava olhando nos olhos, senti um arrepio percorrer a minha espinha e meu corpo ficou rígido, então ele me deu um abraço, seus lábios quentes a macios tocaram minha bochecha, então ouvi o riso de Rob. - O que foi? – Pediu Taylor. - Nada é que esta tudo tão Obvio! - O que? – Pedi e ela balançou a cabeça negativamente, percebi que ele não falaria nada, entramos e Taylor ficou do meu lado durante a pequena reunião que o diretor organizou para expô-los os planos, agora teríamos mais uma semana para decorar os textos, durante a tarde não teve mais nada de especial, peguei os textos que tinha para decorar e os outros que tinha para estudar e no cair da tarde fui para casa com Taylor me acompanhando como ele fazia toda noite nos despedimos com um beijo como sempre e subi para o apartamento, toda vez que ele se aproximava de mim meu coração disparava, sentia calor e acho que até ficava vermelha, “Meu Deus não pode acontecer, não tem chance não por ele”. E já que era decorar textos resolvi focar em casa essa semana, seria bom me afastar um pouco. CAPÍTOLO 8 SERÁ? Estava uma semana em casa, aproveitando para estudar e dessa vez não tinha ninguém em casa para me ajudar, era eu por mim mesma, meus pais saíram para caminhar um pouco e eu estava sozinha em casa, como sempre aproveitei para estudar, estava concentrada nisso quando a campainha tocou, levantei e fui abrir a porta. - Oi ! - Oi. Como você descobriu? – Perguntei surpresa. - Vi que você vinha aqui, depois perguntei para o porteiro qual apartamento era. – Falo Kris me dando um sorriso, quando ela sorri seu rosto se ilumina, seus olhos brilham. - Não me convida para entrar? – Foi então que me dei conta que estava na sua frente bloqueando sua passagem, então fui para o lado. - Desculpa, entre. Ela entrou e foi até a mesa onde as folhas estavam eu ainda estava assustada por vê-la ali. - Estudando? - Sim, sem a agora eu preciso me virar. - Não deve ser fácil. – Disse ela fazendo uma carreta abaixei a cabeça e tive que rir. - Por que você não esta mais indo no estúdio? – Perguntou ela demonstrando curiosidade. - Agora é decorar texto, por isso estou em casa. – Falei demorando-me um pouco para achar as palavras certas, mesmo eles três falando mais de vaga ainda era muito difícil para mim e eu já sabia que seria assim, tinha que me esforçar era o que me restava a fazer. - Tem gente sentindo sua falta. – Kris falou isso com um tom de malicia, deixando a frase solta no ar, aguçando minha curiosidade de uma forma incrível, mas não deixei transparecer isso e falei naturalmente. - Que ser é esse que sentiu minha falta? – Disse num tom dramático, Kris me olhou e depois rimos junto demorei para responder botando uma frase em ordem na minha cabeça, para que ela saísse inteira. - Você leva jeito para ser atriz. – Falou ainda entre risos, mas depois sua expressão fica seria. – Eu, Rob, mas principalmente Taylor, ele ta La meio triste nos cantos. – Depois ela deu um sorriso e seu rosto ficou mais suave, preferia vê-la assim, quando ela tocou em nome dele meu corpo tremeu. - Ahh, Kris para de brincadeira, ele deve ta com algum problema. – Falei com um pouco de irritação, não era legal essa brincadeira ainda mais porque eu... Deixa para lá. - Não é brincadeira é serio, e mais eu acho que ele te a.. - Chega! – Falei isso deixando que toda a irritação saísse, Kris me olhou com os olhos arregalados, assustada, quando olhei para ela percebi isso procurei me acalmar. – Eu já disse que não gostei da brincadeira. - Mas não é brincadeira. – Eu olhei para ela. – Ta bom, desculpa quer que eu saia. - Não. - Falei sentindo uma pontada de arrependimento pelo que eu havia feito antes, não devia ter explodido daquele jeito. – Fica, mas não fala mais disso. -Ta bem, quer que eu te ajude? – Ela disse isso se sentando à mesa. Ela passou o resto da tarde comigo, entre um e outro texto conversamos um pouco ela me contou de sua vida, disse que tinha um namorado antes das gravações de crepúsculo, foi uma tarde de conversa muito agradável, fazia tempo que não me sentia tão bem conversando com uma amiga e a impressão que tive dela da primeira vez que nos vimos agora se confirma seriamos boas amigas. - Nossa - Disse ela assustada olhando as horas – Preciso ir são 06h30min, é obrigada pela tarde maravilhosa e... Aparece La amanhã. - Ta eu vou mais um pouco mais tarde. Acompanhei-a até a porta e ali nos despedimos, peguei minhas coisas guardei-as, quando meus pais chegaram a casa o jantar já estava pronto, modéstia a parte eu era boa cozinheira, jantamos, conversamos sobre o passeio. Já era tarde quando fui dormir e ainda demorei um pouco porque me veio à cabeça a conversa da tarde, será que era verdade? Meu coração se enchia de esperança, mas toda vez que isso acontecia depois vinha uma grande decepção , logo após adormeci, tive uma noite cheia de sonhos esquisitos. (N.A.: Gente eu tive a idéia de escrever essa fic a quase um ano, e ao longo do tempo eu me desmotivei muito cheguei a parar de ler também, fiquei uns três meses sem longe de tudo, já tinha até escrito o email para ela ser retirada do blog, mas decidi continuar, sei que no começo ela pode não aparentar ser grande coisa, ela é a minha primeira fic e comecei-a sem base alguma foi uma aventura e como todos que escrevem algo eu me orgulho dela, estou terminando de digitar essa, terminando outra fic que se chama CAMINHOS TRAÇADOS e outra shot POR QUANTO EU ESPEREI e muitas idéias para uma próxima, esperarei algum tempo para ver como anda esta e dependendo do resultado a retirarei e nem postarei as outras. Essas três que eu citei já estão terminadas, mas não acontece só comigo se vcs acham que uma fic não esta boa deixem comentários dizendo onde precisa ser melhorado, isso vale para as autoras que terminam de escrever os capítulos e os mandam para o blog. Sei que não marco muito minha presença no blog, mas sempre que posso leio, na verdade o tempo esta muito cuto, obrigada a todas.) CAPÍTOLO 9 RETORNO Pela manhã acordei cansada por isso não fiz nada, a tarde como havia prometido fui aio estúdio era 02h30min quando cheguei lá, logo a primeira pessoa que vi foi ele, e estava escorado na cabeça cabisbaixo. - – Pude ouvir Rob falar meu nome com animação, nisso Taylor levantou a cabeça me olhando, ele veio em minha direção como os outros, com um sorriso resplandecente saindo de seus lábios, um sorriso que iluminava tudo, eu poderia ficar toda a eternidade olhando para eles com esse sorriso no rosto, ele chegou antes que os outros e me abraçou primeiro, foi um abraço forte, mas confortável, meu corpo se encaixou perfeitamente em seus braços, como se fosse um feito para o outro, eu fiquei praticamente invisível entre seus braços, um turbilhão de pensamentos passavam em minha cabaça, parecia que o abraço durou uma eternidade, e eu queria que tivesse durado, mas foram apenas poucos segundos. - Tudo bem? Você andou meio sumida. – Ele me olhava nos olhos, os seus brilhavam como uma manhã ensolarada, ele ainda estava muito próximo podia sentir seu cheiro. - Comigo esta tudo bem, fiquei em casa para decorar texto e estudar. – Terminando de dizer isso fui abraçada por Kris e Rob ao mesmo tempo. - Estávamos com saudades, você fez muita falta aqui. – Disse Rob gentilmente com um sorriso. – Não é Taylor. – Taylor olhou para ele com um jeito de quem ficou sem graça. - É tenho que concordar você fez falta por aqui. – Disse Taylor me olhando diretamente, senti meu rosto vermelho, então abaixei a cabeça e ouvi Rob rir, e Kris falou: - Bom gente, vamos entrar e por as mãos em obra. Eles como eram os protagonistas tinham recebido os textos bem antes para decorar e enquanto eles ensaiavam a parte já pronta, nos ficamos com os textos. La dentro estava tudo em ordem para a cena na casa dos Cullen, quando eles me viram chegando com os três todos me disseram oi, fiquei surpresa de saber que eles sabiam meu nome, na certa Kris e Rob falaram de mim, mas fiquei mais surpresa ainda quando Ashey veio, enquanto os três se juntavam com o restante do grupo, ela chegou e me deu um abraço. - Oi, desde que começaram a falar de você fiquei muito curiosa para te ver e vejo que não foi só conversa você é muito bonita e parece ser muito legal. - Oi – Disse ainda em meio ao abraço. – Que é isso obrigada, eu também queria te conhecer. – Dei um sorriso ela falava de vagar com os outros acho que falaram isso para ela também. - Agora que esta tudo bem eu para lá ensaiar. - Por que havia algum problema antes? - Não era um problema, mas ficava difícil ensaiar com o Taylor com aquela cara, mas agora esta tudo bem porque o sol que faz os dias dele brilhar voltou. Ela me falou aquilo e saiu, será que era mesmo já era a segunda pessoa que me falava isso, mas se fosse era só um encantamento, não que eu não acreditasse e não quisesse que acontecesse, mas comigo e quando eu teria que voltar para casa, talvez nunca mais nos visse, não, eu não podia acreditar nisso, era melhor para mim, senti uma grande vontade de chorar, mas me segurei, não ali, não na frente de todos. Pedi para o diretor um lugar onde eu pudesse estudar, e ele me levou até um cômodo, este cômodo tinha uma cama e uma escrivaninha, ele era pequeno, mas confortável o bastante para eu ficar ali, me disseram que sempre havia gente no pavilhão por isso esse pequenos cômodos com cama, este que eu estava pelo visto não era ocupado, fiquei ali com os meus papeis sem me concentrar, passeia a maior parte do tempo os ouvindo eles ensaiarem, a única coisa que eu ocupava era manter minha cabeça ocupada, decidi por sair dali e os ver ensaiarem, cheguei exatamente quando Jacob descobre que Bella esta grávida, é surpreendente ver com eles fazem isso com tamanha naturalidade, observando-os nem vi o tempo passar, só me dei conta quando terminou. O diretor disse que os ensaios com nos começariam na próxima semana, e eu só teria um fim de semana para me preparar. Estava saindo do pavilhão quando ouvi chamarem meu nome e então Kris a Rob se aproximaram. - Então o que você achou? – Perguntou Rob. - Maravilhoso sempre me encanto com o mundo Crepúsculo. - E você já esta preparada para começar? - Não. – Falei desanimada. – Eu sabia que iria ser difícil, mas não pensei que seria tanto, mas eu vou conseguir. - Se você precisar de ajuda sabe que pode contar comigo. – Disse Kris gentilmente. – E viu como era verdade foi só ele te ver que o rosto dele se iluminou. Robert percebeu de quem Kris falava e tossiu percebemos que Taylor estava perto, fiquei sem dar uma resposta para a ultima pergunta de Kris, baixei meus olhos mantendo-os firme no chão e me mantive em silencio até ele chegar, os três conversaram um pouco e deu pra perceber que uma forte amizade os unia - Bom gente eu vou para casa. – Disse. - Eu também preciso ir, tenho um jantar de família hoje, Kris você quer uma carona? – Pediu Robert gentilmente. - Quero sim. – Kris se aproximou de mim me dando um abraço e um beijo, Robert fez o mesmo, depois de Kristem ter se despedido de Taylor Rob parou em sua frente e pediu: - Você quer um também? – Dando um largo sorriso mostrando seus dentes Taylor o olhou e disse: - Na frente delas não cara. – Disse olhando par mim e Kris. – Mais tarde ta. – Rimos da brincadeira, eles saíram nos deixando sozinho. - Você disse que queria ir para casa eu te acompanho até lá. - Agora entendo porque dizem que Rob tem um senso de humor incrível. – Falei enquanto caminhávamos. - É você ainda não viu nada. – Disse Taylor s entre um largo sorriso. - E com você está sem professora? - Ta um pouco mais difícil do que imaginava, mas... - Se precisar de ajuda eu... - É Kris já disse que me ajuda. – Falei cortando-o do mesmo jeito que fez comigo. - Seus pais também voltaram? - Não eles vão ficar os três meses. – Conversamos até chegar à frente do prédio. - É esta entregue. - Disse ele olhando o prédio e parando de súbito. - Então eu vou subir. – Disse dando um passo em direção a entrada foi então que senti Taylor pagando minha mão, seu tique era macio suas mãos tão quentes. - Ta querendo fugir, não ganho nem um tchau. – Ele falou de um jeito que não tinha como não baixar a guarda, ele me deu um abraço, senti o calor de sua pele inundando meu corpo, seu cheiro era embriagador pelo menos para mim ele me deu um beijo na testa, tinha que me afastar mesmo não tendo certeza que conseguiria, ele me abraçava de um jeito que a força que um fiz não nos moveu um centímetro foi então que ele disse: - Senti muito sua falta. – Se antes minhas pernas tremiam agora então eu era quase incapaz de me manter em pé, acabei abraçando-o com mais força por medo de cair, não sei quanto tempo ficamos abraçados, se foram oito minutos ou oito segundos, então ele me soltou, olhei em seu rosto e estava estampada a felicidade em um sorriso irradiante, me mantive seria o olhando, precisava acabar com isso. - Se você precisar de minha ajuda – Disse ele francamente. - Acho que não, e se precisar procuro a Kristen. – Terminei de falar isso e baixei minha cabeça para ele não ver como essa palavras me machucavam, as palavras soaram friamente, nem tinha acabada de dizê-las e já estava arrependida, mas era assim que tinha que ser, levantei minha cabeça e o olhei sua expressão alegre de antes se transformou em tristeza era como se eu o tivesse atingido, ele me disse tchau e saiu, na sua voz havia tristeza, deu vontade de ir atrás dele e pedir desculpas, mas era melhor assim. CAPÍTULO 10 CONFISÃO Na segunda-feira acordei com todo vapor, estava nervosa porque iriam começar os ensaios, havia passado o fim de semana inteiro em cima disso, mesmo que fosse ensaio precisava me sair bem, fui à janela e La fora caia uma forte chuva que tinha cara que não ia parar tão cedo, fiquei ali sentindo o cheirinho da chuva com as gotículas batendo em meu rosto, se fosse antes isso me acalmaria, mas agora as horas não passavam, olhei no relógio para ver que horas eram para ligar para Sofia, mas no Brasil ainda era de madrugada, então peguei um folha e um lápis e comecei a desenhar, era uma coisa que eu não fazia havia muito tempo, e eu gostava muito de desenhar, fiquei entretida com o papel e o lápis até meu pai acordar, eu havia acordado muito cedo por causa do nervosismo não conseguia dormir. Meu pai era um homem muito legal, às vezes ele parecia mais amigo do que pai, era muito companheiro sempre me apoiava nas decisões que tomava me dando força quando precisava, eu admirava muito ele pela força, pelo caráter. - Quanto tempo você não desenha, bom dia! – Disse ele se sentando ao meu lado na mesa. - Bom dia, é eu não conseguia dormir, e não ia conseguir ficar sem fazer nada então... - Ta nervosa por causa do filme. - É hoje tem ensaio e eu preciso me sair bem, é muito importante. - Sem a prof ta mais difícil né? - Bem mais difícil do que esperava, mesmo eu estudando todo dia não ta fácil. - A gente já sabia que ia ser assim. - Eu sei pai, mas... - Mas o que tiver que acontecer vai acontecer. Ficamos conversando por um longo tempo ainda, na hora do almoça quase não consegui comer, estava ansiosa a cômoda não descia por minha garganta, parecia que novamente o tempo não passava, sai um pouco antes do que o normal, me dirigi sem pressa nenhuma ao pavilhão, dessa vez meus pensamentos estavam vazios e ficaram assim por um tempo ate que voltaram a sexta-feira, com toda essa ansiedade eu tinha até me esquecido de como fui fria com o Taylor, estava tão preocupada com o ensaio que nem tive tempo para ressentimentos, e agora todo o sentimento que eu deixava de lado estava concentrado em um ponto só. Cheguei ao set e logo entrei a chuva estava mais calma, mas mesmo assim me molhei, ouvi um barulho olhei para trás e vi Kris que estava entrando e quase caiu, talvez não fosse só a Bella a desajeitada, ela começou a rir e disse: - Oi . – Se aproximou de mim e me deu um abraço. - Oi. - Muito ansiosa? - Agora não tanto. - Com toda essa chuva não sei se irão abrir para os ensaios tem muito lugar que não da para passar de carro. Nessa hora Kate me chamou e conversamos até o diretor chegar e foi quando ele disse que não teria ensaio, e quem quisesse voltar para casa poderia, quase todos foram à chuva caia forte dessa vez com trovoadas, eu e Kris ficamos. - você esta tão quieta, algum problema? - Kris vem vamos conversar ali no quarto. Entramos no pequeno cômodo, sentei-me na cadeira e ela na cama. - Eu fiquei triste, me preparei tanto e não vai tem ensaio. – Novamente minha dificuldade aparecia, para frases rápidas todo bem, mas quando elas eram longas era muito difícil. - Quando você precisa falar mais tem mais dificuldade, mas não é só por isso que você ta com essa cara, é? - Da para notar? Eu me preocupei tanto com o ensaio que me esqueci de sexta. - O que aconteceu? - Taylor me acompanhou até em casa, na despedida ele me abraçou e disse que sentiu minha falta e que se eu precisasse de ajuda poderia chamar. - As palavras demoravam em sair de minha boca e quando saíram foi com um misto de dor e alivio dor porque eu relembrava tudo e alivio por poder falar com alguém. - E você ta triste por causa disso. – Não entendi muito bem o que ela falou, mas continuei. - E eu disse que não precisaria e que se precisasse procuraria você. - Meu Deus por que você fez isso? Não precisa nem dizer você gosta dele. Baixei minha cabeça ouvindo essas palavras que foram disparadas como flechas em minha direção. - Sim, eu gosto dele, e é por isso que quero me afastar, quando eu voltar para o Brasil como vai ser? – Falei sentindo um nó em minha garganta e notei que as lagrimas poderiam verter a qualquer momento, não estava mais preocupada em falar certo o mais importante era falar. - Entendi você não quer se fixar em ninguém aqui, para depois não ter que sofrer quando for voltar para o Brasil, mas e se ele amar você também? – Isso me acertou como uma faca pontiaguda, jamais poderia acontecer seria muito mais difícil. - Não pode, será muito pior depois, e se isso realmente acontecer, nunca vamos ficar juntos. - Por quê? - Porque eu não sei se amo o Taylor ou se amo o Jacob, desde o primeiro momento me encantei com o Jacob, queria uma pessoa assim na minha vida, e os dois são diferentes, eu olho para o Taylor e vejo os olhos do Jacob, os meus olhos da cena da chuva em Lua Nova, quando a Bella esta com ele. – Dessa vez as lagrimas insistiam em cair, mas eu não as deixava certamente meus olhos estariam vermelhos. - Entendo você não sabe se ama o autor ou o personagem. Ela se levantou da cama, se ajoelhou em minha frente na cadeira e me deu um abraço, um abraço forte aconchegante ai não teve como segurar as lágrimas saíram, embaçando minha visão não me importava mais eu tinha falado tudo, sequei minhas lagrimas, ficamos abraçadas um longo tempo, era muito bom ter alguém com quem contar. Kris levantou se sentou na cama novamente, agora eu me sentia bem mais leve. - se tiver que ser vai ser, vamos mudar de assunto aquele dia na sua casa você não me disse nada da sua vida. - E mesmo eu sou assim meio fechada. -Não, tudo bem. – Senti agora uma paz tão grande foi bom ter falado com ela, estava pensando por onde começar quando ela disse: - Oi Taylor! – Meu coração disparou, será que ele estaria bravo comigo, ela me deu uma olhada e disse – Entra e fica com a gente. - Oi isso aqui ta vazio não tem ninguém. - Muita gente não conseguiu chegar, e os que estavam aqui o diretor dispensou e u e a ficamos conversando. Meu coração batia forte, eu podia escutá-lo, ele ainda não havia entrado será que estava bravo comigo, isso tenho certeza me deixaria mal, mas era assim que tinha que ser, quando Kris falou meu nome pude ouvi-lo mudar de posição, eu ainda não havia olhado para ele acho que faltava coragem de encará-lo, até que por fim senti um beijo em minha cabeça e um sonoro “oi ” ele falou do mesmo jeito doce de sempre, também deu um beijo em Kris e se sentou ao seu lado. - continua contando. – Me mantive em silencio por um tempo. - Vocês querem que eu saia? - Não – Respondi prontamente, em um tom mais alto que o necessário. – Fique, por favor. – As ultimas palavras foram um sussurro, talvez nem Kris as tivesse ouvido. - Então – Pediu ela. - Eu tenho duas famílias, uma que é a de sangue e é muito divertido conviver com eles, e outra que são os meus amigos... Continuamos conversando a tarde inteira, contei de minha vida, e não foi só eu Taylor e Kris também falaram, contamos nossos gostos preferências, éramos incrivelmente parecidos em algumas coisas e totalmente diferente em outras, foi uma conversa animada, no fim da tarde a chuva passou e então fomos para casa, dessa vez foi Kris quem me acompanhou ate em casa, em frente ao prédio nos despedimos e subi, falei aos meus pais que não houve ensaio e era me preparar para outro dia. CAPÍTULO 11 DESASTRE Desta vez tive uma noite e uma manhã mais tranqüila, sem muita ansiedade estava mais descansada, não ia me preocupar demais afinal todos teriam que fazer as mesmas coisas, e tanto nervosismo poderia me atrapalhar, então o melhor era ficar calma, mas isso só adiantou até eu por o pé no set, por que depois disso voltou todo como no dia anterior e dessa vez todos estavam ali não teria como cancelar o ensaio novamente, e o que me restava era respirar fundo e lembrar das falas. O ensaio não começou por mim, ainda bem, Rob estava do meu lado e dizia o que deveria fazer. - Sua expressão corporal é muito boa, você faz uma vampira magnificamente bem, quanto a isso não se preocupe, só tente manter a calma e põem em pratica tudo que a Kate te disse. Quanto à fala não se preocupa vai ter tempo para você treinar bem. Sentia minhas pernas bambas poderia cair a qualquer momento, meu coração martelava dentro do meu peito num ritmo cada vez mais acelerado, não sei por que tanto nervosismo era só um ensaio, mas era o ensaio de minha vida, não era tão difícil ir lá e por em prática tudo que aprendi, o mais difícil era ir lá e fazer isso na frente de muita gente boa, notei que minhas mãos tremiam segurei-as. Era agora ou nunca chegou a minha vez, nessa cena Taylor e os outros não participariam era um ensaio de interpretação, eu tinha que fazer tudo sozinha, quando estava me dirigindo para lá ouvi a voz de Taylor me desejando boa sorte. Cheguei lá na frente, o diretor falou que papel eu representaria, e eu comecei a postura e a expressão não eram os mais difíceis, minha postura estava rígida e minha expressão seria por causa do nervosismo isso não precisaria alterar muito, as duas primeiras frases foram razoáveis, mas o diretor pediu para eu falar olhando para frente e quando vi todo mundo prestando atenção em mim o nervosismo, o medo tomaram conta “o que será que estão pensando?”, “será que eu to indo bem”, fui incapaz de me mover e abrir a boca, mas eu havia feito mais da metade, sentia um nó em minha garganta e meu rosto parecia pegar fogo, percebi que não poderia fazer este papel, baixei a cabeça respirei fundo já podendo sentir as lagrimas em meus olhos e falei ao diretor - Talvez eu não seja a melhor pessoa para fazer este papel! - Virei às costas e sai sentindo agora as lagrimas molharem meu rosto, eu estava abandonando tudo deixando um sonho para trás, um mês de treinos ensaios preparações para nada, para eu chegar ali e fazer isso, entrei no pequeno cômodo, já com a visão embaçada pelas lagrimas, parei ao lado da cama, minhas pernas não agüentaram, cai de joelhos no chão, neste momento ouvi uma voz que eu gostava muito. - – Falou Taylor se pondo ao meu lado, ele pegou minhas mãos me ergueu e abraçou-me. – Não fica assim. - Seu abraço quase me fazia sumir, mas erra um abraço aconchegante abracei-o com força me segurando, não sei se ele notou isso, mas fez o mesmo. Logo entraram Kris, Rob e o diretor, me viram abraçada ao Taylor e esperaram por um momento eu me acalmar. Quando Taylor me soltou eu pude ver em sua camisa uma mancha redonda na altura de seu ombro, molhada por minhas lagrimas, já não chorava mais. - O que aconteceu? – Pediu o diretor. - Eu fiquei muito nervosa me desculpa não consegui. – Falei sentindo o peso de minhas palavras e sentindo o nó em minha garganta voltar. - Eu não posso por outra pessoa em seu lugar, agora não da mais, eu observei você neste tempo e vi o quanto se esforçou, sei que para você deve ser bem mais difícil do que para os outros, você aprendeu tudo que os outros aprenderam e ainda precisa aprender a nossa língua que você não sabia totalmente, não vejo pessoa melhor do que você para fazer isso, você só precisa de ajuda de alguém que possa te ensinar melhor inglês. Não prestava atenção no que dizia só entendi a parte que eu ficava, e que precisava de um professor, agora eu estava um pouco mais calma, mas minhas pernas ainda pesavam, então fui arrancada de meus pensamentos quando Taylor disse: - Eu a ajudo, na parte do inglês pode deixar comigo. – Ele terminou de falar e eu o olhei e no mesmo instante ele me olhou também. - Sendo assim esta bem. – O diretor falou e saiu. Kris se aproximou e me deu um abraço. - Fiquei tão assustada quando você saiu daquele jeito. - O diretor deve gostar mesmo de você, para querer que você fique, eu já vi ele tirar gente da equipe por muito menos que isso. – Falou Rob me dando um abraço. Agora eu me sentia melhor mais calma com os três me apoiando, era bom ter pessoas do lado nesses momentos difíceis, mas agora eu passaria mais tempo com ele... - Ooooiii ! Você ouviu o que eu pedi? – Olhei para Taylor, seu rosto era perfeito, seu jeito de olhar encantador, seus braços quentes e grandes eram confortáveis, não sei quanto tempo ficamos nos olhando, até Rob chamar nossa atenção com um riso e então baixei minha cabeça. - Desculpe, não ouvi. – Falei. - Eu te pedi se você quer começar hoje ou deixar para amanhã, por que eu acho que você não deve estar com muita cabeça para isso agora. - É realmente não tenho vamos deixar para amanhã. Saímos do cômodo assistimos o restante dos ensaios, tudo terminou mais cedo que os demais dias, já fora do pavilhão me despedi de Rob e Kris, Taylor me acompanhou, no caminho conversamos um pouco, paramos em frente ao prédio. - Eu vou pensar em uma coisa bem legal para amanhã. Você prefere de manhã ou depois dos ensaios? - Depois dos ensaios é um pouco melhor. - “ meu Deus não tem como não se encantar com esses olhos negros.” - Eu vou deixar você subir e descansar, tchau. – Falou dando um passo para trás. - Taylor – Falei apressadamente percebendo que ele iria, me aproximei dele e dei um abraço. – Obrigada por hoje. – Ele pos uma mão nas minhas costas, meu corpo estava meio gelado e seu toque quente fez minha pele arder, e a outra mão ele pos na minha cabeça. - Eu só vi que você estava precisando. – Então ele me deu um beijo na testa e me disse tchau. Cheguei ao apartamento e fui direto para um banho, depois contei aos meu pais o fiasco da tarde e que ele me ajudaria com o inglês, meus pais me apoiaram e disseram que eu conseguiria, depois eles me convidaram para jantar na lanchonete próxima ao pavilhão, mas eu preferi ficar no ape , então eles saíram eu fui para o quarto e me joguei na cama, mesmo não tendo feito nada eu estava muito cansada. Era inevitável não pensar no que acontecera me sentia envergonhada, ainda bem que me mantive forte na frente das outras pessoas, só desabei no quarto e foi só Taylor que viu, que bom que ele ficaram do meu lado, se não fosse eles com certeza teria desistido, um abraço nessas horas faz muito bem. Taylor, nossa desde o primeiro momento em que o vi me encantei, eram os olhos de Jacob Black que eu via quando olhava para ele. Seu jeito doce, gentil, muito diferente a imagem que ele passa de ser rude bravo... Os seus olhos escuros eram penetrante, seu abraço quente sua pele macia, seu rosto perfeito ficava ainda mais iluminado quando ele sorria. Minhas pernas tremiam quando ele chegava perto, meu coração disparava, minhas bochechas coravam quando ele me olhava nos olhos, principalmente quando Rob ri, eu perco totalmente a noção de tempo quando estou perto dele, não posso ficar com ele o melhor era manter distancia, mas como se agora passaríamos mais tempo juntos também desisti de ser fria ele age como se não tivesse acontecido nada e como eu posso ser fria com a pessoa que me ajudou quando e precisei, estava tão cansada que adormeci com roupa, tênis e ainda em cima das cobertas. CAPÍTOLO 12 AULAS Pela manhã acordei melhor pela tarde não ouve muita novidade, fui muito bem recebida ao contrario do que pensava, como sempre conversei com Kris, Rob e Taylor antes das minhas aulas com Kate, eles também foram normal, falei e fiz tudo que devia ter feito no dia anterior, com alguns problemas no inglês é verdade, mas fora isso me sai muito bem, não posso negar estava ansiosa para as aulas com meu novo professor, que seriam logo mais, estava pensando nisso quando sua voz soou logo atrás de mim. - Terminou por hoje? – Perguntou ele, fiz sinal de positivo com a cabeça, ele pegou minha mão e me levou até o quarto, pos o notebook em cima da escrivaninha, havia duas cadeiras não só um como da outra vez, e cada um se sentou em uma, ele pegou duas folhas me deu um e pediu para eu ler, por vezes parava para me corrigir, pediu para eu falar do que o texto falava, já estava escuro quando saímos, ele me levou de carro até em casa, todos os demais dias se seguiram assim, de tarde aulas de noite também, mas o professor era melhor e as aulas mais divertidas, ele trouxe musicas filmes, diálogos, textos para eu interpretar, todo dia era um coisa diferente, nem senti passar quinze dias, minhas dificuldades com os verbos do passado sumiram, meu inglês melhorou, já entendia melhor o que eles falavam, mas estava longe da perfeição. Esse quinze dias não foram como eu pensava quanto mais o tempo passava mais me encantava. Neste tempo em que ele me ajudou algumas vezes eu dormi ali, nem fui para casa, quando o assunto era mais difícil ficava para estudar um pouco mais e quando via já era muito tarde para voltar para casa sozinha e por isso dormia ali, isso aconteceu umas três vezes e a noite passada foi assim, acordei de manhã e fui direto para casa, nos estávamos tendo ensaios individuais, a partir do dia seguinte seriam os ensaios coletivos, seriam só três dias depois as preparações para gravações e por fim gravar, desta vez estava mais tranqüila, menos preocupada. (N/A: Meninas queria muito agradecer a todas vocês que estão lendo, saibam é só por vocês que eu continuo, me decepcionei muito no começo, mas agora estou muito feliz. O que estão achando? Por favor não me julguem pelos próximos capítulos, a PP está bem confusa e primeiro precisa ter certeza do que sente para então poder tomar uma decisão, quero manda um agradecimento especial para a Nannah, obrigada por tudo você é um anjo,obrigada a todas.) CAPÍTOLO 13 DECLARAÇÃO (PARA ESTE CAPÍTULO TENHO COMO SUGESTÃO QUE OUSAM “AI JÁ ERA” DO JORGE E MATEUS, DA MAIS EMOÇÃO) Como toda tarde eu chegava lá, os três vinham me dar abraços e beijos, agora eu estava mais acostumada com os abraços de Taylor, mas mesmo assim às vezes as pernas tremiam, as bochechas ficavam rosadas e Rob ria. Kate acabou não vindo e fiquei a tarde inteiro assistindo Kristen ensaiar e como todo dia depois dos ensaios eu e Taylor íamos no pequeno cômodo estudar. Já fazia um mês e meio que eu estava aqui estava morrendo de saudades dos meus amigos e estava pensando neles quando Taylor me chamou. - – Eu o olhei – Vamos, hoje tem musica de novo. – Poderia ficar assim durante horas olhando para ele que não me cansaria, me levantei e fomos como ele havia falado havia musica e isso ajudava por que a musica é rápida e você precisa assimilar as coisas bem ligeiras, estávamos sentados um na frente do outro como nos demais dias, ele sempre trazia um caderno para anotações e eu olhava este caderno quando ele tirou o caderno de minhas mãos e disse: - Quero muito te falar uma coisa – Seu rosto era serio ele pegou minhas mãos e segurou-as firmemente, meu coração disparou quando ele falou aquilo. – Já faz algum tempo que eu quero te falar isso, mas sempre faltava coragem e eu não posso mais deixar isso dentro de mim. - Taylor. – Eu falei sem jeito, se não fosse ele estar segurando minhas mãos com certeza eu estaria tremendo. - Não – Ele disse me interrompendo – Por favor, me deixa falar – Ele engoliu a seco seus olhos negros estavam profundos – Desde a primeira vista, naquele dia você toda encantada com o mundo crepúsculo, notei que alguma coisa em mim mudou e tive certeza disso quando eu te abracei, eu nunca me senti sem graça sem ação na deixa eu te mostrar o computador tudo que eu quero te falar ta escrito lá. Ele pegou o note e abriu um arquivo, pos ele em meu colo, o documento estava todo traduzido eu já sabia o que ele queria me dizer, mas eu não podia aceitar isso, acho que se eu não estivesse sentada já teria caído, ao ouvir o que ele me disse, tinha muitas meninas que dariam tudo para estar no meu lugar, ainda senti meu coração disparado, minhas mãos já não estavam mais quentes o suor as havia gelado. Eu olhava o note sem ter certeza de que queria ler aquilo, olhei para o Taylor ele estava com os olhos fixos ao chão seu rosto agora estava mais serio do que antes, ele só me disse: - Leia, por favor – Então resolvi ler e lá estava escrito? Não sei como começar, não faço nem idéia de como você vai reagir ao ler isso, mas preciso te falar, não tem mais como deixar trancado dentro de mim. Quando te vi a primeira vez, senti que alguma coisa em mim mudou, percebi que dali para frente eu não seria mais o velho Taylor, eu não consegui tirar o olho de você, foi como um passe de mágica de uma hora para outra fui enfeitiçado, não vou negar que tentei fugir, me afastar, mas eu sabia que não conseguiria me afastar, só a idéia de me manter longe era insuportável. Quando eu saia daqui e chegava em casa, de noite antes de dormir era em você que eu pensava, eram com seus olhos verdes que eu sonhava, não pense que esta sendo fácil para mim falar tudo isso para você, muito pelo contrario. Às vezes você parece tão frágil, e parece que eu tenho que te proteger que cuidar de você. Eu desisti de lutar contra isso, e é por causa disso que eu to aqui na tua frente, te falando isso, abrindo meu coração e te falando que eu sinto, por que é insuportável a idéia de viver sem você. Depois de terminar de ler notei meus olhos se enchendo de água, eu não podia chorar isso seria um atestado, o que eu mais temia estava acontecendo, minhas mãos estavam tremulas, meu coração parecia que iria pular fora do peito, durante todo tempo que estive lendo ele manteve os olhos em mim, não podia tirar o note do meu colo porque provavelmente o deixaria cair, então pedi que ele fizesse isso, também não conseguia olhar para ele, tinha medo que a verdade estivesse escrita em meus olhos. - Quando você sorri, quando esta perto assim de mim, que eu sinto seu perfume, eu sinto muita vontade de te abraçar, te abraçar e não te soltar mais. Ele fez uma pausa, eu mantinha meus olhos em minhas mãos sua voz era seria e dava para notar que era verdadeira, ele pos a mão em meu rosto me obrigando a encará-lo, seu toque quente me fez tremer, ele me olhava como se esperasse uma resposta minha, uma resposta que não viria, ate que ele falou: - , o que sinto por você nunca senti por ninguém, e sei que não vou sentir mais – Ele engoliu em seco novamente como se algo o incomodasse – Eu... eu te amo. Ele falou isso, se aproximou de mim sua mão que estava no meu rosto escorregou para minha nuca, ele me olhava fixamente, seus olhos brilhavam cheios de esperança, ele parou a centímetros de mim, meu coração se antes parecia pular fora do meu peito agora acho que parou eu era incapaz de ouvi-lo ou senti-lo ele pegou uma de minhas mãos fechou seus olhos e se aproximou mais, seu cheiro era embriagador, seu hábito quente me envolvia, pude sentir seus lábios encostar nos meus antes de mim desviar. - Não – Fiz uma pausa obrigando as palavras a saírem de minha boca – Eu não posso – Ele parou de súbito. - Por quê? – Ele pediu se afastando e tirando a Mao de minha nuca mais ainda segurando minha mão. - Eu não posso – Foi só o que eu consegui dizer, olhei para ele e seus olhos estavam incrédulos. - Se você não tem namorado por que não? – Sua voz agora era desanimada. -Taylor você pode escolher com qual menina quer ficar, tem um monte delas atrás de você e por que logo comigo? – Minha voz saia triste, quase como dizendo “esquece tudo que eu to falando”. - Entendi você não esta acreditando no que eu to dizendo, , olha para mim, para os meus olhos você vê alguma mentira. Quando eu falei que era insuportável a idéia de viver sem você eu falava serio, não imagino mais minha vida sem você nela. Fiquei sem resposta não sabia o que fazer minhas pernas não correspondia ao comando de me levantar, segurava o choro trancando em meu peito, ele tentou novamente um beijo, e ao contrario de antes meu coração agora disparou quando seus lábios pousaram em meu pescoço, minha pele se arrepiou, minha coluna enriqueceu, havia conseguido mais uma vez virar meu rosto, mas eu tinha certeza seria a ultima, mais uma palavra que ele dissesse eu não lutaria mais, ele se demorou um pouco perto de mim, quando se afastou havia um ponto de interrogação em seus olhos e eu resolvi dar a cartada final. - Eu não posso ficar contigo – Disse demonstrando sinceridade – Eu me conheço o bastante para saber que vou esperar mais do que só um beijo, e também quem me garante que eu não serei mais uma conquista sua, eu não quero chorar depois. – Falei friamente, essas palavras com certeza estavam doendo mais em mim do que nele. - O que? – Ele disse o seu olhar agora continha dor, frustração, agonia, irritação, tudo que eu não queria que ele sentisse, depois desse olhar não teve como segurar, as lagrimas desciam pelo meu rosto, quando o levantei vi que o rosto de Taylor também estava molhado, ele secou-o rapidamente se pos em pé e disse: - Não posso aceitar que você pense isso de mim, eu vou te provar isso. Eu vou provar que não te quero só por uma noite, te quero para uma vida inteira, vou te provar que te amo, não vou desistir de você. Taylor falou isso e saiu, já não conseguia enxergar nada, as lagrimas borravam minha visão, fui tomada pela culpa e pelo arrependimento, tentei me levantar ir atrás dele e falar toda a verdade, mas aconteceu o que eu temia minhas pernas não corresponderam ao comando e cai em frente à cama, fiquei assim por algum tempo incapaz de me levantar, quando o fiz deitei-me na cama, as lagrimas ainda desciam incessantemente por meu rosto, eu era atravessada por uma dor aguda que parecia me rasgar meu peito, seria incapaz de voltar para casa, não sei quanto tempo fiquei chorando até ser vencida pelo cansaço e adormecer. Aí Já Era Jorge e Mateus Para pra pensar, porque eu já me toquei Eu te escolhi, você me escolheu eu sei Tá escancarado, vai negar pro coração Que você "tá", com sintomas de paixão É quando os olhos se caçam, em meio a multidão Quando a gente se esbarra, andando em qualquer direção Quando indiscretamente, a gente vai perdendo o chão Vai ficando bobo, vai ficando bobo E ai já era, é hora de se entregar O amor não espera, só deixa o tempo passar E fica pro coração, a missão de avisar O meu "tá" dando sinal, que "tá" querendo te amar. CAPÍTOLO 14 DECLARAÇÃO P.V.O. TAYLOR (PARA ESSE CAPÍTOLO SE EU CHORAR JOEGE E MATEUS, FAZER ESTE CAPÍTOLO PARA VEREM COMO ELE SE SENTIU, ESTE NÃO SERÁ O ÚNICO, MAS OS OUTROS VIRÃO A FRENTE) Já havia se passado quinze dias desde que me propus a ajudá-la, devo confessar que esse período foi maravilhoso mais ao mesmo tempo torturante. Maravilhoso porque passamos mais tempo juntos sem a interferência de ninguém e torturante porque ele ficava ali na minha frente e eu não podia tocá-la, mas eu sabia que seria assim quando me dispus a fazê-lo, então não devia ta aqui reclamando. Lembro-me perfeitamente do dia que ela chegou aqui, o diretor nos apresentou, ela parecia tão tímida, um anjo, naquele momento fiquei enfeitiçado, não consegui desgrudar o olho dela, o primeiro abraço a primeira vez que meus lábios tocaram sua face quente... Quando ela chegava perto de mim minha respiração mudava, minhas pernas ficavam bambas, seu perfume me tirava do serio foram sensações que até em tão eu não havia sentido, um carinho muito grande vontade de proteger, pensei que seria uma amizade muito especial, mas me enganei. Depois de quase um mês que ela havia chegado descobri que não era amizade, mas sim um sentimento mais forte, complexo, o amor, naquela semana que a gente não se viu, quando ela surgiu na minha frente senti que tinha que abraçar, proteger e então entendi o que sentia. À noite quase sempre meus sonhos eram habitados por um par de olhos verdes, esses olhos que por vezes me olhavam com extrema ternura e que por outras me tratavam com indiferença e tristeza, pedia para ela o porquê, mas ela me dizia que era saudade do Brasil. Eu não podia estar sentindo isso por ela, em casa pensava em me afastar, em não falar com ela, mas quando ela chegava tudo sumia, o tempo ia passando e eu me encantando mais por isso desisti de lutar contra isso, e ia tentar ser feliz, escrevi no note tudo que queria dizer a ela e agora era criar coragem e dizer o que sentia me ariscando a ouvir um não, cheguei ao estúdio e comecei a ensaiar, quando eu a percebi já estava nos assistindo, fiquei nervoso de imediato, tinha que ser hoje, continuei a ensaiar normalmente e quando terminei a chamei para as aulas. - – Ela me deu uma olhada triste – Vamos hoje tem musica de novo – Ela me olhou por um momento, depois se levantou e me acompanhou, sentamos um na frente do outro e pus a musica para ela ouvir, não prestei atenção na musica estava pensando no que estava prestes a fazer, ela olhava o caderno quando criei coragem o tirei de suas mãos e disse: - Quero muito te falar uma coisa – Respirei fundo para me acalmar, segurei suas mãos a fitei, seu rosto parecia assustado – Já faz algum tempo que eu quero te falar isso, mas sempre faltava coragem, e eu não posso mais deixar isso dentro de mim. - Taylor – Disse ela me interrompendo, meu nome soava tão bem pronunciado por seus lábios. - Não – Eu a interrompi antes que ela falasse algo que me fizesse desistir – Por favor, me deixa falar, desde a primeira vez que te vi naquele dia você toda encantada com o mundo Crepúsculo, notei que alguma coisa em mim mudou e tive certeza disso quando te abracei, eu nunca me senti sem graça sem ação na frente de uma mulher, como me sinto na sua frente, perto de você o tempo congela – Neste momento me lembrei do note – Espera quero te mostrar o computador, tudo que eu quero te falar ta escrito. Peguei o note, abri um arquivo e o pus no colo dela, ela estava nervosa meu coração pulava em meu peito, minha respiração estava falha, fixei meus olhos no chão com medo de encará-la, ela parecia relutante em ler, parecia não querer saber o que estava escrito ali, pela minha cabeça passavam muitas coisas, eu estava arriscando tudo inclusive perder sua amizade ela me olhou e eu só falei: - Leia, por favor. Então ela baixou os olhos e começou a ler, eu levantei a cabeça e fixei meus olhos nela para ver sua expressão enquanto lia, suas mãos estavam tremulas pude notar mesmo ela tentando esconder, seu rosto de anjo não tinha a felicidade costumeira, agora ele estava carregado de nervosismo, ela estava muito seria e isso me deixava mais preocupado e receoso ainda, quando ela terminou de ler pediu para que eu pegasse o note, estava tremendo tanto que não sei como não o deixei cair, já não bastava a ansiedade, o medo e o nervosismo estarem me consumindo e ela ainda para piorar não falava nada, então comecei. - Quando você sorri, quando esta perto assim de mim, que eu sinto seu perfume, sinto muita vontade de te abraçar, te abraçar e não soltar mais. Parei de falar esperando uma resposta dela, mas ela mantinha seus olhos fixos em suas mãos, ela não queria me encarar, então pus minha mão em seu rosto para forçar ela a me olhar e senti um leve tremor em sua pele ao sentir o meu toque. - o que sinto por você nunca senti por ninguém e sei que não vou mais sentir – Respirei fundo – eu... eu te amo. Falei isso e me aproximei dela, passei minha mão que estava no seu rosto para sua nuca, sua pele era tão macia, procurei olhá-la nos olhos, parei a centímetros dela, peguei suas mãos, fechei meus olhos e me aproximei ansioso pelo toque dos nossos lábios, e quando isso finalmente aconteceu ela desviou o rosto, mas pude sentir o roçar dos seus lábios nos meus. - Não – Ela disse fazendo uma pausa – Eu não posso – Parei subitamente. - Por quê? – Perguntei sem entender nada, tirei minha mão de sua nuca, mas ainda segurei suas mãos. - Eu não posso foi só o que ela me disse sem dar maiores explicações, estava incrédulo será que ela havia mentido. - Se você não tem namorado, por quê? – Isso não podia estar acontecendo. - Taylor você por escolher com qual menina ficar tem um monte delas correndo atrás de você e por que logo comigo? – Parecia que ela escondia algo, sua boca falava uma coisa, mas seus olhos outra, mas agora estava claro o porquê do não. - Entendi você não esta acreditando no que eu estou dizendo, olha para mim, para os meus olhos você vê alguma mentira, quando eu disse que era insuportável a idéia de viver sem você eu falava serio, não imagino mais minha vida sem você nela. - Ela não respondeu nada e então pensei que isso era um sinal de que ela havia aceitado, eu havia utilizado todo que eu podia para fazê-la acreditar em mim, seria minha ultima tentativa, me aproximei novamente na esperança de um beijo, dessa vez meus lábios pousaram em seu pescoço, senti a pele dela se arrepiar ao meu toque, meu coração neste momento nem sei mais onde estava acho que nem batia, ela recusou novamente meu beijo Por quê? Afastei-me para ver seu rosto e neles havia novamente aquela expressão que eu sabia o que era, mas dessa vez ela falou e eu preferia não ter ouvido. - Não posso ficar contigo – Ela parecia sincera não entendia o porquê – Eu me conheço o bastante para saber que eu vou esperar mais do que só um beijo – “Deus do céu será que eu vou ter que explicar de novo EU AMO VOCE” – E também quem me garante que você não esta utilizando de seus talentos artísticos para me falar tudo isso, não quero falar depois – Ela falou isso para mim com tamanha frieza. - O que? - Foi só o que eu consegui falar, as palavras não saiam de minha boca era como se eu tivesse sido atingida por mil flechas ao mesmo tempo, dor, frustração ela não acreditou em mim, irritação como ela pode duvidar assim, um no se formou em minha garganta... Não você não pode chorar na frente dela, mas não adiantou ela insistiu em correr por meu rosto ela levantou o rosto e eu sequei o meu rapidamente e me pus de pé para não correr o risco de querer consolá-la, seu rosto também estava molhado pelas lagrimas então falei: - Não posso aceitar que você pense isso de mim, eu vou te provar isso, eu não te quero só por uma noite eu te quero por uma vida inteira, vou te prover que te amo, não vou desistir de você. Sai do quarto deixando tudo para trás só pude ouvir um soluço alto, caminhei até meu caro entrei nele e sai sem rumo, só tendo certeza de duas coisas, a primeira amava ela mais que tudo e o que ela disse para mim não iam mudar em nada o que sentia, segunda essa seria a noite mais longa da minha vida. Se Eu Chorar Jorge e Mateus Pra viver eu só preciso de você Pra ser feliz eu só preciso te merecer Pra ser melhor tem que acontecer de novo em outra vida, Pra não chorar vou cuidar tanto desse amor E se eu chorar, vai ser de saudade E Eu vou te ligar quando ela bater Ás 4, 5 da manhã Falar que eu sou seu fã Que só liguei pra dizer Que a gente se encaixa É a tampa e a panela É a chama e a vela É a cama e o colchão E que o mal de quem ama é a saudade Você é a metade do meu coração E que eu sou o amor da sua vida Eu sou água doce pra você beber E que eu quero ouvir da sua boca Que você é louca por mim Como eu sou por você. CAPÍTOLO 15 HOMEN X LOBO O sono foi contornado, a noite foi muito agitada, pela manhã quando acordei pude ouvir a voz de Kris, nossa já era muito tarde, devia ta em casa, não queria encará-los, quando me vi no espelho não tive muita supressa, estava com os olhos inchados, olheiras profundas um pouco pálida, tentei me recompor e sai, estava me sentindo tão fraca e frágil. Passei pelo Rob de cabeça baixa não vi se tinha mais alguém do lado dele, da Kris não deu para fugir passei por ela e ela me seguro pela mão, assim fui obrigada a olhá-la, quando ergui meus olhos pude ver que Taylor estava perto dela, e ela quando viu meu rosto se assustou. - O que aconteceu? – Pediu ela. - Minha noite não foi muito boa – Falei, pude notar que a expressão de Taylor também era cansada – Olha eu não quero falar com ninguém não ta, to indo para casa – Disse isso virando as costas ainda pude ouvir ela perguntando “mas o que aconteceu”. Cheguei a casa tomei um banho tranquilizamente, e tive um sono reparador. Acordei me sentindo muito mais leve, já estava quase na hora de eu sair para o ensaio, em cima da mesa havia um bilhete. Saímos para caminhar, não acordamos você porque estava tão cansada, na volta passaremos lá para ver o ensaio. Engoli rapidamente uma coisa, ma vesti e sai, meus pensamentos estavam na noite anterior, era melhor que tudo isso ficasse como estava. O dia hoje estava muito bonito, um lindo sol brilhava, quando cheguei os ensaios ainda não haviam começado, logo pude ver Kris no sol junto com Rob e Taylor, mas desta vez naõ estava só eles, Ashley os acompanhava, com seria? Meu coração martelava em meu peito, era melhor fingir que nada tinha acontecido. - Ainda bem que você melhorou, pensei que não viria – Disse ela me dando um abraço – Eu quero saber o que aconteceu, porque não foi só uma noite ruim – Disse ela sussurrando o que impossibilitava de outros a ouvirem. - Que bom te ver de novo – Falou Ashley me dando um abraço – O que aconteceu você estava doente? – Falou isso dando entonação na ultima palavra. - Não só foi uma noite ruim, cheguei a casa tomei um banho e dormi até agora. Aproximei-me de Kris e Ashley, Taylor e Rob me disseram oi discretamente, conversamos alguns minutos, todos começaram a entrar só ficou eu e a Kris ali fora e ela logo pediu. - Agora que estamos sozinhas me fala o que aconteceu? - Taylor se declarou apara mim. – Kris ficou por um instante boquiaberta me olhando. - Eu sabia, aquele jeito que ele te olhava, não era só amizade, mas e você? - Não deixei ele se aproximar não adianta me xingar você sabe os motivos pelo qual fiz isso. - Se você estava tão decidida a não aceitar, porque hoje de manha acordou com aquela cara você chorou né? - Eu tentei segurar pelo menos na frente dele, mas não consegui, logo que ele saiu eu tentei ir atrás, mas não tive mais forças, o que eu tava sentindo era insuportável e parecia que eu não ia para de chorar nunca. - se você se sentiu tão mal será que você não ama o homem ao invés do lobo? – O que ela disse me atingiu profundamente. -Se for isso é ainda pior, porque o lobo eu sei que não existe e o homem existe e me ama, será... - Taylor – A disse me interrompendo, me vire rapidamente, ele me olhava do mesmo jeito da primeira vez que a gente se viu. “tomara que ele não ouviu nada “ eu pensava. - O diretor já vai começar e vim aqui chamar vocês – Ele falou isso ele saiu. - Agora eu entendi porque hoje ele ta com essa cara triste, pelo menos ele não paro de falar contigo! Entrei, eu me sentei e fiquei assistindo, não demoro muito para que meus pais chegassem, eles se sentaram ao meu lado. - Você já ensaiou? – Minha mãe perguntou. - Não, eu acho que nem vou ensaiar hoje. - Mas quando vai ser? - Talvez amanhã no final do dia, só temos esses três dias para ensaiar depois vamos para Vancower. - Já são as gravações, é praticamente tem só um mês ainda bem porque eu to com saudades de casa. - Ahh pai, pode ter que não é só você, eu também to com muitas saudades, principalmente dos meus amigos. - É só mais um mês depois você pode ficar com eles o tempo que quiser. – Disse minha mãe me abraçando, percebi que a conversa terminaria por ali, o Brasil trazia muitas lembranças tristes e ninguém queria chorar ali, quando em voltei olhei na direção de Taylor e vi que ele que estava sentado me olhando, e não desviou o olho de mim quando eu o olhei, por um momento não menti para mim mesma e retribui o olhar com a mesma intensidade, mas desviei quando percebi que havia gente olhando a forma como nos olhávamos. Quando terminou os ensaios Taylor se dirigiu até mim, meus pais já haviam ido, ele me olhava tão docemente e o que eu fiz em troca foi magoá-lo. Sou muito idiota mesmo. - É muito bonito ver uma família unida. - É eu amo minha família mais que tudo. - Vocês se tratam com muito carrinho – Sua vos soava triste bem ao fundo. - A o abraço de antes foi de consolo, falávamos do Brasil, sinto muita falta de lá. - Não foi fácil largar tudo, e vir para cá viver uma aventura dessas. - Aventura que valeu a pena, não pelo que vim fazer, mas pelas pessoas que conheci. – Falei com franqueza. - Olha eu só vim aqui dizer que durante esses dias não vou te ajudar, não vou estar com o menor animo de noite para fazer isso. - Tudo bem. Ele se despediu de mim com um simples “tchau” nesta noite fui sozinha para casa. CAPÍTOLO 16 AMIGA A semana pouco a pouco se findava e nos demais dias aconteceram às mesmas coisas eu falava com Kristem e Robert, Taylor não falava comigo nada mais que o necessário, mas isso não impedia de a noite eu sonhar com seus olhos escuros, acho que finalmente ela havia entendido que não havia futuro para nos dois. No ensaio me sai muito bem, sem tremedeira, sem gaguejar, até melhor do que eu esperava me sair, recebi elogios, mas sei que se não fosse ele ter me ajudado... Agradeci-o depois e ele disse que não fez nada do que a obrigação do que se comprometera a fazer, é as coisas não ian nada bem. O fim de semana passou voando, eu fiquei aqui com meus pensamentos, pela primeira vez sai para passear em Los Angeles, devo confessar que foi muito bom, mas voltei para casa mais cedo que meus pais. Sentia-me meio sufocada, meus pais não sabiam de Taylor e cada dia que passava eu sentia mais sua falta, eu me sentia meio vazia, mas não deixava transparecer, precisava falar com alguém. Olhei para o relógio e no Brasil era uma hora do domingo eu então fui para a cama me deitei nela e liguei para a Gabhy. - Há , nossa que saudade. - Gabhy você não imagina o bem que esta me fazendo ouvir a sua voz. - Ih o que aconteceu, sua voz ta triste. - Nossa muita coisa, mas vou começar falando das boas. – A voz dela me deixava muito tranqüila, era uma pessoa que eu sabia que podia contar sempre. Não sei explicar como nos tornamos amigas nem porque nossa ligação é tão forte só sei que não a nada que possa fazer nossa amizade acabar, contei a ela sobre os ensaios, as gravações, os amigos. -É mesmo, aconteceu muita coisa boa e pelo jeito você aprendeu bastante, mas o que esta lhe preocupando, sua voz tem duvida e preocupação como há muito tempo eu não ouvia. - É sobre Taylor – Falei dando um enorme suspiro – Lembra que eu te falei que nos tornamos amigos, Kris disse que ele gostava de mim, mas eu não queria aceirar a idéia, não podia. - Eu sei, ele é ator muita menina correndo atrás dele e você... Você não quer mais chorar, sofrer é isso né. - Exatamente, se ele me amasse quando eu teria que voltar como ia ser, mas na segunda-feira ele se declarou para mim, disse que me amava e que era insuportável a idéia de viver sem mim, ele tentou me beijar e eu não deixei tive medo, sou completamente encantada pelo Jacob, mas e o Taylor onde fica, depois que ele me deixou sozinha pensei que não iria mais parar de chorar. - eu conheço você muito bem para saber que você não choraria por algum que não existisse e também me lembro como você ficou encantada pelo Jacob depois que viu ele no Taylor e os suspiros, os sonhos ate onde você me falou foram só pelo Taylor. - Foi o que a Kris me disse, eu me senti péssima pelo homem e não pelo lobo, ate por que sei que ele não existe, mas ai ta o pior o homem existe e me ama, depois daquela noite sei La é como se uma parte minha tivesse ficado para trás, o que eu faço? - Houve um breve silencio como se ela pensasse para me responder, foi muito bom ter falado com ela, tirei uma angustia enorme do meu peito. - Olha eu vou dizer o que eu faria se estivesse no teu lugar, primeiro acho que você ama o homem sim, segundo eu aproveitaria,não sei o dia de amanhã por isso eu ficaria com quem me ama hoje, depois quando eu voltasse não teria que me arrepender de não ter feito, ma olha só é você quem decide fica sozinha ouve o teu coração ele vai te dizer se você tem que ir a favor ou contra essa amor, ele sempre nos mostra o melhor caminho. - Ah Gabhy, você sempre me ajudando. - Eu to aqui para isso, sempre que precisar me liga, mas agora eu vou ter que sair, mas qualquer coisa qualquer mesmo me liga pode ser ate de madrugada. - Ta bom beijão te amo Gabhy. - Outro e eu também amo você, se cuida. Ela me fazia sentir melhor não estava mais tão angustiada como antes, mas agora meu peito era assolado pela duvida eu amava ou não ele, e se amava deveria me deixar levar por esse amor e correr grande risco de chorar depois e se não o amasse deveria dar esperanças como a da sexta naquele olhar. “O meu Deus por que a vida não pode ser mais simples, por que agora ao invés da tristeza eu era assolada pela duvida, por que eu sentia que faltava um pedaço de mim?” Abracei meu travesseiro mantendo-o bem junto a mim para ver se preenchia o buraco que estava em meu peito. CAPÍTOLO 17 NOTICIA Acordei em plena segunda-feira, o sol já brilhava não sei se fora minha mãe quem me cobrira a noite ou se foi eu mesma, joguei o cobertor para o lado me levante meus pais já estavam em pé eles conversavam sobre o Brasil, resolvi não me meter, fiquei na sala junto com eles. O restante da manhã foi tranqüila, a tarde passei muito distraída, praticamente sozinha mergulhada em pensamentos, observava os outros Robert ficava tão bonito sorrindo, suas feições ficavam mais suaves, ele fazia todo mundo rir, Kristen era seria mais também preferia lê-la sorrindo, ela seria parecia ser bem mais velha, Taylor... Ele era um menino por fora, mas homem maduro por dentro seu olho brilhava quando ele sorria não sei como conseguia, mas ficava ainda mais bonito. O diretor nos chamou e disse que viajaríamos para Vancowver no dia seguinte sairíamos dali às duas horas da tarde, chegando lá nos hospedaríamos em um hotel e já na quarta-feira começaríamos a gravar, ele também disse que não poderia levar meus pais, pelo fato das gravações serem secretas, eles não queriam que nenhuma informação vazasse, quando o diretor terminou virei e me sai sem me despedir de ninguém, agora alem das duvidas eu estava preocupada com as gravações que começariam, nem me dei conta Taylor me acompanhava até ele falar comigo essa era a primeira vez que ele me acompanhava nessa semana. - Notei que você esta muito distraída hoje. - É eu tenho umas coisas para resolver e preciso pensar muito nisso para eu não me arrepender mais tarde – Era tão bom o ouvir falar comigo novamente, sua companhia me fazia tão bem. - Realmente tem algumas coisas que são difíceis decidir. – Ele disse serenamente. - Principalmente quando envolve não só o seu futuro como o de outra pessoa também. – Eu o olhei, mas ele evitava meus olhos era como se não quisesse me mostrar algo, depois disso nos mantivemos em silencio até a frente do prédio, quando chegamos lá eu deixei cair as chaves no chão me abaixei para pega-las e quando me levantei senti uma tontura muito forte, procurei o braço de Taylor para me apoiar, ele notou que eu não estava bem e logo me pegou pela cintura, e me acompanhou até o apartamento, quando entramos ele me pos no sofá e foi pegar um copo de água e me deu. - Onde estão os seus pais? – Ele pediu preocupado. - Eles devem ter saído para caminhar – Fez silencio por um momento – Você não precisava ter subido não queria te incomodar, foi só uma tontura porque me levantei muito ligeiro. - Você não esta me incomodando, eu não deixaria você subir sozinha e se acontecesse alguma coisa. – Ele disse como se eu o tivesse ofendido. - Me desculpa eu não quis te deixar irritado, eu já estou melhor. - Me desculpa você e tem certeza que esta bem? - Sim já me sinto bem melhor. - Então eu vou – Disse se virando – Tchau. Senti um aperto no meu peito e só notei que tinha feito depois de ter dito, então deixei meu coração me guiar. - Taylor espera – Eu disse logo por que ele já estava saindo, me levantei do sofá ele parou e virou, eu parei em sua frente e o olhei por um momento nos olhos, notei que ele ficou nervoso dei mais um passo e o abracei, foi um abraço forte ele retribuiu com a mesma intensidade, ficamos abraçados por um tempo que não sei dizer quanto tempo foi, só dava para ouvir nossos corações batendo aceleradamente, seu calor me envolveu seu perfume me desnorteava, deitei minha cabeça em seu ombro e quando passei minha mão por suas costas notei que ele enrijeceu-se , seu abraço forte fazia me sentir protegida como se nada pudesse me atingir, ele passou a mão por meu cabelo com carinho. - Obrigada – Falei ainda com minha cabeça pousada em seu ombro, aos poucos fui diminuindo a intensidade do abraço e me afastando – Eu vou deixar você ir – Ele riu seu rosto ficou iluminado. - Te vejo amanha – Fiz sinal positivo com a cabeça e ele saiu. Eu não podia tomar nenhuma decisão precipitada, mas esse abraço foi um atestado. Fui para o quarto e comecei a arrumar as malas, não sabia como seria em Vancouwer por isso levei roupa de todo tipo, mas levei mais roupas de frio, não estava nervosa como deveria estar. Quando meus pais chegaram a casa eu havia começado a fazer o jantar, queria aproveitar para ficar o máximo que podia com eles já que não iriam a viagem. CAPÍTOLO 18 VANCOUWER Meu sono foi tranqüilo, de manha aproveitei para ficar junto de minha família, logo depois do almoço nos despedimos e eu sai, cheguei ao set uma hora antes do marcado e lá já tinha gente conforme íamos chegando nossas malas eram colocadas no ônibus, no horário marcado saímos, dos três só Kristen havia vindo ele disse que os outros viriam de avião no outro dia dali fomos para o aeroporto e depois partimos para o Canadá. Chegamos à cidade e o clima era como imaginei frio, não muito mas era frio. A cidade era charmosa não tão calma, mas era aconchegante e o hotel também, eu e Kris pegamos o mesmo quarto, foi ela quem pediu, foi um alivio por que eles falavam mais ligeiro do que eu estava acostumada, o restante da noite foi para nos ajeitarmos nos quartos, depois da janta já deitadas na cama Kris me pediu: - Gostou da cidade? - Muito, não imaginava que seria assim, to loca para saber a onde a gente vai gravar. - A campina é muito linda! E não se preocupa amanha o restante vai estar aqui – Sua voz soou maliciosa. - E por que eu estaria preocupada- Disse ironicamente e ela riu. - Por falar nisso como vocês estão? - Ah continuamos conversando, ontem ele subiu no ape junto comigo, eu tava um pouco tonta e ele não me deixou subir sozinha. - – Fez uma pausa – Ele é um cavalheiro – Disse depois como se não quisesse ter falado isso. - Com isso eu concordo, mas você ia falar outra coisa. - Sim, mas eu não quero me meter na sua vida, essas decisões é você quem tem que tomar – Seu rosto estava calmo, mas havia outra coisa que eu não sabia o que era. - Liguei para uma amiga no Brasil e pedi a ajuda dela – Depois de um tempo continuei falando – Eu ainda não sei realmente o que sinto, minhas pernas tremem meu coração dispara, mas os olhos do Jacob. - Te entendo e vejo que você não esta dando esperanças a ele antes de ter certeza do que sente isso prova que você gosta dele e não o quer sofrendo, mas eu acho que ia aproveitar o hoje. - Foi a mesma coisa que Gabhy me falou, mas não é só por ele, eu me conheço o bastante para saber que vou esperar mais do que só um beijo – Me senti triste novamente essa conversa me fazia lembrar daquela noite, era torturante, lembrar a dor que senti parecia que tudo acontecia de novo. - O Taylor não é disso, quando ele gosta de alguém é para valer e sinceramente, todo o pessoal já esta comentando que vocês dois se amam, só pelo jeito que se olham, quando vocês se vêem os olhos brilham, se isso não é amor o que é? - Kris... Eu vou deixar a água rolar para ver aonde vai, mas vamos falar de outra coisa. Abracei meu travesseiro fortemente querendo trancar dentro de mim aquilo que sentia, as lembranças vinham em minha cabeça incessantemente como um filme que passava cada palavra cada gesto cada toque parecia estar vivendo tudo novamente, a dor torturante começava em meu peito e abria novamente a ferida já começando a cicatrizar, me encolhi o máximo que pude e abracei os joelhos como querendo fechar o buraco em meu peito, juntar os pedaços, a culpa recaia sobre mim de forma dolorosa, se tivesse feito as coisas diferentes? Eram todas perguntas que eu não sabia onde encontrar resposta, parecia tudo estar vazio a minha volta, às vezes parecia que eu estava numa escuridão profunda, sem direito a ver um ponto de luz. - – Aproximou-se de mim pondo a mão em minha cabeça – Não queria te ver assim, não devia te dizer nada disso, me desculpe. - Não precisa isso é uma coisa que eu vou ter que me conformar. – Uma longa pausa o silencio me incomodava agora – Posso te pedir algo? – Ela fez sinal positivo com a cabeça. – Você e o Rob não deram certo por quê? - Foi um namoro estranho – Notei que a pergunta surpreendeu-a – Às vezes ficávamos juntos e era maravilhoso, mas às vezes era um desastre total, ele é muito engraçado, legal, mas às vezes ele é diferente. - Mas você gosta dele, assim ouvi falar que estavam juntos desde as gravações de Crepúsculo e tinha vezes que ele parecia gostar de você e outras que ele diz que não via à hora de terminar amanhecer para não precisar te ver mais. – Agora ela já não estava tão empolgada quanto antes, agora havia tristeza em seu olhar. - A gente nunca começa nada se não se gosta de alguém e havia começado nas gravações de Lua Nova, mas eu acho que para ele não teve importância. Kristen parou por ai e acho que a conversa havia terminado. - Vamos dormir amanha o dia começa cedo. Virei-me para o lado em busca do sono, logo depois notei que ela também se deitou, fiquei um tempo acordada a dor diminuía e a ferida se fechava pouco a tempo. CAPÍTOLO 19 CAMPINA

Levei um susto sobre saltada peguei o celular e desliguei-o já eram cinco horas, eu precisava levantar, hoje começariam as gravações, me vesti rapidamente  Kris se sentou na cama.

- Você já vai descer? – Pediu a ela.

- Já vou sim, mas primeiro me deixa acordar direito.

Quando cheguei a mesa já estava pronta comi alguma coisa e sai, lá fora do hotel o ônibus já esperava para nos levar ao set, entramos, a viagem foi curta.  As seis horas todos já estávamos sentadas nas cadeiras prontas para sermos caracterizados como vampiras, era estranho ter alguém cuidando de você assim,  estava ansiosa para ver como havia ficado a pele pálida, corpo gelado, em meia hora a maquiagem já estava pronta e eu já estava vestida, quando me olhei no  espelho e tive um choque, havia mudado muita coisa, minha pele totalmente branca, meus cabelos ficaram mais claros por causa da peruca, meus olhos num tom  mel (eu era uma vampira vegetariana) nem parecia ser a mesma pessoa, como os demais que já estavam prontos sai e pude notar que tidos se dirigiam a um  lugar, segui-os agora a insegurança apontava, um pouco de nervosismo e medo, mas eu estava calma sabia que sairia bem, eu estive me esforçando esse tempo  todo para isso, agora era só me concentrar que todo o resto sairia bem, vinha distraída repetindo meu texto em pensamento quando me dei conta de onde havia  chegado.

Era a campina, mas ela não estava florida como antes por causa do frio as flores estavam todas mortas, mas as arvores e a grama estavam verdes, o sol agora  despontava no horizonte, os primeiros raios de sol deixavam tudo ainda mais bonito, com um tom avermelhado, me fazia lembrar o sol do Brasil, que eu sentia  tanta falta, o vento era calmo, mas frio, pus as mãos no bolso do meu casaco estava encantada olhando o horizonte e sentindo o sol acariciar minha pele,  ouvi barulho de grama e imaginei ser Kris, então falei sem olhar para trás.

- Linda a campina!

- Realmente e muito bonita – Notando que não era Kris me virei rapidamente sem tiram as mãos do bolso, sua voz era inconfundível.

- Taylor é você – Falei surpresa.

- Você gosta do sol?

- Muito, não sei explicar porque, mas me sinto mais feliz com o sol e neste lugar – Olhei o horizonte – Não tem como ficar triste.

- O Por do sol daqui é muito bonito gosto de vir aqui par apensar.

- Muito lindo não foi a toa que foi escolhido para a primeira cena romântica entre Edward e Bella – Olhei novamente Taylor – Esse lugar inspira isso.

- Também concordo esse lugar inspira amor – Disse isso olhando fixamente para em meus olhos, ele já estava na pele de Jacob Black vestia um roupão dava  para ver seu peito nu que cintilava contra o sol, não só seu peito com seu rosto cintilava ao sol tocar sua pele, não sei se por causa do sol, mas seus  olhos pareciam mais claros brilhavam intensamente, ele se aproximou de mim e pos a mão em meu rosto, mas dessa vez não foi como das outras vezes agora sua  mão estava fris.

- Você tem quase todas as características de uma vampira, pele pálida e gelada, ,mas não dura como mármore, sua pele é macia como só uma humana pode ter,  esses olhos cor de mel ficaram muito bem em você, e também me tranqüilizam porque é uma a menos desejando meu sangue. – Falou isso com um sorriso nos  lábios. - E pode acreditar não vou deixar ninguém se aproximar de você, pelo menos ninguém que tenha os olhos vermelhos e tambem fica dificil com esse fedor.–  Então falei num tom mais sarcástico – Nem que para isso eu tenha que te raptar, mas eu vou cuidar de você – Nos olhamos nos olhos e rimos do que havíamos  falado, ele tirou a mão do meu rosto e juntou-as na frente de seu corpo.

- Você ainda tem a principal característica e irresistivelmente linda – Sua voz soou seria- Você ficou muito bem de vampira parece que esse papel foi feito  para você – O jeito que ele me olhava me encantava.

- Eu nem preciso dizer nada de como você fica na pele de um lobisomem.

- Uma gélida vampira e um quente lobisomem.

- Nem tão quente assim, esse lobisomem deve ta com defeito, ele tem as mãos geladas. - Ele riu.

   - Estamos iguais, cada um com um “defeito” – Ele fez sinal de aspas com os dedos – Uma vampira de pele macia e com um coração batendo e um lobisomem frio  se sentindo completamente encantado pelo inimigo – Ele me olhava fixamente retribui seu olhar com a mesma intensidade que ele dirigia a mim, neste momento  não me importava que alguém me visse só queria olhá-lo, gravar seu rosto na minha mente para poder me lembrar deste momento feliz o resto de minha vida  ainda nos olhávamos quando ouvi Robert dizer:

- Meus queridos, estão preparados para a gravação? – Isso distraiu nossa atenção, olhei para Robert e pude ver Kris discretamente dando um beliscão nele,  ele a olhou e ela fez uma cara feia, os dois já estavam vestidos como Edward e Bella, Rob me olhou seriamente dos pés a cabeça, me senti nervosa e acho que  não foi só eu quem não gostou muito do olhar, do meu lado Taylor se mexeu e até fez “huhrum”,  Robert olhou para Kris e finalmente falou quebrando o  silencio.

- Se eu não fosse tão apaixonada por essa mulher aqui – Ele se aproximou de Kris passando seus braços por sua cintura – Eu juro que essa vampira tinha me  encantada, agora sei por que Taylor te olhava com essa cara de bobo. – Pude ouvir o ranger dos seus dentes, como eu ele não havia gostado, então baixei  minha cabeça e fiquei só ouvindo.

- sem brincadeiras, você ficou muito linda essa vampira caiu perfeitamente bem.

- Kris e você já era linda como Bella, e agora vampira não sei nem o que dizer...Perfeita. – Tudo parecia se encaixar nela como se tudo fosse feito para  ela.

- Minha sogrinha ta uma gata. – Taylor falou rindo, era com ouvir seu riso.

- Vamos para de agradar a sogra, vocês sabiam que essa vampira é modelo? – Robert tirou das costas uma revista onde eu estava na capa, e nos mostrou,  quando Taylor viu que era eu de quem ele falava, ele tiro a revista de suas mãos e olhou-a, todos estavam em silencio até ele ser quebrado por Taylor.

- Modelo? – Foi só o que ele disse.

- Por que você não nos contou que era modelo ? – A voz de Kris soou como se estivesse desapontada.

- Eu fiz testes e passei, mas trabalhar como modelo só na minha cidade e em dois ou três desfiles, nenhum que repercutisse nacionalmente, não sou  conhecida.

- Não é o que parece – Taylor olhava uma pagina da revista – Pelo que diz aqui os brasileiros te conhecem bem.

- Não entendo eu cheguei aqui para fazer o filme por meio do teatro, minha ex-professora me convidou e eu ajudei fazer uma peça e eu trabalhava de  vendedora no Brasil.

- Isso é normal, ninguém que faz um filme da saga crepúsculo, passa em branco, ele devem ter revirado a sua vida até ter descoberto isso, e daqui para  frente vai ser assim, de uma pulga vão fazer um elefante. – Robert falou como se soubesse perfeitamente disso.

- Já íamos esquecer nos viemos aqui para chamar vocês porque todo o pessoal já esta descendo para começar as gravações, vamos?

Nossa decida foi silenciosa, Taylor se manteve ao meu lado durante todo o percurso quando chegamos ao local Rob e Kris entraram ligeiro, quando Taylor foi  se afastando eu o segurei pela mão e pedi.

- Você ficou chateado? – Sua mão agora não estava mais gelada, ela voltava a ser quente.

- Não... Só surpreso, mas é como Rob disse ainda vai acontecer muita coisa que vai te deixar surpresa.

Taylor me olhou uma ultima vez e saiu.

CAPÍTOLO 20 SURPRESA

As gravações começaram cerca das 7 horas da manha e foram até  as seis da tarde, foi gravado o dia inteiro na casa dos Cullen, a chegada das testemunhas e  cada coisa que aconteceu enquanto eles estavam lá, mas não houve tempo suficiente para tudo, descansamos até a meia noite, a parte mais difícil começaria  agora, as gravações eram do quase confronto entre os Cullen e os Volturi, nesta cena Taylor estava como o viril lobo, não consegui parar de olhá-lo,  estava uma noite fria e ele devia estar sentindo muito frio pois ele estava com uma espécie de macacão de borracha, o nosso descanso foi das cinco horas  até o meio dia, na parte da tarde faríamos as gravações na casa dos Cullen foi até de noite, havia faltado gravar uma pequena parte do confronto e da casa,  e foi o que fizemos das três as nove horas, agora estava tudo gravado poderíamos descansar, sai da casa e fui direto para o hotel e me deitei na cama,  sem tirar roupa e nem maquiagem, acho que nunca me senti tão cansada assim, o tempo para as gravações foi curto e para o descanso foi mais curto ainda,  quase não sobrava tempo para falar com os meus pais, eram cinco horas da tarde quando Kris me acordou.

  - Você estava mesmo cansada!

- Não imagina o quanto.

- Vai lá e toma um banho, depois vamos descer e comer algo, por que voltamos  aina hoje para L.A.  - Ta brincando... Eu vou fazer o que.

Só de pensar em mais uma maratona, nossa me sentia horrível, os músculos todos doendo, foi bom ter a água quente caindo em minhas costas uma sensação muito  boa, foi quando percebi que Kris estava escorada na porta do banheiro olhando o chão.

- O que foi Kris? – Sua expressão pensativa a deixava triste.

- É que estava um clima meio pesado entre mim e Rob em algumas cenas, eu quero ver como vai ser quando tiver beijo.

- Kris vocês são profissionais mesmo que seja difícil, vocês terão que separar vida pessoal de trabalho e continuar.

- Eu sei e terei que falar com Robert por causa disso, mas por falar em clima, que era aquilo entre você e o Taylor no primeiro dia?

Essas palavras me fizeram lembrar o dia que ele falou, de sua mão fria pela primeira vez, seu jeito de olhar me fazia paralisar, perder a noção do tempo,  esquecer tudo, já estava começando a tomar minha decisão.

- Você esta me ouvindo?

- O que? – Fechei prontamente o chuveiro – Eu preciso ir a um lugar – Comecei a me secar, o sol ainda estava no horizonte, o dia se findava.

- Aonde você vai? Que lugar é esse?

- A campina eu quero me despedir daquele lugar, nossa conversa terminamos depois e depois eu como alguma coisa.

Coloquei uma roupa quente e sai passei pelo pessoal que estava nos corredores sem olhar para trás, o vento batia no meu rosto e vazia meus cabelos voarem,  a campina não era muito longe dava uns dez minutos de caminhada, gosto do silencio ele me faz bem e eu preciso decidir, saber o que eu sentia não dava mais  para viver com a duvida, em quanto eu penso minha vida passa e isso não volta mais.

  Quando cheguei à campina o sol descia no horizonte, as nuvens estavam alaranjadas todo o restante tinha tons de amarelo, não havia ninguém lá, me sentei na  grama e fiquei olhando o por do sol meus pensamentos fugiram totalmente de minha mente, estava tão concentrada em olhar o lugar que nem notei alguém se  aproximar, fui despertada pela voz inconfundível.

- Não pensei que fosse te encontrar aqui? – Sua voz soou em meus ouvidos, nesses dias quase não ouve tempo para a gente conversar.

- Eu não podia ir embora sem ver esse lugar de novo. – Falei sem olhar para ele.

- Posso me sentar do seu lado e desfrutar a paisagem?

- Não precisava pedir, senta!

- Eu também vim me despedir,vinha aqui com freqüência durante a gravação dos filmes é um lugar bom para pensar.

- Justamente o que eu vim fazer aqui.

29 comentários:

  1. Oi gente queria dizer para quem estiver lendo que a fic é maravilhosa.
    td bem sei q sou suspeita pra falar afinal sou prima da autora da fic e nos duas somos mt amigas, então resumindo eu li antes de td mundo \o/\o/\o/e eu amei a historia tanto a pp quanto Taylor sofrem mt
    zip fechando a boca antes de contar td bjs Gabhy

    ResponderExcluir
  2. so avisando gente ta com erro no script

    ResponderExcluir
  3. Hi people! A Gabhy tem razão, apesar de eu ter lido apenas os dois capitulos que me foram enviados para betar, essa fic promete. E quanto ao script, é ta errado mesmo, sorry foi um erro meu, mas já enviei a correção pro Staff creio que logo, logo será concertado.

    Sorry de novo flores!

    ResponderExcluir
  4. Oi!!! Valeu gabhy polo comentario, é muito enocionabte ver sua fic assim, e você tem culpa nisso pois se ele esta pronta agora e estou é porque você me incentivou,pencei seriamente em desistir por varias vezes.´Já já terá mais novidades.Obrigada Nnnah.
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Por que será que amo Los Angeles? * fazendo cara de pensativa* Uhauaahauuahauhauah maior probabilidade de encontrar Tay Tay ou Rob...muitos bjus! Vamos ver no que isso vai da.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com MissLany, tbm amo Los Angeles, já disse que se eu ganho na mega sena, me mudo pra lá, isso tudo para ver meu Taydelícios(suspiros).k k k k k
    Mudando de assunto, a fic está divina, estou amandoooo, bjssss!!!!!

    ResponderExcluir
  7. A fic está maravilhosaaaaa, simplesmente perfeita!!!!
    Bjssss!!!!

    ResponderExcluir
  8. Fico feliz que não tenha retirado a fic do blog, ela é linda e estou adorandooooo!!!
    Nossa, o Tay sentiu minha falta? Não dá nem pra acreditar, não é à toa que eu achei que era brincadeira da Kristen.
    Adorandooooo!!!
    Não desista da fic, não! Bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  9. Ahhhhh!!!
    Como a PP foi capaz de uma crueldade dessas com o Tay? Tadinho, está certo que ela terá que ir embora, mas tratá-lo tão friamente foi cruel, até eu, senti sua dor.
    Amandooooo, bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  10. Ain, tadinha da PP, realmente os sentimentos estão bem confusos, mas ela só vai descobrir o que realmente senti se aproximando do Taylor, não fugindo.
    Pelo menos ela escuta a Kristen, que está sendo uma ótima amiga, agora é deixar acontecer o que tem que acontecer.
    Adorandooooooo, bjssss!!!!

    ResponderExcluir
  11. Leitora nova.
    Estou a adorar a fic

    ResponderExcluir
  12. estou amando a fic amor, ta perfeita. Quero mais :3

    ResponderExcluir
  13. Coitada da PP passou por maus pedaços nas gravações, mas nada como a ajuda dos amigos e principalmente do Taylícios para dar a volta por cima e levantar o astral.
    E com essa ajuda extra do Tay, tudo vai melhorar, TUDO mesmo!! rsrsrsrs
    Adorandoooooo, bjsss!!!

    ResponderExcluir
  14. To adorando a fic!! OTaylor é de mais não aiai Sou apaixonada por ele kkk !!!
    Continua vou esperear ansiosa!!

    ResponderExcluir
  15. Ela precisa parar de ser tão pessimista e cabeça dura, precisa viver o hoje e esquecer o amanhã, e dai se rolar algo entre eles, e dai que ela irá voltar pro brasil? ela precisa é aproveitar, estou amando a ficção e super curiosa pra saber o que vai rolar! beijos

    ResponderExcluir
  16. Ain, tadinho do Taylor!!!
    A PP é o maior obstáculo que existe entre os dois. Sério, como pode ser tão pessimista?!
    Adorandooooo, bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  17. Heyyyyy, ta otimo... Continua logo Pleaseeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee... EU TO AMANDO

    ResponderExcluir
  18. O.M.G!!!*OS DOIS TÃO UMA MAX...tO ADORANDO A pp!!
    Ela tá cert quem me garante q o Tay n vai somnte aproveitar ...hum??
    Depos quem chora hem??
    Amei os caps ...
    Continua>>

    ResponderExcluir
  19. O capítulo ta maravilhoso, mas essa PP em enquanto muitas querendo receber uma declaração dessas (eu, por exemplo) e ela se fazendo de difícil kkk. Espero que ela não deixe esses medos atrapalharem esse amor. Ansiosa para o próximo.
    Bjos

    ResponderExcluir
  20. Ai meu Deus, como a PP está confusa, se jogaaaaaaa!!!
    E que declaração foi essaa?! Tãooo Fofoo esse Taylor!! Amo!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  21. Adorandooooo!!!!
    Torcendo para que a PP, pelo menos escute o que a Gabhi disse.
    Bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  22. Taylor está tendo um trabalho e tanto com essa PP.
    Mas pelo visto não são só eles que estão tendo problemas não. Robert e Kristen também estão numa fase bem ruim.
    Adorandoooooo, bjssss!!!!

    ResponderExcluir
  23. Tô amando a fic, continua por favor!

    ResponderExcluir
  24. Nossa ta muito boa eu quero maisss
    Desculpa a demora mas o terceiro ano é foda!!! Posta mais e eu leio assim que puder!!!

    ResponderExcluir
  25. Lindo, adorei o cap.!! Posta mis bjos!!

    ResponderExcluir
  26. FIC INCRÍVEL PARABENS QUERO++++ POSTA + CAP. PLEASE BJINHOS

    ResponderExcluir
  27. por que parou de postar? A fic é incrivel, eu amei. Posta mais, pfr :(

    ResponderExcluir