18 de março de 2012

Metamorfose (Jessica F.)

| |





Capítulo 35

Só me dei conta da besteira que tinha feito quando Elise desabou sobre mim, enlaçando suas mãos em meu pescoço. Minha visão não estava mais tão turva e meu olfato se ajustou aos poucos. O cheiro de whisky misturado com suor estava em todo lugar.

O pior de tudo era o sorriso na cara da garota. Como se ela finalmente tivesse conseguido o que sempre quis. De cabelos grudados na testa, seios roçando meu peitoral, pernas nuas envolvendo meu tronco.Se transar comigo era tudo que ela queria... É , finalmente tinha conseguido. Fui babaca o bastante para deixar acontecer. E por ser lobo, o efeito do álcool havia ido embora bem mais rápido. Restava-me apenas culpa e desgosto.

“Anestésico” nenhum podia apagar o que eu tinha feito.

Levantei atordoado, sem esperar que ela tomasse qualquer outra atitude. Rolei os olhos quando ela se agarrou em minhas pernas.

- Aonde você vai? Está me deixando aqui, nesse estado?

Olhei para o sofá, para seu rosto, para suas roupas espalhadas... E tive tanta vontade de chutar tudo que decidi apenas fechar os olhos e respirar fundo. Três vezes.

- Eu sei que não tenho esse direito, mas quero pedir que finja que isso nunca aconteceu entre nós.

- Você não tem mesmo esse direito! – ela arregalou os olhos e grudou mais em mim. – Porque apagar isso? Foi maravilhoso e você queria!

- Eu estava bêbado. – lembrei.

- É isso vai dizer a ? Porque ela nunca vai te perdoar Jake, e então você vai ter que voltar para mim.

- Não ouse contar para ela. – rosnei. – Se ela tiver que saber, que seja da minha boca.

- Eu não conto se você prometer que... Vamos fazer amor de novo. – seus olhos brilharam.

- Meu deus! – joguei a cabeça para trás e suspirei. – O que fizemos não chegou nem perto disso. Foi apenas um grande e terrível erro.

- Eu fui tão ruim assim?

- Acontece que eu não senti nada, Elise, nada.

- Com o tempo você pode...

- Por favor. Vá embora. – pedi, com um cansaço enorme e um dor de cabeça ainda pior.

- Eu posso até sair daqui, mas não da sua vida. Agora você está preso a mim, por causa desse nosso segredinho.

Olhei para ela com desprezo, mesmo sabendo que a culpa era toda minha. Decidi eu mesmo sair daquele lugar. Pesquei uma bermuda qualquer e vesti, enquanto corria porta afora.

Não vi lugar melhor para ir do que o Canadá. Era o longe o bastante para que eu pudesse ficar sozinho. Lá eu poderia refletir sobre a maior burrada da minha vida... E sobre as conseqüências que seguiriam com esse erro.



POV



Jake estava desaparecido há duas semanas. Nem preciso falar sobre a dor no meu coração ou sobre a culpa de ter sido tão severa com ele.

O que posso fazer se ele ainda tem sentimentos pela sonsa da Isabella? Com certeza a melhor saída não era expulsá-lo, e sim fazê-lo entender que nosso amor é mais forte que qualquer paixonite pré-adolescente que ele tenha tido.

No dia da briga não enxerguei que podíamos contornar isso juntos. E também não percebi que não podia julgá-lo pelos mesmos erros que eu também cometia. Eu ainda gostava de Edward, como Jake gostava de Bella. E mesmo assim, eu só queria que meu lobo voltasse. Queria dar mais uma chance, queria sentir o nosso amor na maneira como ele me segurava, beijava ou abraçava...

Saudade era uma palavra horrível.

E mais uma vez me perguntei... Quando é que eu teria raiva de Jacob de verdade? O que é que ele precisaria fazer para que eu sumisse de sua vida pra sempre? Nosso impriting, apesar de confuso, parecia tão forte e invencível. Como uma represa... Agüenta tanta pressão, e mesmo assim se mantém firme, segurando todas aquelas ondas.

Então será que a resposta era nunca? Será que eu jamais odiaria Jake, mesmo que ele me machucasse muito? É, acho que não seria capaz de odiá-lo, afinal, somos um só.

Fui até a janela pela décima vez. Fitei a floresta por tantas vezes que já tinha decorado a posição de algumas árvores. A verdade é que eu esperava que ele saísse por entre elas a qualquer momento. Provavelmente não seria nesse dia. Talvez amanhã ou depois, mas não no dia do casamento de Isabella. Um dos grandes motivos de Jacob estar desaparecido há quase das semanas.

Intermináveis 17 dias.

Suspirei fortemente, vendo o sol começar a se por a oeste. A esperança de vê-lo voltar ia embora junto com o chegar do anoitecer, por todos esses dias. Era como algo metafórico... Enquanto houvesse luz, eu acreditava em seu retorno. Depois disso, só me restava melancolia.

Olhei-me no espelho por alguns segundos e me perguntei seriamente se eu queria ir aquela droga de matrimônio. Nada (nada mesmo) me faria sorrir ali. Ver Edward casando só acentuaria minha depressão. Então porque eu iria? Porque diabos ia sair da minha cama por isso? Porque me enfiaria num vestido longo e calçaria sapatos tão altos? Porque me maquiaria se não tinha motivos para ficar bonita? Ah, sim. Por causa de um maldito pedido especial.

Flashback



Estava tão concentrada em esquecer que Jacob havia partido, que havia resolvido entreter minha mente com a culinária. Minha mãe tinha ido embora dois dias antes, mas deixado pra mim uma lista imensa de receitas interessantes.

Acredite se quiser, a loucura em minha cabeça estava tão grande que fiz sete doces diferentes e os coloquei na mesa. Fiquei observando meu trabalho por alguns minutos, quando a campainha tocou.

Meu coração deu um pulo enorme. Seth sempre vinha me visitar pela manhã, e não pela tarde. Então arranquei o avental de meu corpo enquanto corria para a porta, me perguntando por que meu lobo simplesmente não teria pulado a janela.

Abri a porta com força e fiquei surpresa com o que vi a minha frente. Não era Jacob. Era...

- Edward?

- .

- Como você pode estar aqui?

Engraçado como foi isso o que saiu da minha boca quando queria dizer a ele tantas outras coisas. Mas no primeiro instante, tudo o que se passou na minha mente foi como ele havia passado das fronteiras de Lapush.

- Consegui uma permissão legal. – ele brincou. – Posso entrar?

- Oh, claro. – Abri passagem, ainda perplexa. – E o que você disse?

- Apenas que precisava te ver.

Ele sorriu docemente. Estava de longe, feliz como nunca. Dava pra ver em seus olhos que essa história de casar o havia deixado exultante. Não era bem o que eu desejava, mas vê-lo bem estava de bom tamanho.

- Só isso? – fui descrente.

- Eles deixaram porque concordam que você precisa ser vista. Não sai de casa há alguns dias, não é ?

Ele encarou meu rosto provavelmente inchado de chorar, meu corpo uns dois quilos mais magro e meus cabelos emaranhados. É, eu não saia há alguns dias e só recebia Seth para obter noticias. Apenas ele.

- Não me sinto muito bem para... Sair.

Sair? Eu não me sentia bem para viver.

Ele se contorceu quando a retificação aconteceu automaticamente em minha mente. Mas era verdade. Minha vitalidade ia se esvaindo aos poucos e eu estava ficando louca.Ed seguiu meu olhar marejado em direção a cozinha. Por uma brecha, consegui ver todos aqueles doces intocados em cima da mesa. Meu deus, eu estava mesmo enlouquecendo.

Senti algo frio nas mãos e percebi que Edward havia corrido para segurá-las. Ele olhou em meus olhos firmemente e me puxou para um abraço. Foi meu único conforto em dias.Chorei ali como um bebê, enquanto ele me acalentava e dizia algumas coisas bem baixinho em meu ouvido. Palavras de consolação que eram abafadas pelos meus soluços. Pedi a todos os santos que ele não parasse de me segurar.

- E além de todas as coisas ruins, você vai casar.

As palavras saíram estranguladas de minha boca, mas eu sabia que ele tinha entendido. Desde meu tom choroso até a amargura em proferir aquelas ultimas letras.

-... Não é um coisa ruim. – ele me apertou um pouco mais. – Você também vai se casar um dia.

- Não vou me casar. – solucei ainda mais alto. – Nunca vai dar certo com ninguém.

- É claro que vai. É tão linda, especial, atraente, cativante, sedutora, talentosa, poderosa... – ele me fez erguer a cabeça e ver seu meio sorriso. – Tudo que um homem quer está reunido numa só mulher. Em você.

- De que adianta? Nunca vou poder casar ou sequer ter filhos enquanto tiver que carregar o fardo de guiar os Quileute.

- Como assim?

- Há coisas que ainda não te contei sobre mim. – Ele se separou de mim e nos encaminhou até o sofá. – Sobre minha família.

- O que você é? – ele pescou alguns pensamentos em minha mente. – Eu sempre soube que era diferente.

Assenti rapidamente, mas aquela era a última coisa que eu queria ouvir. Por causa dessa diferença toda é que nada dava certo para mim.

- Desculpe. – ele disse. – Não queria te chatear.

- Tudo bem. Não dá pra ficar pior. – ergui os ombros. – Eu sou uma conselheira, tenho poderes especiais, sou obrigada a me dedicar a tribo e apenas isso. Nada de FELICIDADE.

A angústia transpareceu em meu sorriso falso por que era exatamente essa impressão que eu tinha... A de que jamais poderia ser feliz. Sem Edward ou Jacob, sem impriting ou amor do passado. Sem amor nenhum.

- Isso não existe , não há tristeza ou alegria que dure para sempre. Vocês só estão passando por momentos difíceis.

- Não... Sei que é verdade, sei que meus momentos ruins serão muito mais longos e freqüentes que os bons. E vai continuar assim, a menos que eu engravide de uma garota.

Edward se mexeu desconfortavelmente no sofá. Li a mente dele e soltei um sorriso amarelo.

- Tudo bem, um dia vocês vão ter filhos. É só que... Achei que tivesse superado... Você.

- Também imaginei isso, afinal, seu casamento será amanhã. Mas não se preocupe, não pretendo ser mãe aos dezessete anos. Além disso, os poderes só se transferem se for uma menina... Quantas tentativas terei que fazer?

Lembrei de Teresa dizendo que sempre geramos mais homens. Imaginei-me cuidando de oito garotos e meu estômago doeu.

Imagine, uma mini matilha em casa.

- É. – suspirei. – Falei e reclamei da minha vida o bastante. Agora é sua vez, conte tudo sobre os preparativos.

- Sim. – ele segurou minhas mãos novamente. – Um dos motivos pelos quais estou aqui. Quero que compareça na cerimônia.

- É pedir demais.

Soltei suas mãos e encarei seus olhos subitamente tristes. Sei o quanto era importante para ele, mas e quanto a mim? Vê-lo subir ao altar seria, provavelmente, uma experiência traumatizante. Convidar-me a ver Isabella no dia mais feliz de sua vida, enquanto eu me arrastava num relacionamento ruim justamente por causa dela? Não era só pedir demais, era sacanear comigo. Talvez eu fosse sim, mas só pra esfregar a cara dela no chão.

-... É um dia importante para mim, só vou me sentir completo se você estiver lá.

- Case-se incompleto, então.

Cuspi as palavras e comecei a andar pela sala. Minha vontade era mandá-lo ir ao inferno, e nem precisei, porque ele ouvia tudo. E que ouvisse mais... Se eu fosse naquela festa, espancaria a futura mulher dele.

- Sabe que não vai fazer isso, não é? Porque você é boa demais, compreensiva demais, linda demais. Sei que você odeia Bella, mas me ama. E isso é tudo. Por me amar, faria qualquer sacrifício por mim.

- Contar vantagem tem sido sua especialidade ultimamente, Cullen.

- Só estou contando a verdade que está escondida em seu coração. Saiba que eu faria o mesmo em seu lugar... Detesto aquele cachorro, mas seria até seu padrinho de casamento, se você pedisse.

- Nem adianta me olhar assim. – estralei os lábios. – Jamais seria madrinha ou sequer dama de honra do seu casamento.

- E quanto a convidada especial?

- Posso pensar a respeito.

Um sorriso se abriu em seu rosto e logo preencheu seus olhos. Quando ele sorria daquele jeito, perdia todo e qualquer traço vampiresco (a exceção da beleza) e se tornava tão caloroso quanto nós, quileutes.

- Foi um elogio e tanto. – Edward se aproximou e beijou minha bochecha – Diga que vai.

- Eu vou.

Falei firmemente e senti seus braços em volta de mim segundos depois.

Fim do Flashback



Por isso. Por isso estava dentro de um vestido azul turquesa fluido e um salto 14 cm. Eu não queria ir, mas já que ia... Me arrumar bem não faria mal. Talvez eu até ficasse mais bonita que a noiva... E isso sim seria meu único motivo para rir.

Terminei de colocar os brincos no mesmo momento em que ouvi batidas na porta. Seth passaria para me buscar. Engraçado como ele sempre estava por perto para me apoiar nos momentos difíceis, enquanto Jacob sempre dava um jeito de estar a quilômetros de distancia. Belo namoro.

- Já vai!

Desci as escadas correndo e sem nenhuma dificuldade. Pensei nisso com alguma curiosidade. Eu não caía de lugar algum há tempos. Senti falta dessa sensação de estar vulnerável e frágil, por mais estranho que pareça.

Girei o trinco e arregalei os olhos teatralmente quando vi um certo lobinho todo engomado na minha porta.

- Seth, você tá um gato!

- Jura? – ele gargalhou – Então será que agora tenho chances com você?

Nós rimos escandalosamente. Eu sabia que ele ainda gostava de mim, mas agora nossa relação era apenas e unicamente de amizade. E eu valorizava demais isso. O jeito como ele conseguia ser meu suporte, como me aturava e me respeitava.

- É claro que tem! – Apaguei as luzes e entrelacei meus braços nos dele. – E já que tocamos no assunto, hoje sou toda sua.

- Então fico muito feliz e honrado... Vou estar na companhia da mulher mais bonita do mundo.

Vou juntar cada pouco de confiança que tiver
E cair na água.
Vou juntar cada pouco de confiança que tiver
Por você, eu vou.
Por você, eu vou.(Teddy Geiger – For you I Will)

N/A: Oi lindaas :D Como estão? Animadas, com raiva ou loucas da vida? kkkkkkkkkk Devo dizer que adoro quando os posts de vocês são chocados UEHIUSHES

Sobre a fiction: Sim, como eu havia dito antes, Metamorfose pode não tomar o rumo que vocês gostariam, mas posso adiantar que muita coisa interessante ainda vai rolar daqui pro final da fic! Pra quem queria saber mais sobre a história passada da PP e Edward, começa aqui... E os demais mistérios também. Estarei esclarecendo tudo.

E o fim é inevitável, mas acho que ainda temos uns 10 capítulos pela frente :D Então continuem comentando, ok? Sou mais feliz quando deixam um recado pra mim, seja ele mal criado, gritado, revoltado ou fofinho. Hahaha’

Leandra: Não flor, nunca pensei em fazer uma 2ª temporada de metamorfose. Eu nem sei como seria... Os mesmos personagens? Uma nova história? Não sei... Alguém tem alguma ideia interessante?

*Sempre coloquei o nome das músicas, mas nunca o trecho referente. Elas sempre foram pensadas e escolhidas para cada capítulo... Se puderem, procurem e ouçam. Garanto que vale a pena. Beijos flores;



Capítulo 36 – 93 Million Miles



Tudo estava muito bonito e a decoração tinha um bom gosto incrível. Só de olhar, pude saber que Alice Cullen tinha planejado cada detalhe daquele casamento.Vi Edward conversando com Carlisle, e ele sorriu amplamente quando também colocou os olhos em mim. Eu nunca o tinha visto tão elegante. Seus olhos mais claros, cabelo reluzentes, postura impecável. Ed parecia um príncipe de contos de fadas.

Ele se aproximou, trocou um comprimento com Seth e depois me arrastou até uma área mais isolada. Foi quando senti seus braços em volta de mim, e seu rosto afagar de leve o meu.

- Nem sei me expressar quanto a minha felicidade em te ver aqui!

- Eu não te decepcionaria, Anthony. - Ele me soltou rapidamente e me encarou por longos minutos.

- Me chamou pelo meu 2º nome?

- Ontem tive outro vislumbre de nossa vida passada, e era como eu te chamava. Achei que seria interessante te chamar assim uma ultima vez, para colocar um ponto final na história que tivemos.

- Porque não me contou? – ele arfou.

- Não faria diferença.

- É justamente o tipo de coisa que faria toda a diferença para mim. Minha vida humana, nosso relacionamento. Tudo acerca do tempo em que eu ainda tinha uma alma tem uma importância significante para mim. – Edward suspirou. – Por favor, me mostre.

Lentamente, deixei que meus pensamentos nos conduzissem ao cenário que eu havia visto há horas atrás, durante meu sono. Estávamos próximos de uma lagoa, deitados numa toalha e seda, numa grama tão verde que só podia significar uma coisa: Primavera.

Flashback

Seus olhos verdes e gentis me analisavam com cuidado, e seus dedos passavam levemente por minhas mãos, vez ou outra, fazendo-as formigarem.

- Como está sua mãe?

Ele segurou minha mão com força à menção das simples palavras, e quase me arrependi de ter perguntado. Jamais teria pretendido fazê-lo sofrer.

- Ainda doente. Nosso médico suspeita da nova gripe que assola o país. Tenho medo.

- Não tema. – meu corpo se aproximou do dele automaticamente. – Tudo vai ficar bem.

Edward sorriu levemente e então nos abraçamos. Aquele tipo de contato tão íntimo era mal visto pela sociedade, de modo que ficamos envergonhados com o simples roçar de nossos braços. Lembrei-me de quando nossos olhares eram o suficiente. Já não era mais o caso para nenhum de nós dois. Eu gostaria de ser beijada, mesmo com tanta vergonha.

Levantei o queixo na direção de seu rosto e minha boca ficou próxima demais da sua, de modo que nossas atenções se fixaram nesse ponto por algum tempo. Aquele foi nosso primeiro beijo, cheio de magia, significado e decoro. Deus sabe o quanto eu queria colocar a decência de lado, ao menos enquanto estava recostada sobre seu peito.

- Estou profundamente apaixonado por você. – ele suspirou.

- Assim como eu. – beijei seu queixo. – O que faremos?

- Pedirei sua mão ao seu pai, muito brevemente.

- Ele nunca aceitará. – passei minha mão por seus cabelos levemente. – Nossos pais não se suportam.

- Tenho que tentar. Sinto que não posso mais ficar longe de você, estarei perdido.

- Não como eu. Eles querem me arranjar para o filho de um dos negociantes amigo de meu pai, e ele virá da Inglaterra para me conhecer. Anthony, não posso ser de outro depois de ter provado do seu amor.

- Ainda temos tempo. – ele beijou o topo de minha cabeça carinhosamente, mas eu sabia que ele estava profundamente irritado com o que havia ouvido.

- Só duas semanas, pelo que ouvi. – fechei os olhos. – Temos que aproveitar ao máximo. Não me importo mais com o que pensarão de nós dois... Temos que ficar juntos enquanto ainda podemos.

Ele sabia muito bem sobre o que eu estava falando. Engraçado, por eu ser a mulher, estar tão interessada em perder minha virgindade. Não era só pressa. Era também medo... Medo de ter que me entregar para um desconhecido, sabendo que eu amava Edward Anthony Masen, e apenas ele.

- Não. – ele se afastou de mim, com um semblante dolorosamente culpado. – Você é uma mulher de família, e merece ser tratada como uma. Isso acontecerá no nosso casamento, vou pedir sua mão. Ficaremos juntos, meu amor.

- Jura?

- Eu juro. – ele beijou minha mão, depois minha testa, e então minha boca. Eu acreditei fielmente naquela promessa, pelo modo como suspirei em seus braços.

Fim do flashback

- Parece que não mantive minha promessa. – Ed encarou os céus, seus olhos se escureceram um pouco.

- Não naquela vida. – encarei o altar. – Talvez nessa... Veja bem, está finalmente se casando com um amor verdadeiro.

- Sinto muito . – ele me deu um meio sorriso triste.

-Não sinta. Eu nem me lembro disto, um século se passou.

- Mas sei que é capaz de sentir a sensação e a dor, eu estou sentindo. Parece que foi ontem.

- Então nossa história não deixa de ser passado. Se foi há 100 anos ou há um dia, não importa... Ficou para trás. – toquei delicadamente em seu queixo e me senti na obrigação de lhe dizer algo. – Às vezes, a vida trás á tona assuntos antigos por meio de novas pessoas ou situações... É o jeito do universo de fazer você ter que lhe dar com questões não resolvidas.

Ele fez uma cara de confuso, e então tentei explicar de uma forma melhor. Bem mais clara.

- Você sempre quis fazer as coisas do jeito certo. O nosso casamento ficou apenas em nossa imaginação, mas nessa vida, você conseguiu. Sei que você e Isabella são virgens, e entendo o que isso representa pra você. – ele abaixou a cabeça, de certo envergonhado. – Por quantos problemas teve que passar para chegar até aqui? Foi seu caminho de aprendizagem, Ed. É assim que funciona.

Uma luz pareceu ter surgido em sua cabeça. Ele começou a ligar os pontos.

- Agora posso compreender. O fato do sangue dela ter um poder absurdo sobre mim, a sede, os Volturi, a relutância dela em casar... Eu tinha que passar por cima de tudo isso, não é?

- Era o seu sonho, não era? – eu sorri amplamente, feliz por ele ter conseguido realizá-lo.

- Sim. Só não entendo por que não deu certo com você... Quando eu era humano. – Edward beijou minha mão levemente.

- Sempre antes de realizar um sonho, a Alma do Mundo resolve testar tudo aquilo que foi aprendido na caminhada, Edward. – sussurrei próximo de seu ouvido. – Não era pra ter acontecido, não foi nosso destino.

- Onde ouviu isso?

- Eu não sei, apenas fluiu de mim. – sorri envergonhada. – Não acredito que sou mesmo uma conselheira, inferno!

Ele gargalhou, juntou minhas mãos no alto, e as beijou novamente com uma delicadeza infindável. Pela sua mente, ouvi um dizer claro e sincero. “Você será feliz, muito feliz. E não apenas por merecer, mas por saber transformar dor em amor quando é preciso.”

Ouvimos um grito ensurdecedor de Emmet, e então quebramos o contato visual. Pelo visto, a cerimônia iria começar. Ed se despediu com um beijo em minha testa e se virou, seguindo rumo ao altar.

De repente, eu já não sentia mais raiva daquele casamento. Ainda odiava Bella, com toda a certeza do mundo, mas até esse sentimento parecia pequeno diante da realização pessoal de alguém que eu amava. Eu estava torcendo por Edward, pela felicidade dele... E nada mais.

Só fiz uma careta ao sentir uma sensação estranha, quando três vampiras bonitas sentaram ao meu lado. Foi tão desconcertante que tive uma pequena tontura. Por sorte, Seth estava ali do meu lado. Ele jamais me deixaria cair.

- Ela está linda.

Seth sussurrou por debaixo do fôlego, e então me virei para olhar – como todos os outros – a noiva. Isabella caminhava ao som da marcha nupcial e ao lado do pai. Ela não sorria, mas seu coração batia tão rápido e alto quanto uma bateria. Acho que seus sentimentos estavam entre nervosismo e alegria. Jasper tentava controlar a ansiedade a todo custo, antes que ela acabasse caindo no tapete marfim.

Não pude deixar de sentir uma ponta de inveja. Eu e Jacob, nós nos casaríamos? Seriamos felizes? Ele me olharia daquela forma, exultante?

As indagações mais dolorosas da minha vida só terminaram quando o show de felicidade se acabou e as valsas e danças animadas começaram. Edward apareceu alguns segundos depois, inclinando sua mão em um pedido mudo.

- Onde está sua esposa? – murmurei sobre seu ombro, enquanto ele nos conduzia numa música lenta. Eu o senti enrijecer levemente.

- Com Jacob. – me separei dele rapidamente.

- C-com ele? – Gaguejei, meus olhos se enchendo de água automaticamente. Ele estava aqui!

- Sim, ele veio. Isabella e ele estão se despedindo, antes de irmos para o Brasil.

- Como ele está? – arfei. – Jake está bem?

- Parece bem sim, ao menos fisicamente. Mas por dentro ele está um caco, .

- Pelo casamento... – encarei o chão, um pouco desconcertada. Devia estar sendo tão ruim para ele quanto para mim.

- Não, está mal por causa da situação de vocês. O meu casamento com Bella já foi superado por ele.

Ergui minha cabeça e vasculhei a mente de Edward. Não era mentira, os pensamentos de Jake eram cem vezes mais voltados a mim do que a união de sua melhor amiga a um vampiro. Sorri de leve com aquilo.

- Pode me levar até ele?

Ed assentiu e começamos a andar lado a lado. Não demoramos a encontrar Jacob conversando com Isabella um pouco mais afastados de todos os outros convidados. Eles estavam rindo um pro outro.

Numa hora tudo parecia bem, e na outra, Jacob estava tremendo.

Edward correu e assim que entrou no campo visual do meu lobo, algo inesperado aconteceu. Jacob avançou para cima do vampiro, tendo como principal objetivo arrancar-lhe a cabeça.

- Você ficou louco? – ele acusou Edward, que só não foi atingido porque outros lobos surgiram da floresta e se anteciparam, segurando o corpo forte de Jacob.

Eu não estava entendendo nada, e esse foi um dos motivos pelos quais decidi não interferir. O outro é que minhas pernas paralisaram ao sentir o cheiro dele, ao vê-lo tão perto outra vez.Sua feição estava cansada, mas linda, como sempre. Jake até parecia mais velho, com a barba por fazer. Todo esse tempo na floresta, quase três semanas longe de mim. Saudade era a único sentimento em meu peito.

- Você vai matá-la! – ele esbravejou novamente e Edward se encolheu, puxando Bella para si. – Vai matá-la, seu desgraçado!

Li os pensamentos ao redor e logo percebi o motivo de tudo aquilo. Isabella resolvera se entregar para ele ainda humana. Meu deus, que loucura.

Juntei-me aos outros meninos, que tentavam arrastá-lo para a floresta de todas as formas possíveis. Ele ainda estava se debatendo quando seus olhos se voltaram para mim. Seus braços pararam imediatamente, sua boca se entreabriu.

- . – eu nunca tinha ouvido tanto sofrimento num tom de voz.

- Vamos para casa.

Ele me ouviu com atenção, ouviu meu pedido. Soltou-se dos vários braços que o prendiam calmamente, e ergueu a mão na minha direção. Seus olhos estavam cheios de lagrimas, eu senti a força que ele fazia para segurá-las.

Entrelacei meus dedos nos dele e nós olhamos para nossas mãos, sentindo um ardor crescer no peito. Tocar Jacob era como estar de volta à vida. Eu estava viva de novo, finalmente podia respirar.

- Adeus Bella. – ele se virou e disse a garota, que sem se conter, soltou um soluço choroso.

Acenei para Edward e lhe disse em pensamento que o casamento havia sido lindo. E apenas isso. Nada de adeus ou tristeza, pois agora a felicidade dele estava ao seu lado, assim como a minha. Finalmente estávamos os dois completos.

A 240 mil milhas da Lua
Percorremos uma longa distância para pertencer a esse lugar
Para compartilhar essa vista da noite
Uma noite gloriosa
Além do horizonte há outro céu brilhante – Jason Marz

N/A: Oi gatinhas, tudo bem com vocês? Espero que tenham curtido a atualização...Capítulo que vem tem mais uma surpresinha bombástica :D Quanta reviravolta né? Kkkk

Devo avisar que, devido a todas as ameaças de morte que recebi, decidi pensar um final melhor para a fic. Kkkkkk Algumas garotas chegaram MUITO perto dos acontecimentos finais de Metamorfose, então estou tomando o cuidado de ser menos clara, se não, não haverá graça :P

COMENTEM! BEIJOS:*

Capítulo 38 – Mary me

A Floresta estava escura e silenciosa, pois todos os outros lobos seguiram seu rumo, nos dando alguma privacidade. O único som era o ricochetear do vento nas folhas e o barulho de nossos corações.

Já estávamos andando há algum tempo, e nenhuma palavra havia sido proferida. Talvez por medo. Medo de estragar o momento, o silencio, a paz. Medo de nossas incertezas surgirem e outra briga acontecer.

-Senti sua falta.

A voz dele estava rouca e baixa, como se não a usasse por muito tempo. Um arrepio subiu por minha coluna e eu parei de andar no mesmo instante.

- Eu também. – uma lágrima brotou em meus olhos. – Quase fiquei louca.

Sua mão se desprendeu da minha e veio de encontro ao meu rosto. Seus dedos estavam mais ásperos, e mesmo assim, a sensação de senti-los em minha pele ainda era a melhor do mundo.

- Me perdoa. – ele comprimiu os olhos. – A dor que senti, a dor que fiz você sentir... Fui a pior pessoa do mundo.

- Shh... – mesmo com saltos tão altos, ainda era bem menor que ele. O que me fez ter que ficar na ponta dos pés para alcançar seu rosto. – Está tudo bem.

Ele abriu os olhos e encontrou os meus bem perto. Os seus brilharam e os meus sorriram. Sem qualquer aviso, Jake passou uma de suas mãos pelas minhas costas e outra por debaixo de minhas pernas. Percebi muito tarde o que ele estava fazendo.

Jake me pegou em seu colo, e encarou meu rosto por longos minutos. Foi quando ele começou a se aproximar, calmamente. Senti seus lábios quentes e uma corrente elétrica se espalhar por meu corpo. Meus músculos travaram uma batalha épica entre relaxar e tencionar. Meu corpo sentia tanta falta dele que parecia prestes a explodir.

Sentindo toda essa confusão hormonal, Jacob apenas continuou com os lábios pressionados no meu por bons segundos. Somente quando fechei os olhos e suspirei levemente, é que ele começou a aprofundar o beijo. Sua língua tocou a minha e senti espasmos de reconhecimento da cabeça aos pés.

Passei meus braços pelo seu pescoço e o beijo que começou leve começou a ganhar proporções maiores. Nossas respirações estavam fortes, nossas bocas vorazes, nossos corações retumbantes e nossos apertos firmes. Jacob me segurava como se eu fosse tudo o que ele tivesse.

Pode parecer bobo, mas uma lágrima escapou e rolou livremente pelo meu rosto. Não era de tristeza, mas de alegria, por tê-lo de volta.

Ele era tudo para mim. Meu céu, meu sol, meu primeiro e único amor. As barreiras estavam ali a todo o momento, os problemas ameaçavam nos derrubar... Mas eu sabia, sabia com toda a certeza do mundo que não poderia viver sem ele.

Não era só questão de felicidade, mas de necessidade.

- Eu também te amo. – ele sussurrou fracamente contra meu rosto, encostando sua testa a minha. – Também não posso, não consigo e não quero viver sem você.

Jake balançou o nariz levemente contra o meu, como em um beijinho de esquimó. Nós rimos fracamente, e começamos a nos acariciar levemente, sem pressa.

Até que sua voz, mais firme e mais sincera do que eu já tenha ouvido, finalmente falou:

- Case-se comigo. Seja minha mulher.

Meu sorriso foi morrendo aos poucos e minha cara de confusão era a prova viva de que meu cérebro tentava processar as palavras. Eu... Tinha mesmo ouvido aquilo?

- Você... Você quer que... – minha voz se perdeu, eu não conseguia completar.

- Que você, Jonasson, seja minha esposa. – Ele me encarou profundamente. – Eu não tenho alianças aqui, não estou ajoelhado, não sei as palavras certas... Mas sinto que é o momento perfeito. Nunca senti com tanta força antes. Quer se casar comigo?

Pisquei mais vezes que o necessário, senti minha pressão cair e minha boca ficar seca. Seus braços me apertaram mais e seus olhos ficaram preocupados.

Ele... Ele queria casar comigo. Queria tentar, queria ser feliz ao meu lado. Queria acordar comigo pela manhã, queria que tivéssemos filhos e que formássemos uma família.

- Eu quero de todo o meu coração. Quero ser a única em sua vida, aceito me casar com você.

As palavras saíram sussurradas e apressadas, mas sei que ele entendeu pelo modo como abriu aquele sorriso que era o meu preferido e suas pernas vacilaram levemente. Não era o meu peso, eu sabia, mas a força do que eu tinha dito que o fez fraquejar momentaneamente.

A intensidade e a confiança com as quais proferi aquela frase. Eu estava pronta para ele. De corpo, coração e alma.

Jacob me deu um celinho e inesperadamente soltou minhas pernas, me suspendendo apenas pelo tronco. Só entendi sua ação quando ele começou a me girar. Ouvi o som das arvores, do vento, das nossas gargalhadas e dos nossos corações.

Senti uma alegria potente, que parecia vir de dentro das minhas veias. A sensação mais incrível de realização. Então aquilo era a felicidade? Aquele zumbido de harpa nos ouvidos e os pontos brancos dominando a minha visão?

Era perfeito. O momento mais feliz da minha existência.

Capítulo 38 – Broken Strings

Ele me pegou no colo de novo e começou a correr em direção a minha casa. Eu sabia que pressa era aquela, porque estava sofrendo da mesma causa. Eu queria ser dele naquela noite.

E quando finalmente chegamos até a porta, ameacei saltar de seus braços e Jake me segurou ainda mais firme, impedindo tal ato. Franzi as sobrancelhas e ele apenas disse:

- Vamos começar a treinar para o dia do casamento.

Eu gargalhei, enquanto ele tentava girar o trinco e empurrar a porta com os pés. Nós entramos na casa assim, como recém casados. Felizes, risonhos e apaixonados.

Ele ligou o interruptor e o susto foi tão grande que quase me deixou cair. Havia alguém em meu sofá, chorando copiosamente. Jacob me colocou de pé, e passou a minha frente, tirando a pessoa de minha visão.

Uma garota. Não dava pra ver o rosto, mas aquele cabelo e cor de pele...

- O que você está fazendo aqui?

A voz imperiosa de Jacob fez meus pelos se arrepiarem. Porque ele estava falando assim com a menina?

- O que está acontecendo Jake? – Perguntei e ele paralisou totalmente. Não ousava sequer virar e me encarar.

- Nada! – sua voz saiu desesperada, e senti pelo impriting que ele estava aterrorizado.

-Nada? – uma segunda voz disse, uma que eu reconhecia levemente. – Você não contou a ela, Jake?

- Elise? – eu perguntei, ainda sentindo dúvidas. Tentei vê-la, mas Jacob se virou para mim e impediu qualquer tentativa minha.

- escute... Ela é louca. Ela...

- Porque você não contou? – a voz chorosa de Elise voltou a ecoar em nossos ouvidos.

Eu não estava entendendo nada, mas não tinha um pressentimento muito bom sobre o que diabos eles estavam escondendo. Estava ficando tão nervosa que começava a dar alguns passos para trás.

- Saber do que? O que é que ele deveria ter me contado?

Minha voz ecoou gravemente ao mesmo tempo em que Jacob avançou na direção da garota, com uma mistura de raiva e angustia. Ele pegou no braço fino dela e a levantou do sofá, sem nenhuma delicadeza ou cerimônia. Os pensamentos da garota foram tão altos e claros que corri para ajudá-la.

- Jake, solte-a! – tentei desfazer o aperto de ferro que ele fazia sobre a mulher. – Ela está grávida!

(N/A: O capítulo ficará emocionante se colocarem essa música para tocar!)

http://www.youtube.com/watch?v=KlV-8INxGQw

Como se suas mãos tivessem pegado fogo, ele a soltou e foi parar quase meio metro longe. Olhou assustado para seus dedos e depois para Elise. Seus olhos se arregalaram, seu coração começou a bater como o de um cavalo numa corrida. Eu nunca tinha ouvido aquilo antes.

- Não! – ele sussurrou, olhando do meu rosto para o dela, repetidas vezes.

- Conte para ela. – A garota o incentivou.

- Cale a boca! – ele gritou, se enfurecendo novamente. – Não, não, não!

- Jacob, O que... –

Comecei a prestar atenção nos pensamentos dela. Elise estava repassando uma cena terrivelmente sórdida em sua mente, nos mínimos detalhes. Eu não merecia ver aquilo.

Senti-me tão enjoada que levei as mãos até a boca. Meus olhos se encheram de lagrimas e meus joelhos perderam a força. Eles atingiram o chão fortemente e eu nem senti. Não senti mais nada além de tristeza, nojo e decepção.

- Por quê?

Um soluço irrompeu pela minha garganta e eu engasguei, tentando perguntar novamente. Tentando entender.

Jacob, com o rosto transfigurado de dor, deus dois passos na minha direção. Levantei as mãos no mesmo instante, como se pudesse impedi-lo de chegar mais perto.

Ele estancou, mas só por um momento. Assim que meu choro começou a ficar incontrolável, minhas lamentações altas demais, e minha respiração insuportavelmente dolorosa, seus pés agiram novamente no automático e o levaram até mim.

Sua agonia era igual ou maior que a minha, pois juntava-se também a culpa. Ele tocou em meus cabelos levemente.

- Não encoste em mim! – um rugido saiu de minha boca, espantando a todos naquela sala.

Ele não podia... Não tinha mais o direito de tocar em mim. Tinha beijado outra, feito sexo com outra, engravidado outra. Aquela mulher daria um filho a ele. Ela... Não eu.

Meu corpo inteiro se sacudia, tamanha a intensidade de meu pranto. Casamento? Eu poderia até rir. Ele teve a coragem de me fazer a proposta em cima de uma mentira. Eu não era a única, não era.

Tentei levantar, devagar. Primeiro estiquei um joelho, depois o outro. Parecia que o mundo estava em minhas costas, mas eu consegui ficar ereta. Consegui encarar os olhos do lobo mentiroso mais uma vez.

Ele esticou as mãos e tocou nas minhas, e o que aconteceu depois não foi proposital, mas eu não liguei e nem achei ruim. Seu corpo foi arremessado a dois metros de distancia, depois que uma carga elétrica de quase 100 volts passou da minha pele para a dele.

Aquelas loiras, um novo poder. Meu cérebro cansado fez a associação. A tontura tinha vindo da transferência. Que seja, tinha vindo a calhar.

- Se tentar encostar em mim novamente, vai se arrepender. Isso foi só uma demonstração do que posso fazer.

Eu sabia que tinha desencadeado aquela carga sem querer, e que por sorte havia sido apenas um choque médio. Eu podia tê-lo matado. Sei que há bem mais que 100 volts para ser liberado. Quem sabe quanto?

- ...

Ignorei seu chamado urgente, sofrido. Porque ele estava sofrendo? Jacob não me amava. Se amasse, não teria feito o que fez. Virei-me para a garota lentamente.

- Você tem sorte de estar carregando um bebê ai dentro. – solucei novamente, por ser um bebê de Jacob. – Porque se não, eu juro que teria acabado com sua raça.

Ela arregalou os olhos, eu abaixei a cabeça e deixei que mais lagrimas caíssem, até continuar:

- Cruze meu caminho novamente e eu faço da sua vida um inferno. Assim como fez com a minha.

Dei-lhe as costas, mas me lembrei de uma coisa. Voltei e analisei os olhos do cachorro, ainda se contorcendo no chão pela dor do choque.

- Que sejam muito felizes juntos, você e sua nova mulher.

Virei-me novamente e corri. Corri como nunca, como se fosse a minha única salvação para a dor. Corri sem olhar para trás.

Arranquei os sapatos de meus pés por um breve momento e então voltei a correr. O penteado se desfez segundos mais tarde e meus cabelos longos caíram em ondas sobre meu rosto manchado de maquiagem escorrida.

O vestido também atrapalhava meus movimentos, e eu não podia deixar que nada me atrapalhasse. Sem parar jamais de mover meus pés, peguei boa parte do tecido e rasguei. O vestido ficou curto, mas ainda fluido. Eu podia finalmente mexer minhas pernas livremente.

Ainda que não pudesse me livrar de uma única coisa. A corrente envolta de meu coração ficava cada vez mais apertada. E a falta de fôlego não se dava pela corrida, mas pelo que eu tinha perdido. Pelo que havia sido tirado de mim... Por saber que algo não me pertencia mais.

Eu sempre me perguntava o que Jacob precisaria fazer para que eu o odiasse... Eis a resposta, nem mesmo isso. Eu não o odiava por ter dormido com outra garota, não o odiava por ter mentido e acabado com tudo o que tínhamos. Eu jamais o odiaria.

Pois a única pessoa a quem esse sentimento parecia ser propício era a mim mesma. Eu me odiava profundamente por amá-lo.

Eu não odiava Jacob, apenas amava-o um pouco menos.

A verdade dói E as mentiras mais ainda Como eu posso te dar algo mais Quando eu te amo um pouco menos que antes você sabe que eu te amo um pouco menos que antes

(Broken strings – James morrisson)

N/A: Essa foi a última vez que postei Metamorfose aqui no blog. NO comentários, NO ATUALIZAÇÕES.

Beijos para Adriana MB, e Binhablack... As únicas lindas que nunca me deixam na mão!<br><br>
Capítulo 39 – Part of me
Jacob POV


- Agora vai ser mais fácil... Ela te deixou. Vamos ser só nós três de agora em diante.

Eu estava deitado sobre meus joelhos, com a cabeça encostada no chão de madeira. Elise estava falando o tempo todo, mas eu não podia ouvir. Acho que também não podia ver ou tocar. Tudo o que podia era sentir.

Uma dor infernal, inacabável. Eu senti – provavelmente no modo literal – meu coração se partindo em milhares de pedaços. Ela me olhou com tanto nojo... Tanta decepção.

- Jake, esqueça isso. Você não era feliz com ela.

Solucei mais alto, deixando que as lágrimas escapassem novamente pelos meus olhos. Eu não era feliz com ela? Eu não sou nada sem ela! Nada! E ela nunca vai me perdoar.

- Ela não merece que você sofra, esqueça aquela idiota!

Soquei o chão de madeira ao meu lado e um buraco se fez debaixo da minha mão. O som estrondoso fez Elise calar a boca, e só por isso, fiquei contente de ter feito o que fiz. Levantei a cabeça vagarosamente, pois agora ela parecia pesar toneladas sobre meu pescoço. E assim que consegui a mínima estabilidade, olhei para a garota que tinha fudido com minha vida.

- Nunca mais a chame assim. Entendeu? – havia agressividade e dor em minhas palavras. Sempre a dor.

- Porque essa veneração toda? – seus olhos se encheram de água. – É a mim que você tem que amar agora, serei a mãe do seu filho.

“...Mãe do seu filho”. A frase ficou ecoando em minha mente. Não foi ela que imaginei criando meus filhos. Sempre que pensava em família, via correndo de um lado para o outro, rodeada de lindas crianças. Algumas se pareciam mais comigo, outras com ela... Fechei meus olhos com força e outra lágrima escapou.

A culpa era toda minha.

- Nós não vamos morar juntos, não seremos um casal e você não deve esperar nenhum sentimento de minha parte, alem de apatia completa.

- O que? – ela arfou. – Nós não vamos nos casar?

Eu ri. Ri de puro desgosto e sarcasmo. Eu jamais casaria com uma mulher que não fosse . Nem mesmo com Bella. Que inclusive, dia após dia virava apenas uma lembrança em minha mente.

- O que achou Elise? Que chegaria aqui, destruiria minha vida, me contaria sobre a gravidez e então seriamos felizes para sempre? – me levantei. – Eu te odeio ainda mais agora. E só não odeio essa criança porque ela não tem culpa.

Seus olhos se arregalaram e ela levou uma mão a boca e a outra até a barriga.

- Eu achei que... que...

- Que eu fosse jogar tudo para o alto por sua causa. Eu nem te conheço e o pouco que sei sobre você me faz ter anciãs de vômito. Aquele dia... – sentei de frente para seu corpo e percebi ela se afastar, com medo. – Você veio até a minha casa com um propósito. Finalmente compreendo, tudo foi planejado.

- Não a gravidez, isto não...

- Como se sente agora? Olhe bem para mim. – ela me fitou, engolindo seco. Viu meus olhos inchados e vermelhos, sem brilho algum. – Por sua causa, perdi parte de mim. é a metade de minha alma.

- Só por minha causa? Eu não fiz sexo sozinha!

- Eu sei. – minha voz tremulou. – Sei da minha responsabilidade e me odeio tanto por isso que mal consigo encontrar um motivo para não me matar.

- Jacob! Seu filho! Nós!

- Não vai haver nós nunca mais. – ela começou a chorar novamente. - E não se preocupe, existe um motivo pelo qual eu tenha que respirar. Trazer Jessica de volta para mim.

- Emily não vai deixar você fazer isso comigo. Terá obrigações, como pai, chefe da família que vamos construir.

- Samuel Uley sabe que tenho um impriting, e saberá o que você fez para me separar de . Duvido que alguém fique do seu lado.

- Não preciso de outros, só de você... – ela se inclinou para frente, tentando alcançar meu braço. Afastei-me, tão rápido quanto um raio.

- Tem algo muito doentio em você Elise, dá até pra sentir pena.

Olhei uma ultima vez para seu rosto chocado e me virei para a porta, saindo logo em seguida. A brisa leve em meu rosto levou um pouco da energia negativa que circulava em volta de mim. E mesmo assim, ainda me sentia pesado.

Caminhei alguns metros, até as arvores. O rastro de indicava o sul. Eu poderia segui-la, encontrá-la... Mas conhecendo-a bem, isso só pioraria as coisas. Então achei melhor resolver outros pontos, como o de conversar o meu povo. Eu nunca fui muito de permitir a intromissão de meus amigos em meu relacionamento, mas dessa vez, eu precisava de ajuda.

De toda a ajuda que eu pudesse conseguir.

Tirei as roupas enquanto corria e logo me transformei. Ela não estava em sua forma lupina, ou eu saberia. Isso só me deixou mais preocupado, pois não podia correr por aí em sua forma humana. Ficaria em uma desvantagem absurda se encontrasse algum vampiro. Uivei estrondosamente. Eu precisava da matilha.

Continuei a correr em direção a casa de Sam. Alguns me encontraram no caminho, perguntando avidamente o que tinha acontecido. Eu estava fraco demais para conseguir conter meus pensamentos dolorosos. Em um minuto, todos estavam sabendo como e porque minha vida virara de cabeça para baixo.

“Jake, sinto muito” Embry abaixou a enorme cabeça acinzentada e colocou-a contra meu pescoço. Não consegui evitar que um choro ecoasse por minha garganta. Um choro de lobo. Todos começaram a uivar.

“Como pôde fazer isto com ela?” Seth e Leah pareciam ser os únicos a não compartilharem da minha tristeza. Eles pareciam mais indignados e decepcionados comigo do que somente tristes.

Meu estomago deu mais algumas voltas. Sei que Seth teria sido um namorado bem melhor que eu para.

“Ela é seu impriting, não pense isso.” Ele respondeu de imediato. Deve ter sentido pena de mim. Mas eu não queria pena, queria auxílio.

“Preciso que alguém se encarregue da segurança dela, que segue para o sul como humana, para que eu não ouça seus pensamentos. Isso é perigoso.” Uivei novamente, chamando Sam.

“Eu posso ir, ela confia em mim.” Seth se prontificou, mas Leah logo usou uma voz rígida, que se sobrepôs a todas as outras.

“Eu vou. Ela precisa de uma mulher ao seu lado, de uma amiga. Sei o que ela está sentindo, sei como ajudá-la”.

Balancei minha cabeça positivamente. Leah estava totalmente certa, ela conhecia a dor de um amor destruído por causa de outra mulher. Ainda que no meu caso tenha sido um descuido infeliz, e no dela, uma obra da vida. Uma impressão destinada a acontecer.

“Obrigada Leah.” Ela assentiu fervorosamente ao mesmo tempo em que nosso Alfa chegava até o círculo que havíamos feito. Ele jamais precisaria perguntar. Meus pensamentos saiam gritados e eu não conseguia me conter.

“Eu devia ter ouvido Emily. Ela disse que Elise te olhava de um jeito estranho, obsessivo. Achei que era só... Imaginação.”

Meus olhos arderam novamente. Eu não conseguia entender porque cada vez mais meu destino se afastava tanto do de se fomos destinados a ficar juntos antes mesmo do nosso nascimento.

“Ela acha que agora que está grávida, vamos nos casar. Achou que éramos tradicionais quanto a isso.” Pensei tristemente.

“ Nós somos, você sabe que sim” ele suspirou e eu trinquei os dentes. “ Mas tem um impriting envolvido nisso. Não existe a possibilidade de te unir com outra mulher por causa desse filho, fique tranqüilo.”

Senti um pequeno e frágil sentimento de tranqüilidade, o único, depois de tudo o que aconteceu. A tensão em minhas pernas diminuiu, mas meu peito ainda doía... E eu sentia que a qualquer momento poderia parar de respirar. O meu ar estava cada vez mais longe, fugindo de mim.

“Preciso que tirem Elise da casa. Pro próprio bem da garota, porque se ela voltar e encontrá-la exatamente como deixou... Não sei o que pode acontecer.”

“Eu vou.” Jared disse.

“Não como lobo.” Sam o alertou. “Ela desconfia, mas não sabe de todos os nossos segredos.”

“Elise não sabe sobre meu impriting?”

“Não Jacob. O que ela sempre viu foi um casal com problemas. Eu não entendo o que acontece entre vocês dois. Sei sobre o fardo que ela carrega sendo uma conselheira, mas... Vocês agem como se tivessem sido obrigados a ficar juntos!”.

“Sam...” Meu peito queimou.

“Eu sei, sei que não quer ouvir nada agora. Mas pense nisso Jake, deve haver algo que possa trazer a verdadeira essência de um impriting de volta... Porque o nosso amor não funciona assim, não mesmo.” seus olhos negros pararam de me fitar para recair outra vez sobre o bando. “Leah, encontre nossa irmã. Se ela não quiser voltar... Observe a distância. Jared e Quil, levem Elise para minha casa. Teremos uma conversa bem longa essa noite.”

Todos assentiram sobre o tom alfa de Sam. Eu pensei que deveria segui-lo e resolver qualquer pendência em relação a garota, no entanto, ele me parou. Seus olhos já não eram os de um líder, mas os de um amigo.

“Vá para casa. Descanse irmão. Amanhã será outro dia.” Ele se virou e seguiu com os outros.

Ele estava certo. Seria um dia vazio, triste e obscuro. Mas ainda assim, outro dia.

N/A: Me disseram na Tag que metamorfose é a terceira fiction mais lida da semana... Mas eu só tenho quatro lindas comentando freqüentemente. O que há? A história está ruim? Se não estão com ânimo para comentar, é porque algo anda errado com a fic. Só quero saber o que é, mesmo que esteja no final da história. Quero resolver e melhorar Metamorfose, até porque sempre levei em consideração a opinião de todas vocês... Então por favor, dessa vez, levem a minha. COMENTEM, mesmo que negativamente.

Beijos para todas que mostraram se importar. Por vocês, voltei a postar a fic e agora, depois de tantos elogios e pedidos fofos, vou até o final. :***

Capítulo 40 -  My immortal (evanescence)


Não sei por quantas horas corri. Meus pés estava sangrando, minhas pernas tinham alguns cortes por causa da vegetação, minhas mãos estavam doloridas de tentar afastar os troncos do meu caminho. E eu não ligava.

Se eu parasse de correr, a adrenalina deixaria de percorrer minha corrente sanguínea, e então tudo voltaria. A tristeza, sentimento de incapacidade, a dor... A vontade de morrer.

Correr me passava a sensação de liberdade e ocupava meu cérebro. Enganava meu corpo. Sobrecarregava meu coração com outras funções. Mas minha alma? Eu não sabia bem o que fazer para tampar o buraco que havia sido deixada nela.

Foi pensando numa maneira de me curar que tropecei numa pedra e caí. Eu ri. Finalmente havia caído de algum lugar e me sentido vulnerável fisicamente. Agora emocional e físico estavam num mesmo estágio. Declínio absoluto.

Arrastei-me lentamente e me curvei, deixando que minha bochecha encontrasse a terra. Senti o cheiro da lama e a analogia surgiu em minha mente. Eu estava exatamente onde deveria estar, devido a todas as circunstâncias.

O choro escapou pela minha garganta de novo, e eu gritei.

- POR QUE? POOOOOOOR QUE TUDO ISSO? EU QUERO SABER O MOTIVO! – minha voz reverberou entre as grandes árvores.

Ouvi o eco do meu questionamento seguidas vezes. Por que tudo dava errado? Porque Jacob seria pai de um filho que não era meu? Por que esse impriting existia? Por quê?

- Eu não quero mais. – sussurrei. – Não agüento mais. Acabe com isso. Me leve daqui, me leve.

Um vento forte surgiu do norte. Eu não sentia frio, mas me arrepiei da cabeça aos pés, como nunca havia acontecido desde a transformação.

E mesmo assim não parei de pedir. Minhas suplicas tornaram-se quase inaudíveis. O vento piorou, as folhas chacoalhavam no alto das copas e meu coração parecia ficar cada vez menor, cada vez mais apertado.

- Me leve, me leve daqui.

Venha para nós, criança.

Foi quando parei de estremecer. Meus músculos se relaxaram, meu pulso desacelerou, meu peito parou de bater e minha mente ficou vazia. Eu parei de sentir a terra abaixo do meu corpo, parei de sentir a friagem e parei de sentir o cheiro do meu próprio sangue.

Fechei meus olhos lentamente.



Leah POV.

Finalmente senti o cheiro dela. Tinha corrido por uma hora inteira e conseguido finalmente alcançá-la. Ainda alguns metros longe, percebi algo errado.

O perfume adocicado de estava misturado a sangue. Um impulso natural me fez ficar ainda mais veloz. Eu só esperava (de todo o coração) não encontrá-la ferida ou morta. Não íamos suportar a perda.

( N/A: A conversa acontece por pensamento!)

- Como é que é? – a voz perturbada de Jake surgiu em minha mente.

- Onde você está Leah? – Seth indagou, com uma pontada de desespero quase no mesmo nível que a de Jacob.

- Sinto o cheiro do sangue dela. Estou próxima, a oeste de Seattle.

- De novo não... – Jake murmurou. - Não pode ser.

- Calma! – um dos garotos se pronunciou. – Vou pedir que os outros se transformem.

Ouvi um uivo em seguida.

Aonde quer que eu estivesse, perto ou longe, ele sempre parecia estar sendo ecoado em minha cabeça. Ignorei a dor nos meus tímpanos e continuei procurando .

- O que aconteceu? Porque ainda não foi pra casa, Jake?

A voz de Sam se distinguiu no meio de tantas outras. A confusão mental deles estava atrapalhando meu raciocínio. Circulei um pouco mais, até que finalmente vi. Perto de uma árvore grande, com os cabelos jogados por cima do rosto, de um jeito que me fez recuar.

Jess estava em posição fetal e havia sangue em algumas partes de seu corpo pequeno. Tranquei a respiração e cheguei mais perto. O que eu faria se ela tivesse... Se ela...

- Segurem-no! – Sam gritou. – Precisamos tirá-lo daqui.

Vi Jacob se destransformando aos poucos. Ele estava desmaiado ou bem próximo disto, a julgar pela palidez nunca antes vista em sua pele. Embry surgiu logo depois e o carregou nos braços com a ajuda de Paul. A imagem era tão nítida quanto um filme, pelos olhos do nosso alfa.

- Eu não sinto... – Jake balbuciou. – Não a sinto mais.

N/A: Gente, antes que alguém pire, a PP NÃO MORREEEEU! Kkkkkkkk Não me matem, eu juro juro juro que ia postar dois capítulos pra não deixar vcs nessa agonia, mas a falta de tempo me pegou de jeito :s Mas posto uma nova att terça, e eu (particularmente) sou apaixonada pelo próximo capítulo, que é quando ela descobre porque tem um impriting com Jake*.*
E por fim, MUITO OBRIGA PELOS COMENTÁRIOS MARAVILHOSOS. Eu fiquei tão feliz, tão emocionada, tão abobada, que nem sei como agradecer direito. Eu queria dar um abraço em cada uma de vcs, mas como isso não é possível, gostaria que cada uma deixasse aí embaixo uma coisa que gostaria de ver na fic... um tapa na Bella, um tapa na Elise, uma gravidez de gêmeos do Jacob... Vocês que sabem, estou pronta para devolver isso como forma de agradecimento infiniiiiito! KKKKKKKKKKKK beeijos lindas, mil beijos:***












Cap 41 - Only Time (Enya)

Acorde, filha.

Vamos, abra os seus olhos...

Está na hora!

Estávamos a sua espera.

A confusão estava tomando conta de minha mente. Será que era esse o céu? E o que eu ouvia seriam as vozes celestes?

É hora de se levantar, você precisa entender.

Vamos lhe contar tudo.

Tudo o que quiser saber.

As vozes pacíficas continuavam a ecoar em minha mente, enquanto eu me perguntava por que era tão difícil mexer meus braços e pernas.

Jonasson, conselheira do sétimo tempo, desperte!

Minhas pálpebras se moveram imediatamente. Diante de tal ordem imperiosa, meus músculos finalmente pareceram ressuscitar.

- Quem está falando comigo? Quem são vocês?

Muito bem, meu amor. Finalmente... Nós esperamos você por longos anos.

Longos anos...

- Por mim? – franzi a testa enquanto ficava e pé. Olhei para meu corpo. Nenhuma sujeira. – Porque estou com essa roupa branca?

Branco é sinônimo de luz.

Calma, paz e harmonia.

- Estou morta?

A palavra morrer já não me parecia tão atraente. Eu nunca mais veria Jacob, nunca mais veria Edward ou meus amigos. Minha mãe... O mar, as árvores. Tudo o que era terreno estava perdido para mim. Morta? Não, meu bem.

Ainda tem muito que viver e realizar nessa encarnação.

Nós cuidamos de você esse tempo todo.

- Se não estou morta, então porque estou falando com o vazio? Porque não vejo vocês?

Tudo o que eu enxergava se resumia a um branco reluzente que me ardia as retinas. Alguns tons de azul no horizonte, mas apenas isso. Era como se eu estivesse em uma nuvem, ou num sonho estranho.

Verás aqui o que quiser ver, depende de sua imaginação.

Sua mente está limitada, filha.

Porque pensa que está morta, está idealizando o lugar onde deveria estar se estivesse em tal condição...

No reino dos céus.

- Quem são vocês? Estão me deixando ainda mais confusa!

Eu alertei, para o nada em particular. Era como se eu estivesse dialogando com a fumaça cândida a minha frente, como uma louca. Mas uma doida não fala sozinha. Eu estava obtendo respostas através das perguntas que fazia.

Ela tem razão. Saiam todas, por favor.

Senti algo faltar em meu coração menos que um segundo depois. Como a sensação de estar longe de Jacob, só que algumas vezes menor. Era a sensação de alguém que amo indo embora.

- Quem são vocês? – minha voz saiu fraca, confusa.

Somos seu passado, minha menina.

- Meu passado?

Sim, cada uma de nós. Somos suas ancestrais, as conselheiras que vieram antes de você.

- Quer dizer que... – minha mente fez a conexão. – Você é minha avó?

Oh querida, está quase lá. Mas você e Taasha não foram as únicas.

- Q-quer dizer que é uma de nós?

Sim. A primeira, inclusive.

Ela pareceu sorrir.

- Ninguém nunca me contou sobre você.

Minha mãe não tinha entrado nesses detalhes tão profundamente. Sobre quantas de nós existiram ou o que fizeram pela nossa tribo. Eu nem sabia quando tudo isso tinha começado. Ela era o que? Minha tatata(infintos)ra vó?

A maioria delas só soube de minha história após a morte. Só duas de vocês vieram até mim antes. Eu sempre soube que a terceira seria você.

E percebi que, a minha frente, o ar estava mudando. Ficando mais quente e... Colorido. Uma imagem a minha frente começou a se formar e a ficar mais nítida. Aos poucos, uma linda mulher indígena apareceu.

Sou Wakanda. A terceira esposa.

- Terceira...

Sei que conheceu a Lenda. O próprio ancião Black lhe contou.

Recordei-me rapidamente do dia em que Jacob me levara até a fogueira para as tradições Quileute. A única coisa que lembrava daquele dia era nossos olhares apaixonados. As palavras do pai de Jake estavam fazendo pouco sentido em minha mente, quando seu filho me olhava com tanta paixão.

Entendo.

Ela balançou a cabeça afirmativamente e passou a mão pelo ar duas vezes. Poucos segundos depois, uma imagem se formou ali. Como se em um telão, vi aquele dia passar como um vídeo diante de meus olhos.

“ Uma fria domada de ódio atacou Taha Aki, e sua terceira esposa percebeu que se ele morresse, a tribo ficaria sem proteção. Por amor ao esposo e lealdade ao povoado, ela cortou o próprio braço, desviando a atenção da vampira para seu sangue. Ela salvou a todos os Quileute.”

Billy Black estava contando a lenda do nosso povo a todos os que estavam ao redor da fogueira. Pude me ver nos braços de Jacob, eu estava alheia e pensativa.

Fui a terceira esposa de Taha Aki.

A Imagem desapareceu, como num passe de mágica.

Eu fazia parte da tribo Sioux. Nós estávamos sendo caçados por outros... Tínhamos muitos inimigos brancos ou indígenas, como nós. Vivemos como nômades por muitos anos, por causa disto.

A lembrança fez seu tom de voz parecer triste, mas logo ela continuou com sua docilidade:

Um dia, encontramos o povo Quileute. Eles também eram poucos, mas gente de boa fé. Nossos líderes perceberam que a união entre nossos povos nos traria paz. Então um acordo foi feito, e para selá-lo, casei-me de bom grado com o chefe da aldeia.

- A terceira esposa...

Exatamente. Apaixonei-me pelo meu próprio marido dias depois. Sei que era recíproco, pois nosso amor foi quieto, mas significativo. Confiei a ele meus segredos. Taha aki descobriu que eu tinha poderes especiais e não contou a ninguém.

- Poderes como os meus? Os de uma conselheira?

Quando jovem, eu ouvia vozes. Elas me diziam o que fazer, me ajudavam a aconselhar as pessoas. Eu sempre sabia qual era o melhor caminho a fazer, como se tivesse conhecido a estrada antes. Eles me batizaram de Wakanda, que significa possuidora de poderes mágicos. Quando completei 22 anos, os clamores em minha mente pararam. Mas a sensação sobre certo e errado continuava lá.

- Eu sinto isso!

Você tem meu sangue, querida. Nós nascemos em tempos difíceis, para que nossos poderes sejam úteis. Uma guerra com vampiros ameaçou a nossa existência naquele século. Meu encontro com Taha Aki não foi um simples acaso, tudo foi predestinado.

- Eu compreendo agora, você trocou a sua vida pela dele e a de seu povo.

Eu fiz a escolha certa, aquela que preenchia meu coração. A recompensa foi ter visto meu povo se multiplicar, ano após ano. Nada foi perdido. Eu ofereci minha vida pela sua, pela vida de meu marido, pela vida da única filha que deixei... Por todos que estavam lá e pelos que viriam ao mundo posteriormente.

Meus olhos se encheram de lagrimas. Ela era tão linda e magnâmia... Tão humilde e sábia. Sacrificar a própria vida não era a mais fácil das alternativas, nem mesmo para uma conselheira.

Seu tempo de luta interna também chegará, meu amor. Também se verá diante de um futuro obscuro, também terá que optar por algo crucial. Mas não nesse momento, agora temos que resolver alguns mistérios da sua vida. Você me pediu uma explicação, eu te ouvi na floresta. O que quer saber?

- Eu e Jacob... Nós...? – tentei achar a pergunta que sempre rodeou minha mente.

Se vocês foram feitos um para o outro? Veja.

O branco sumiu e senti minha visão perder o foco. Meu corpo foi sacolejado e jogado de lado ao mesmo tempo em que um penhasco aparecia a nossa frente. Antes que eu pudesse recuar, Wakanda pegou em minha mão levemente e me fez pular de lá.

Ao invés de gritar, abri bem os braços. Apesar de assustadora, a queda livre parecia mais libertadora que qualquer outra coisa que eu tenha tentado antes, inclusive correr.

Mas o cenário foi mudando conforme nossos corpos caíam, e logo meus pés pousaram num piso de madeira escura. Estávamos numa sala de moveis antigos, mas extremamente requintados e adornados.

- Onde estamos?

Na sua casa de um século atrás. Aquele na cadeira estofada, atrás da mesa, foi seu pai.

Suspirei por debaixo do fôlego, me sentindo tonta. Aquele sujeito não me parecia em nada familiar, a não ser pelos olhos. Tinham a mesma cor que os meus.

Quando tentei chegar mais perto, um barulho na porta do escritório me fez parar. A moça que pediu licença e entrou eu já conhecia. Aquela bonita garota de cabelos castanhos claros era eu, na minha vida passada.

- Pois não, Suzannah?

Estranho como ela me atravessou como se eu fosse um espírito. Franzi a testa, antes de ouvi-la falar.

- Preciso conversar a sério com o senhor.

O homem tirou os olhos do jornal por um instante e observou o rosto da filha. Lentamente ele abaixou o papel e logo cruzou os braços. Um sinal claro de: Prossiga. Senti o nervosismo da garota, e além disso, suas mãos tremiam.

-É que... Os M-Masen, eles...

- O que tem aqueles malditos? – a voz dele se alterou. – Espero que não esteja mais vendo aquele rapazinho.

- Eles não são malditos, são ótimas pessoas.

Ele se levantou, o rosto adquirindo uma coloração avermelhada. Seu maxilar travou por alguns minutos. Ele a encarava com uma raiva grotesca.

- Você me desobedeceu? Encontrou o filho deles novamente?

- Eu o amo, pai, por favor!

Um tapa inesperado atingiu sua face no mesmo instante. A garota se curvou e eu dei alguns passos para perto, aterrorizada com o que acontecia.

Lembre-se que estamos no passado, . É só um vislumbre, não poderá ajudar.

- A família Strauss chegará à cidade amanhã. É bom que esteja preparada para conhecer o filho deles, Ethan... Seu futuro noivo.

Assim que as palavras saíram da boca dele, a cena foi se tornando menos nítida, e logo tudo ia se tornando branco. Achei que ficaríamos, mas outro penhasco apareceu em seguida e então, passamos por todo o processo de regressão novamente.

- Onde estamos agora?

A minha frente estava um parque maravilhoso, com fontes graciosas e árvores bem cortadas. Alguns casais andavam pelas estradas de concreto, as damas com seus guarda-chuvas rendados.

É um parque. Você está esperando por Edward bem ali, debaixo da macieira.

Segui a direção de seus dedos e encontrei a menina, num belo vestido. Não fosse por sua feição triste, diria que ela iluminava aquele lugar com sua beleza. E afinal, era parecida comigo, a exceção da cor do cabelo e da altura. Suzannah era mais alta e magra.

Combinaram de se encontrar ali, mas ele não apareceu. Você foi embora com o coração na mão, sabendo que nunca mais o veria.

Vi a garota enxugando os olhos e descendo os degraus. Ela correu alguns metros, mal se importando com as pessoas em quem esbarrava.

Ela chegou até uma casa enorme. Uma governanta abriu a porta e cochichou em seu ouvido. O “eu” do passado arregalou os olhos e correu as escadas. Tirou as luvas, arrumou os cabelos como pode e seguiu para a sala de jantar. Eles já estavam lá.

- Finalmente. – o Anfitrião se levantou de uma das confortáveis poltronas vermelhas e segurou Susan pelos ombros.

Apesar de seu sorriso, sabíamos que ele estava corroído de ódio por dentro. Ela havia feito todos os convidados esperarem por sua presença para o chá da tarde.

- Quero que conheçam minha filha, Suzannah Thompson. Uma senhora muito bonita a cumprimentou e seu marido fez o mesmo em seguida. Quando todos se sentaram, ela pode ver um jovem rapaz perto da parede, com as mãos no bolso do blazer.

Seu coração disparou... Eu senti exatamente como ela a confusão e a surpresa rodeando nossas mentes.

- Querido. – a mãe dele o chamou para perto. – Conheça sua noiva, venha!

Ele caminhou calmamente até a garota, e nós sentimos nossos corações quase pararem. Por motivos iguais e ao mesmo tempo muito diferentes.

Ele pegou a mão de Suzannah e a levou até a boca, para um beijo macio. A moça arregalou os olhos enquanto eu finalmente compreendia o que Wakanda queria me mostrar.

- Sou Ethan Strauss. É um prazer conhecê-la, senhorita.

Aquele... Aquele era Jacob, só que quase cem anos atrás. Sem todo aquele bronzeado Quileute, mas tão alto e lindo quanto hoje em dia. Seus olhos continuavam os mesmos, intensos demais.

Eu percebi, naquele momento, que nossas vidas sempre estiveram ligadas. Ele sempre havia sido meu. Destinado a mim. Não importa quantas barreiras insistissem em transpor nosso caminho, no final, ele sempre voltaria exatamente ao lugar que pertencia...

Ao meu lado.

Em tantas outras vidas antes dessa vocês estiveram juntos. Suas almas foram criadas unidas, na promessa de um amor eterno que supera qualquer circunstância. O destino de vocês é um só... Sempre foi.

Quem pode dizer para onde vai a estrada?
Para onde o dia flui?
Só o tempo ...
E quem pode dizer se o seu amor cresce,
Conforme seu coração escolhe?
Só o tempo...
N/A: Divaaaas, promessa é promessa. A att está aí, espero que tenham gostado *.* E pela frente vem mais mistérios sendo desvendados ^^ Agora... devo dizer que adoooooorei os comentários e as ideias que vocês tiveram. Eu, sinceramente, não sabia que fim dar a Elise, mas adorei a história de fazer com que o filho dela goste mais da PP. Ficaria legal né?

AAAAH, e tenho uma notícia interessante :) Vou fazer sim a 2ª temporada de Metamorfose, mas vai ser contando a vida passada da PP e do Ethan, vocês leriam algo inspirado no séc XVIII? kkkkkkkk Beijos !

  ps: Luizaaaaa, amei o presentinho, não é atoa que virou a capa da fic! Obrigada flor ><

Capítulo 42 – Summertime sadness


Nós voltamos ao branco, mas eu não conseguia me livrar da sensação de admiração e talvez de... Alivio. Edward estivera em minha vida antes, mas nada se comparava a todas as gerações que passei com Taylor.

Edward foi outro teste do universo para vocês. Achou que o amava com todo o seu ser, mas quando conheceu Ethan, tudo mudou. Suzannah não quis se entregar de imediato por se sentir culpada, apesar de arrebatadoramente apaixonada. Então naquela vida, a relação de vocês cresceu aos poucos, como deveria ser.

- Porque tive que passar por todos essas provas? Porque ainda não dá certo entre nós?

O caminho dos dois sempre foi marcado por dificuldades, e você já sabe a resposta, aprendizagem. Durante todas essas gerações, vosso amor estava sendo testado e preparado para algo maior. Algo que acontecerá nessa vida. E só então suas almas estarão livres.

- Quer dizer que ainda não acabou?

Vai acabar, querida. Só precisam tomar a decisão certa, e então tudo se sairá como deverá ser.

- Então me diga o que devo fazer e farei, estou disposta a acabar com isso!

Eu gostaria que fosse tão fácil assim, anjo, mas não posso interferir... Os dois terão que descobrir juntos.

- Mas e se eu não souber o que fazer? – minha voz ganhou uma nota de pânico. – E se falharmos?

Eu sinto que está quase pronta, . Tudo dará certo, basta acreditar.

- Não é tão simples, principalmente quando não sei o que vou enfrentar...

Não se deixe desanimar, pensamentos negativos não a levarão a uma solução. Um dos motivos para você ter vindo aqui é para entender, pelo menos superficialmente, o seu propósito na terra.

- E não é só ficar com Jake? Quer dizer... Achei que nossa missão era “dar certo”.

E de certa forma é, mas não apenas isso. O destino de vocês envolve o de vários outros.

Sua voz ficou mais firme e seu semblante mais sério. Enquanto seus olhos me analisavam com ternura, o ambiente onde estávamos ia mudando gradualmente. O branco reluzente foi sendo substituído por paredes e piso de madeira.

Logo sofás e tapetes felpudos apareciam no que eu chamaria de sala de estar. Uma lareira no fundo do cômodo apareceu sem qualquer aviso. Eu teria ficado assustada, mas estava mais preocupada em saber como Ela fazia aquilo. Ela tinha transformado o ”nada” em um chalé aconchegante.

Como sua bisavó disse, verás aqui o que desejar enxergar. Esse lugar é como uma tela em branco... Que pode ser pintada por sua imaginação.

- Então posso ir a qualquer lugar? – sorri, impressionada.

Não, não ir a qualquer lugar, mas transformar o limiar da paz numa réplica de qualquer ambiente. Agora se sente, preciso lhe contar outras coisas.

Sentei rapidamente na poltrona marrom a minha frente e esperei que ela começasse a dizer. Não estava me sentindo muito segura, entretanto, qualquer medo foi embora quando ela sorriu afavelmente antes de começar:

Você ignorou uma visão importante que teve, alguns dias atrás. , seus instintos... tem que confiar nos seus dons.

- Você está falando sobre Isabella dando a luz a uma... criança?

Exatamente, querida. Aquela menina é especial e defendê-la será uma de suas obrigações. Pois num futuro bem próximo a vida dela estará em perigo, e se ela morrer, a humanidade estará perdida.

- Mas é filha de uma criatura da noite, criatura sedenta por sangue! Como pode ser a nossa salvação?

A menina, união entre humana e vampiro, é feita de força e luz. E a resposta para o enigma estará sob seus cuidados. Ela traz a verdade, lembre-se disso... A verdade.

Jacob POV

- Mas duas semanas já se passaram, porque ela não acorda? – Meu tom de voz exaltado se dividia em desespero e dor.

- Ela está viva filho, isso é o que importa. É um coma, não podemos dizer se Jessica acordará hoje ou daqui a três meses.

- Não!

De repente, parecia não haver mais ar nenhum para se respirar. Baguncei meus cabelos, andei de um lado para o outro, meus olhos se encheram de lágrimas. Eu não podia acreditar que ficaria tanto tempo sem o sorriso caloroso da minha garota.

- Ela não é uma humana normal Carlisle, então tecnicamente não poderia estar em coma. Nós nunca ficamos doentes!

- também não era uma transforma normal Jacob, nós não sabemos exatamente que tipo de mutação ocorreu em seu corpo quando ela foi mordida.

- Deve haver algo a ser feito, tem que ter um jeito... Você não entende, eu não vou conseguir – minha voz foi falhando. – não vou conseguir agüentar mais que três dias.

- Eu vou ligar para Edward ainda hoje. – seus olhos ternos me analisaram. – Em casos de coma, o paciente não pode falar, mas pode ouvir... Assim como pensar. Talvez meu filho possa escutar seus pensamentos.

- E porque não ligou pra ele antes? Eu quero que vá pro inferno a lua de mel deles, eu...

- Jacob, ele não sabe sobre ela. Se soubesse, garanto que teria dado um jeito de estar aqui antes que eu conseguisse desligar o telefone.

- É bom que seja assim, se ele tem amor a própria vida. pode saber o que está acontecendo, mas não consegue falar. E de novo a vida dela está nas mãos do vampiro, só ele pode descobrir o que a está deixando assim.

O Dr. pegou um celular no bolso e discou um número rapidamente. Ao primeiro toque o telefone foi atendido.

- O que Alice viu? – antes que Carlisle pudesse dizer qualquer coisa, a voz transtornada de Edward surgiu. – Me diga o que ela viu!

- Alice não me disse nada sobre visão alguma, filho. O que está acontecendo?

- Eu... Eu e Isabella, é geneticamente possível que...

Franzi ligeiramente as sobrancelhas. O que aquele babaca estava tentando dizer? Estavamos só perdendo tempo!

- Carlisle. Avise-o!

- Edward, ouça... Antes de qualquer outra coisa, temos um problema que precisa da sua atenção.

- Não Carlisle, acho que você não entendeu, eu tenho um problema maior do que qualquer outro por aí, pode ser que Isabela est...

- Escuta, seu imbeci! – peguei o telefone na mão do doutor e comecei a gritar. – está em coma. Ela não acorda, não abre os olhos, não fala. Preciso de você aqui, entendeu? Você pode ler os pensamentos dela e descobrir o que...

- Em c-coma? O QUE VOCÊ FEZ COM ELA?

Um aperto mais forte fez o celular em minha mão se quebrar em cinco pedaços. Eu estava impaciente, raivoso e ansioso. Será que aquele idiota não percebia que podia salvar a única pessoa que me importa no mundo?

- Sinto muito pelo celular, acho que me exaltei demais.

- Tudo bem. – Carlisle deu dois tapinhas no meu ombro. – Preciso voltar para casa e contatar Edward, explicar a situação corretamente. Mais tarde poderei voltar para novos exames com .

- Certo, obrigada doutor.

Observei enquanto ele saia pela porta e logo corri os degraus, seguindo na direção para o quarto dela. Tudo estava impregnado com aquele cheiro de morango. Aquele cheiro maravilhoso que fazia meu peito arder. De saudade e medo.

Sinceramente? Eu só queria que ela acordasse. Se ia me perdoar ou não, se me íamos nos casar ou não, se ela ainda me amava ou não... Isso não importava mais. Meu único desejo era vê-la viva, saudável, feliz... Mesmo que fosse ao lado de outra pessoa.

Doeria infinitamente ver outro cara cuidando da minha pequena, seria a maior dor do mundo... Mas se eu a faço mal, concordo que ela deve sair da minha vida e encontrar alguém melhor... Até porque, sinto o nosso laço de impriting tão fino quanto um papel, e não sei se é pelo fato do coma ou se... Se já não somos mais como almas gêmeas.

Seja como for, eu continuo a amando. Eu apenas a amo de todo meu coração, e sei que isso nunca vai mudar.

Eu acho que sentirei sua falta para sempre
Como as estrelas perdem o sol para o céu da manhã
Tarde é melhor do que nunca

N/A: ooi lindas :D Em primeiro lugar, me desculpem pelo atraso na att. Em segundo, quero dizer que esse capítulo ficou uma bosta, eu sei... Tudo porque o documento simplesmente sumiu e eu tive que reescrever tudo, e como vocês sabem, nunca fica igual, tão bom, ou tão bem feito :z Comentei com a Kelly(escritora de Lua de sangue) o quanto isso magoa, dá vontade de GRITAR MUITO. Mas tudo bem, agora é seguir em frente! Agradeço os comentários, as críticas, os elogios .... Estou escrevendo a parte da briga da PP com a Elise, então aguardem o incêndio que vai ser o próx. Capítulo!

PS: Fiquei felizaaaaaça que todas vocês aprovaram Metamorfose II, obrigada pelo apoio gente \o/ Só que o nome deveria ser esse mesmo? Alguém tem alguma ideia mehor? :)

E como uma leitora linda disse, beijos com SADIA para todas vocês KKKKK :**


Capítulo 43 – Payphone (Maroon 5)


- Ele tem a nossa permissão. – Sam explicou. – Espero que não arranje brigas desnecessárias Paul.

- Eu não acredito que vai deixar aquele sanguessuga maldito entrar nas nossas terras pela segunda vez! – o jovem lobo tremulou. – Um frio!

- Um frio que pode salvar nossa irmã. – Leah o empurrou com o ombro. – Será que essa humilhação não vale a vida dela?

- Jake, uive. Ele precisa do sinal.

Seth alertou, ignorando todo o clima tenso que se instalara na casa de . Logo que ouvi aquelas palavras, me transforme e avisei, na minha forma lupina, que podiam passar. E em questões de segundo, Edward estava na minha porta.

Estranho, apático, tão morto-vivo quanto poderia estar. Talvez até pior do que eu... Tão acabado que seus olhos negros dilatados estavam quase pulando para fora das orbitas.

- Preciso vê-la. – sua voz estava falha.

Ele não esperou um assentimento. Ignorou os insultos de Jared, as tremedeiras de Paul e os demais olhares. Subiu as escadas rapidamente e abriu a porta do quarto dela, suspirando em seguida.

Eu estava logo atrás, e jamais deixaria os dois sozinhos. Não por medo que ele fizesse mal a minha garota, afinal, nós a amávamos. Então apenas fiquei porque precisava saber se ela tinha... Alguma chance. Se aquela era uma situação reversível.

E tudo bem, admito que para garantir que ele não tocasse nela.

- Eu ando tendo problemas de... Concentração. Não consigo focar na linha de pensamentos instáveis que ela está tendo, então preciso que tire todos daqui, necessito de um campo de 200 metros livre, sem qualquer interferência mental.

- Vocês ouviram, saiam!

Gritei do quarto mesmo. Todos eles ouviriam, com suas super audições. Ouvi contestações imediatas e murmurinhos indignados.

- Mas... Jake?! – Leah ameaçou subir. – Tem certeza?

- Tenho. Agora vão, preciso de espaço.

Aos poucos o barulho foi sumindo. As vozes, as exclamações, os sons de patas na terra. Em poucos segundos um silencio absoluto tomou conta da casa.

- E então ? – circulei envolta dos dois. – O que ela está pensando?

- EUNÃO SEI E VOCÊ NÃO ESTÁ AJUDANDO!

O vampirinho de quinta perdendo a pose de educado? Meu sangue ferveu na hora. Arqueei a sobrancelha e me aproximei.

-Tente de novo! – eu disse, entre dentes.

- Saia daqui, preciso de silencio total. – Edward alertou, e logo após passou um dos dedos pelo rosto de .

- Não toque nela!

- Se espera que eu consiga ajudá-la... Saia daqui agora– ele contorceu a própria face.

- Não vou sair. Se o seu problema é concentração, posso bater sua cabeça na parede algumas vezes. Talvez ajude.

- Como você pode ser tão egoísta? – ele quase riu, de puro sarcasmo. – Eu sei que isso é culpa sua, eu senti antes de vir pra cá, e ouvi vagamente na cabeça da sua matilha. E agora você quer demarcar território, quando sua namorada está morrendo?

- Não foi culpa minha. – dei dois passos para trás, mas estanquei quando ele levantou e apontou o dedo na minha direção.

- Eu não tenho mais nada, não me resta nem esperança. Tudo o que sobrou está perdido ou tem prazo de validade. Entenda que se ela também morrer, eu vou acabar com você.

- Também? Do que está falando? Você... – meu corpo começou a tremer. – Bella?

- Ela não morreu, acha que eu ainda estaria “vivo” se isso tivesse acontecido? – ele soltou um sorriso amargo. – Eu faço questão de me suicidar no mesmo momento em que qualquer uma das duas parar de respirar.

- O que você fez?

A tremedeira ficava cada vez mais evidente, mais preocupante. Nenhum outro membro da matilha estava presente para apartar uma briga, o que significaria uma casa em pedaços logo, logo. Tanto faz. Eu adoraria acabar com aquele cara, e sei que ele estava pronto para uma boa confusão. Parecia querer descontar os problemas em alguém, bem, eu também estava precisando.

Estávamos respirando fortemente um de frente para o outro, com rostos e narizes franzidos, a veia do pescoço exaltada... Quando um leve som nos fez virar a cabeça para a direita, automaticamente.

- Wakanda...

Nós corremos um para cada lado de sua cama, preocupados. Ela tinha falado. Ficara mais de 14 dias sem falar, e agora esse filho da puta chega e ela começa a reviver.

- Quem é wakanda?

- Como posso saber? – o encarei ferozmente.

- Você está com ciúmes quando sua namorada está em coma? Qual é o seu problema?

- O meu problema é você!

Cocei a cabeça e comecei a estralar meus dedos. Tive que entretê-los com algo, ou eles atingiriam a cara daquele frio infeliz antes que ele pudesse sequer captar tal ato em meus pensamentos.

- Ela está... Parece que está conversando com alguém. Por isso seus pensamentos estão tão confusos.

- Não me diga que é um anjo, ou Deus, porque isso significaria que...

- Cala a boca! É uma mulher.

- E o que ela diz?

- Algo sobre... sobre... – ele chegou mais perto dela. – Sobre...

Ainda mais perto.

- Fala logo e se afasta, porra!

Edward bufou alto, me olhou com indignação, jogou as mãos para o alto e se afastou. Começou a andar de um lado pro outro de um jeito que quase me enlouqueceu.

- Como é que ela pode gostar de você? – ele me encarou. – Como é que ela te agüenta?

- Nós temos um impriting.

- Talvez ela não enxergue que você é um babaca, prepotente e egoísta justamente por causa disso. Quanto mal você causa, será que não vê? Você a traiu... Como pôde fazer isso com alguém tão incrível quanto ela?

- Cuide da sua vida!

- Ela é a melhor pessoa que já conheci na vida, eu gostaria de amá-la mais do que a Bella. O sorriso dela é como o sol, o cheiro dela se compara a um campo inteiro de rosas, ela é inteligente, engraçada e sexy, ela é única. O beijo dela...

- É melhor você... – virei a cabeça de um lado para o outro, tentando me livrar de tantas pontadas doloridas e repentinas.

- É doce, instigante. – ele me cortou. – Ela é tudo isso.

- Pare agora. Pare.

- E sabe o que é pior? Ela te ama. Estraga toda a vida dela por alguém assim, imaturo, injusto e Infiel. O que acha de todos esses “Is” Jacob? Estou errado?

- Eu não queria ter feito aquilo.

- Mas fez mesmo assim. – ele franziu a testa. – Você magoou a segunda pessoa que eu mais amo no mundo... E vou te avisar pela segunda vez, se ela morrer... Eu te mato.

- Foi bom você ter tocado no assunto. – ergui a cabeça. – Não sei o que houve com Isabella, mas sei que não é bom. Se ela tivesse virado vampira, não teriam voltado a Forks. Saiba que eu vou checar de perto a situação... E que ela esteja viva, frio, ou usarei o mesmo protocolo com você.

Dessa vez foi ele quem abaixou a cabeça, tão acuado quando estive.

- Ela está viva.

- Então qual é o problema?

- Você tem que ver para entender. E a propósito, ela quer sua visita.

- Por quê?

- Bella quer se sentir segura, e nós estamos... Brigados. Não fui a pessoa mais doce do mundo nesses últimos dias.

- O que aconteceu entre vocês? Não era uma ladainha idiota de amor eterno?

- Não estou dizendo que não nos amamos como antes. Eu só disse que não estamos bem.

- Uma crise em 3 semanas de casamento? – dei uma risada de escárnio.

- E o que acha de cinco brigas a cada dois dias, mais uma traição no fim da semana? – ele arqueou uma sobrancelha.

- Eu te odeio.

- É recíproco.

POV


Eu fiz uma escolha. Morrer para salvar.

- Eu entendo. Como você disse, os quileutes teriam sido extintos se não tivesse interferido e se sacrificado.

Exatamente. A necessidade partiu do meu coração, é preciso saber que é assim que funciona. Quando sente que é o certo, o caminho certo será.

- Eu sei, eu compreendo um pouquinho sobre essa nossa intuição. É como se fossemos sufocar se não fizermos o que nosso coração manda.

É uma sensação nauseante que aparece para te lembrar que uma escolha ruim traz conseqüências ainda piores.

- Certo, vou me lembrar disso.

Wakanda sorriu novamente, satisfeita por eu ter entendido a lição da intuição, existente em mulheres comuns e ainda mais fortificada em conselheiras.

- Quando vou acordar? Já tem um dia inteiro que estou aqui...

Não, querida. O tempo passa de forma diferente no limiar da paz. No plano terreno faz quase três semanas que estás desacordada.

- Três se-semanas? – arregalei os olhos. – Mas eu desmaiei na floresta.

Querida, não se preocupe. O seu corpo está são e salvo, e todos cuidaram muito bem de você.

- E... E Jacob? Como ele está? Eu sinto a falta dele.

Claro que sente filha, já que é da sua alma gêmea que estamos falando. Mesmo que o relacionamento seja tempestuoso, a saudade é um sentimento inerente ao amor de vocês.

- Então me diga como ele está...

Não posso dizer que está bem, porque Jacob tem muito medo que você morra, e isso o deixa atordoado.

-Porque ele acha que isso vai acontecer ?

Bem, Seus batimentos cardíacos estão reduzidos a quase zero e a sua alma não está totalmente presa a seu corpo, isso fez com que os laços do impriting ficassem fracos, como se as cordas que ligam vocês estivessem mais frágeis e finas. Por isso ele está tão preocupado.

- Quando o laço do impriting desaparece... Quer dizer que nosso par morreu?

Sim. Não é justo que aquele que sobrevive continue a sofrer até seus últimos dias. Todo mundo tem o direito de reconstruir a vida, ainda mais depois de uma perda tão grande. Ele lamentaria sua morte por anos, mas não estaria mais preso a você fisicamente. Poderia encontrar alguém, a quem amaria apenas de forma humana, mas verdadeira.

- Entendi. – balancei a cabeça de leve. – E agora que já tirei todas essas dúvidas, quando voltarei?

Quando mais estiverem precisando da sua presença. E será em breve. Como discutimos mais cedo, Isabella está grávida. Jacob saberá disso e...

- E vai querer explodir o mundo. – bufei levemente e ela sorriu.

A sua missão de proteger a criança começa nesse momento. Acordará em sua casa, onde seu corpo reside. E ouça bem, terá pouco tempo para chegar a mansão dos Cullens e impedir que seu marido cometa um erro.

- Ele não é meu...

É claro que é, querida. Vocês já estão casados muito antes de Cristo nascer, antes dos romanos no poder, antes dos Incas. Eu disse, suas almas foram criadas unidas, na promessa de um amor que tudo supera. Tudo.

- Isso me lembra que também existirá outra criança Wakanda... Um filho só – engasguei levemente. – Um filho só dele.

Um filho dele também é um filho seu. Vocês são um só.

Ela sorriu levemente da minha confusão. O que diabos ela queria dizer com aquilo? Eu simplesmente acho DEMAIS pra minha cabeça cuidar do fruto da traição de Jacob e Elise. Sei que o bebê não tem culpa em nada disso, mas FALA SÉRIO!

- Já está quase na sua hora , tem mais alguma pergunta antes de voltar?

Na verdade eu tinha sim, uma que me fazia ficar acordada algumas noites. Depois de ver minha vida passada, não dava mais pra ficar acreditando em coincidências. Tudo tinha um motivo. Então porque eu teria sobrevivido ao ataque de uma vampira?

- Como foi que eu e recuperei da mordida de um frio, se o veneno deles é letal em nosso organismo?

Pra começar, seu sangue não é apenas Quileute, também tem aí dentro sangue Sioux, sangue do meu povo místico. Em segundo lugar, uma conselheira sem uma descendente em vida jamais poderá morrer. – ela me olhou com carinho. – E para finalizar, fazia parte do seu destino ser mais forte que qualquer outro ser sobrenatural da terra. Você tem em sua corrente sanguínea a mistura de dois poderes, duas tribos e duas raças. Você passou por uma metamorfose, meu amor. Foi renascida para guerrear em busca da paz.

N/A : Olá meninas :) * Explicando esse último trecho: 1 - Dois poderes - Poderes metamórficos/vampiricos 2 - Duas tribos: Quileute/Sioux 3 - Duas raças: Trasformos/Vampiros

Mas e aiiiii? Gostaram da Att? Eu, particularmente, adoro as brigas entre Edward e Jacob. Fala sério, dois Deuses raivosos *.*

E já vou logo me explicando: Esse capítulo demorou assim por falta de criatividade. Todas as minhas fics estão num período de Hiatus, porque eu não ando tendo boas idéias ultimamente, e isso é uma droga! Mas saibam que eu ADOREEEI saber que a att passada não estava uma bosta, então prometo (sério mesmo) me esforçar mais pra não deixar minhas leitoras morrendo de ansiedade. Se eu pudesse ao menos sonhar uma noite inteirinha com Taylor... Isso sim me faria voltar a escrever bem KKKKKKKKKK *.*

Anyway, Obrigada pelos comentários maravilhosos, e também pelos raivosos KKKKK Eu ainda não estou certa sobre o filho de Elise, mas acho que não tenho coragem de matar uma criança nem na ficção! Estou aceitando sugestões. Beeeijos meninas!

Os: Sei que a N/ A já está enorme, mas não poderia esquecer de uma pessoa. Adriana MB, que lindaaaa, virou universitária! Agora vai saber o que é NUNCA ter tempo de verdade kkkkk E obrigada por sempre comentar flor, eu sempre espero ansiosamente por seus comentários enormes! Beijo!




Capítulo 44 - Go (Boys like girls)

Depois de cair num abismo profundo, totalmente branco e incandescente como uma queda d’agua, senti meu corpo ser arremessado contra algo macio. Como um colchão.

Então abri os olhos.

A claridade quase me cegou e me remexi desconfortável com a sensação de estar acordada. Suspirei fortemente e minhas narinas arderam. Parecia fazer 20 anos inteiros que eu não respirava.

Estava coçando a cabeça, tentando me livrar de uma dor bem no centro dela quando, de repente, me lembrei. A conselheira, o aviso, a casa dos Cullens. Que inferno, ela havia dito que eu não tinha tempo.

Saí debaixo dos lençóis apressadamente e tentei correr. Quase chorei quando percebi que estava no chão, depois de ter causado um barulho estrondoso. Depois de algum tempo sem andar, obviamente que meus músculos estavam despreparados para serem usados, de modo que senti uma dormência horrível em cada um deles.

- Porcaria! – resmunguei, ao mesmo tempo em que ouvia alguém subir as escadas rapidamente.

Me arrastei até o pé da cama, e comecei a árdua tarefa de tentar me manter em pé. No começo achei que ia despencar a qualquer segundo, mas me equilibrei nos dois pés no exato momento em que Emily surgiu no quarto.

- Oh meu Deus! – ela cobriu a boca. – !

Seus olhos lacrimejaram e eu sorri levemente. Era bom ver um rosto conhecido depois de sabe-se lá quanto tempo. Mesmo que no limiar da paz tenha sido somente um dia inteiro, eu havia sentido saudade de todos.

- Não fique aí parada, venha me ajudar! – eu gargalhei e ela prontamente correu na minha direção.

- Você não deve sair da cama depois de tudo que aconteceu, precisamos chamar o médico.

- Não temos tempo para isso... – sua testa se franziu. – Preciso ir aos Cullens imediatamente, antes que uma tragédia aconteça.

- Uma tragédia?

Ela segurou em minha cintura enquanto eu passava meu braço por seu pescoço, tentando me apoiar.

- Exatamente. E eu posso evitar que isso aconteça se chegar até lá antes que... Bem, não sei antes de quem ou de que, mas se eu não estiver lá, o bicho vai pegar.

- Então te ajudarei querida. O que posso fazer?

- Sabe se tem algum irmão por perto?

- Seth está sempre nas redondezas, ele vem te visitar todo dia as 16:00 horas, então deve estar chegando.

- Ah, que saudade tenho dele. – apertei os olhos. – Bem, vou ter que me transformar para chamá-lo.

- Talvez você esteja fraca para isso. Existe outro meio, acabo de me lembrar. Há um código entre lobos e humanos que eu conheço, nós usamos quando precisamos dos nossos guerreiros.

- Ótimo, e como funciona?

- Venha!

Ela me arrastou até o quintal, e senti minhas pernas queimarem. Minha nossa, era como uma câimbra.

Emily percebeu minha dor e me deixou encostada em uma cadeira, logo depois caminhando até as árvores. Mal pude ver, mas logo colocou dois dedos na boca e deu o maior assobio que já ouvi na vida. Três seqüências dele, na verdade, com sons diferentes.

Ouvimos um uivo cerca de dois segundos depois.

- Eles estão vindo!

- Cachorros treinados hein?! – Emily sorriu e balançou a cabeça. – Como não aprendi isso?

- Você não cresceu aqui, lembra?

Uma Grande cabeça cinza irrompeu pela floresta, me fazendo esquecer de qualquer assunto que estava sendo debatido. Seth tinha chegado primeiro. E Vinha correndo até mim grunhindo, uivando e tudo mais.

Ele pulou na varanda e veio para cima de mim com aquele focinho molhado, quase me derrubando. Eu gargalhei enquanto Emily assistia a cena, preocupada.

- Seth, ela ainda não se equilibra bem, pare com isso.

Ele assentiu e correu rumo às árvores, provavelmente para se vestir. Dois minutos depois apareceu dentre elas, seguindo alegre em nossa direção. Senti uma felicidade enorme ao vê-lo tão bem. Ele estava maior e mais forte.

Meu deus, será que fiquei desacordada por anos?

-! – ele gritou e me levantou do chão, me girando. – Você está de volta!

- E já vou entrar em coma de novo, se não parar com isso imediatamente.

Gargalhei próximo de seu ouvido, enquanto ele arregalava os olhos e me colocava com cuidado no chão. Seth verificou meu pulso e perguntou se eu me sentia bem.

- Agora sim, estou melhor. Você estava me deixando tonta.

- Me desculpe! Era a saudade, eu até esqueci do quão fragilizada ainda podia estar e...

- Relaxa irmão, vou sobreviver ao seu atentado. – dei um beijinho estalado em suas bochechas douradas. – Agora preciso de um favor. Preciso que me leve aos Cullens.

- Já está querendo arrumar confusão tão cedo? – ele coçou a cabeça. – Acho melhor não, gordinha. Jake me mataria se eu a colocasse sob qualquer risco depois de tanto tempo desacordada.

- Que riscos Seth? Eu quero evitar que eles aconteçam, só isso. Se eu não estiver lá no menor tempo possível, uma catástrofe pode acontecer!

- Do que você está falando ?

- Eu não sei exatamente, mas você sabe que sou uma conselheira, certo? – ele assentiu. – Sabe que tenho algumas sensações... A palavra certa é premonição. Então eu apenas sei que uma coisa horrível vai acontecer se eu não estiver presente para impedir.

- Só que está fraca demais para ajudar. Como é que poderá se defender ou defender a outros?

- Eu usarei as palavras, afinal, também carrego o dom da persuasão. E se não adiantar, usarei ao meu favor o choque que todos vão levar ao me perceberem acordada. E agora quero saber meu amigo, está disposto a ajudar ou não?

- Se você pode ser persuasiva, porque não usou da técnica comigo? – ele enrugou a própria testa e eu sorri.

- Essa era minha segunda opção, caso você me negasse esse favor.

- Oh! – ele arregalou os olhos e gargalhou. – Criatura felina!

- Seth, eu sou uma loba!

- Hm, acho que não. – ele riu escandalosamente e logo que parou, me advertiu em tom de brincadeira. – Tente não cair das minhas costas, gatinha.

Ele se transformou em segundos e riu esganiçadamente (pelo menos acho que se parecia com algo como um risada) enquanto Emily me ajudava a subir sob seu tronco peludo. Aquilo era horrível, mas haveria outra solução? Provavelmente não.

Ser uma heroína era cada vez humilhante.

Mas no fim das contas, logo esqueci a situação embaraçosa na qual me encontrava. Seth começou a correr e a brisa em meus cabelos causava uma sensação agradável e quase esquecida, depois de tanto tempo sem me transformar. Então me agarrei a seus pelos e aproveitei a vista da floresta na posição de observadora. Não era como andar a cavalo, e nem como caminhar. Era perfeito.

E acabou antes que pudesse me dar conta. Em poucos minutos estávamos em frente a grande mansão dos frios.

Edward deve ter me ouvido, por isso desceu primeiro e escancarou a boca. Jacob veio logo depois. Os dois estavam arfando, com os cabelos bagunçados e as roupas rasgadas. E mesmo assim eram lindos como deuses, deuses incrivelmente diferentes.

Desci do tronco de Seth com cuidado, mas continuei segurando seus pelos com uma de minhas mãos, por causa da dificuldade em me manter em pé. Olhei para seus rostos novamente, e eles pareciam ainda não acreditar.

- O que está acontecendo aqui? – Questionei.

E ao ouvir minha voz, acho que se deram conta de que eu não era nenhuma miragem.

- ! – Os dois gritaram e vieram em minha direção se atropelando e desferindo socos.

- Parem agora!

Ergui minha mão e faíscas elétricas circundaram meus dedos. Os dois pararam imediatamente e me olharam receosos, talvez apenas por meio segundo, antes de Jacob acertar o queixo de Edward e os dois começarem a rolar na minha frente.

Soltei-me de um Seth agoniado, somente decidida a entrar na casa e deixar aqueles dois se matarem. Mas meus planos, como sempre, fracassavam em algum ponto. Antes de dar o terceiro passo, minhas pernas fraquejaram e eu caí. Seth vinha me ajudar, mas dois pares de braços já estavam sobre mim.

-Jacob, me solte.

Edward riu pretensiosamente, enquanto me ajudava a levantar, sob os olhares raivosos e incisivos de Jake. Tudo bem que eu havia voltado do limiar sabendo que eu era a predestinada de Jacob por toda a minha vida, mas isso não mudava o fato de que ele havia me traído. E Pior, teria um filho com outra mulher.

- Onde está Isabella? – Perguntei, e Edward franziu as sobrancelhas.

- Lá dentro. Porque você quer...

- Saber? – eu fiz uma careta. – Sou a guardiã dela, a partir de hoje.

- Como é? – Jacob perguntou e eu o ignorei.

- Não exatamente dela, mas da criança que ela carrega.

- O monstro? Você chama uma aberração da natureza de criança ? É a cria entre um frio e uma humana, pelo amor de deus!

- Como você sabe sobre isso? – ele apertou meus braços. – Você sabe como podemos ajudá-la? Bella está morrendo, cada dia que passa fica pior!

- Não, não sei bem o que fazer quanto a isso. Apenas sei que tenho a missão de proteger a criança.

- Agora essa! Eu não vou deixar você ficar perto dessa aberração, todos nós corremos perigo. Temos que matar aquilo e...

- Não temos. – ele se calou, pois minha voz parecia diferente, um tom de autoritarismo e certeza que vinha da minha descendência– Nós dois protegeremos Isabella e o bebê, custe o que custar.

- Eu só quero que ela viva, . - Edward sussurrou.

- Eu sinceramente não me importo muito com Isabella. A questão é o que ela carrega. Eu recebi ordens superiores.

- De quem? – Jacob bufou. – Porque nosso alfa vai acabar conosco assim que souber que estamos do lado desses sanguessugas.

- Ordem de alguém que pertenceu ao conselho, uma pessoa muito mais sábia que Sam. Acredite, ordens de quem sabe das coisas... E do futuro.

- E falando nisso, quando poderemos conversar sobre o nosso? – sua expressão mudou para melancólica.

- Num futuro bem distante, eu espero. – apoiada em Ed, me virei e segui para a mansão. – Preciso que vê-la.

- Eu vou entrar com você, não confio em nenhum deles, não confio nisso tudo. – Jake suspirou.

- Eu não quero você aqui cachorro, acabou de tentar matar minha mulher. Você a assustou e ela não está bem, quero você longe!

- Eu não vou embora! – ele gritou. – Não vou deixar minha mulher desprotegida.

- Ei, eu não sou mais sua mulher e muito menos estou inválida. – praticamente rosnei. Virei-me para Edward e completei. – Ele fica.

Não precisei olhar para trás pra saber que Jacob mantinha um sorriso convencido no rosto. Bastou ver as veias dilatadas no pescoço de Edward. Eles se matariam a qualquer instante, isso era um fato.

Ignorei o surto de egos quando entramos na casa. Rosálie me recebeu primeiro. Deu-me um abraço apertado e eu sorri, devolvendo-lhe o ato. De acordo com seus pensamentos, ela era a única a favor do nascimento da criança. Éramos duas agora.

- O que ela está fazendo aqui?

Isabella resfolegou, quando passei pela porta e pus meus olhos no estado deplorável em que ela estava. Edward estava certo, o bebê a estava matando, de dentro para fora.

- Vim te ajudar. – avisei.

- Eu não estou doente! Rosalie, ela vai tentar matar meu filho. Ela é a mais inconseqüente dos Quileute!

- Veja bem com quem está falando, sonsa. – empinei meu nariz. – Eu estou aqui pela humanidade. Não fosse esse o caso, já teria mesmo te matado. Mas por enquanto, fique tranqüila.

- ! – Ed me advertiu e eu rolei os olhos, pronta para uma longa explicação.

Contei a eles sobre minha visita ao limiar da paz, e sobre o fato de que Isabella traria a vida uma criança cheia de luz, a nossa salvação de alguma coisa que eu ainda não sabia o que era. Porque logo Bella era a responsável por gerar tamanha glória eu não compreendia. Ela era bem sonsa e fraca. Como cuidaria do próprio filho?

- Então, nós temos que proteger essa... – Jacob respirou fundo. – Coisa, porque ela vai nos salvar de algo ruim que você ainda não sabe o que é?

- Exato. – assenti, sem olhar diretamente para ele.

- E foi a terceira esposa quem disse isso? – concordei novamente. – Sam não vai aceitar!

- Você tem razão, ele jamais aceitaria esse nascimento sobrenatural, então vai querer agir de imediato. Por isso nós não tocaremos no assunto por enquanto, é totalmente proibido pensar também. Apenas quando Uley descobrir é que vamos precisar de um plano, ou do meu poder de persuasão. Mas a primeira ordem ainda é adiar o máximo possível, Samuel só deverá saber quando Isabella estiver em trabalho de parto, ou depois disso, se tivermos sorte.

- Entendi. – Jake balançou a cabeça. – Então isso significa que não devemos nos transformar até lá, certo? Ou eles ouvirão nossos pensamentos. É quase impossível não pensar nisso, é muito grave.

Aquelas primeiras palavras, tão poucas palavras, fizeram um CLICK na minha cabeça. "Não devemos nos transformar...". Era exatamente do que Wakanda estava falando, o perigo que a criança correria assim que eu acordasse. Não era sobre Jacob tentando matar Isabella, mas sobre a matilha descobrir sobre sua gravidez.

- Seth está lá em baixo, como lobo. – coloquei a mão na boca, contendo um soluço de medo e apreensão. – Ele deve ter ouvido tudo.

- Droga! – o soco que Edward desferiu contra a mesa de centro a partiu em duas, e assustou a todos.Ele franziu a testa, se concentrando em algo. – Você tem razão, agora é tarde. Já sabem de toda a verdade, e não querem saber se ela é protegida ou não. Estão planejando um ataque e farão exatamente como disse, vão agir rápido.

- Não consigo entender! Quando Wakanda me falou sobre o perigo, achei que o problema era Jacob. Mas eu cheguei a tempo, antes que ele saísse e contatasse nossos irmãos...

- Mas Seth continuou lá fora... Pessoal, talvez isso seja parte do destino. Veja bem, você interferiu, mas de uma forma ou de outra, acabou acontecendo. – Alice concluiu meus pensamentos. – Vai ver sua tarefa não era impedir que eles soubessem, mas defende-la na hora do ataque.

- É possível que esteja certa. – suspirei. – Seja o que for, meu trabalho começa aqui.

N/A : Estou sempre demorando para postar, mas dessa vez isso muda galera! Vi os comentários de vocês e na boa... MERECEM muuuito atualizações mais rápidas. Meninas, que surto de inspiração causaram em mim, sério! Estou muito feliz e agradecida, espero que continuem me deixando assim ! BinhaBlack, Adriana, Deia... Adoro o fato de que, faça chuva ou sol nessa fic tempestuosa, sempre deixam suas marcas por aqui <3 br="">
E é claro que tenho que falar sobre outra leitora, novata, inclusive: Déh, querida... Nunca tive a oportunidade de dizer isso antes, mas este momento parece perfeito: Você tem que parar de fazer as pessoas chorarem! De escrever com tanta emoção! De ser tão verdadeira! Hahaha’ Na verdade, eu amo esse seu jeito, mas me senti uma bobona quando li o que escreveu para mim e meus olhos se encheram de lágrimas. Poxa, eu tenho 20 anos! kkkkk Bem, só quero dizer que amei seu comentário. Ele me inspirou profundamente e me abriu os olhos para pequenas coisas que eu ainda não havia percebido. O crescimento da PP, por exemplo, não era proposital. Enquanto ela crescia emocionalmente como personagem, eu crescia aqui como escritora. Realmente, ela se tornou madura... E EU, minha cara, sua fã. Aliás, já era desde muito antes, lendo TPB. Não sou a melhor leitora do mundo, tendo comentado apenas uma vez, mas acredite: eu AMO aquela fic. No começo ela mexia muito com meu interior sabe, de modo que nem forças eu tinha para comentar ( e um dia eu digo porque), mas agora não tenho mais desculpas... Vou comentar sempre e devolver sua gentileza, e afinal, não será grande sacrifício. Se eu escrevo bem, nem sei que outro adjetivo posso encaixar para o modo como você escreve, sempre depositando inúmeros sentimentos em apenas palavras. É lindo... e SURREAL . Obrigada flor, obrigada mesmo por me deixar tão alegre!
Capítulo 45 – Wide Wake

- , me perdoe! Eu estava apenas ouvindo com tanta atenção que esqueci que a matilha também ouviria.

Seth estava transtornado, andando de um lado para o outro, se sentindo totalmente culpado pela “pequena” guerra que causaria entre seus próprios irmãos.

- Está tudo bem amigo. – eu suspirei e levantei os braços em sua direção, esperando um abraço. – Vamos resolver essa situação.

- Temos que nos transformar. Eles podem já estar a caminho.

Ouvi a voz de Jacob e temi por ele estar certo. Soltei Seth e logo nós três explodimos nossas roupas. E oh, ele tinha razão. A matilha já estava quase perto da fronteira que nos separava de Forks. Ouvimos rosnados e pedidos de explicações assim que nossas mentes se interligaram.

Nós então corremos ao encontro deles, sem dar espaço para qualquer cansaço. Minhas pernas tremiam de dor, mas eu continuei firme atrás dos dois, que corriam mais rapidamente do que meus olhos podiam acompanhar.

Quando finalmente chegamos a uma clareira, encontramos todo o bando reunido. Todos estavam preocupados e afoitos. Paul não parava de rosnar e Embry queria saber que aberração nós estávamos protegendo.

- Nós teremos que matá-la. – Sam declarou.

- E quanto ao pacto? Nós vamos contra tudo que lutamos? Bella ainda é humana! – a voz de Jacob reverberou por nossas cabeças.

- Não há mais nada que possamos fazer por ela. O monstro que ela irá gerar deverá ser destruído. E se a única forma de matá-lo for matando a hospedeira, assim será.

- Não podemos fazer isso. – interferi, quando Jacob ameaçou perder o controle. – Sam, confie em mim... Não é uma aberração, é apenas uma criança, boa e pura.

- Como pode saber? – seus olhos ficaram raivosos. – Você sempre esteve do lado deles, está contra nós dessa vez Jonasson?

- Não fale assim com ela! – Jake rosnou e Seth se pôs ao seu lado, como forma de apoio.

- Eu não estou contra vocês... Mas também não posso ir contra meus instintos, ou meus princípios. Vocês não podem matar uma humana. Existimos para protegê-los. Veja bem o que planeja fazer Samuel, ou se arrependerá.

- Ela deixou de ser humana quando resolveu se entregar para aquele Cullen. Jacob costumava concordar comigo, o que você fez para que mudasse de ideia?

- Eu expliquei a ele porque não podemos matar a criança. Me dê apenas alguns minutos e eu posso...

- Basta. – Sua voz alfa soou e meus pelos se eriçaram. – Vamos todos até a mansão. Não sairemos de lá até ter certeza de que a maldição foi arrancada pela raiz.

Senti uma náusea forte tomar conta de meu corpo, como se aquelas palavras tivessem um gosto azedo, ou um cheiro ruim. Recuei, porque eu não tinha que seguir as ordens do Alpha por ser uma conselheira... Mas senti muito por tudo que estava por vir. Eu, certamente, teria que guerrear contra meus irmãos.

- Como você ousa? – Sam gritou mais uma vez, e alguns lobos uivaram em protesto. – Trair sua própria matilha? Você será banida.

- Não! – Leah e Seth gritaram.

- Banida? Você não pode fazer isso com meu impriting, e também não pode nos obrigar a lutar pelas suas convicções errôneas. – Jacob adquiriu na voz um tom que jamais tinha ouvido antes. - Eu, Jacob Black, neto de Ephraim Black – e seu corpo foi crescendo, a medida que ele se levantava sobre duas patas e deixava a todos os espectadores estupefatos. – Reclamo meu direito, pela linhagem Quileute, de Alpha. A partir de agora você não é mais meu líder, e nem o de minha mulher.

Coloquei-me ao seu lado, como sua beta. Estava tão orgulhosa, que meu peito batia rápido demais... Até para padrões lupinos. Nós olhamos um para o outro e naquele exato momento, as demais vozes sumiram de nossas cabeças. Éramos um bando de dois... Eu e Jacob.

Me destransformei, vesti minhas roupas e segui na direção de Jacob, que mantinha os braços cruzados e uma expressão indecifrável no rosto.

- Só espero que esteja certa sobre o monstro. – ele resmungou. – Se ele resolver nos comer, a matilha não vai querer nos salvar.

- Jacob... Eu sei exatamente o que estou fazendo. E a propósito, agradeço por ficar do meu lado.

Nesse momento ele descruzou os braços e me olhou com o que eu chamaria de... Saudade. Nós ainda não estávamos totalmente bem, e eu era monossilábica na maior parte de nossas conversas, de modo que ele nunca esperaria uma frase dessas de mim, uma frase tão carinhosa.

- Não precisa agradecer, você sabe que eu faria de novo. – ele abaixou a cabeça. – E de novo, e de novo.

- Ainda bem, porque os sacrifícios não acabaram. Você sabe que eles virão lutar contra nós, não sabe?

- Ah, eu sei. Eu estava ciente disso quando tomei minha decisão. Nós vamos guerrear, em breve.

- Não me sinto bem por te arrastar nisso. – comentei. – Me perdoe.

- ... Para de agradecer ou pedir desculpas por um momento. Eu sou o seu impriting, esqueceu? Não há nada que não faria por você.

Ele tinha mesmo que tocar nesse assunto? Eu não queria lembrar do impriting numa hora dessas. Tudo bem que era impossível esquecer. Estava em volta de mim, no cheiro dele, nos pensamentos nele, na atração inevitável... Mas poxa, aquela palavra vinda de seus lábios me parecia uma mentira.

Meu impriting... O cara que foi pra cama com outra.

- Vamos ter que conversar sobre isso alguma hora. – ele pareceu ler meus pensamentos.

- Vou adiar o quando puder. – comecei a caminhar na direção da mansão sanguessuga, mas ele segurou um de meus braços.

- Porque não resolvemos logo? Seja qual for o resultado, que coloquemos os pingos nos ‘Is” de uma vez por todas , porque isso já está me matando por dentro.

Reconsiderei o que ele disse, tão sofregamente. Talvez Jake tivesse razão. Porque mesmo eu estava adiando? Medo... Medo de me machucar AINDA MAIS.

- Muito bem, o que tem para me dizer? – encarei o céu, a terra, as árvores... Qualquer coisa, menos seu rosto.

- ... Pra começar, o que aconteceu não tem perdão, nem desculpas esfarrapadas. Eu não vou usar a bebida como desculpa e nem culpar Elise. A culpa foi totalmente minha. Eu fui imaturo por tanto tempo... Eu merecia que você me largasse, por ser sempre um idiota.

- Você tem razão, merecia mesmo que eu nunca mais falasse com você novamente.

- Eu sei. – ele arfou pesadamente, como se considerasse essa idéia e ficasse com medo. – Eu sei que não te mereço... Mas você não pode duvidar que eu te amo, que faria qualquer coisa pra te ver feliz, que morreria por você. Aquilo foi um erro , um erro enorme. Mas eu estou mudado agora, eu juro.

- Eu sei que está falando a verdade, posso sentir... Mas não consigo mais te olhar com os mesmos olhos, se é que me entende. Eu ainda estou ressentida Jacob. Pela primeira vez na vida, sinto que distante de você eu estarei melhor.

Sei que aquelas palavras doeram nele, porque eu mesma senti como se algo estivesse rasgando dentro de mim. Ele abaixou a cabeça e sussurrou fracamente.

- Eu vou te dar o tempo que precisar.

- Eu agradeço por isso. – cheguei mais perto e levantei seu queixo com meu indicador. – Eu ainda te amo, só não estou pronta para seguir com esse relacionamento de novo. Preciso deixar cicatrizar, sabe? É muito recente.

Uma lágrima escorreu pela minha face quando lembrei daquele fatídico dia. Elise estava grávida do único homem que amei na vida, do meu Jacob. Nunca havia sentido tanta dor antes... E eu suspeitava que essa ferida jamais fosse parar de sangrar.

- Eu compreendo. – ele segurou meus dedos e beijou um por um, me fazendo suspirar. – Eu vou aceitar tudo o que me propor, eu faço qualquer coisa que...

Um barulho na floresta nos fez virar rapidamente. Em questão se segundos nós estávamos transformados novamente e o grandalhão Emmet já pulava da janela para o lado de fora.

- Jake, tem alguma coisa errada. – murmurei, por pensamentos.

- Eu sei. Esse é Seth falando em nossa cabeça?

- Pessoal, eu não ouço mais a matilha! Desde que resolvemos segui-los, as vozes simplesmente sumiram! – a voz ressonou novamente.

- Resolvemos? No plural? Seth, o que está fazendo aqui?

- Sim, eu e Leah resolvemos deixá-los. Nós ficaremos ao seu lado Jake. – finalmente a figura de pelagem cor de areia surgiu pela floresta, acompanhado da loba cinzenta.

- Não! Voltem imediatamente! – ele grunhiu.

- Isso é uma ordem Jake? – Seth perguntou.

- Não. Eu não obrigo ninguém a nada, mas vocês não podem ficar aqui.

- Porque não? Nunca me senti tão bem em toda a minha vida, nunca desde a maldita transformação! – Leah argumentou. – Não ouço Sam, não ouço Paul, ninguém mais tem pena de mim... E estou perto de Seth e ... Sinto-me em paz, finalmente.

- Leah... – Meu tom de voz receoso escondia um grande orgulho. – Seus irmãos atacarão a mansão, e nosso dever é proteger Isabella e a criança.

Ela torceu o nariz numa careta engraçada, mas mesmo assim balançou a enorme cabeça num sinal positivo.

- Eu disse, viemos para ajudar. Somos sua Nova matilha, Alpha Black. – Seth se dirigiu a Jacob novamente. – E nós temos novidades sobre os planos de Sam... Ele compartilhou tudo, pois não sabia que abandonaríamos o bando.

Capítulo 46 – Beautiful Day

Os outros lobos estavam cercando o território, procurando um momento propício para atacar. Segundo o que ouviu Seth, eles esperariam a criança nascer. Levaram em consideração ao menos o que disse sobre matar uma humana.

Mesmo assim, estavam dispostos a acabar com o que quer que estivesse em sua barriga monstruosa. Sim, era como se Isabella carregasse o próprio Hulk no ventre. Em vez de redonda, tinha elevações estranhas para vários lados, além de um arroxeado colorindo quase toda a pele. Era terrível de se ver. E nós sabíamos que estava destruindo-a.

Edward se culpava todos os dias, a dor o corroia tanto quando o neném machucava Isabella. Mas agora ele parecia um pouco melhor, mais vivo, desde que ouvira a pequena criança. Sim, ela já pensava dentro da mãe, e sentia muito por toda a dor que estava causando.

Quem imaginaria... Um bebe tão pequeno já com atitudes tão adultas? Era mesmo um ponto de luz.

- Esme, Carlisle, Emmet e Alice foram caçar. Nós demos um jeito para que cruzassem a fronteira. – Jacob me contou. – Tivemos que enganá-los.

Eu sei que havia peso na consciência e sensação de traição. Mas não existia outra coisa que pudesse ser feita. Os vampiros estavam quase morrendo de fome, e todos precisavam se conter quando a menina nascesse... Segundo o médico, talvez amanhã ou depois. Cada dia mais perto.

- Espere, ouviu isso? – Jake subiu as escadas antes de mim, procurando Isabella.

Ouvimos uma seqüência de gritos horríveis e assim que entramos no quarto, vimos uma cena que destruiu meu estomago. Eu teria pesadelos por cinqüenta anos.

Isabella tinha vomitado sangue e por ter se inclinado para frente, tinha acabado de quebrar a coluna, de modo que sua pele se rasgou com o peso do filho e eu pude ver... Pude ver a carne vermelha de suas costas.

Edward a deitou na maca e eu estava petrificada demais para ajudar em qualquer outra coisa. Jacob colocou um pano em sua cabeça e segurou sua mão enquanto a garota se debatia e gritava a plenos pulmões.

Minha cabeça girava e senti tanta fraqueza nas pernas que desmontei ali mesmo, no meio da sala que os Cullen haviam projetado para realizar o parto. Edward me olhou preocupado e Jake vinha em minha direção, mas com um aceno de mão meu, eles entenderam que deveriam continuar.

Engatinhei até a porta e o vampiro Jasper me puxou, me carregando nos braços até o andar de baixo, o mais longe possível daquele ambiente e daquele cheiro de sangue vivo.

Vi Rosalie correr para o andar de cima, se queixando pela má sorte do dia, afinal... A pessoa mais importante estava faltando, o médico. Quem faria a cesárea? Quem retiraria o bebe? Isabella tinha chances de sobreviver?

- NÃAAO! – Ouvi Jake rugir e meus músculos retesaram.

- Então vá embora. SAIA DAQUI! – Edward gritou, e um choro de neném irrompeu por todos os cômodos.

Vi Jake descer no mesmo momento, o rosto lavado por lágrimas quentes. Será que Isabella estaria mesmo morta? Dei-lhe um olhar complacente, de quem diz: Estarei aqui se precisar. Mas ele preferiu sair para que não o visse chorar ainda mais.

- Preciso ver a criança. – sussurrei, pois minha voz parecia ter sumido.

- Sua pressão ainda está baixa, é melhor que descanse um pouco.

Eu poderia ter levado seu conselho a sério, afinal, estava mesmo debilitada. Mas aquela antiga sensação de conselheira voltou a correr em minhas veias, e eu soube que em breve, estaríamos todos encrencados. Alguma coisa ia acontecer com a criança, desse modo, era imprescindível que eu estivesse ao seu lado caso o perigo realmente chegasse até nós.

- Preciso mesmo subir. E você, Jasper, deve ir lá fora e avisar a Leah que os outros já estão chegando. – O belo vampiro arregalou os olhos. – Espero que esteja pronto para lutar.

Dito isso, reuni toda a coragem para tudo que viria a seguir, e subi as escadas rapidamente, ainda seguindo o choro do neném. Eu o vi nos braços de Rosalie, num dos quartos da mansão. Ela estava numa cadeira de balanço, a ninar o que eu chamaria de pequeno anjinho. Era um bebe alvo, de cabelos castanho-avermelhados e olhos lindos.

Mesmo recém nascida, a linda boneca sorriu para mim, exibindo uma gengiva com duas presinhas. O quão engraçado e medonho poderia ser aquilo?

Ia em sua direção, encantada com tanta beleza, quando senti a presença dele em minhas costas. E como sempre, suas emoções me invadiram. Raiva, ódio.

De uma maneira ou de outra, percebi que ele queria aquela criança morta. Então a dor pousou em meu coração, pois eu lutaria com meu próprio impriting pela vida da menina.

- Jake, por favor. – me virei para encarar seu rosto e implorei, com olhos assustados. – É só uma menininha.

Rosalie levantou rapidamente ao perceber que uma briga se iniciaria. Agarrou a criança nos braços com força e analisou suas opções de fuga. Eu também pensava nisso para as duas. Eu cuidaria de Jake enquanto ela manteria a criança a salvo.

- Uma menininha? Ela matou Isabella. – ele cuspiu as palavras, num ódio cego. – E agora eu matarei esse monstro.

- Amor... – ele vacilou em sua caminhada obstinada por um segundo e me encarou. – Confie em mim. Eu fui designada para protegê-la. É uma criança de luz, posso sentir. Você saberá que ela é assim que olhar em seus olhos... Por favor, é só um bebê!

Seus olhos brilharam levemente e ele abaixou a cabeça, e os punhos também.

- E é também meu impriting. – uma terceira voz surgiu, assustando a todos nós.

Seth estava parado na porta, com olhos vidrados na criança e uma expressão de amor incondicional e devoto. Uma olhadela rápida e percebi que a menina também se inclinava em sua direção, com bracinhos erguidos.

Seth sorriu e a luz irradiou naquele cômodo escuro. Era como se aquele pequeno gesto dela fosse iluminar a vida do lobo para sempre. Era visível que nosso pequeno irmão finalmente tinha sofrido a magia Quileute. E justo com quem?

- Inacreditável. – Jacob parecia tão abalado quanto eu. – Como é que isso pode acontecer? Ela é meio vampira!

- É o destino, Jake. – encarei a todos. – Eu disse que de um jeito ou de outro, todos teríamos que protegê-la. Agora até Sam será obrigado a isso... Ela é o impriting de um de nossos irmãos, então não pode ser machucada por um de nós. É nossa lei mais severa.

- Sinto muito por tê-la ameaçado. – Jake se virou e colocou a mão no ombro do amigo. – Vou conversar com o outro bando.

- Tudo bem, cara. Pelo menos cheguei a tempo! Simplesmente achei que morreria se não entrasse na casa para ver o que estava acontecendo. Senti agonia e desespero. Achei que era por estar pressentindo que um de vocês estava ferido... Mas era ela.

- Você pressentiu que sua alma gêmea estava em perigo. – eu deduzi e Rosalie gritou, assim que entendeu o que estava se passando. – A vida da sua sobrinha está a salvo por causa do impriting Rose, então agradeça ao invés de reclamar em fúria.

- Minha sobrinha e um cachorro? Quer mesmo que eu levante as mãos para o céu? – ela bufou e eu rolei os olhos.

- Seth, fique de olho nela. Eu vou com Jake.

Alcancei Jacob na porta, segurei sua mão e ele me olhou pasmo quando eu as entrelacei as dele. Eu disse que devíamos ir devagar, mas estava orgulhosa demais para deixar de presenteá-lo com um ato carinhoso.

Jake tinha decidido não atacar. Não pelo que Seth disse depois, mas primeiramente pelo que ouviu de minha boca. Soube que ele havia se decidido no momento em que pedi por favor, com todo o meu coração. Soube que ele teria ficado ao meu lado naquele mesmo instante, engolindo o fato de que a criatura havia matado Isabella.

Ele confiou em mim, sem questionar.

N/A: Espero que tenham gostado da Att dupla, e que aceitem minhas desculpas pela enoooorme demora. kkkkk E sobre um assunto importante... Eu juro que achei que a fic já estava acabando, mas ainda falta uns seis capítulos mais ou menos, então continuem lendo e comentando, porque as ideias estão todas na minha mente, mas as vezes a criatividade foge, justo quando me sento para escrever kkkk Obrigada a todas as meninas que acompanham. Binha, Déh, Lucy, Deia, Adriana, e as demais lindas igualmente importantes... <3 br="">
Capitulo 47 – Fight (The Dirty Youth)

- Como ela pode ter crescido tanto? – questionei, ainda de olhos arregalados.

Fazia exatamente duas semanas desde que a vira nascer, e agora aquele pequeno bebe já era uma garotinha que parecia ter quase três anos de idade.

- Nós não sabemos exatamente como acontece, mas ela não é uma humana normal... Apesar de se parecer tanto com uma.

- Já testaram as habilidades dela, Edward? Será que ela tem algum outro traço vampiresco fora a fome de sangue?

- Ainda não, mas Renesmee certamente não é tão frágil quanto uma criança comum. – ele sorriu amplamente. – Graças a Deus, isso a manterá fora de alguns perigos.

- Fala como se os degraus da escada fossem mais perigosos que aqueles vampiros ruins. Sabe que teremos que mantê-la escondida, não é?

Ed tremeu dos pés a cabeça a simples menção do assunto, e soube que ele estava segurando um rosnado no fundo de sua garganta. Algo o estivera incomodando desde que cheguei, e agora eu estava surpreendentemente curiosa, e pior...

Com um mau pressentimento.

- O que está acontecendo? – Perguntei. – Vamos, diga logo.

- Ontem Renesmee foi conosco a uma caçada e Irina a viu. É uma vampira do clã Denali, e para ser sincero, sei que temos um grande problema agora. Ela acha que nossa filha é uma criança imortal.

- E o que significa ser uma criança imortal?

- Bem, os Volturi tentaram transformar crianças e bebes, mas obviamente eles não tinham controle sobre si mesmos e matavam humanos sem qualquer restrição. E então foram todos exterminados e a proibição de sua criação veio logo depois, com a ameaça de pena de morte para aqueles que violem a lei.

- E então... – senti uma ponta de desespero correr em minhas veias. – O que acha que essa vampira vai fazer? Contar tudo a eles?

Antes que ele pudesse responder, a menina que antes brincava no jardim, vinha saltitando em nossa direção. Ela parou a minha frente e sorriu de um modo que me fez retribuir automaticamente.

- Eu me lembro de você.

Aquela voz infantil me assustou por mais motivos do que eu poderia contar nos dedos. Tom melódico, como o dos vampiros, articulação adulta e concisa... Tudo isso para uma menina que nasceu há poucos dias.

- Oh deus, ela já está falando!

Tudo bem, não era o melhor oi do mundo, mas quem poderia me culpar? Ela tem exatamente duas semanas de vida, DUAS.

- Incrível, não?

Carlisle comentou de repente. Ele colocou a fita métrica e a balança no chão e logo depois de me cumprimentar, chamou a pequena para um abraço.

- Ela cresce todo dia, e não é só fisicamente. Nossa garotinha já tem o raciocínio de uma criança de oito anos. Meu filho já te contou sobre o poder dela?

- Ainda... Não. – intercalei meus olhares entre o médico e o vampiro. – A essa altura eu já devo tê-lo também. O que ela pode fazer?

- Ela mostra a verdade. – Ed explicou. – Filha, faça com Jessica.

E a menina veio em minha direção, enquanto eu ficava apreensiva. Segurou meus dedos, fez uma carinha pensativa e logo uma imagem apareceu nitidamente em minha cabeça. Na verdade, estava mais para uma lembrança, onde eu implorava que Jake deixasse Renesmee viver. Eu lembrava bem daquele dia, inclusive.

- Impressionante!

- É como se fosse o talento de Bella às avessas. Uma esconde, a outra mostra.

- É mesmo incrível. E falando nela, como foi a transformação? Como ela está lhe dando com a sede?

- Eu diria que ela é tem mais autocontrole que qualquer um de nós teve no início e...

- Estão falando de mim?

Virei a cabeça para o rumo de onde aquela voz melódica vinha e me deparei com uma Isabella muito diferente. Ela continuava com cara de sonsa, em minha opinião, mas estava mais bonita e isso eu não poderia negar, mesmo que quisesse. Corpo esguio, cabelos brilhosos, pele limpa e longos cílios. É, aquela idiota estava mesmo um milagre da natureza.

E pra piorar a pequena ponta de mau humor que eu estava começando a sentir, ouvi barulhos na floresta. Seth apareceu radiante, e logo depois dele vi Jacob. O pressentimento, como na maioria das vezes em que uma tragédia ia acontecer, veio antes que acontecesse. Isabella gritou a planos pulmões e de repente, eu já sabia o que ela estava para fazer. Talvez fosse até obvio, afinal, ela era a mãe da criatura e Jacob, bem... Tentou matá-la.

- Você tentou matar minha filha!

Isabella rugiu e partiu para cima dele, que se transformou em segundos para se defender. Mas aquela era uma recém transformada, mais forte que qualquer Cullen presente. Ele não teve tempo nenhum de reagir, pois a vampira lhe pegou por uma das pernas e eu pude ouvir aquele osso se partir. E aquilo foi demais para mim. Sério.

Quem aquela louca pensava que era?

Corri naquela direção e me joguei em cima dela, de modo que nós rolamos no chão e ela ficou por cima de mim, rosnando como um animal.

Sua mão se fechou em punho e eu ouvi Edward gritar para intervir... Bella parou por um instante e aquela foi uma distração muito boa para mim. Antes que ela pudesse então quebrar o meu crânio, acumulei energia em minha mão esquerda e bati no estomago dela com força. Isabella voou uns vinte metros, e eu me levantei rapidamente, colocando-me em posição defensiva.

- Parem agora!

Esme gritou, vendo que a mais nova Cullen continuava querendo me matar, ainda mais agora depois de um choque de 300 volts. Sorte ela ser uma vampira agora. Se fosse humana, eu a teria partido no meio. Bem que eu queria...

- Como você ousa? – ela sibilou.

- A verdade é que eu sempre quis te dar uma surra – respondi calmamente. – E acabou de me dar esta ótima oportunidade, depois de partir a perna do meu namorado em duas. Vou fazer o mesmo com a sua cara, pra ver se você gosta da sensação!

Começamos a nos encarar ferozmente e a andar em movimentos cautelosos e circulares, como duas leoas prestes a atacar.

- Por favor, parem com isso!

Olhamos para o lado e vimos Edward praticamente implorar. Ele parecia assustado, assim como Jake, do outro lado da casa. Mas nada agora me faria parar, ninguém parecia louco o bastante para intervir... A questão entre nós é antiga.

E além disso, Isabella tentou machucar quem eu amo, e logo depois tentou destruir meu lindo rosto. E isso era inadmissível.

- Argh!!!!!!!! – ela gritou e veio correndo em minha direção.

Bloqueio, chute, murro. Caí no chão, me levantando logo em seguida e limpando o sangue que escorria em minha boca. Tudo bem, ela estava usando tudo o que tinha sabendo que eu não estava transformada... Se jogaria sujo assim, então não seria a única.

Ativei todos os meus poderes.

Eu sabia como e onde ela me atacaria de antemão, e pra variar tinha controle sobre seus sentimentos. Eu a fiz ficar lenta, para então lhe dar um soco que quebrou todos os meus dedos, mas que valeu muito a pena. Isabella caiu e pareceu derrotada, enquanto eu a observava de pé.

- Na próxima vez que chegar perto de Jake para machucá-lo, eu arranco sua cabeça.

Isabella se apoiou nos antebraços e me analisou. Eu sabia que ela tentaria me socar novamente, e assim Alice também previu seu golpe. Um segundo depois Edward tentava segurar a sonsa e Jasper fazia o mesmo comigo.

- Está tudo bem, pode me soltar. – avisei. – Eu só quero ir embora.

- E está proibida de voltar! – ela gritou e eu ri ruidosamente.

- Vou voltar quando quiser. Caso tenha se esquecido, eu salvei sua filha e sou a protetora dela. Vou ficar por perto, e é bom que se acostume com isso.

- Não quero você perto da minha filha!

Ela deu um rosnado longo que só acabou porque uma mãozinha lhe tocou a perna. Isabella percebeu que Nessie queria lhe mostrar uma coisa e se abaixou. Com o poder de ler os pensamentos, vi que a menina mostrava a mãe o que eu mesma tinha visto mais cedo.

Agora Isabella estava ciente de que eu lutaria com o próprio Jacob para defender a garota.

- Eu não posso escolher meu destino, nenhum de nós pode. Fui simplesmente designada a essa tarefa, e sei Renesmee precisará de mim. A criança corre perigo desde o seu nascimento e assim será até a vida adulta. Querendo ou não Bella, terá de engolir o seu orgulho e aceitar toda a ajuda que conseguir para mantê-la a salvo, por isso, não seja tão estupidamente burra.

- Nós não precisamos de você! – ela gritou novamente, quase ensurdecendo a todos.

- Precisamos sim querida. – Alice interveio. – Você sabe que precisamos agora mais do que nunca. Teremos que reunir um exército e é nossa melhor chance de vencer.

- Por quê? – Ela arfou e eu percebi que a vampira não suportava a idéia de me ter por perto.

- Porque ela será mais forte que todos nós! Será que não vê que assim que reunirmos todos os vampiros, terá poderes que nenhum de nós ousou um dia ter? Se já não tem! Logo Jess terá as habilidades de Aro, Jane... Teremos vencido antes mesmo da guerra começar.

Finalmente se livrou de Ed e se pôs ereta. Sei o quanto estava difícil digerir a situação, pois repulsa e raiva era um de seus mais fortes sentimentos. E eu sabia do que se tratava: Puro ciúme, porque Edward ainda me amava. Não da forma que ela imaginava... Mas Bella sabia que ele ainda me amava.

Ignorei-a totalmente quando ouvi um urro sofrido. Corri para perto de Jacob com tanta pena que teria me oferecido para receber a dor em seu lugar. Carlisle já tinha concertado o osso, então em breve meu lobo estaria de pé novamente. Mas sei que estava doendo muito.

- Como você está? – sussurrei, passando a mão por seus cabelos pretos.

- Estou bem... Mas não precisava ter feito aquilo.

- Tá brincando? Ela quebrou sua perna! – eu o fitei. – Você não ficou com dó dela, ficou?

- Ah , você pegou pesado... Mas Bella agüentou o tranco. É uma sanguessuga agora, estou sempre me esquecendo desse pequeno detalhe.

Jake não parecia triste, nem feliz. Só parecia alheio a toda essa bagunça e confuso por algum motivo que eu ainda nem podia imaginar.

- Quer ir embora daqui? – perguntei.v - Mais do que qualquer coisa do mundo. Meu nariz está ardendo tanto quanto minha perna dói.

- Ah, tadinho! – fiz biquinho e ele sorriu verdadeiramente.

- Pode me ajudar a levantar?

- Claro. – passei seu braço por meus ombros. - Consegue ir assim? Temos um longo caminho pela frente.

- Eu posso te ajudar . – Seth se prontificou. – E depois eu volto para ver Nessie.

- Não precisa. – Jacob negou, antes que eu pudesse dizer qualquer outra coisa. – Nós vamos conversar pelo caminho.

Seth pareceu entender as intenções do amigo e sorriu alegremente como se tudo fosse voltar ao normal por causa de uma pequena conversa sob as árvores. Jacob e eu estávamos nos falando com freqüência, mas eu fugia dos seus toques como o diabo fugia da cruz. Hoje era apenas uma exceção, por causa do ferimento.

Mesmo assim senti meu estomago afundar. O trágico assunto pelo qual eu estava fugindo a semanas... Sei que voltaria a tona em poucos minutos. Sei que ele estava louco para falar, explicar e tudo o mais.

Talvez eu estivesse pronta para ouvir, mas aceitar e perdoar estava quase fora de cogitação. Pelo menos era o que eu achava.

N/A: Que saudaaaaaaaaaaaaaade! Estava com saudade de escrever essa fic, dos personagens incríveis e é claro, das minhas lindas leitoras. Sem vocês Metamorfose não seria nada além de uma boa história. Tentei me redimir do tempo em off com essa briga hilária entre a PP e Isabella. Eu tinha prometido muito antes, então aqui está um belo FIGHT, não acham? No tempo certo e bem mais justo, já que agora as duas são poderosíssimas. Nós somos mais, OBVIO. KKKK é isso dudes, um beijo e um queijo, e COMENTEM!

Ps: Paulinha, seja bem vinda viu?! Adorei seu comentário incrível sobre a fic, obrigada pelos elogios *.* E sim, vou dar um jeito naquela Elise mala sem alça! kkkk bjs

Capítulo 48 - thousand years (Christina Perri)

Nós não falamos nada durante alguns minutos. Talvez ele estivesse esperando minha ansiosidade ir embora para começar a se explicar, ou estivesse apenas formulando as palavras certas em sua mente. Fosse uma coisa ou outra, de nada adiantou. As palavras que Jacob lançou em seguida fizeram meu estomago arder.

- Eu amo você.

Três palavras simples, com um poder incrível de deixar uma pessoa triste ou genuinamente feliz. Alegria não era o sentimento que perpetuava em mim no momento. Se ele me amava com aquela força que eu estava sentindo em mim, porque tinha feito sexo com Elise? Era a única coisa do mundo que eu não conseguia entender. Até uma equação de geometria era mais fácil que entender essa traição.

- Porque você fez aquilo comigo? – sussurrei, enquanto encontrava forças para continuar suportando o peso dele em meus ombros.

- Eu acho que queria fazer você passar pelo mesmo que eu passei. É horrível dizer isso, mas eu quis devolver a dor. Fiquei com Elisa pela vingança, a bebida só acentuou esse sentimento.

- Agora sim. – pisquei os olhos com força. – Essa era a explicação que eu estava esperando.

- Eu sinto muito , sinto muito por todo o ciúme que tive de você e do vampiro. Sei que fui doentio na maioria das vezes, espero que um dia você possa me perdoar.

Nós ficamos em silencio novamente. Eu estava perdida em meus pensamentos, e no meio deles acabei percebendo que a verdade sempre soava melhor. Agora eu sabia por que ele tinha deixado Elise entrar. Inconscientemente, ele queria que eu sentisse tudo que ele sentiu durante todas as vezes em que eu o “traí ”.

E pela primeira vez depois de saber de toda essa história, percebi que eu também tinha uma parcela de culpa por toda essa situação ter acontecido. Se nós estivéssemos bem, ele jamais teria bebido. E se não tivesse bebido, eu sei que a garota não teria encontrado brecha nenhuma. Ele não suportaria fazer sexo olhando para outra mulher que não fosse eu. Sei disso porque era assim que eu me sentia em relação a qualquer outro homem. Tinha que ser Jacob, ou não era mais ninguém.

- Eu também te amo. – soltei de repente, eu o senti parar bruscamente ao meu lado. – Nada que você fizer vai mudar isso. Já cansei de tentar achar uma maneira de te odiar. Eu te amo, e vai ser assim até um de nós morrer.

Jacob se virou para mim e deixou uma lágrima rolar por seu rosto enquanto acariciava minhas bochechas. Raramente eu via uma cena daquelas. Meu lobo era alegre e radiante, mas quando se tratava de dor, ele a escondia ao máximo possível.

- A vida é curta, nós vamos entrar em outra guerra em breve. Não quero mais perder tempo fugindo de você. Eu nasci pra ser sua.

- E eu nasci pra ser seu.

E então ele me puxou para um abraço firme. O melhor de toda a minha vida. Senti seus braços fortes me envolverem e enquanto isso, aspirei todo o cheiro amadeirado que pude de seu pescoço moreno. Eu até tinha me esquecido de como me encaixava perfeitamente em seu corpo. De como o nosso molde parecia um só.

“vocês foram criados para ficarem juntos, são a promessa de um amor eterno”. Wakanda me disse isso uma vez, eu não poderia concordar mais com ela.

Ainda estaremos juntos daqui há mil anos.

- Precisamos decidir algumas coisas. – me deparei dele e olhei em seus olhos. – Como fica a situação com seu filho?



Mesmo sua pele sendo morena, vi o rubor surgir em suas bochechas. Aquele não era um assunto que qualquer um de nós poderia discutir sem tensão ou vergonha. Logo, estávamos os dois de cabeças abaixadas e respirações fortes. Aquela sensação não era nada boa.

- Eu ainda não sei. – ele respondeu levemente e olhou para o céu. – Pedi para Elise ficar longe de mim, mas não desejo o mesmo quanto ao meu filho.

Bom, eu também não gostaria que a criança fosse privada de um pai. Ela não tem culpa nenhuma de toda essa confusão de adultos irresponsáveis e irracionais. Não tem culpa da mãe ser uma vagabunda e do pai... Bom, ser Jacob Black.

- Eu achei que eu seria a mãe dos seus filhos...

Foi mais um pensamento alto do que qualquer outra coisa, mas deixou Jake visivelmente perturbado.

- Mas você SERÁ a mãe dos meus filhos.

- Bom, eu estava querendo dizer de todos eles sabe, ou ao menos do primogênito. – dei um sorriso fraco. – Mas tudo bem, a vida é cheia de surpresas... Acho que não era pra ser.

- Você sabe o quanto eu queria isso, não sabe? – ele voltou a tocar em mim. – Acabo de lembrar outra coisa. A gravidez de uma transforma deve ser mais rápida que a de uma humana normal. Você viu aquela criaturinha dos vampiros...

- O que está tentando insinuar Jake? – rebati nervosamente.

- Bom, eu só acho que deveríamos tentar. É muito possível que nosso bebe nasça primeiro, se a ordem de nascimento te incomoda tanto.

- Você acha? – eu estava com cara de boba, sem ao menos perceber que Jacob me olhava com os olhos mais pervertidos do mundo. – Ah, pare de mentir assim.

- É sério ! – ele gargalhou e desviou de meus tapas. – Podemos perguntar ao meu pai. - Ele não saberá, sou a primeira transforma mulher a ter um impriting. E além disso, tenho sangue Sioux e sangue vamp... – minha voz foi morrendo. – Jacob, não posso ter um filho com esse sangue correndo em minhas veias!

Só nesse momento suas sobrancelhas se franziram e ele pareceu realmente preocupado. Eu soube que Jake estava pensando nas mesmas coisas que eu. E se meu filho se alimentasse de sangue? E se ele brilhasse no sol? E se tivesse o cheiro adocicado que fazia o nariz dos Quileute arderem?

- Quer saber? – a voz suave dele me tirou de todos esses devaneios. – Vai ser nosso filho, e essa é a única coisa que me importa. Vai ser amado e protegido... Eu não ligo para as adversidades, ele vai ser um Black. Tudo o que eu quero é uma família com você, .

- Ah Jake, é sério?

- É claro que sim. Eu amo tudo em você, até mesmo o sangue que corre aí dentro. Esse poder que você carrega já salvou sua vida várias vezes... Hoje em dia eu agradeceria aquela vampira por ter te mordido, se ela estivesse viva.

- É mesmo? – um pouco de felicidade e dúvida se apoderava de minha voz.

- Bem, talvez não pessoalmente. Mas você entendeu, não é?

Ah, entendi melhor do que poderia imaginar. Joguei meus braços em seu pescoço e alcancei aquela boca que tanto me fazia falta. Os choques estavam presentes durante o beijo, como sempre. E os sentimentos, não sei quais deles estavam mais aflorados. O amor, a saudade ou o desejo. Nós não podíamos tentar fazer um bebe (como Jake havia sugerido) por causa da guerra que viria, mas talvez pudéssemos aproveitar o momento a sós para um sexo de reconciliação.

Dizem que é o melhor sexo de todos.

N/A: Oi lindaaas! Aqui estou eu de novo, depois de séculos sem aparecer! Vocês estão bem? Que saudade dos comentários alegres, briguentos e esperançosos das senhoritas!E por falar em esperança, olha que maravilha: RECONCILIAÇÃAAAO <3 aqui="" assim="" at="" att="" br="" chegando="" continuem="" da="" deixando="" dessa="" e="" espero="" esta="" final...="" gostado="" j="" marquinhas="" o="" que="" suas="" tenham="" vez="">
Um abraço apertado e especial(e imaginário kkk) para Paulinha, Gabih, Raquel, Binha, Lucynda, Deh, Deia e todas vocês que conseguem me fazer sorrir com algumas poucas (ou as vezes MUITAS) letrinhas! Beijos:**

Capítulo 49

E realmente o tal sexo de reconciliação é incrível.

Quando os braços dele tocaram os meus, senti uma corrente elétrica pulsar em meu corpo. Era saudade, era desejo... Era amor reprimido por um tempo inestimável. Dei-me conta de que sentia muita falta dos toques quentes da pele Quileute de Jake, senti falta do cheiro amadeirado, da voz rouca e até de como seus olhos ficavam mais escuros quando ele estava prestes a me beijar.

Deixei que tirasse minha blusa e meu short, e a pouca roupa que ele tinha eu mesma rasguei rapidamente. Logo ouvi Jacob sussurrar meu nome em desespero, o que me motivou mais do que deveria. Minhas mãos correram livres pelo corpo que eu tanto amava, mas pouco conhecia. Durante todo esse tempo nós só tínhamos transado três vezes. Eu entendia sua alma como ninguém, afinal, era parte dela... Mas o fato de não saber onde ele mais gostava de ser tocado me incomodava muito. Talvez eu soubesse isso antes de perder a memória, e essa era a parte que tanto me irritava. Eu devia saber tudo sobre o homem da minha vida, tudo mesmo.

- O que você sente quando te toco aqui? – perguntei, enquanto meus dedos passeavam por seu peitoral.

- É como se eu estivesse queimando. – ele respirou forte. – Só que de um modo muito bom.

- Hmm. – grunhi e assimilei sua resposta. – E aqui? Também queima?

Desci um pouco mais os dedos até encontrar o tanquinho mais definido em que eu já havia colocado os olhos na vida. Circulei cada gominho daquele, mordendo os lábios de ansiedade sempre que ele fechava os olhos e jogava e cabeça para trás. Continuei descendo com a mão e parei aflita quando o vi prender a respiração. Senti prazer só de vê-lo na expectativa para receber prazer. Isso era desejo, puro e acumulado desejo.

- Eu quero você. – pressionei a ereção máscula que ele continha por baixo da cueca e o ouvi gemer de imediato. – Preciso de você.

- Ah, .

Jacob me suspendeu e eu não demorei a transpassar minhas pernas por sua cintura. Não sei quando a urgência transformou nossos atos carinhosos em violentos, mas sinceramente... Não me importei nenhum pouco. Eu só conhecia o sexo fofinho (o mais indicado para se perder a virgindade!) e por isso estava ansiosa por algo mais condizente com nossa situação. Sexo selvagem. Desejo, paixão, saudade, ciúmes e insatisfação era uma mistura complexa e perigosa. Muito perigosa.

- Eu quero ouvir você dizer que eu sou melhor que ela. – Jake me olhou confuso. – Mais gostosa que ela, mais bonita que ela. Vou fazer você enlouquecer Jake, você vai chamar pelo meu nome enquanto me possui. Ele pareceu entender de quem eu estava falando. Meus olhos deveriam estar queimando de raiva.

- Você é melhor que ela. –sua voz era sincera, apesar de toda a rouquidão. – E com certeza eu vou chamar seu nome. E também vou gozar logo se não parar de dizer todas essas coisas...

- Não vou parar até ter certeza de que você nunca mais vai esquecer quem é sua mulher. Você é meu.

Puxei o curto cabelo de sua nuca com força e consegui tirar dele um gemido longo de satisfação. Jake se recuperou e rasgou minha calcinha em milésimos de segundos, deu um fim na própria boxer e me penetrou com uma força descomunal. Fiquei com os olhos arregalados por alguns momentos, em choque com a rapidez do ato e com a ardência leve que eu sentia no baixo ventre. Talvez eu estivesse desacostumada a tê-lo dentro de mim.

- Você é minha mulher. – ele falou entre dentes e voltou a deslizar para dentro de mim. – E eu sou seu, só seu.

E empurrou mais uma vez, e outra, e mais outra, me fazendo gemer vergonhosamente. Ele era tão grande, tão forte, tão gostoso... E era meu. Passei minhas unhas longas por suas costas quando ele me penetrou outra vez com força. Ah, ele estava acabando comigo. Eu não podia jogar tão limpo diante de uma coisa como essa.

Movi meus quadris instintivamente contra o seu e ouvi um grunhido de exultação plena quando o ritmo se tornou o mesmo. Jacob levantou um pouco mais uma de minhas pernas e eu perdi o ar por alguns segundos quando ele encontrou um ponto – que eu não fazia idéia de onde era dentro de mim – que fazia minha vista escurecer e meu corpo amolecer.

- Ah minha nossa! – sussurrei em seu ouvido. – Jake, você...

- Shh! Se você gemer assim pra mim eu não vou conseguir segurar. – ele voltou a enfiar com força, tentando ignorar meus gemidos.

- Hm... Você é tão bom.

- Droga . – ele fechou os olhos com força e multiplicou as estocadas. – Deixa eu satisfazer você primeiro, por favor!

Aquele tom implorante fez meu corpo se apertar de tanto tesão. Eu senti meus músculos internos se retesarem automaticamente em volta de seu membro e logo vi seus olhos pretos espantados e deliciados com a sensação de estar tão “preso” a mim. Soltei e prendi mais uma vez e fiquei feliz em saber dominar isso sem nem ao menos ser uma garota experiente.

- , eu não... – apertei de novo. – JESSICA!

Ele gritou meu nome. E nós nos perdemos juntos em milhões de ondas de prazer.

Capitulo 50

Eu e Jake estávamos bem desde então, curtindo aquela fase dos carinhos bobos de namorados, risadas alegres e infantis e desejos incontroláveis. Mas é como dizem: Nada que é muito bom dura para sempre.

Vampiros chegavam de todos os lugares do mundo para a casa dos Cullen, então me dei conta de que nunca tinha visto tantos olhos vermelhos em minha vida e de que não estava excessivamente feliz com isso. Tudo bem que eram aliados, mas poxa... Eles bebiam sangue humano.

E de qualquer forma, não sou a única descontente. Jacob tem um ataque epilético toda vez que vê tantos sanguessugas reunidos, Sam desaprova toda essa comoção vampírica, Leah morre de dor de cabeça com o cheiro deles, Paul perde o controle e se transforma de cinco em cinco minutos e Embry e Jared não largam seus impritings por nada. O único que parece animado é Seth, que acha que está num dos capítulos de X-men. Mas não posso julgá-lo por isso, já que é daí mesmo que vem a única parte boa dessa história.

Alguns desses vampiros forasteiros têm poderes inacreditáveis, e por causa do meu poder de absorvição, agora mesmo tenho todos eles em mim. Posso controlar os 4 elementos, plantar alucinações na cabeça das pessoas, rastrear com destreza, e é claro, colocar um escudo em minha mente. Esse último é o poder de Isabella, e me irrita profundamente partilhar algo com aquela sonsa, apesar de saber que é extremamente necessário para a nossa vitória. Afinal, eles têm Jane e Alec.

Edward disse que poderia cuidar de Aro com a ajuda de outro vampiro, mas precisaria de mim e Isabella para quebrar a barreira que os irmãos fariam para defender o Lord. Uma enxurrada de poderes sombrios que poderiam nos derrubar se não nos concentrássemos o bastante para erguer o escudo em todos o nossos aliados. Bem, essa era uma parte do plano, e a minha tarefa era basicamente: Ficar distante e utilizar todos os meus poderes.

Parecia injusto para mim, quando eu queria e podia arrancar com minhas próprias mãos a cabeça oca de cada italiano nojento que cruzasse meu caminho.

- Eu posso lutar Ed!

- Parece que sempre batemos na mesma tecla, sua teimosa! Dessa vez não estou só com medo de você se machucar... É que você sabe que não pode lutar destransformada e também sabe que seus poderes se desenvolvem melhor quando está em forma humana. Nós precisamos dos seus poderes nessa guerra, por favor, como pretende dar um choque com patas?

-Bem, talvez se eu tentasse...

- Por favor – ele repetiu. – Eu preciso de você dando o máximo de si amanhã. Você sabe que é minha única esperança, não sabe?

- Eu sei. – resmunguei. – Tudo bem Edward, vou pegar o poder de todos aqueles malvados e fazê-los engolir o próprio veneno. Estou com você e não vou mais questionar seus planos. Desculpe-me.

- Não precisa se desculpar... Só mantenha-se concentrada e a salvo, tudo bem?

- A salvo? De todos nós, ela é a única do grupo que tem chances de sair ilesa dessa guerra suicida! – Emmet surgiu e comentou, entre gargalhadas estrondosas.

- Não é verdade, sou tão alvo quanto vocês!

- Na verdade, você só se tornará um alvo quando os Volturi souberem o que é capaz de fazer. – Uma voz desconhecida reverberou pelas minhas costas. – Por isso, é melhor que seja muito discreta.

Senti o poder me invadir antes que eu pudesse virar e colocar os olhos no estranho. Depois do choque da transferência, pude checá-lo com calma. Atrás de mim havia um vampiro de olhos vermelhos, pele muito branca e cabelos pretos quase na altura dos ombros. Bonito e perigoso... E dono de uma bela habilidade, descobrir a verdade.

- A maioria dos meus poderes são mentais. Eles não vão conseguir descobrir que a fonte vem de mim.

- E está se esquecendo do poder que eles têm? – ele retrucou. – Você poderá infligir dor a qualquer um apenas com um ínfimo pensamento. Acha que eles não vão ligar isso à habilidade de Jane? Até onde se sabe, ela é a única vampira capaz de fazer isso.

- Foi o que acabei de dizer. – bufei, ligeiramente irritada. – O poder de Jane, como bem mostra saber, também é mental. Eu vou aplicá-lo sem me mover ou dizer uma única palavra e assim ninguém saberá que eu posso absorver poderes. Eles vão perceber que alguém ali é capaz de fazer isso, mas não vão descobrir quem é... A não ser que alguém diga.

- Mas e quanto aos choques?

- Terei que lutar sem eles, e também não devo controlar os elementos na luta. Nada visível, nenhuma suspeita Edward.

- Exatamente como eu disse assim que começamos essa conversa... Você precisa agir discretamente. – ele sorriu de lado. – Mas garota, não será tão fácil quanto imagina. Quando seus amigos estiverem morrendo, quero ver se conseguirá controlar seu corpo. Antes que perceba, já estará movendo tempestades e furacões para Forks... Ou pior, descarregando milhares de volts de energia pelos dedos.

- O que quer dizer com isso?

- Ele acha que cometerá algum deslize durante a luta. – a voz de Ed era melancólica. – E acredita que, por causa disso, é bem possível que os Volturi percebam que você é poderosa demais. E se eles notarem isso...

- O que?

- Duas opções surgirão na cabeça de Aro. Ele pode te querer para guarda, ou exigir sua morte como precaução. – o desconhecido concluiu os pensamentos de Ed.

- Exigir minha morte como precaução? – repeti a palavra com asco. – E porque eles fariam isso?

. - , você pode matar todos eles... Todos nós. Você tem poder e treinamento suficiente para isso.

- Edward! Você viu, não consigo usar mais que dois poderes simultaneamente. Eu não poderia dar fim nos vampiros mais poderosos do mundo, eu sou só...

- Você derrotou Emmett nos treinamentos, o mais forte de nós. Derrotou Tanya, Jasper, Isabella e até Alice. E fez tudo isso sem quebrar o escudo. – vi seus olhos castanhos se entristecerem novamente. – Eu não queria que participasse disso, que corresse esse risco... Mas você é, de longe, a melhor chance que temos. E é egoísmo meu pedir que você lute, porque Christian está certo.

- Do que você está falando?

- Se eles perceberem que é tão poderosa assim, o foco da luta vai passar de Renesmee para você. Eles lutarão conosco por sua posse, eles matarão cada um que tentar te proteger.

- Mas então... – senti meu estomago revirar e o gosto de bile me subir a garganta. – Então estou participando de tudo isso em vão. Eu vou piorar tudo!

- Não. – Edward tentou afagar meu rosto, mas me afastei. – Você pode salvar todos nós se conseguir agir discretamente. Você só precisa se controlar .

- Mas e se não der certo? E se eles descobrirem meus poderes?

- Então eu lutarei contra eles para defender você, que é tão importante para mim quanto minha própria filha. Não vou deixar que te levem ou que te machuquem. – deixei que ele segurasse minha mão tremula. – Eu juro.

E eu senti a verdade sobre cada letra, cada palavra que ele havia proferido. Edward estava disposto a morrer por mim, se fosse preciso. Meus olhos se encheram de lágrimas e meu coração inflou. Ele me amava até esse ponto.

Capítulo 51

Vi o sol nascer preguiçosamente, sabendo que o dia da luta finalmente havia chegado. Ironicamente ou não, antes que ele pudesse brilhar no alto do céu, nuvens escuras e pesadas o cobriram, como se estivessem querendo me avisar que hoje nem o tempo poderia ficar agradável. Nada poderia. Não com um alerta de guerra.

Estávamos todos tensos, apreensivos e pensativos. E não poderia ser diferente, já que de alguma forma, sabemos que tudo pode acontecer. Essa guerra pode ser um novo começo, ou o fim de tudo que conhecemos. Mal consigo imaginar meus irmãos na luta contra os Volturi. E se algum deles se machucar... E se algum deles morrer? Ah, não. Toda vez que esse pensamento paira sobre minha mente, eu sinto como se estivesse prestes a vomitar. Quantas perdas nós teríamos? Quantos de nós teriam que se sacrificar? E porque, porque diabos eu, que sou a conselheira, não consigo elaborar um plano que possa salvar a todos nós? A todos que amo?

Funguei baixinho, tentando conter as lágrimas. Ainda eram seis da manhã e eu não queria que Jacob acordasse tão cedo depois de uma noite cansativa. Nós treinamos dia após dia, e elaboramos táticas noite após noite. Então achei que seria justo que no dia da batalha ele pudesse dormir até mais tarde.

Virei-me cuidadosamente, para que ficasse de frente com o seu corpo. Tão lindo, tão garoto, tão homem... Meu homem. Será que seria a ultima vez que eu o veria dormir? Segurei outras infinitas lágrimas e passei os dedos pela linha de seu maxilar quadrado, de forma lenta e contida. Eu preferiria morrer mil vezes a nunca mais poder vê-lo ou tocá-lo. Essa era a única certeza irrevogável dentro de mim. Aninhei-me em seu peito e senti seus braços se apertarem em volta de mim automaticamente. Todo aquele tempo desperdiçado. Como pude algum dia querer ficar longe de Jake?

Quanto as lágrimas que eu tentava conter... Tarde demais. A essa altura do campeonato, eu já estava chorando e tremulando tanto que a cama começou a balançar levemente. Jacob acordou num solavanco e me levou para seu colo com olhos arregalados de preocupação. Oh, meu Jacob.

- , o que houve?

Ouvir sua voz rouca me fez chorar ainda mais, então ele parou de fazer perguntas e continuou a me embalar como se eu fosse um bebe. Quando consegui me acalmar, consegui juntar os pensamentos mais dolorosos da minha vida e transformá-los em uma frase:

- Eu não quero te perder.

- Hey, eu não vou a lugar algum. – percebi que ele também estava prestes a chorar. – Nós vamos voltar para casa, amor. Nós vamos vencer essa guerra.

- E se um de nós se machucar?

- Isso não vai acontecer, não vou deixar que nenhum sanguessuga nojento se aproxime da minha mulher.

- Mas e quanto ao meu homem? – minha voz embargou novamente.

- Eu vou estar bem se você estiver, é só isso que importa para mim.

- Não! – me agarrei em seu peito forte. – Eu não posso permitir que você coloque sua vida em risco por mim, como não posso permitir que meus irmãos lutem numa guerra suicida. Muitos vão morrer Jake, eu sei que vão. Eu tenho aquela sensação cruel e dolorida de perda... E você sabe que eu tenho pressentimentos.

- Ah ... O que posso dizer? Nós nascemos para isso. Para defender nossas terras, nosso povo e nossos impritings. Eu morreria por você, sem pensar duas vezes.

Pela segunda vez eu estava ouvindo aquilo. Quem mais morreria por mim? Quem mais colocaria a vida em risco só para salvar a minha? Eu não queria que ninguém fizesse nada imbecil. Droga, eu só queria todo mundo a salvo.

- Não diga isso. – coloquei minhas mãos sobre cada lado de seu rosto e fitei seus olhos com seriedade. – Prometa que não arriscará sua vida só para salvar a minha.

- , essa é uma promessa que não posso fazer.

- Você tem um filho Jacob, que vai precisar de um pai por perto. Se eu me for, o laço de impriting será quebrado... E você poderá ser feliz – minha garganta se fechou por alguns segundos. – Com uma nova família.

- O que? – seus olhos se arregalaram. – Eu não quero outra mulher. Porque está se despedindo? Teve alguma visão do futuro e não me contou?

Certo, eu deveria ter previsto que ele ficaria totalmente transtornado.

- Nada disso Jake, eu só não quero que você morra por minha causa. Eu não suportaria, você sabe disso.

- Não acredito que está dizendo isso, Jonasson.

- Estou sendo sincera. Então me prometa que não tentará interferir.

- Eu não posso. – seus olhos marejaram.

- Prometa.

- Não.

- Jacob, prometa. – insisti, minha voz cada vez mais aguda e autoritária.

- Nunca. – ele colou nossas testas. – Será que você ainda não entendeu? Eu te amo demais. Demais. Sempre vou fazer o que estiver o meu alcance para te salvar.

- Ah, droga.

Beijei a lágrima solitária que escorria por seu rosto moreno e solucei quando ele me abraçou forte. Senti seu calor, sua angustia e sua tristeza... Nossos sentimentos se misturando e formando um furacão de emoções. Arrastei meus lábios por seus ombros, pescoço e parei perto de sua boca. Rocei a minha na sua por um momento que pareceu interminável e então nos beijamos calmamente, pela primeira vez na vida.

Durante aquele beijo doce e triste, várias memórias me vieram a mente. Eu e meus pais no Brasil, as histórias sobre conselheiras que minha mãe contava para mim antes de eu dormir, meu primeiro dia em Lapush, o dia em que encontrei Jacob e a magia do impriting aconteceu, o dia em que me transformei em loba, o momento e a sensação de quando pulei com ele do penhasco e a lembrança inesquecível de quando ele disse que me amava pela primeira vez.

Ai meu deus. Eu estava recordando de toda a minha vida antes do coma, antes do ataque da vampira. Eu e Jake... Nós sempre fomos confusos, mas sempre nos amamos. Sempre.

- Jake...

- O que foi ? – ele sussurrou meu nome de olhos fechados .

- Eu lembrei tudo o que vivemos. – Jacob abriu os olhos de súbito, ligeiramente confuso. – As memórias de antes do acidente voltaram. O impriting, o carro, o penhasco... Tudo.

- É serio?

- É. Você me levou até a praia e disse que queria ser meu namorado. – ruborizei. – Disse que me amava quando o sol estava se pondo. E eu achei aquele o pedido mais lindo do mundo, o melhor pedido de namoro de todos.

- Amor! – ele comemorou e me abraçou novamente. – Espera aí, você já foi pedida em namoro outras vezes?

- Já... Agora consigo me lembrar. Você não foi meu único namorado.

Jake me largou, só para me encarar com sobrancelhas quase unidas, num misto de revolta e desgosto. Uh Oh.

- Não vai ter uma crise de ciúmes bem no dia da batalha né?

- É claro que não. – ele desfez a carranca e sorriu levemente. – Mas não pense que não vamos discutir isso quando chegarmos em casa mais tarde.

E ele realmente falou isso de maneira simples... Tipo, depois do trabalho a gente resolve. Não pude deixar de rolar os olhos e rir. Jacob era idiota, lindo, gostoso, ciumento e sem noção. Meu lobo. Meu amor, meu impriting.

Jake sentiu as mudanças do meu humor e me jogou contra a cama. E aí vem a parte em que nos amamos desesperadamente. Pele com pele, alta temperatura, paixão.

- Eu te amo. – sussurrei fracamente, depois de dois orgasmos seguidos.

- Eu te amo. – ele devolveu, saindo de dentro de mim e me puxando para perto. – E vou te amar para sempre.

N/A: Uaaaau, três capítulos enormes hein! O que a senhoritas acharam? Que fique bem claro que estava morrendo de saudades de vocês, minhas queridas leitoras >< E eu devo uma explicação pela demora né... Bem, em primeiro lugar, eu queria fazer uma atualização GRANDE... E em segundo, estava ponderando se postava ou não o capítulo 49. Gente, é muito constrangimento escrever sobre sexo kkkkkk sério, eu não sou boa escrevendo essas coisas e morro de medo de que alguém que eu conheça leia e sei lá. Do jeito que tenho sorte, é bem possível que isso aconteça comigo ! hahahaha. Mas dramas a parte, espero que tenham curtido e que estejam preparadas para os dois últimos capítulos de Metamorfose semana que vem çç É que já que estamos todas em clima de despedidas (digo isso em relação as lindas Ane e Kelly - sentirei saudades!!!) vou também terminar essa fic minha que JÁ está com capítulos DEMAIS pro meu gosto. Poxa, 51??? kkkkk COMENTEM GIRLS! beijos:**


Capítulo 52


- Daqui a dois minutos toda a guarda estará aqui. – Alice saiu de seu estado pétreo e avisou a todos num sussurro triste.

Alguns de nós prenderam a respiração, outros suspiraram forte. Houveram lamentos, algumas exclamações e certamente um ou outro muxoxo. Acho que fui a única imparcial dentre todos aqueles seres sobrenaturais reunidos. Meu coração doía, é claro, mas mesmo assim não expressei nada além de determinação. Tudo o que tinha certeza sobre essa luta é que jamais deixaria alguém que amo se machucar, ainda que para protegê-los, eu tivesse que perder minha própria vida.

Como se conectados aos meus pensamentos, dois pares de olhos se cravaram em mim... E eles vinham da linha de frente. Jacob me encarava pesaroso, ao lado direito de Isabella, e Edward totalmente aflito, do outro lado com a filha no colo. Sei que eles tinham acesso aos meus medos mais profundos, e por isso tive que me fechar. Eu não queria atrapalhá-los com hipóteses malucas e tive receio que um deles (ou os dois) não mantivesse a concentração necessária durante a guerra porque eu estava pensando em me colocar em perigo para salvar um de meus irmãos. Foi por isso que ergui o bloqueio mental. Não sei se funcionaria com Jacob, mas tinha certeza que Ed não poderia mais ler minha mente.

E ele franziu as sobrancelhas quando percebeu o que eu havia feito. Ergui os ombros levemente, como quem diz: “Me desculpe, mas foi necessário”. Sei que ele teria vindo até mim implorando por acesso, mas já sabíamos que o tempo havia se esgotado. Eu podia ouvir o som de passos na neve... Passos inumanos, velozes e calculados.

Afastei-me um pouco mais, sabendo que era a última da formação, e que provavelmente passaria despercebida em toda a cena, afinal, os mais fortes estavam a frente... E segundo Carlisle, os fracos não tinham importância nenhuma para os Volturi. Por isso o motivo do meu isolamento. Se eles pensassem que eu era “nada”, não perceberiam que a absorvedora de poderes era eu.

Droga, teria que ter tanta cautela durante esse combate!

De uma hora para outra, um nervoso estranho começou a me importunar.Dúvidas, receios e pressentimentos. Minhas pernas bambearam e tive que afastar todas as sensações ruins porque senti que eles estavam chegando e logo eu precisaria agir. Um pouco antes de me concentrar totalmente, dei uma última olhada no meu lobo avermelhado e notei, surpresa, que ele não deixara de me encarar nem por um minuto. Um “Eu te amo” silencioso saiu de seus lábios assim que ele conseguiu minha atenção. Aquele foi o único momento do dia em que eu pensei que talvez as coisas pudessem dar certo para todos nós.

Um último bom pensamento antes que um cheiro adocicado adentrasse minhas narinas. Pelas capas pretas, olhos vermelhos e peles de mármore... Soube que eram eles, os Volturi.

- Ora, ora. – um homem cheio de pompa sorriu sarcástico. – Nos encontramos com os Cullen novamente.

- Olá Aro. – Carlisle se colocou a nossa frente. – Espero poder explicar toda essa situação. Tenho certeza de que houve um mal entendido.

- Você deseja explicar? – ele sorriu teatralmente. – Reuniu um exército apenas para me explicar o motivo pelo qual criaram uma criança imortal?

- Os outros vieram apenas como testemunhas de que a menina cresce e tem controle. Nós jamais transformaríamos uma criança, querido amigo. Eu estive lá com você, sei do que elas são capazes... E do que não são.

Pelo modo triste como falou, pude supor que Carlisle estava se lembrando de cenas que nunca mais gostaria de reviver de novo. Senti-me curiosa em ver seus pensamentos, mas sabia que tinha que me concentrar na proteção mental sobre a matilha.

- E como poderia ser como diz, meu caro? Uma criança imortal não se desenvolve.

- Bella a gerou quando ainda era humana. Nós a transformamos somente no parto, quando percebemos que os danos eram irreparáveis. Veja meus pensamentos.

- Oh sim, estou curioso por isso.

Aro segurou a mão de Carlisle por alguns minutos e fez caretas incrédulas durante todo o processo. Ele então chamou Edward e Alice, e por último... A criança lhe foi apresentada. O vampiro sorriu com fascinação e meus pelos se eriçaram. Eu sei que ele ainda gostaria de matar Renesmee, e seus pensamentos não mudaram quando ele tocou a mão da pequena garota. Eu e Ed sabíamos que ele jamais deixaria de considerar que a criança era um risco iminente, ainda que fosse a combinação mais extraordinária da natureza. Além disso, era obvio que a família Cullen se tornava cada vez mais poderosa, e isso ameaçava o reinado Volturi pelo mundo. Esse, por si só, já era um motivo dos bons para guerrear.

E em menos de um segundo, toda a cena avaliativa e supostamente pacífica mudou. Edward se alterou quando ouviu os pensamentos de Aro, que por outro lado, deliciado em ver que tudo acabaria em guerra, acionou Jane. E ela queria ver dor... Mas eu não deixei. Seus olhos grandes e vermelhos se arregalaram quando percebeu que seu poder não funcionava em nenhum de nós... Nem os dela ou os de seu irmão, ou qualquer outro poder mental. O escudo que eu e Isabella havíamos criado era espesso e firme, garantindo assim que nada de ruim atravessasse nosso campo de proteção, aliás, exceto os próprios vampiros e seus poderes físicos, isso nós não podíamos evitar.

Um grito de guerra foi dado e logo vultos pretos e brancos dançavam a minha frente... Algumas bolas de pelos também se arriscavam enquanto eu fiquei parada, tentando normalizar minha respiração. Achei que fosse desmaiar, e já estava quase lá, suando frio como estava. Mas tudo muda de perspectiva quando você vê alguém que ama correndo perigo.

Meu corpo assumiu uma posição de ataque e meu peito rugiu numa ferocidade que mal pude reconhecer como minha. NINGUÉM tocaria no Jacob para lhe fazer mal, ninguém. E tudo que pude pensar a respeito foi que gostaria de infligir muita dor à vampira maldita que agarrava e apertava suas patas a fim de quebrá-las. Não precisei pensar duas vezes. Logo a loira estava no chão, se retorcendo e gritando por causa da agonia intensa. Jake a olhou confuso por um momento, e só depois percebeu que era eu. Nossos olhares se cruzaram e eu sorri levemente. Eu poderia protege-lo, e sonhar que poderíamos então sair vivos daqui para reconstruir nossa vida de uma vez por todas..

Então me empenhei ainda mais. E depois de quase meia hora fazendo vampiros caírem de dor, terem alucinações, serem sufocados por uma fumaça sombria ou que paralisassem da cabeça aos pés... Notei que um deles me observava. Ele tinha acabado de matar um vampiro aliado e estava agachado, me encarando como se eu fosse uma peça importante de um quebra cabeça. Meus músculos se retesaram ao ler em seus pensamentos que ele sabia o que eu estava fazendo, e que desconfiava desde o começo que era eu quem tinha a capacidade de roubar os poderes da guarda Volturi. Engoli em seco e me afastei quando percebi que ele se aproximava com o cenho franzido. Estava em dúvida se acabava comigo de uma vez ou relatava a minha existência a Aro. Eu, certamente, valeria uma recompensa.

- Afaste-se. – comandei. – Você já sabe o que sou capaz de fazer, então não chegue mais perto ou eu juro que te torturo até que você implore para morrer.

- O que você é? – ele parou, mas continuou a me encarar de modo especulativo. – Você sim é um verdadeiro motivo para guerra, e não aquela garotinha.

- Sou uma transforma, como eles. – apontei para os lobos.

- Não só isso. Posso sentir que há mais que não está me contando.

- Tem algum poder?

- Além de da minha inteligência impressionante, não há nada mais que possa lhe oferecer.

- Precisamos de mais aliados. – dei uma olhada ao redor, mostrando-lhe que apesar de estarmos indo bem, ainda estávamos em menor número. – Você não parece ser como eles.

- E não sou... Mas sou esperto o bastante para saber de que lado ficar. Não quero sofrer a fúria Volturi, eles iriam atrás da minha família.

- E quanto a minha fúria? Você não tem medo de mim?

Ele me analisou dos pés a cabeça e deu um sorriso fraco quando seus olhos alcançaram os meus. Senti-me triste por um momento, ciente de que era incapaz de matá-lo só por matar. O misterioso vampiro teria que me atacar ou ferir um de meus amigos para que eu pudesse ter raiva o suficiente.

- Você é só uma garota. Está mais para um anjo. – ele riu novamente. – Já percebeu que está vestida de branco? E esses cabelos loiros combinados a essa pele alva e macia? Não... Não estou com medo de você. Apenas curioso.

Olhei para o meu próprio corpo com receio. Ele tinha razão. Estava com uma bata branca que mais se parecia com um vestido curto, e um short de malha da mesma cor por baixo, só porque o tecido da blusa era quase transparente. Escolhi uma coisa leve, que não travaria meus movimentos durante a luta... E no final, acabei parecida com uma boneca, no meio de um filme de terror sobre vampiros, lobos e poderes sombrios.

- Você está tirando toda a minha atenção da luta. Deixarei você ir se prometer que não machucará um dos meus.

- É uma promessa difícil de se cumprir.

- Escute com atenção: estou com toda essa aparência angelical, mas não perdôo aqueles que encostam nos meus protegidos. – arqueei a sobrancelha. – Eu mataria você, sem pensar duas vezes.

- Muito bem, já estou avisado. - ele assentiu. – Eu poderia fugir então e diminuir o número da guarda... Me daria cobertura?

- É claro. Vá, agora!

Envolvi os olhos de todos os vampiros do mal com alucinações horripilantes, até que nenhum deles percebesse que um dos seus estava desertando. Ele sumiu mais rápido do que eu poderia contar até três e senti uma ligeira ponta de felicidade, por ter convencido alguém a deixar essa luta desnecessária sem o uso de minha força. Se por um lado estava satisfeita, pelo outro estava totalmente cansada. Gotas de sangue desciam livremente pelo meu nariz, por causa do esforço tremendo de confundir todos os Volturi. Mas por sinal, havia valido a pena, porque cada um dos meus havia ganhado dez segundos de vantagem sobre os outros. Quando abri os olhos, muitas capas pretas estavam no chão.

- Vamos lá , você consegue! – incentivei a mim mesma. – Se eu fizer isso mais algumas vezes, estarei ajudando em muito os meus irmãos.

Cerrei os punhos e me concentrei. Comecei a ler suas mentes e as encher de alucinações, quando de repente, ouvi um urro agudo de dor, um que reconheceria em qualquer lugar do mundo. Eu não conseguia manipular dois poderes sem sentir uma dor intensa e, portanto, havia deixado de criar o bloqueio para usar a tática de ataque ao invés de apenas defesa. Por causa do meu erro, o lobo vermelho estava no chão. Fiquei tão perplexa que travei por alguns minutos. Tempo suficiente para que logo outro lobo estivesse no chão, e mais outro... E qualquer um que tentasse se colocar entre Renesmee e Jane, que tentava alcançar criança a todo custo.

Minha cautela quanto aos poderes sumiu totalmente naquele segundo. Todos eles sofrendo para salvar uma menina a quem eu deveria defender. Jacob ainda estava no chão e Seth parecia nem ter força para abrir os olhos. Alguns vampiros, vendo a situação em que meus lobos se encontravam, enxergaram uma oportunidade fácil de matá-los.

Nem por cima do meu cadáver.

Antes que pudessem chegar a dez passos deles, eu já tinha erguido a mão e feito com que o chão se abrisse em fendas, desequilibrando todos os que estavam em combate. Um integrante da guarda caiu assim que as rochas se separaram, e alguns outros foram jogados ou empurrados nas fissuras. Eu não sei se sobreviveriam... Eu estava com tanta raiva, que tinha quase certeza sobre ter feito o solo se abrir até seu último nível, e se assim realmente tivesse sido, então aquelas malditas criaturas já estavam queimando no magma do núcleo da terra.

E mesmo causando um terrível desastre terrestre, Jane ainda estava de pé, tentando pegar Nessie e machucando todos aqueles que se colocavam em seu caminho. Criei um ódio gratuito pela mulher de cabelos loiros.

Meus olhos se pintaram de vermelho novamente quando ela derrubou Edward e outro vampiro enorme o agarrou pelo pescoço, fazendo aquele pedaço de pele marmórea trincar da clavícula até o queixo. Eu não sei de onde surgiu tanta raiva, mas estava em todas as minhas células, gritando alto em minhas veias. Eles estavam machucando todos aqueles que eu amava. Todos. Não sei onde diabos estava Isabella que não era capaz de proteger o próprio marido, mas vi que Alice estava nas mãos de Aro, Leah estava no chão, Seth inconsciente, Jacob fora das minhas vistas e Jared estava morto. Um de meus irmãos havia sucumbido e por esse motivo, todos nós estávamos um pouco mais fracos pela da tristeza de ter perdido um membro do bando, da família.Sam uivou por vários minutos.

Fiquei desnorteada. Olhei ao meu redor e as cenas pareciam ocorrer em câmera lenta. Por mais que eu tentasse ajudá-los, um ou outro sempre caía ao meu lado. Senti tanto dor física quando espiritual sempre que os via mancando e sangrando, tentando defender uma causa que nem sequer lhes convinha. Enquanto eu salvava um, outro era apanhado por um vampiro de olhos carmim... De modo que meus esforços pareciam não valer absolutamente nada. Minha alma estava começando a fraquejar e a duvidar de uma vitória, e por isso uma lágrima de melancolia caiu dos meus olhos. Eu não seria capaz de ajuda-los dessa forma. Jared havia sido o primeiro, e depois Rosalie, minha amiga... Quem mais morreria nessa guerra estúpida e suicida? Quem mais?

Juntei as mãos em sinal de prece e num ultimo ato de desespero, pedi ajuda a todas as conselheiras que vieram antes de mim. Pedi-lhes que me dessem força, coragem e concentração suficiente para o que eu estava planejando fazer. E enquanto rezava em alto e bom som, senti o vento rodear meu corpo em forma de espiral. As orações começaram a seguir em uma língua desconhecida por mim, num ritmo estranho, como um cântico. Meu cabelo levitou até a altura do queixo e senti que o chão não estava mais sobre os meus pés. Ouvi os farfalhares das folhas das mais altas árvores e também percebi quando gotas pesadas de água começaram a cair dos céus... Os sons de luta foram diminuindo até não mais existir. E então eu soube que tinha conseguido. As atenções estavam todas focadas em mim.

Ergui a mão para as nuvens e um raio prateado dilacerou um dos vampiros ruins. Abri os olhos num sobressalto e tudo que podia enxergar eram os rostos aflitos e chocados de todos, inclusive os dos meus irmãos. Eu poderia não estar em meu estado normal e tinha plena consciência disso, afinal, estava a alguns metros do chão... Mas não esperava que eles fossem ter medo de mim.

- O que ela é? Uma Bruxa? – Aro gritou para Edward, que se mantinha imóvel, com os olhos pregados em mim.

Como se o vento não suportasse mais carregar meu peso, cai no chão, ainda que com uma postura perfeitamente felina. Ergui o corpo aos poucos e levantei a cabeça, a fim de encarar aquele que tinha tantas perguntas sobre minha pessoa. Parte de mim, aquela que estava entorpecida de poder e conhecimento, sabia que tinha que impressionar aquele homem para que minha família sobrevivesse.

- Não sou bruxa, nem feiticeira. – ele franziu as sobrancelhas. – Também não sou uma vampira. Pelo menos, não totalmente.

- Então tal criatura também é capaz de ler mentes? – ele recuou, apesar de extasiado com a própria descoberta.

- Posso fazer tudo o que fazem, tudo.

- O que quer dizer com isso? – Caius se colocou a frente do irmão, preocupado com as minhas afirmações.

- Posso fazer tudo o que fazem.

- Mostre-nos, por favor. – Aro pediu.

Eles realmente queriam uma amostra? Olhei de soslaio para a vampira que tanto me deu dor de cabeça, do inicio ao fim da luta. No final das contas, foi ela a faísca que eu precisava para enxergar o que precisava ser feito. Jane machucou seriamente quase todos os meus lobos e foi por isso fiquei com tanta raiva. Eu realmente precisava desse ódio para tomar uma atitude drástica, uma atitude que mudaria todo o curso dessa luta.

Eu vi o futuro por um breve momento e sei que muitos de nós teriam morrido. Edward, Jacob, Renesmee... Como eu poderia permitir que acontecesse? Simplesmente não poderia. Preferia morrer cem mil vezes a vê-los sofrer, qualquer um deles. E no momento das minhas preces, soube o que deveria fazer. A conversa com Jonathan antes do combate havia me inspirado. Era a única saída.

Para salvá-los, eu teria que mostrar todo o meu poder, e então me transformar num motivo realmente louvável para uma batalha. Os volturi me quereriam em sua guarda, ou pelo menos morta, se não pudessem ter controle sobre mim. Mas o importante é que me desejassem mais que qualquer outra coisa. E para começar o espetáculo e mostrar do que era capaz, desejei dor. A vampira caiu imediatamente aos pés de Aro, se contorcendo e gritando furiosamente. Ergui uma de minhas sobrancelhas, deliciada em ver que aquela vadia estava provando do próprio veneno. Eu a teria deixado morrer em agonia se um grito não tivesse perturbado meu inconsciente.

- Já chega! – um deles berrou, e parecia ser o irmão da garota. Eles se pareciam muito fisicamente, e como bem me lembro, tinham a mesma personalidade maléfica.

- O que mais? O que mais?

Aro parecia exultante e ao mesmo tempo temeroso. Em que mundo poderia imaginar que um vampiro como ele teria medo de mim?

- Posso saber tudo o que fez na vida se apenas segurar sua mão, posso avaliar os relacionamentos amorosos a familiares – uma breve olhadela e percebi que Caius pareceu perturbado e constrangido com a menção de seu poder. – Posso manejar a fumaça preta como aquele garoto faz e provocar dor, exatamente como sua irmã.

Lancei a ela um olhar de ódio antes de continuar.

- Sou capaz de manipular sentimentos, ler pensamentos e bloquear poderes mentais. Posso manipular os elementos da natureza, criar as mais terríveis alucinações em suas cabeças e ainda saber quando se está mentindo ou falando a verdade. Será que ainda não percebeu? Posso fazer tudo o que podem. O meu poder é absorver poderes.

- Fascinante. – não sei como posso ter entendido a palavra, já que ele falou em italiano, mas percebi o quão admirado ele estava. – Tantos poderes em uma só. E o que você é, criatura excepcional?

- Sou Transforma, Vampira e Sioux. O meu sangue já trazia mágica, e misturado a tantos outros... Ficou poderoso.

- Nunca em minha longa existência conheci alguém como você.

- E nem conhecerá outra vez. Sangue vampiresco e metamórfico não podem se misturar. Eu sou a exceção à regra. – afirmei, erguendo a ponta do nariz para reafirmar uma superioridade que eu nem mesmo acreditava existir.

- Absolutamente. – ele fez uma breve reverencia. – Eu teria poder inimaginável, se aceitasse participar da minha guarda. As recompensas seriam imensas, eu lhe daria o que quisesse, no momento em que desejasse. Como posso chamá-la, minha cara...?

- Meu nome é Jonasson. E eu não me importo com dinheiro ou com qualquer outra coisa que possa ter. Não desejo ser sua submissa.

- Deve existir algo que queira. – Aro insistiu. – A vida da sua família...

Uma gargalhada estridente escapou de meus lábios. Não que eu estivesse achando graça, apenas fazia parte da minha atuação. Ergui uma mão e faíscas elétricas brilharam nas pontas dos meus dedos, lancei-os para frente e Alec não estava mais lá no momento seguinte. Jane caiu novamente, tremendo de dor e uma pequena avalanche soterrou dois dos vampiros da guarda.

A nova amostra de meus poderes deixou cada um deles de boca aberta e olhos esbugalhados. Acho que finalmente os tinha convencido de que era o grande premio e que nenhum deles seria capaz de me levar para a Itália contra a minha vontade. Eu estava no comando da situação.

- Pouparei as suas vidas se você for embora e levar consigo toda essa corja de assassinos. – avisei a Aro, de modo cortante. – Essas são as minhas condições.

- Podemos ir. – ele assentiu vigorosamente, saindo de seu estupor. – Creio que não se importará se levarmos conosco essa bela garotinha aqui.

Meu estomago arrefeceu. Duas vampiras apareceram detrás dos irmãos, carregando firmemente Renesmee, que hora se debatia, e numa outra pedia educadamente que a soltassem. Ouvi os gritos de Edward e Isabella e os paralisei temporariamente, para que não tentassem salvar a filha e acabassem matando-a. Afinal, qualquer passo em falso mudaria todo o curso da situação, e pais desesperados sempre costumam deixar os pensamentos racionais para trás.

- Vocês não podem levá-la.

- Podemos matá-la aqui mesmo, se assim preferir.

Aro disse de maneira taxativa, e ficou extasiado ao ver espanto e horror em meus olhos. Finalmente, eles tinham um dos meus pontos fracos nas mãos.

- Soltem-na.

- Posso não tê-la tocado para acessar seus pensamentos, mas vejo por seus olhos que essa criança é importante para você. Nós podemos fazer uma troca.

- O que você sugere? – engoli a seco, já tendo acesso a seus pensamentos.

- Nós devolveremos a garota se você se entregar de boa vontade a nós.

Antes que ele fizesse a proposta, ergui mentalmente quatro paredes e um teto de energia em volta dos meus aliados, cerca de 4.000 volts em qualquer uma delas. Aquele que tentasse atravessá-las, levaria um choque imensurável e inesquecível. Eu, definitivamente, não queria ter que machucar ninguém, mas temia ainda mais que eles morressem por mim. Então era preferível deixá-los presos, visto que o que viria a seguir os deixariam um pouco... Violentos demais para o próprio bem.

- O que farão comigo?

Eu sabia o que eles fariam. Já até tinha acesso ao meu próprio futuro a partir das intenções do vampiro.

- Sua vida em troca das deles. Precisa concordar comigo que é poderosa demais para viver entre nós, certo? As balanças devem se manter uma ao lado da outra, o mundo precisa de um equilíbrio. – ele me olhou densamente. – Te matar é um acordo justo.

- Não! !Não, me soltem, ela não pode fazer isso! !

Ouvi os berros de Jacob atrás de mim e os sons dos choques que ele tomava se tornaram audíveis demais para minha infinita tristeza. Virei-me lentamente, sentido a mais dolorosa das dores ao vê-lo caído nos braços de Leah, com as mãos pretas e o rosto lavado por lágrimas. Ele não parava de gritar meu nome. E não era o único. Edward, Seth, Sam, Esme, Carlisle... Todos eles estavam desesperados, incapazes de acreditar que eu faria mesmo tal sacrifício.

- Como terei certeza que realmente os deixará em paz? – voltei a fitar o vampiro alto, e vasculhei seus pensamentos a procura de uma traição. Mas ele não estava mesmo mentindo.

- Sou um Volturi, e somos muito conhecidos por cumprir nossa palavra.

- Então diga.

- Jonasson, tem a minha absoluta palavra de que todos os seus amigos serão poupados, inclusive a pequena menina, e de que jamais voltaremos a importuná-los outra vez. Este é o meu juramento.

O dom da verdade apareceu em meu peito, e soube que ele não estava me enganando e que muito menos pretendia voltar atrás em sua promessa. Dessa forma, não me restava outra saída.

- Sendo assim... – ouvi outros gritos atrás de mim e me encolhi deploravelmente. – Eu aceito sua proposta.

- Isso!

Ele sorriu e bateu palmas animadas, como uma criança recebendo no natal o presente que pediu incessantemente durante os outros onze meses. Se ele estava alegre, por outro lado, a balburdia na grande caixa elétrica se tornou cada vez maior e eu contava com a ajuda dos mais sensatos para deter aqueles que tentariam vir me salvar. Uma ultima olhada e vi que três seguravam Jacob e outros dois jogaram Edward no chão para tentar detê-lo. Será que eles não viam que essa era a única solução?

Jake grudou os olhos pretos em mim, enquanto se debatia violentamente, e com um único movimento dos lábios, fiz com que ele se acalmasse. Fiz exatamente como ele tinha feito mais cedo, sussurrei um eu te amo, sabendo que ele entenderia que era para sempre e que eu não me arrependia nem um pouco de morrer para garantir que todos vivessem. Afinal de contas, eu era uma conselheira dotada de poderes incríveis... E essa era a minha missão, desde o principio.

Sabendo que seria a última vez em que eu o olharia, coloquei as mãos no peito e soltei um suspiro de dor misturado com saudade antecipada. Jacob tinha me feito feliz. Nossa relação tinha pontos desastrosos, mas era verdadeira e especial. Nós tínhamos aquele elo incrível que se chamava impriting e além dele, a ligação de todas as nossas vidas passadas. Uma parte de mim estava assustadoramente tranqüila, pois eu sabia que nos encontraríamos num futuro bem próximo... E então ele voltaria a ser meu, como nunca havia deixado de ser.

Antes de seguir, enviei um pensamento a Tanya, como ela havia me ensinado durante os treinamentos. Eu pedi que ela mantivesse a caixa elétrica até que toda a guarda Volturi tivesse ido embora. Certa de que ela daria razão ao meu último pedido, girei o tronco novamente e encarei o meu destino. Enquanto caminhava para frente, resoluta, Nessie era guiada por um deles no sentido contrário, em direção aos Cullen e aos lobos. Sorri levemente, ao perceber que ela viveria e ficaria em segurança, como a terceira esposa tinha dito que deveria acontecer.

Quando estava perto o suficiente, Aro agarrou minha mão, mas ficou descontente quando viu que minha mente era bloqueada e que por isso, jamais descobriria verdadeiramente que tipo de criatura extraordinária eu era. O vampiro, ainda contrariado, pediu que eu me virasse e que ficasse de joelhos porque, entre outras palavras, ele queria me matar sem ter que me olhar nos olhos enquanto o fazia.

- Devo avisar que o meu sangue o mataria. – murmurei, percebendo que ele pretendia me matar com uma mordida na jugular. – Eu sou uma transforma... E sangue Quileute corrói a pele de um vampiro.

- Nesse caso... – suas presas se encolheram e ele tirou uma adaga com cabo de prata da manta escura. – Que seja como nos velhos tempos. Uma morte limpa.

Ele tirou os meus cabelos dos ombros e colocou a ponta da faca sobre o meu coração, que batia cada vez mais descontrolado. Não podia negar que sentia receio, assim como uma breve sensação de desconforto com aquele metal frio encostado a minha pele. Mas depois disso, estaria tudo acabado, não é? Eles ficariam bem sem mim, eles dariam um jeito. Então é isso, eu podia relaxar.

Fechei os olhos e todas as lembranças boas que tive na vida invadiram minha mente, todas elas passando sob meus olhos, como em um filme. Os momentos de amor e paixão que tive com Jake, com Edward... As brincadeiras de Seth e Emmett. As conversas com Leah, Rosálie ou com a doce Esme, o bando todo, minha família. Lembrei-me também do Brasil, da minha amada mãe, e da super proteção do papai. Sentiria falta deles. De todos eles. Era muito amor, e por esse motivo o grande sacrifício...

Porque não existe sacrifício sem amor, existe?

Eu faria tudo outra vez, e mais outra, se fosse necessário. Mesmo quando senti a dor que a lâmina causou ao me perfurar, mesmo quando percebi que meus sentidos iam embora lentamente, mesmo ouvindo o choro de Jacob aumentar e depois diminuir, mesmo quando senti que a vida se esvaia lentamente de mim, assim como qualquer chance de futuro que eu pudesse ter.

Sim, eu morreria de novo... Se fosse para vê-los viver.

N/A: UFAAAA! No coments da minha parte para esse PENÚLTIMO capítulo. Semana que vem eu envio a parte final e já aproveito pra desabafar logo tudo de uma vez! Mil Beijos:**

*Desviando das pedras


Capítulo FINAL


JACOB POV


Eu ainda não conseguia acreditar.

Por mais que não ouvisse seu coração bater, ou notasse o mínimo movimento de respiração em seu abdômen, eu simplesmente não conseguia acreditar que ela havia morrido. Quando o vampiro desgraçado colocou a faca em seu peito, cheguei a morrer por mais de cem vezes. E tenho continuado morrendo desde então, vendo que a quantidade de sangue em seu vestido branco não parava de crescer. Mas eu tive fé, eu esperava que ela abrisse os olhos a qualquer momento. Eu esperei de joelhos.

Até que finalmente me dei conta de que eu a tinha perdido para sempre. Foi quando um “click” soou em minha mente, me fazendo ficar enjoado. As amarras físicas do impriting haviam ido embora. Era como se as correntes com cadeados grossos que me ligavam a Jessica tivessem sido destrancadas por uma chave feita de arame farpado. Não foi um processo indolor, pois senti pontadas em cada um de meus órgãos vitais. Meu coração. Eu simplesmente soube que parte de mim estava faltando... Parte do meu corpo, parte da minha alma. Foi como se tivessem amputado um dos meus pés e mesmo que eu pudesse voltar a andar, jamais seria como antes.

Então doeu. Doeu tanto, que senti falta de ar. As pessoas tentavam me acalmar, muitos gritaram e me sacudiram, mas meus olhos não tinham um foco. Eu via borrões, ouvia palavras desconexas e nem mesmo me importava em decifrá-las. Tudo o que eu queria era entender como a pessoa que mais se ama no mundo pode ser tirada de você dessa forma... E como tudo que você sente é o vazio, depois que ela vai embora.

Antes que me desse conta, meu choro, antes silencioso e aflito, se tornou mais alto. Ergui a cabeça para os céus e urros roucos e desolados saíram de minha boca. Quase não reconheci que era eu mesmo sofrendo daquele jeito, tão miseravelmente. Ainda assim, não abri os olhos em momento nenhum, nem mesmo quando Leah me embalou em seu colo. Mas ela não precisava tentar me ajudar, ninguém conseguiria, de qualquer forma.

Eu só queria morrer, eu só queria morrer.

Ela tentou mesmo assim, sabendo que seria impossível me consolar. Leah me balançou de um lado para o outro como um neném, enquanto eu soluçava e tremia dos pés a cabeça. Em um determinado ponto, senti grossas lagrimas caindo do sobre minha testa, o choro dela se misturando com o meu. Aquele gosto salgado, triste e infeliz ficaria para sempre guardado em minha mente. Choro sôfrego e amargo... Choro de perda.

Como ela pôde me deixar? Como alguém espera que eu vá viver sem ela?

- Jake... – uma voz melancólica soou no fundo da minha mente. – Jake, eles foram embora.

- Pouco me importa. - murmurei e me encolhi nos braços de Leah, como uma criança indefesa e medrosa.

- Você não entendeu... Você pode vê-la de perto agora, pois o muro de energia se foi junto com os frios.

Ergui o rosto mais rápido do que deveria, e senti uma breve tontura por conta disso. Seth estava de cabeça baixa, mas se aproximou para colocar a mão em meu ombro a fim de me apoiar. Percebi que teria a ajuda de meus amigos, apesar de sentir como se estivesse sozinho no mundo.

- Venha. – sua feição estava contorcida de tristeza. – Vamos até ela.

E então, comecei a árdua tarefa de me levantar. Eu não tinha forças, ou vontade, ou coragem de vê-la morta. Minha garota, fria... Inerte para sempre.

- Eu não posso.

Outras dezenas de lágrimas voltaram a rolar pelo meu rosto e experimentei, pela milésima vez, a sensação de estar destruído. Não havia nem ao menos um fio de vida em mim depois que ela se fora. Nunca me senti tão infeliz, tão sem esperança... Nem quando ela perdeu a memória, entrou em coma, me abandonou por causa de Elise, ou quando me prendeu na caixa para nos salvar. Eu achei que poderíamos encontrar uma maneira, achei que ela conseguiria fugir, mas foi esfaqueada diante dos meus olhos, e eu não pude protegê-la.

- Jacob... Crie forças e vá até lá. – Sam se pronunciou, me encarando firmemente. – Você tem que se despedir.

Apertei uma de minhas mãos na boca para conter um soluço. Despedir. Ótima palavra para me encorajar. Mas tinha funcionado, de qualquer forma. Eu queria vê-la antes de pular de um penhasco, ou qualquer coisa do tipo. Eu queria tocar em sua pele, independentemente da temperatura, queria conversar com ela, mesmo sem receber respostas em troca... Tudo isso apenas para imaginar como seria se ela tivesse sobrevivido.

Então fiquei agachado por um momento e, depois de intermináveis segundos, ergui todo o meu corpo. Eu estava em pé, afinal de contas. Passei por todos os meus irmãos, os Cullen e os vampiros aliados. Edward estava jogado no chão ao lado de Nessie e Bella, com o rosto contorcido de angústia, quase como o meu. Estaria chorando se pudesse, sei que sim.

Continuei a caminhar e cruzei com alguns corpos mortos, braços e pernas esbranquiçados jogados pela neve. E a minha mulher estava mais a frente, deitada, com as mãos soltas ao lado do pequeno corpo, as pernas levemente dobradas. Petrificada.

Quanto mais de dor eu seria capaz de sentir?

Cai de joelhos ao seu lado, já sem forças para qualquer que fosse o próximo movimento. Apenas passei delicadamente a ponta de meus dedos por seus cabelos molhados pelo gelo derretido, e pelo contorno angelical de seu rosto. Seus lábios estavam levemente entre abertos e quase arroxeados, devidas as circunstancias. Não havia cor nenhuma em suas bochechas quase sempre avermelhadas. Eu arrefeci. nunca mais coraria, ou sorriria para mim. Nem alegre, deboxadamente, escandalosamente ou de um jeito amoroso. Ela nunca mais sorriria, de forma nenhuma. E então, logo minhas lágrimas estavam banhando seu lindo rosto. Era hora de dizer adeus.

Ergui a ponta de seu queixo cuidadosamente e inclinei meu corpo sobre o dela. Coloquei uma de minhas mãos sobre a mancha de sangue em seu vestido e a outra por baixo de sua cabeça. Minha boca encontrou a dela e me arrepiei de amargura, por não sentir o calor de sua respiração. Foi um selinho demorado, doloroso e triste. Foi a nossa despedida.

Então suspirei, me afastei de sua face e disse:

- Nós somos um só... E você sempre vai voltar para mim, minha pequena.

As palavras sussurradas mal foram proferidas, e um vento descomunal nos atingiu de todos os lados. Segurei em meus braços, desesperado com a possibilidade de vê-la ainda mais machucada, mesmo que já estivesse morta. Foi aí que os outros começaram a gritar, quando a ventania aumentou e as folhas se chacoalharam incessantemente no alto das árvores. Ainda assim, no meio de toda essa balburdia, ouvi um som que se distinguiria de qualquer outro no mundo. O único som que eu gostaria de ouvir até o fim da minha vida.

A batida do coração dela.

- .

Seu nome saiu meio engasgado, sussurrado e gaguejado de minha boca. Mas ela ouviu. Sei disso porque abriu os olhos no exato momento em que a chamei, parecendo totalmente confusa e desorientada. Apenas por um segundo. Quando ela se focou em mim, parou de sentir medo e apenas sorriu. Um sorriso fraco, mas verdadeiro... Feito para mim.

- Você voltou!

Gritei, e não sabia se ria ou se chorava. Agarrei seu corpo cautelosamente e a abracei, sentindo maior das felicidades do mundo em poder senti-la viva dentro de mim novamente. Nossas correntes reforçadas e trancadas outra vez. Seu calor, sua pele, sua respiração. Meu impriting.

- Jacob, você...

- Shh... – ela se encolheu de frio quando lhe toquei, apesar da ventania ter ido embora tão repentinamente quanto veio. – Não gaste suas energias, meu amor. Nós vamos cuidar de você, vai sobreviver de novo. Confie em mim.

- Jake, eu me sinto melhor.

Ela transpassou os braços pelo meu pescoço e eu a encarei incrédulo. Vi que ainda havia sangue em suas roupas e ergui parte do tecido para ver como estava a ferida por debaixo dele. E abri a boca várias vezes, sem saber exatamente o que concluir. Não havia corte algum em sua pele, próximo ao seio... Nem mesmo uma cicatriz que pudesse nos lembrar que, há apenas minutos atrás, minha garota tinha sido ferida com uma faca.

- M-mas... Mas como?

Antes que pudesse me responder, muitos estavam ao nosso redor. Carlisle checava os sinais vitais dela, uns a observavam, outros conversavam sem parar e Edward estava caído de joelhos ao nosso lado, exatamente como eu fiz ao vê-la morta. E agora ela estava viva, sem feridas e nada mais me passava pela cabeça a não ser que eu a tinha novamente. Minha .

- Você está viva! – Edward se pronunciou, admirado e chocado. – Eu achei que...

- Sei o que aconteceu. – Ela me encarou, e depois ao vampiro. – Wakanda me disse que eu não poderia morrer enquanto não tivesse uma herdeira.

Apertei-a mais entre meus braços quando ouvi a última palavra e enterrei meu rosto na curva de seu pescoço. O fato dela ainda ser uma conselheira poderosa e ainda não ter uma filha minha a salvou. Eu... Deus do céu. Porque não lembrei disso? Me pouparia toda aquela choradeira.

- Eu não sabia que ressuscitaria. Já estava num lugar tão lindo, cheio de árvores verdes e flores coloridas... Achei que estava no céu, que jamais os veria novamente, nenhum de vocês. – ela encarou a todos e terminou olhando em meus olhos. – E então você me chamou.

- Chamei?

- É. – ela sorriu de minha confusão e segurou meu maxilar com carinho. – “Você sempre vai voltar para mim”, foi exatamente o que disse. Depois disso, tudo virou um borrão e eu acordei aqui, nos seus braços.

- ...

Voltei a abraçá-la, incapaz de conter outra torrente de choro. Dessa vez, de alegria.

- Depois de tudo o que passamos, Jake, merecemos um final feliz.

- É claro que vocês merecem. – Edward confirmou e Leah correu para nos abraçar.

E num cenário pós guerra, pós choro, pós morte... Ouvimos palmas e assovios, risadas contagiantes e alegres. Nós recebemos abraços grupais, individuais e felicitações. Nós nos abraçamos e nos beijamos ali mesmo, na frente de todos. Eu a pedi em casamento, sem nem mesmo ter alianças. Só não quis perder tempo, mais nem um segundo da minha vida desperdiçado. Minha garota, minha , minha vida... E depois de um audível SIM, minha mulher. (Esposa, companheira, ou dona... Se preferir.)

Um ano depois

- Momy Che cha se djo mah xim?

- Ah, meu amor... A mamãe ainda não entende grego. – Peguei Jared no colo e lhe dei um beijo estalado na bochecha. – O que você quer? brincar?

- Não é isso! – uma voz grossa me fez dar um pulinho de susto. – Bela mãe você é! Pelo jeito, você nunca vai aprender a linguagem das crianças.

- Poxa Jake, será que é porque já sou uma adulta? Você só compreende porque ainda está na mesma fase que o nosso filho.

Bufei levemente, irritada tanto com o susto, quanto com a chatice anormal do meu marido. Ele ficava algumas horas de vigia com parte da matilha, mas aparecia em nossa casa ocasionalmente, apenas para me irritar. E estava indo bem, só para constar. Nem mesmo me dei o trabalho de encará-lo enquanto praguejava baixinho virada para a pia.

- Opa, foi só uma observação. Não precisa ficar tão bravinha. – ele chegou mais perto e envolveu minha cintura por trás com os dois braços. – Apesar de que... Você fica uma lindeza quando faz esse biquinho.

- É mesmo?

A névoa de irritação evaporou em segundos e eu abri um sorriso tímido para a janela a minha frente, enxergando o reflexo dos dois homens que eu mais amava em minha vida em torno de mim. Eles estavam sorrindo bobamente, como se soubessem exatamente o que estava se passando pela minha cabeça. Logo Jacob me deu um beijo no pescoço e pegou o pequeno do meu colo, jogando-o para o alto várias vezes em seguida, exatamente como fazia todas as manhãs. Virei para encarar a cena e percebi o quanto gostava de ver os dois juntos.

Quem diria que terminaríamos assim. Jared, meu bebê, é na verdade filho biológico de Elise... Que faleceu momentos depois do parto. Foi uma barra na época, tanto para Jake quanto para mim, já que nenhum de nós dois estava pronto para cuidar de uma criança. Mas assim que o vi, e percebi que era uma miniatura fofa de Jacob, senti que o amaria como se fosse meu próprio filho, independentemente do que tivesse acontecido no passado. Nós demos a ele o nome de Jared Emmett Black, em memória ao nosso irmão de matilha e ao meu grande amigo Cullen, mortos no fatídico dia da guerra com os Volturi.

E esse príncipe veio para abençoar nossa família. É claro que eu e meu lobo vivíamos brigando, como seeeeeeeeeeeeempre... Mas não na frente do nosso lobinho. Tudo isso porque eu ainda não tinha tido uma garotinha, a quem pudesse passar as responsabilidades de conselheira, portanto, às vezes meu casamento tinha mais pontos baixos do que altos, já que eu tinha que me dedicar aos assuntos Quileutes. Mas a incrível novidade é que ela estava a caminho... Minha boneca. E como eu poderia esquecer? Jared e Jacob beijavam minha enorme barriga de sete meses de cinco em cinco minutos.

- Eu não vejo a hora dela nascer. – Jacob estava com a testa encostada no meu ventre quando disse isso. – Vou ser o pai mais protetor do mundo.

Se já não era. Pensei, encarando uma criaturinha bronzeada brincando alegremente no chão com inúmeros carrinhos a sua volta.Mas pensando bem, essa super proteção poderia piorar - e muito - pelo fato de que agora, teríamos uma garota. Coitada da minha filha.

- Não duvido nada Jake, mas quero te lembrar que um dia nossa princesinha vai se casar. – ele franziu as sobrancelhas.

- Daqui a muitos e muitos anos, eu espero. – sua voz soou rígida e nós sorrimos logo em seguida de seu ciúmes exagerado.

- Sabe, eu já me decidi sobre o nome dela. Quero que seja Rosálie.

- Hm... Eu concordo. – Jacob disse, para minha própria surpresa. – Mas espero, do fundo do meu coração, que ela não tenha a mesma personalidade que aquela mulher.

- Rose era uma mulher incrível, de inúmeras formas. Se não brigassem a cada vez que se viam, saberia disto como eu sei.

- O que posso fazer? Ela era impossível.

- Não tão diferente de você, certo? – ri ironicamente. – E já que apareceu por aqui, o que acha de terminar de montar o berço da nossa pequena?

- Mas ainda faltam dois meses para ela chegar!

- Jake! – Ralhei.

- Tá, tudo bem. – ele ergueu as mãos em sinal de rendição. – Mas com uma condição.

- E qual seria? – estreitei os olhos. Será que ele queria mesmo brincar com o mau humor de uma grávida?– Diga logo, antes que eu lhe dê um terçol enorme.

- Que tal aquela promessa que você também ficou de cumprir?

- Que promessa? – transformei meu olhar mortal num confuso, rapidamente.

- É que eu tenho feito muitas coisas, senhora Black. Consertei as cadeiras de balanço, pintei as paredes da garagem, até restaurei o Rabbit. – ele sorriu maliciosamente. – Então você prometeu que me daria um presente pelo meu empenho. Lembra?

- Eu... Esta falando do chocolate?

Abri a boca num formato de O perfeito. Não imaginava que ele realmente tivesse levado aquela proposta a sério. Afinal, eu estava prestes a ganhar um BEBÊ!

- Meu amor, eu só estava tentando te motivar a arrumar as coisas aqui em casa. Aquilo não era sério!

- Ah... – Jacob deu passos lentos em minha direção, balançando a cabeça em negação. Tremi da cabeça aos pés e me encolhi automaticamente. – Já esqueceu sua frase favorita? Promessa é dívida, meu bem. Hora de cumprir sua parte no acordo.

- Você quer mesmo lambuzar minha barriga de chocolate para depois lamber tudo? – arquejei, não sabendo se exatamente de acanhamento ou desespero. – Nua?

- Exatamente.

- Ai, minha nossa.

Minhas últimas palavras foram abafadas pelo peitoral quente e forte de Jake contra o meu rosto. Ele me abraçou e distribuiu beijinhos molhados por todo o meu pescoço em seguida. Jogo baixo. Beijando-me daquele jeito, Jacob Black já me conhecia o suficiente para saber que arrancaria qualquer coisa de mim.

- Papa chaman dindo in baxo lá mim?

A voz infantil de Jared nos fez pular quase um metro de distancia para longe um do outro. Caramba, eu estava zonza, literalmente. Encarei o pequeno a minha frente e sorri debilmente, vermelha como um pimentão, como se estivesse pedindo desculpas pela cena que ele tinha presenciado. Sim, eu fico envergonhada na frente da minha orópria família.

- Tá, papai vai chamar o seu padrinho sim filhote. E já aproveito pra pedir um favor... Essa noite ele vai ter que cuidar de você para nos dar uma folguinha. – Jake piscou para mim.

É, e eu sei o motivo da piscadela marota. Ele estava se gabando por entender as palavras emboladas de Jared , além de ter deixado bem claro que o levaria para a casa de Seth para que pudéssemos ter a noite toda para nós. Eu, Jacob, e o bendito brigadeiro.

Será que uma noite seria mesmo suficiente?

Bem... se não for, teremos uma vida inteira. Digo, outras vidas inteiras para isso.


FIM. N/A: É com lágrimas nos olhos que me despeço dessa fic :’( Quando comecei a escrevê-la, jamais imaginei que chegaria até esse ponto. Tantos capítulos, tantas brigas, tantos beijos, tantas reviravoltas. Minha filha mais velha realmente vai deixar saudades... Assim como as leitoras maravilhosas que acompanharam o crescimento de Metamorfose desde o princípio. Agradeço de coração todos os comentários, todas as criticas e todo o carinho. Sem o apoio de vocês, eu jamais teria conseguido finalizar essa fiction. Um beijo ENORME para todas e até a próxima.

PS: Espero não ter decepcionado com o último capítulo! Kk Está aí o felizes para sempre que esses dois sempre mereceram!

Xx Jess

Binha Black: Obrigada por ter acompanhado Metamorfose do início ao fim, você é uma linda e seus comentários sempre me deixam feliz!

Verônica Cabral: Eu é que sou sua fã, flor! Você sempre faz questão de comentar e eu adoro cada palavra que você escreve sobre a fic e sobre seus sentimentos. Espero que continue lendo minhas outras fics, ok?!

Deia: Me desculpe por te fazer chorar! Kk E minha nossa, que vidente você é, não? Escreveu o final da minha fic e me deixou de boca aberta! Haha Vou sentir falta do seus comentários, que sempre foram especiais para mim.

Isabella: A menina que me faz ficar alegre com pouquíssimas palavras! Obrigada!

Paulinha: Espero que tenha gostado do final! A PP ressucitou, AEEEEEEE!

Karol: Eu sempre levo em conta o que você diz... Justamente pelo jeito inconformado como você escreve! Kk Espero que tenha correspondido as expectativas flor, e POR FAVOR, dê opiniões nas minahs outras fics tbm tá?

Lolla: Leitora nova e já chorando com os capítulos? Tadinha, me desculpe! Hahaha’ E você foi a primeira que falou sobre as citações das musicas, acredita? Achei que ninguém gostava e parei de postar... Mas que bom que alguém notou! *.* MCFLY 4EVER <3

Raquel: O seu comentário indignado me fez gargalhar. Eu pensei: Essa é muito sincera, meu deus do céu! Mas eu adorei, de qualquer forma. E falando nisso, posso andar pelas ruas tranquilamente né? Jura que não vai me assassinar? Kkkkkk

Anonima: Não tem nenhum nome antes do seu comentário, mas isso não significa que ele seja menos importante ou menos bonito para mim. Eu adorei tudo e que você disse e espero, do fundo do meu coração, que tenha curtido esse final de metamorfose.

Meninas, OBRIGADA POR TUDO! :**

PS OUTRA VEZ(KK): Para fazer a dedicatória acima, me baseei nos comentários que recebi na última atualização, mas sei que tem muitas outras leitoras que eu não citei. Então se esqueci de alguém, por favor, me avisem! Quero fazer um recadinho bonitinho para todas as LINDAS que leram essa fic. Ok?

113 comentários:

  1. Jéssica você sabe o que procurar feito uma louca por este link pois foi o que eu fiz, Rodei todos os lugares do site e achei hj nem sei como pq foi por pura sorte! Coloca o link no teu nome flor assim eu acho mais rapido e as outras meninas tbm, ja coloquei em favorito agora não perco mais! E agora meu Deus Jake sumiu, e ele vai aparecer sabe onde no casamento da Bella, ou seja mais confusões, brigas e brigas, aiai nem quero imaginar o que vai acontecer, e essa Elise hum ela ainda vai aprontar muitoooo, só quero ver quando a PP descobrir, me faz um favor deixa a PP matá-la deixa. por favor, deixa! *-* Mas se não puder eu me contento com uma boaaaaaaa surra nela e no Jake tbm pq ele foi muito burro, idota, estupido, cachorro! Posta logoooooooooooooooo!

    ResponderExcluir
  2. Nossa Amei Muito O Capitulo E Sabe O Que Seria Legal A PP Ficar Gravida De Uma Menina E Perder Os Poderes Aí Ela Ia Poder Ficar Com O Jake E O Seth Teria Um Impriting com a filha Deles e pronto segunda Temporada #Forever. Adoro Sua Criatividade Jessica beijos

    ResponderExcluir
  3. Aaaaaah E Detalhe A PP Tem Que Meter A Mão Na Cara Daquela Elise E Acabar Com Ela , E Acho Que O Jake Foi Infantil E Encher A Cara , E Se No Final A PP Ficar Sem O Jake Eu Vou Ficar Muito Desepcionada

    ResponderExcluir
  4. Ai véi...vou ser bem sincera...eu não acho que ainda quero que o Jake e a PP fiquem juntos mais não.
    P/ mim ela ficaria muito melhor com o Edward -e a Bella bosta que se lascasse- ou com o Seth u.u
    E olha que eu sou completamente Team Jacob!! Mas esses dois não vão dar certo cara, eles sempre são muito impulsivos e infantis, agora o Jake sumiu e provavelmente vai aparecer no casamento e vai dar uma puta confusão...quero só ver quando a PP descobrir que o Jake transou com a vadiazinha da Elise U_U ACHO BOM A PP DAR NA CARA DELA!!!
    E por falar em dar na cara...Meu irmão, o Jacob esculachou com ela hein?!! Nossa, eu ri demais *sou maléfica* MUAHAHAHHAHA

    Ai flor, quero só ver no que isso vai dar...
    BjaO

    ResponderExcluir
  5. O Jake foi um grande panaca por ter transado com a Vadiazinha da Elise. Por que os homens sempre utilizam a desculpa da bebida para se desculparem de fazer sexo com outra?
    Agora a confusão já está armada!!!
    A PP toda chorosa e arrependida por ter brigado com ele... O Jake não tá merecendo ficar com a PP, espero que ele tenha que sofrer um pouquinho antes de conseguir ficar com ela.
    Confesso que estou um pouco decepcionada com o meu lobão!
    Espero que você consiga mudar esse sentimento nos próximos capítulos.

    ResponderExcluir
  6. Quando alguns misterios da fic forem resolvidos, quem saiba eu tenha algumas ideias para uma 2° temporada então eu te falo !
    U.U Jake seu puto que raiva, quero saber se ele vai no cassamento !
    Eu amei o capitulo apesar de tudo :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. To ficando com raiva do Jake já.Poxa e a pp?ela tinha meso que estragar o clima.Mas estou amando mesmo.Bjosss

    ResponderExcluir
  8. Nossa, adooooro esses flashes backs da PP e do Edward, são tão lindos e românticos.
    Realmente a PP está me saindo uma bela conselheira. rsrsrsrs
    Achei que iria dar a maior confusão no casamento com o aparecimento do Jake, mas vc mais uma vez me surpreendeu, pelo menos uma vez na vida o Jake saiu numa boa depois que viu a PP, foi uma cena e tanto.
    Agora, quando a PP descobrir sobre a traição... sei não mas acho que não vai ficar pedra sobre pedra, e também estou torcendo para que ela dê uns belos safanões naquela piriguete de uma figa.
    Ownt, amandoooooo, bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  9. Ai meu deus! JAKE VOLTOU! oQUE SERÁ QUE VAI ACONTECER? Será que ele vai contar pra ela ou não?! Ai ai morrendo de curiosidade! Adoro esses momentos PP e Ed são tão fofos e esse flashback dela foi lindo!

    ResponderExcluir
  10. ELE VOLTOU! e agora? vai rolar aquela confusão né? me trair com aquela vagaba é brincadeira! UHSAHUASHUASHUASHUASHUAS

    ResponderExcluir
  11. Jessica, só nos informe onde vc vai continuar a postá-la por favor... quero ver o final da fic já que a acompanho a um tempão.

    ResponderExcluir
  12. Ahhhh!!! Pelo amor de deus Jess, não me diga uma coisa dessas. Não posso ficar sem Metamorfose. Já estou com o coração na mão aqui. Por favor não faça essa maldade comigo, sinif, snif. Assim meu core num guenta.
    Por favor me diz que continuará a postá-la e me fale onde, pois te seguirei até os confins da Terra.
    Amooooo a fic e quero muito saber como ela terminará, ainda mais agora que a PP descobriu tudo e ganhou um novo poder. Aff, a vaca da Elise conseguiu estragar o dia mais feliz da minha vida. Mal fui pedida em casamento pelo meu lobinho e já caiu uma bomba dessas no meu colo, Ain, não posso ficar sem o próximo capítulo, per favore Jess, não nos abandone. Eu lhe imploro.
    Bjssss!!!

    ResponderExcluir
  13. Ai que burra eu sou! Perdi dois capitulos, pode me matar Jess eu deixo! Que lindo esse pedido de casamento! É tão bom ver ambos juntos e felizes. Pena que a felicidade durou pouco, grávida como assim grávida! Meu Deus, que vaca essa Elise, bem feito pro Jake merecia bem mais do que um simples choque! Que pena da PP, é tão grande a dor dela, ela o ama mas se odeia por ama-lo. AMEI! Flor onde vc vai como assim não vai ficar mais aqui, pra onde vc vai! Você não pode me abandonar! Pode falar pera onde ocê vai! E como assim capitulo final na tag, quero o link pra ler!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Que droga, o ultimo capitulo que eu li foi o do casamento, depois não cansegui mais ler simplesmente o link não abria, Jess querida, diz pelo amor de deus onde você vai postar a tua fic?? Nãi deixa a gente sem ler não.
    Quero morrer, como é que o Jacob pode me fazer um pedido de casamento daqueles sem ter me contado que havia transado com outra e o pior a vaca da Elise ta gravida dele, de verdade so da mesma opinoao da Anix, não sei se ainda quero me ver junto com o Jacob, so o que a gente faz é se magoar, como da para viver feliz assim?? Os dois para ficar juntos terao que mudar muito, e uma longa conversa tera que vir pela frente, mas não sei se agora da para perdoar.
    Jess, não abandona a gente não(caradogatodoshrek).
    Bjo

    ResponderExcluir
  15. Pode isso produção? Não faça isso! preciso saber o que vai acontecer! Agora que a confusão ficou formada você vai abandonar a todas nós? POR FAVOR, NÃO FAÇA ISSO! a fic ta maravilhoosa!
    Avise por favor aonde você vai continuar que eu te sigo com toda a satisfação!

    ResponderExcluir
  16. perai quando eu descubro essa fic maaaaaaraaaaaaaavvvvilhosaaaa q eu amei a autora vai parar de escrever me fala pelo menos em q sait vc vai comtinuar porrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrfaaaaaaaaaaaaaaaaaavoorrr agora q a confusão ta feitaaa ano vc nao pode para naooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo se eu chora vc comtinua :(

    ResponderExcluir
  17. Bem feito pra vaca da Elise, achou que ia se dar bem e acabou levando a pior. Ain, deu até vontade de chorar e tudo culpa dessa piriguete de uma figa, que vontade de arrancar a cabeça dela.
    Será que Leah conseguirá trazê-la de volta? Sei não, a PP é muito orgulhosa, não vai ser nada, nada fácil.
    Quero só ver a bronca que a Elise vai levar, quero assistir de camarote essa galinha ser depenada.
    Own, tadinho do meu lobo, que dó, que dó!!
    Ain, Jess, fico tão feliz por você ter continuado a postar a fic, obrigada, obrigada, obrigada por não desistir.
    Amoooooo essa fic, bjssss!!!

    ResponderExcluir
  18. EU adorei que o Jacob acabou com a Elise.
    Ela pensou que era só dizer que tava grávida pro meu lobão se apaixonar... Coitada!!!!!
    Se fosse eu iria embora pra minha tribo de volta... o Jake foi tão duro com ela, que mereceu claro!
    Mas, eu ainda tenho esperança que esse bebê não seja do Jacob... bem que ela pode ter arquitetado um plano maligno e engravidado de outro só para culpar o Jacob, e agora que o Sam vai ter "a conversa" com ela, a penosa não aguentando a pressão e ainda atingida pela dor da rejeição, abrir seu coração e indicar o verdadeiro pai!!!
    Assim seria mais fácil a PP aceitar o Jacob de volta e perdoá-lo. Poxa, eles merecem ser felizes, e ela tem que quebrar a maldição das conselheiras e ser feliz com o imprinting dela!
    OMG, estou ansiosa pelos capítulos que estão por vir, sabendo que estamos na reta final, torço para que eles se acertem e que sejam felizes e que tenham mais algumas cenas quentes!

    ResponderExcluir
  19. a cada postagem a fic fica cada vez melhor...

    Bem me declaro culpada por nao deichar nenhum commentario mas amo muito essa fic e leio sempre ..

    de hj em diante vou postar sempre um comente oks

    beijoss!1

    ResponderExcluir
  20. Ok, pode parar, que capitulo divo foi esse??
    Adorei ver o que o meu lobão falou para a Elise e tomara que ela leve outra chamada do Sam, sei que ela ta gravida e que não poderia passar por isso, mas ela achou o que? Que seria só ela chegar dizendo que tava gravida que os olhos do Jake brilhariam de felicidade e ele lhe declararia amor eterno?
    Fala serio.
    Será mesmo que esse filho é do Jacob, ou pior, ela ta mesmo gravida?
    O que ela vai fazer agora que ouviu tudo o que o Jake lhe disse?
    Olha que cara ela tem para chantagear o Jake dizendo que se eles não se casarem ela não levara essa gravidez a diante.
    Tadinho deu tanta dó dele, o Jacob ta sofrendo muito, mas não da para isenta-lo da culpa ela não estaria gravida se eles não tivessem transado. E a PP como ela vai fazer agora, a Leah vai ajuda-la?
    Eles tinham que conversar e acertar tudo, jogar limpo falar tudo que tem para falar nem que se magoem para poder viver em paz, não é justo duas pessoas que se amem tanto ficarem separadas, mesmo que só se magoem que quando tudo parese que ta dando certo vem uma bomba e estoura atrapalhando tudo, o que eles sentem não pode ser ignorado, Jess pensa num jeito dos dois se acertarem??
    Bjos, esperando anciosa pelos proximos capitulos para o desfecho dessa novelinha.

    ResponderExcluir
  21. QUE ELISE FILHA DA PUTA! Nós? Nós? ela pensxou o que que era só engravidar e chagar lá que meu lobão iria ser dela, essa menina é doida só pode!
    Adorei o que o Jake que disse a ela, cada palavra foi perfeita, ela merecia bem mais! Ainda bem que existe o impriting, não gostaria nadinha de ver o Jake com essazinha ai! Mas será que ela ta gravida mesmo? Será que o filho é do Jake?! Ai ai, que dó do casal sempre quando estão bem algo de ruim acontece, isso é horrível!
    Espero que a Leah ajude a PP a clarear as ideias!
    Jess faz o casal ficar junto de novo faz?! Atende o pedido dessa leitora aqui! (carinha do gato do Shrek)
    QUERO ELES JUNTOS! ;)
    FELIZ POR VOCÊ ESTA AQUI JESS! NÃO NOS ABANDONE OUVIU?! NEM PENSE NISSO!
    Adorei como sempre, esperando pelo proximo para saber como nosso casal irá ficar! :)

    ResponderExcluir
  22. adorei o desenrolar desta fic, é diferente do que eu estou acostumada a ler, confesso que estou sofrendo junto com a PP, mas esta fic nos mostra que mesmo com imprinting, homens são todos =s, só mudam de endereço no nosso caso, fics. Valeu jess e obrigada por continuar postando. Nunca comentei pois ainda não tinha lido. BJS e até a proxima ATT.
    Postado por LUCYNDA.

    ResponderExcluir
  23. Muito lindoooo.Pq sempre tem que ter uma coisa que atrapalhe esses dois?Será que um dia ele finalmente vão conseguir ser felizes?Mas to amando o desenrolar dessa fic.Tá ficando divoooo.

    ResponderExcluir
  24. Meuuuuu!! Essa Elisa tem q se f**er, pqp que vaca!!!
    Ela vai saber sobre o imprinting? Vão contar a verdade para ela? E esse filho? E do Jake msm?? Ahhhhh tô tão curiosa!!
    Estou amandooooo a fic!! linda linda!!
    Bjks

    ResponderExcluir
  25. Essa fic é viciante; é ótima, vc está de parabéns!!, nooossa, muita raiva dessa Elisa, ela tem que se f**er! Se eu fosse a PP tbm estaria morrendo de raiva..mais acho que ela e o Jake tem que se entenderem e terminarem juntos! Estou morrendo de curiosidade para saber o que vem pela frente, não demore pra postar, por favor!

    ResponderExcluir
  26. É o que acontece... A felicidade dps a revolta... puta que pariu!
    Eu dou na cara dessa lambisgoia safada e vadia!
    Alem de se aproveitar do Jake, ainda engravida, fode com a minha vida e ainda quer casar? Morre diabo!
    Eu juro Jess, eu sou contra o aborto e tudo mais, acho que uma vida nao pode pagar por erros dos pais... Mas eu juro que to torcendo MTO e quero MTO que ela perca a criança... Pode ser instantaneo nao tem problema... Mas eu nao vou aguentar uma criança dessa bitch!
    Outro motivo para eu ser a favor de todo mundo saber das lendas... Se essa vaca soubesse das lendas nunca iria fazer o q fez... Ou pelo menos pensaria duas vezes ne...
    Juro estou com mta raiva dessa mócreia! Ela tem que perder essa criança!Se nao eu vou pra La Push e mato essa e o bastardo junto! u.u
    Posta logo por favor

    ResponderExcluir
  27. Déborah Shaw Black:


    Deus do céu! A PP descobriu! Vou morrer!

    Ha-ha a Elise é mesmo uma puta mal comida mesmo. ahhhhhhhhhhhhhhhhh

    Agora quero só ver a conversa entre a PP e a Leah, elas vão se entender afinal, a Leah sofreu muito também.

    Bjus posta logo

    ResponderExcluir
  28. Tipo assim omg !! confesso que tem muito tempo que não leio metamorfose, eu havia parado no capitulo 10 se ñ me engano , então quando eu resolvi ler e li tudo foi como um super back!
    meu God a parada com o edward eu fiquei super surpresa!(apesar de achar que o edward ñ deveria passar de um grande amigo..) e o seth Divo *-* , ao mesmo tempo que amei eu me senti super culpada! e a visão quando ela revela? ela revela ? gosh e a pergunta que não quer calar ! essa monstra-vaca-ursupadora-piriguete-aproveitadora ta gravida mesmo ? e eu ? vou virar uma Cigana/Nomade ou coisa parecida ? kkk ! Please não pare de escrever !! não agora que eu me tornei viciada !!! nossa achei que só eu era fã de McFly aqui, finalmente não me sinto mais uma McViciada solitaria , Então continue postando mais e mais que eu farei o possivel para estar aqui ! Se você sumir ira deixar uma Poynter solitaria !

    ResponderExcluir
  29. Fic perfeita, fico angustiada quando acabo de ler algum capitulo, fico ansiosa pra ler o proximo!
    Parabéns a melhor fic que eu já li, continue postando!

    Luiza aqui

    ResponderExcluir
  30. Nossa! que pesado! mais um capitulo tenso. Meu deus, por um lado tenho pena do Jake mas também sinto ooooodio hahahahaha. Envolvente demais essa fic*-* Parabéns mesmo. Ansiosa para o próximo capitulo. beijoos

    ResponderExcluir
  31. Jessica ainda bem que na Nota da Autora você explica que a PP não morreu porque senão eu iria ficar desesperada até a próxima att.
    Mas, já que o Jake não a está mais sentindo, será que ela conseguiu retirar ou bloquear o imprinting através de magia? Será que morreram os sentimentos entre os dois?
    OMG, espero que o próximo capítulo seja mega grande e que explique tudo isso!!!
    Jess, agora em relação ao que gostaríamos que vc fizesse na fic... eu adoraria saber que a Elise está grávida de outro e que esse filho não era do Jake. Pois, apesar dele ter pisado na bola e ter transado com ela, não precisava ser punido desse jeito... Pois quem vai sofrer nisso tudo vai ser a criança, que nunca irá ter o amor do pai.

    ResponderExcluir
  32. Ahhhhhhh!!!!
    Pronto! Agora sim estou mais calma.
    Jess, ainda bem que você não matou a PP, se não, eu já estaria tendo convulsões aqui, tamanho o meu desespero. Mas o que será que houve? Estou me roendo de curiosidade, matutando o que poderia ter acontecido, pois a PP mesmo deixou de sentir seus batimentos cardíacos, bom, isso talvez se deva ao fato dela ter desmaiado, né?! Mas e quanto ao Jake? Por que ele não a sente mais? Ain, são tanta perguntas. Isso é tortura, Jess. Ahhh!!! Quero mais!!!
    E para noooooosa alegria, uns bons tapas na vaca piriguete de uma figa, já está de bom tamanho. A criança não tem culpa pelos erros dos pais, tenho certeza de que se a PP aceitar o bebê, Jake também aceitará, e ver a criança se dando bem com o Jake e a PP juntos seria um castigo e tanto para a Elisa, pois o que ela queria é ter o nosso lobinho e isso ela não irá conseguir. Do jeito que é uma biscate é capaz dela até abandonar a pobre criança. Disso não dúvido nada. Ela só usou a criança para chegar no Jake e como não teve êxito...
    Amandoooooooooo, bjsssss!!! Que terça chegue logo. Ai, ai...

    ResponderExcluir
  33. Jess, Jess eu quase tive um treco ainda bem que você não matou a PP ainda bem!
    Quem ou o que levou a PP?! Porque os batimentos sumiram se ela não está morta?! Porque o Jake não a sente mais?! Porque eles são o imprinting um do outro?!
    é sério é tanta pergunta que eu ja to ficando doida aqui em tempo de arrancar os cabelos!
    E o que eu quero, hum (pensamento maléficos contra a Elise rondam a minha mente) eu quero um tapa bem grande, mas num é aquele tapinha besta não! EU QUERO UM TAPÃO! kkkkkkkkkkkk
    E adorei a vontade da Binha da PP continuar com Jake e aceitar a gravidez e que o bebê prefira a PP do que a mãe! Mas por mim se o Jake e a PP terminarem juntos isso ja ta de bom tamanho! ;D
    Acho bom que você poste mesmo terça dona Jess! Porque eu morrendo de curiosidade aqui! :)
    Bjos flor até terça!

    ResponderExcluir
  34. Dona Jess.
    Isso não se faz!
    Como é que você pode parar esse capitulo bem nessa hora?
    Você não imagina o meu estado aqui, esse capítulo foi bem pequeno, mas me deixou num estado que você nem imagina, me desesperei até ver a nota no fim, o que você vai aprontar agora???
    Como é que eles vão converter essa situação.
    Por favor posta logo se não isso pode trazer graves problemas a saúde(ta legal acabou momento desespero)kkkkk.
    Vou esperar ansiosa por amanha.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  35. bom como sempre vc nos surpreende,
    Estou amando cada capitullo espero sempre ansiosa pra ler, confesso q nem sempre deixo comentarios vou me esforçar mais..

    bjos

    ResponderExcluir
  36. Já disse que amo esta fic?Tá muito lindaa.Ahh e com certeza uma gravidez da pp iria finalmente acertar estes dois.Mas ela precisa saber que o Jake ñ traiu ela intencionalmente.A VacaElize tem que contar pra pp o que fez.Depois de Sam brigar com ela.A pp poderia lembrar de tudo o que ela havia esquecido depois do acidente.Enfim confio em vc e sei que a fic vai continuar maravilhosa.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  37. Flor fiz um presentinho pra vc,espero que goste.

    http://a7.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash3/534973_438972812797059_100000530318447_1611684_1186765372_n.jpg

    se quiser conversar comigo hehe
    http://www.facebook.com/priscila.luiza

    ResponderExcluir
  38. Ahhhhhh!!!! Não acreditoooo, o que aconteceu com a PP???
    Bom uns tapas na Elize não seria pedir muito, seria??? Ahhh e claro, ela tem que saber que o Jake nunca será dela, isso é fato!!!!
    Quero mais, mais e mais... rsrsrsrs
    ADOROOOO Essa fic, parabéns!!!!

    Bjks

    ResponderExcluir
  39. Nossa, nossa!!! A cada cap. me impressiono mais... Adorei!!!
    Aaaah Essa ideia de METAMORFOSE II contando a vida deles antes é simplesmente D+!!!!
    Como sempre estou louca oara ler mais... rsrs
    Bjks

    ResponderExcluir
  40. AMANDOOOOOOOO.Gostei da idéia do filho de Elise gostar mais da ppmas acheiq que fosse acontecer alguma coisa com ela ou que ela estivesse mentindo sobre a gravidez.Mas enfim amando muito tudo isso.

    ResponderExcluir
  41. Ain, mais um capítulo divinooooo!!! Jess mais uma vez nos surpreendendo. Jake foi o prometido da PP na outra vida?! Ameeei!!! Agora está mais do que óbvio que eles sempre foram predestinados a estarem juntos. Lindoooo!!! Ain, quero maiss.
    Vou amar ler metamorfose 2, que conta as outras vidas do nosso casal predileto, adoooro fics baseadas no século passado, ainda mais com nosso lobo mór.
    Amandooooooo e louca por mais, bjssss!!!

    ResponderExcluir
  42. Nossaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa... perfect... linda d+++++++++.... fiquei muito frustradacom o fato de me impriting com jake n dá certo mas como eu sei q tera algo bem grandioso por todo o restante da historia n vou me preocupar... mas eu fiquei imprecionada com toda a historia...ontem quase chorei quando a filha da p#t@ da Elise disse q tava gravida... :'( serio mesmo chorei muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito no meu quarto quando li essa parte... Jess linda mesmo de matar *_* louca pela proxima att... agora vou ler aki o cap 41... se q vou ser surpriendida novamente... como sempre vc conssegue!!!! bjs!!!!

    ResponderExcluir
  43. Desculpe não ter comentado antes, mas é que meu pc não está sendo muito meu amigo e só funciona quando quer, hoje ele resouveu funcionar graças a Deus e eu aproveitei para comentar. Capitulo simplesmente perfeito, sem comentarios espero anciosa pelo desenrolar deste mistério.
    Bjs e até a proxima.
    Lucynda

    ResponderExcluir
  44. INCRIVEL, você sempre me surpreende garota!
    Eles eram destinados, o Jake foi a alma gêmea da PP na vida passada!
    Agora sim eu entendo o imprinting deles! Eles sempre vão ficar juntos independentes das barreiras! Eu adorei a ideia de metamorfose 2 vou ler sem duvidas, saber mais da vida do nosso casal no século XVIII!
    Adoraria que você seguisse a nossa ideia! Quero só ver a cara da Elise! :)
    Como uma autora linda me disse - BEIJOS COM SADIA PARA UMA VIDA MAIS GOSTOSA! ;D

    ResponderExcluir
  45. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  46. caramba, inesperado. ADOREI! ideia aprovadíssima! quero saber desse romance antigo, que venha 2ª temporada. E com a Elise, quero mais que ela desapareça! e que a Bella sofra bastante mesmo vampira, pra sentir mesmo naquele coração morto o que o Jake sentiu. HUASHUASHUASHUASHUAS

    ResponderExcluir
  47. Bella grávida, a PP em coma, nossa Edward e Jacob estão passando o maior perrengue.
    Pelo jeito a mestiça da Reneesme será importante, só espero que não seja mais uma pedra no sapato da PP.
    Hum, adoooorei saber que logo teremos a briga da PP com a vaca piriguete da Elise. rsrsrsrs
    Estou me corroendo de ansiedade.
    Adorandoooooo, bjssss!!!!

    ResponderExcluir
  48. OMG, como vc pode dizer que o capítulo tava ruim ... eu adorei...
    A PP em coma + a Bella grávida = Edward e Jacob puxando os cabelos à pinça...
    Quero saber mais da história da Renesmee ser importante para a humanidade... achei isso super interessante e totalmente original!!
    Agora, adorei saber que haverá uma briga entre a PP e a piriguete da Elise... bem que ela tá merecendo uns tapinhas dignos de uma luta de UFC... e a PP tem que extravasar sua raiva da invasão dessa garota em sua vida...
    Vou aguardar ansiosamente a att da próxima semana.

    ResponderExcluir
  49. Se essa capitulo ficou ruim imagina o bom???
    Adorei ele Jess, nossa quanta coisa ruim acontecendo, tanto Edward quanto o meu lobão estão passando por maus bocados, mas espero que tudo se resolvera.
    Tomara que ela acorde logo e que o vampiro possa a ajudar, da do de ver o desespero do Jake.
    Sabe o que eles sentem um pelo outro é algo tão bonito não da para simplesmente não dar certo, tomara que depois de tudo o que eles passaram superem as dificuldades esses desentendimentos, a gravidez da outra que me recuso a falar o nome e encontrem um meio de viver bem.
    Adorando a fic, alias sempre amei ela.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  50. Antes de comentar sobre os capitulos, vou comentar sobre uma das suas n/as... Que diabos a criança da outra lá vai gostar mais de mim.... essa criança nao pode viver u.u Eu sei sei, nao é legal pensar isso... ela nao tem culpa e bla bla bla... Mas meu jake nao pode ter um filho q nao seja meu u.u estou mto possessa com isso ainda...
    Bom, sobre os capitulos... essa parada de conversar com a terceira esposa ta sendo mara *-* mó daora... Quando eu vi q o Jake ta em minhas outras vidas eu fiquei assim: *O* haahahahha super curti!
    Por favor, posta logo

    ResponderExcluir
  51. OMG!!! Pirei de saber que o Jake é mesmo a alma gêmea da pp desde sempre! *_*
    Mas mesmo assim como será qnd ela acordar e tal?! Tem td a tensão por causa da história do filho e tal... Ainda tem o bebê de Bella que tem essa 'missão'. Uau!!
    Fortes emoções vindo aí! hahaha
    Não demora, Jess! ;)

    ResponderExcluir
  52. O capitulo não está nada ruim! super curti e estou a cada dia mais ansiosa pela vida passada da PP. Meu deeus, e quando a pp acordar, como vai ser? hahahahaha parabéeens! e espero pelo proximo cap. beijoooooooos

    ResponderExcluir
  53. Jess minha linda mil desculpas pela demora mas me tornei uma universitária, ou seja, completamente sem tempo, mas consegui passar por aqui!
    Independente do que houve o capitulo ficou incrivel! AMEI!

    Me dá um grande alivio saber que eles estão predestinados a estarem juntos, que no final eles vão ficar bem! Agora fiquei curiosa, qual é o outro próposito da PP a não ser ficar com o Jake?! Hummm o que você está aprontando dona Jess!
    E a Nessie, qual será o papel dela em tudo isso?! To ficando louca de tanta curiosidade!

    Que dó do Jake, todo preocupado com a PP e o Edward ainda vem jogar a culpa em cima dele, aiai!
    E a Bella grávida, fico imaginando a reação de todos quando descobrirem! Espero que o Edward ajude em algo!
    E o Jake sentindo o laço do imprinting fraco, mas calma Jake vocês estão ligados pela alma então, não depende somente do imprinting!
    Adorei que vai ter briga da PP com a Elise, deixa ela dar um tapinha deixa? Nem que seja de levinho, pq se bater demais prejudica o bebê e isso não pode! (mas ela tem que apanhar ta bom?!)
    Amei esperando ansiosamente pelo proximo capitulo, e não se preocupa eu posso demorar mas apareço!
    Milhares de beijos com SADIA! ;*

    ResponderExcluir
  54. Jess, capítulo, MA.RA.VI.LHO.SOOOOOO!!!
    Também adooooro as brigas do Edward e do Jacob, eles são mais parecidos do que imaginam. rsrsrsrs
    Os dois amam as mesmas pessoas e por culpa deles, elas estão em perigo.
    E agora um fica colocando a culpa no outro, rsrsrs, isso é demais, chega a ser hilário, vê-los discutindo. hehehe
    A explicação para o fio do imprinting estar diminuindo, foi perfeita, seria mesmo o fim para o lobo se o seu objeto de imprinting morresse e ele ficasse. Achei que o rompimento desse laço, quando a morte chegasse, foi bastante justo, assim a pessoa envolvida poderia encontrar um novo rumo para continuar vivendo.
    Ain, adoooorei o que a Wacanda disse: "Um filho dele também é um filho seu. Vocês são um só."
    Aí está a explicação perfeita para que você, Jess, deixe o filho da piriguete VIVOOOO. E ainda repito o que eu disse, seria um castigo daqueles para a Elise, ver seu filho amando a PP como uma verdadeira mãe. A criança só virá na mulher errada, só isso... infelizmente, mas fazer o quê? o que está feito não pode ser desfeito. E a criança não tem culpa de nada.
    Amandoooooo e louca pela continuação!!!!
    Bjssss!!!

    ResponderExcluir
  55. Jess amei o capitulo, eu o li pela manha, mas não tive tempo de comentar, então estou ca eu agora para faze-lo, não podia deixar passar em branco.
    Vc sabe que eu amo Metamorfose???
    Não vejo a hora da pp abrir os olhos, e acabar com o desespero dos dis lá, por que fala serio o que foi aquela briga??? O que era aqueles dois daquele tamanho botando um a culpa no outro por coisas que eles mesmo fizeram??
    É lindo e rende boas risadas ver a forma que eles ciudam um da mulher do outro, mas o mais legal e ver as brigas dos dois, quero ver o estouro que vai dar quando souberem que a Bella ta gravida, a pp vai ter que proteger essa criança, mas por que? O que ela tera de tão especial?
    Não demora não Jess, por favor. Beijos.

    ResponderExcluir
  56. Como assim um filho dele é um filho meu??? Conta isso direito aí, Jess! Vou aceitar o filho da outra assim na boa?!
    Mas esse período de coma dela fou muito esclarecedor, ela vai acordar outra pessoa. Talvez vire até amiga da Bela por causa dessa missão de proteger o bebê monstrinho dela e tal.
    Ui, que ansiedade! Não demora Jess!

    ResponderExcluir
  57. Oi Jess, minha chará. Depois de séculos sem ler fanfics eu voltei e re-li sua fanfic inteirinha. Eu tinha parado no capítulo em que eu descubro ser um amor do passado do Ed, mas eu li desde o começo.

    Tive que me segurar muito para não chorar nas partes das traições do Jack T_T. Achei lindo a parte em que ela e o Jack (Ethan) se encontram no passado. =D super perdi o folego nessa hora.

    Mas estou verdadeiramente com vontade de dar umas pancadas da vagaba que pegou meu homem. Me deixa bater só um pouquinho nela, vai!!! /olhos-brilhando-de-expectativa. *_*
    Eu acho que ela merece um ótimo castigo, tipo cair do penhasco- ou ser empurrada dele! kkkk, brincadeira. Nada tão absurdo mas talvez algumas escoriações. xD

    Eu adooooro fanfics anti-Bella, em eclipse ela me deu nos nervos, com aquela palhaçada de beijar um de depois ir correndo pro outro ¬¬ /eu ficaria com o gatão super hot, mas infelizmente titia Sthepenie não me colocou na história. :'(

    Enfim, vou tentar ser uma leitora-não-fantasma e comentar o máximo que eu puder, tanto aqui quanto em Coffe Girl. :D
    Beijinho e escreve muitooooooo!!!!!!!!!!!!
    s2s2s2s2s2s2

    ResponderExcluir
  58. Jess demorei mais apareci!
    Que capitulo incrivel!
    Eita Edward e Jake é tensão e alfinetadas a todo instante, mas sabe bem feito pro Jake merecia saber de umas verdade da boca do Edward pra vê se ele acorda pra vida e deixa de ser tão idiota!
    Quero só ver quando o Jake souber que a Bella está grávida quero só ver! Mas vai ter a PP para proteger a Bella e a Nessie!
    Um filho dele também é um filho seu, puf um soco na PP então é isso o baby da Elise vai ficar com a PP, vai gostar mais da PP do que da vadia da mãe! Agora sim entendi praticamente todo o misterio que ronda a PP principalmente a confusão que eu tinha em relação a mordida do vampiro no começo da fic!
    AMEI JESS! Espero que o próximo capitulo venha logo estou ansiosa pela PP e a Elise quero ver a Elise apanhar, mas sabe néh?! Nada que prejudique o baby!
    Bjos Jess até a próxima e como sempre eu demoro mas apareço!

    ResponderExcluir
  59. Ai flor... o que dizer sobre esse cap.??
    Ele ta tudo de bom, assim como a sua fic....
    Mas eu preciso um favor

    PELO AMOR DE SANTO CRISTO! NÃO DEIXE QUE A ELISE TENHA ESSE FILHO COM O JACOB! PLEASEEE não importa o que vc tenha que fazer com ela, ou com a criança, mas não deixa... por favor!!! (leitora implorando de joelhos aqui!)
    please pelo amor que vc tem pelas suas leitoras.....
    Suspiro*
    Bom ta aí o meu apelo...

    ResponderExcluir
  60. Como o Jake pode ser tao idiota msm hein? --' kct! o edward tava tentando ajudar porra! q saco! u.u
    E eu ainda nao acredito q vou ter q engolir essa criança da Elise...quero q ela se acidente e perca a criança u.u
    essa ultima fala da Wakanda fez todo o sentido agora...
    Quero mais logo! louca pra ver qndo ela acordar

    ResponderExcluir
  61. Leitora nova se apresentando!!!! ta legal, não sou totalmente nova pq tu me conhece... mas sou nova aqui então quero boas vinda em Metamorfose (brinks *.*)
    então... eu aproveitei q comecei a ler nas ferias e engoli esta bendita fic em dois dias (ou melhor, duas madrugadas... até as quatro da manhã hein??)... pq nunca se sabe como será o meu tempo depois das férias... anfam... eu tenho q falar sobre a fic, mas calma, são 43 capitulos meuuuuuuuuuu....
    muita coisa pra eu comentar e eu vou ter q resumir e eu odeio resumir as coisas, sintese definitivamente não é o meu forte!
    Vamos destacar o principal, e eu espero que vc se lembre do q vou dizer agora bem naqueles momentos em q vc põe um ponto final num paragrafo e pensa "não, não é isto! num ta legal!" é, naqueles momentos monstruosos de crises q toda autora passa.
    É o seguinte: VOCÊ ESCREVE BEM PRA CARALHO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! (senti necessidade do palavrão por falta de expressão mais impactante)
    é, vc me seduz na escrita ( E SÓ NA ESCRITA DEIXO BEM CLARO!)
    kkkkkkkkkkk
    Seus personagens não são monótonos e não são rasos... no caso de metamorfose, não se trata daquelas histórinhas nhenhenhe só com coisas descartáveis e repetidas... (aquelas q eu não suporto passar os olhos)...
    Tenho que ressaltar que da primeira linha da fic até a ultima, percebi um amadurecimento muito bem construído na personagem principal... aí me confundo se vc intencionou este crescimento desde o início ou se vc cresceu junto com a personagem mesmo... hummmm... pode ter sido os dois tbm.
    O fato é, a personagem tinha tudo de uma adolescente de hormonios a flor da pele e inexperiente... mas aos poucos a maneira como ela vÊ o amor pelo Jacob, como fala do amor, como reage diante das suas próprias inconstancias tem se tornado, tijolinho por tijolinho mais coerente, mais sábia, mais compenetrada... na parte em q ela sai em disparada pela mata depois da traição de Jacob e diz não ser capaz de odiá-lo.. oh, aquilo foi tão lindo, lindo mesmo... Prova de que ela não é fraca, manipulável por sentimentos rancorosos, prova que ela é superior. Acho q não diz somente respeito ao imprinting, pois é uma maneira dela ver... tive receio de que ela não fosse isto quando ela começou a falar sozinha na mata, depois da cena que ela cai na lama e q começa a pedir "me leva daqui". Antes eu pensei que ela fosse pedir pra q o imprinting fosse quebrado, uma atitide que seria mais fácil, pois, de certa forma, acabaria com a sua dor diante da traição, mas não, ela queria era partir, talvez até morrer, mas não deixar de amar, ou se ver livre da magia pra odiar. Observe aqui a maior grandeza neste ato sutil e irracional (eita, to me sentindo a Camy a comentar kkkkkk)...
    MaS falei disto só pra tentar esclarecer em que sentido eu vi a evolução da personagem.
    E eu AMEI a ideia da segunda Metamorfose baseada na relação antiga da PP e do Jake! DIVINAMENTE DIVA! Oh, vc tem q fazer isto!
    Agora, sobre o Jacob, ele ainda está meio confuso, precisa aprendar mais da vida e amadurecer um cadinho mais... muito impulsivo ainda sabe? Ok, apesar disto eu o AMO... ah num tem como não amá-lo, mesmo ele sendo um idiota e traindo!
    *vou dividir aqui, o blogger ta dizendo q ta muito grande*

    ResponderExcluir
  62. *continuação*

    Elise, aquela grande rocha no caminho, véi... tenho uma ótima solução pra ele: tomar cha de sumiço e tranferir a cria pra barriga da pp e pronto! será como se não tivesse existido! lkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... ah se fosse fácil assim! Mas sério, não tenho a minima ideia do que seria a melhor solução para o caso dela ter sempre um elo ligando-a a Jacob e lembrando-o da traição... Mas eu acho, que este tipo de coisa são reais sabe, e que, de alguma forma, esta criança fosse especial, apesar da mãe q terá... sei lá, como se ela só pegasse os traços do Jacob e se tornasse impossível de não se amar... e mais que isto, talvez detentora de algo que possa ensinar o pai turrão q ela vai ter e as outras pessoas... especial, este guri tem de ser especial de algum modo... pensa aí Jess, afinal a fic é tua! kkkkkkkkkkk
    E oh, eu realmente acho q a morte da mãe e do bb seria uma solução muito fácil e clichê só pra dá um final feliz pro casal principal... niaaaummm... seria algo do tipo jogar a sujeira pra debaixo do tapete ou melhor, pra debaixo da cova... credo :~
    Ah, tenho que falar mais uma coisa: na hora q a terceira esposa tava falando q o imprinting acaba quando a morte acontece e tals eu fiquei aqui achando que aquilo era parte original da história twilight! kkkk... mas sério, faz total sentido, a tia steph podia incorporar! kkkk....
    E caracaaaaa... já é quase três horas da matinaaaa... vou ter que me despedir por aqui mesmo... fico grande? ahh... tenho o direito, é pelos tempos q não estava por aqui!
    kkkkkkkkkkkkkkkkk
    EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE... VOU TE INFERNIZAR AQUI TBM COM O TEMÍVEL: POSTA LOGO FLOR! Tradição! Fato#
    kkkkkkkkkkkkkk
    bjsss, até o proximo!

    ResponderExcluir
  63. FUDEUUUUUUUU =O
    Caramba, e agora? Nunca iria pensar q o Seth estar la ferraria tudo D:
    Quero só ver como td isso vai se resolver... Quero att logo por favor!bj

    ResponderExcluir
  64. Tira as crianças da frente do PC...
    CARALHO E AGORA FUDEU TUDO.(desculpe as palavras que usei mas não consigo pensar em outras no momento rsrsrs)

    E agora o que vai acontecer?? Quer dizer que será o Seth que vai acabar com tudo??? Ele vai ser o "dedo duro" da história???
    Que determinação nem bem a pp acordou e já deu seu jeito de ir até a casa do Cullen para tentar impedir uma coisa que na verdade não foi bem impedida, mas como sempre dizer o que vale é a intenção...
    Agora eu me pergunto o que a filha da Bella vai ter de tão especial que ela tem que ser protegida?? Do que ela vai salva o povo Quileute????
    A gente precisa fazer um acordo...
    Tava com uma saudade tão grande de Metamorfose e ficar tanto tempo assim sem uma att não se faz dona Jess, e eu fico como com essa curiosidade??? Ae é o seguinte eu comento sempre e pelo menos assim... uma att de 15 em 15 dias?? CERTO???(Ok acabou momento leitora desesperada por att kkkk)
    Esperando ansiosa pela próxima.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  65. Eita!! A PP mal acordou e já botou pra quebrar. Essa garota é terrível. rsrsrsrs Adoooooro seu jeito determinado e explosivo de ser. rsrsrs
    Mesmo sentindo dor e ter acabado de sair do coma, ela abraçou a sua causa e foi lá defender a monstrinha...( tá legal, a Reneesme. ¬¬ Fazer o quê? É o hábito...hehehe)
    Ainda não faço a mínima idéia do porque essa criança deve ser protegida. Qual será o mal que os ronda agora? Que perigo é esse que só a filha da songa poderá livrá-los? Concordo com a PP, porque logo a songa monga e fraca da Bella seria a responsável por gerar tamanha glória? ( Tá bom, parei!!)
    Adooooro ver os arrancarabos entre o Jake e o Edward, eles estão cada vez mais hilários. rsrsrs
    Omg, e o tiro saiu pela culatra, a PP achando que o perigo era o Jacob, tentou intervir, mas infelizmente o Seth acabou escutando o que não devia e agora por estar transformado acaba de passar tudo para os outros... er, e o perigo continua...
    E agora? Como eles irão sair dessa? Mais uma vez a PP terá que usar seu incrível dom de persuasão.
    Amandooooo, Jess!!
    Bjssss!!!!

    ResponderExcluir
  66. Ahhhh... Jess! Sacaneaou comigo garota!! Eu não tava planejando lhe fazer chorar não, até achei q o meu comentário tava locão, tipo pra autora ler e cair na gargalhada... Mas oh, vc disse q eu fui... comé q é mesmo?? Ah: verdadeira e com tanta emoção... ahshahshashas.... ai ai ai... na fic eu até entendo, pq se eu não tiver com aquele gas de envolvimento nem ouso escrever, q num rola! Mas no comentário eu só escrevo o que realmente senti após a leitura quente dos escritos...
    Ultimamente eu não tenho tempo de ficar lendo toda fic que me dá nas túcias, por isto procuro aquela que me envolvem de alguma forma, que eu posso mergulhar naquele mundo e me perder, pra destrair e relaxar mesmo. Então, e a sua fic, a CG tbm, me dá isto....
    E oh, vamos falar do capítulo... Já acabou??
    Só serviu pra despertar aquela centelha do fogo da curiuosidade em nós, leitoras, que funcionam como palha seca e uma centelha basta pra ter um incendio incontrolavel! kkkkkkkkkkkkkk... (ignore isto, foi viagem)
    Mas anfam, como assim ela me tem a missão de proteger a Renesmee tãoooooo enfaticamente?? Q diabo de ser salvador vai ser a monstrinha aquiiiiiiiiiiii???
    Sinto cheiro de união entre a PP e o Jake pra "barrar" os lobos no ataque contra a cria da Isabella!!! Certei?? kkkkkk
    E o Jake, pra variarrrrrrrr... impulsivo como sempre... kkkk... mas não deixa de ser engraçado.
    Aquilo lá que vc expressou, da dúvida de como a Bella poderia proteger sua cria sendo tão sonsa e inútul e fragil... hummmmm... como vc pretende fazer a Bella vampira?? Ela vai virar vampira?? .... a Bella vai merecer ser a mãe da "salvação do mundo"... curiosaaaa... muitoooo curiosaaa
    Assim como estou curiosa pra saber o que te "tocou" com relação a TPB! kkkk.... mas um dia vc me conta (loguinho?)....
    kkkk
    Bom, é isto flor!
    Muito obrigada por tudo... e ah, não se sinta bobona, pq eu já chorei muito lendo comentários da minha fic!
    hehe...
    Bjs da Déh!!!

    ResponderExcluir
  67. MA-RA-VI-LHO-SA...simplesmente isso ...chorei tanto aqui de amor mais dificil esse da PP com Jake, cheio de traições, amores passados, teimosia, ciumes e pra completar uma sonsa/vaca/piranha/cachorra, sinceramente Emilly não merecia uma parente dessa não...e como Jake conseguiu fazer o que fez pq sinceramente por mais que ele estivesse bêbado ele ama a PP tem um imprinting com , por mais que seja perturbado mas é algo mto forte que nenhuma vaca pode atrapalhar e sinceramente nem Edward com todo aquele charme e beleza e tudo mais...mas vejo o lado da PP agora aquela vagaba esta gravida do homem que ela ama...eu acho que já está na hora de Jacob esquecer a Bella essa outra sonsa que não gosto nem um pouco poxa ele tb não se põe no lugar da PP pq por mais q a PP sinta alho por Edward (um carinho mto grande e admiração sei lá) ela não fica correndo atras chorando nem nada que ele faz pela Bella já estou com raiva por causa disso..se já não bastasse ela tem toda essa complicação da PP ser a conselheira e ter que viver pra isso...espero q Jake esqueça Bella de uma vez por todas já que ele agora sabe como se sentiria se a PP morresse, sabe que não pode viver sem ela..ah não sei o motivo q a PP tenha q proteger a filha de Bella masque seja por um bom por que sinceramente ainda tem q ajudar aquela songa monga...ah bem q o filho da Elise vaca não fosse do Jake sei lá a PP bem que poderia dar uma surra nela né?? falando em surra a PP podia dar uma na Bella tb né depois que ela já estivesse transformada?? só pra descontar a raiva que já fez pelo simples fato de existir né??... que a PP e jake possam ser felizes pelo amor quero mto ver a felicidades deles pelo menos um pouco não só no fim...que vez eu lembrar de algo..o que eles vão ter que descobrir juntos??por qual provação eles vão passar ?? ai meu gzuis medo profundo agora e se ela fizer a escolha errada??? não quero nem pensar..quero mto q a PP conte pra Jacob sobre eles dois e as vidas passadas..pra ele saber q apesar de tudo eles são predestinados e q o amor deles é eterno :D apesar das adversidades...não sei o que vai acontecer de agora em diante mas já fiz 45381083826614 suposições to mto curiosa ...pelo bem dessa leitora que já está roendo as unhas do pé ..post logo por favor o outro cap. por favor por favor por favor !!!!!! POR FAVOR!!!!!
    A fic é demais
    bjos da nova leitora fanática e louca :D

    ResponderExcluir
  68. Amei, que presente foi esse, Jess adorei essa att dupla, tava com uma saudade de metamorfose, lembra do que pedi no outro comentario??? Demora não flor!!!!
    Caramba pensei que tava tudo perdido quando eles disseram que matariam a criança, e siceramente ainda acho que vai ter confusão, que droga Sam nem deixou a pp explicar o porque a criança tinha que ser protegida.
    Gostei da atitude do Jacob e mrelação a traição, e agora sim sinto que os dois podem ter um final feliz antes eu já não achava mais que iso fosse possivel.
    A filha do Edward não podia ter um imprint melhor, Seth é o meu segundo lobinho preferido, to doiinha para ver o que vai acontecer agora.
    Agora eu pedido que não é a respeito de metamorfose, PELO AMOR DE DEUS QUANDO VAI TER ATT DE COFFEE GIRL quero ver se o Tay dobra a pp.
    Bjos

    ResponderExcluir
  69. Ain, que saudades dessa fic...
    E essa att dupla foi divinaaaaa!!!
    Nossa, Sam foi um estúpido, ele foi capaz de me banir?! Que cachorro!! E nem saber ouvir, ele sabe... não custava nada ele escutar o que a PP tinha a dizer. Aff!!
    Ain, Jake me defendendo e assumindo o posto de alfa foi incrível, adorei!!!
    A atitude de Jake em resposta ao que ele fez foi genial. Ele não usou desculpas esfarrapadas e assumiu total responsabilidade pelos seus atos. Ele realmente amadureceu.
    Tenho pra mim que depois dessa atitude, as coisas vão melhorar entre eles.
    Seth teve o imprinting pela Nessie, own, ele com certeza foi a escolha certa. Ficou linda a forma como a PP protegeu a criança e com certeza depois de tudo que ela disse, o Jake mais uma vez iria confiar nela.
    Amandooooooo, bjssss!!

    ResponderExcluir
  70. Que capitulo foi esse =O momento *eu sou o fodão* do Jake!
    o Seth sofrendo o imprinting...
    Adorei!
    Ainda bem q eu estava lá, senao o jake n ia ter parado...
    Posta mais logo por favor

    ResponderExcluir
  71. Leitora nova aqui!!!! Jessica, querida, o que eu faço com você mulher?? Cara***... que fic MARAVILHOSA!!!!! Você escreve muiiiiito! Comecei a ler ontem as dez e quase não parei de ler até agora e só parei pois ainda não tem att. O que alias eu vou implorar: Posta mais e que seja rápido!!!!
    Agora vamos comentar sobre a história. É simplesmente D+, mas eu tenho que dizer que as vezes da muiita raiva, outras eu chorei muiiitooo(ai minha lente que quase perdi umas cinco vezes kkkk). Um conselho. O neném, filho(a) do Jake, você bem que podia fazer com que a mãe ficasse doida tipo uma crise de ciumes, ou querer mais atenção do jake do que a criança e com isso fazer com que a pp tenha que ficar com a criança. O Seth ter sofrido o imprinting foi uma tacada meio que óbvia(desculpe, mas no momento em que ele admitiu que era apaixonado pela pp eu falei a filha do ed vai ter um imprinting com ele kkk), mais o que.... o casal principal é claro, a não ser que você ainda tenha muitas ideias pra fic, eu acho que eles bem que podiam se entender de vez né é sofrimento de mais pra um casal tao lindo!! bom acho que é só isso. qualquer coisa eu venho aqui e falo mais kkk, Bjos e até mais!!

    ResponderExcluir
  72. Leitora nova aqui!!!! Jessica, querida, o que eu faço com você mulher?? Cara***... que fic MARAVILHOSA!!!!! Você escreve muiiiiito! Comecei a ler ontem as dez e quase não parei de ler até agora e só parei pois ainda não tem att. O que alias eu vou implorar: Posta mais e que seja rápido!!!!
    Agora vamos comentar sobre a história. É simplesmente D+, mas eu tenho que dizer que as vezes da muiita raiva, outras eu chorei muiiitooo(ai minha lente que quase perdi umas cinco vezes kkkk). Um conselho. O neném, filho(a) do Jake, você bem que podia fazer com que a mãe ficasse doida tipo uma crise de ciumes, ou querer mais atenção do jake do que a criança e com isso fazer com que a pp tenha que ficar com a criança. O Seth ter sofrido o imprinting foi uma tacada meio que óbvia(desculpe, mas no momento em que ele admitiu que era apaixonado pela pp eu falei a filha do ed vai ter um imprinting com ele kkk), mais o que.... o casal principal é claro, a não ser que você ainda tenha muitas ideias pra fic, eu acho que eles bem que podiam se entender de vez né é sofrimento de mais pra um casal tao lindo!! bom acho que é só isso. qualquer coisa eu venho aqui e falo mais kkk, Bjos e até mais!!

    ResponderExcluir
  73. o segundo comentário é o que vale ok? ? o primeiro não saiu meu nome todo kkk

    ResponderExcluir
  74. Como eu esperei para poder dar essa surra na Isabella, e como foi bom. kkk
    Esse capitulo valeu a espera, mas eu estou em cossegas mesmo é por causa do proximo capitulo, ceus tomara que não demora não, to louquinha para ver o que vai acontecer.
    Sabe o Jake nessa fic foi muito idiota, por vezes senti vontade de que os dois não terminassem juntos, mas no meio de toda essa idiotisse d anbas as partes eu sei que existe muito amor e torço por um final feliz dos dois.
    Beijos, oh to esperando, agora vou correr para CG.

    ResponderExcluir
  75. Ohh, meu deus, enfim tive um fight com a songa, hehehehe E ela vai ter que me aguentar, isso é bom para mais de metro. Bem feita para a vadia. ¬¬
    E no próximo teremos a tão sonhada conversa, ain, me corroendo de ansiedade.
    Adorandoooooooooo, bjsssss!!!!

    ResponderExcluir
  76. Meu Deus!! Deia concordo plenamente contigo!! A muito eu queria dar uma surra na Bella desde os livros da Tia Steph. kkk A conversa tão esperada...
    ain posta logo Jessica porque eu vou surtar se demorar. Serio! Eu já surtei com o Tay no Rio agora se eu ficar sem att´s ai que eu piro mesmo!
    cara to louca pra saber o que mais vai acontecer. o encontro com os Volturi, o nenê do Jake etc.
    Bjos e até mais!

    ResponderExcluir
  77. \o/ ALEGRIA ME CONSUMA \O/ finalmente uma surra nessa songa monga da Bella ..se bem que eu achei que a PP podia ter batido mais nela ¬¬ ela merece apanhar muito, 1-pelo que ela fez o jake sofrer, 2- por ser chata, 3- por ter machucado o Jake, bom se eu começar a numerar aqui não vou parar nunca porque tenho muitos motivos pra não gostar dela e não gosto mais vamos continuar...Juro que eu senti uma vontade , pequena mais senti, de quebrar a outra perna do Jake agora ¬¬ como assim eu, quer dizer a PP, pegou pesado ????HELLOOOO será que ele sabe que ela quebrou a perna dele e ainda por cima é insuportavel ????? Esperava que ele ficasse orgulhoso que mesmo não estando juntos a PP foi lá e o defendeu daquela horrorosa idiota, se ela já era chata humana imagino agora ¬¬aff!
    Mas ele sempre tem que vir com uma frase do tipo "você pegou pesado." ¬¬

    Agora uma pergunta??? porque ele estava tão aereo hein??? com a cabeça em outro lugar??? estranho...o que sera agora? tirando o fato de que ele quer conversar e colocar tudo em pratos limpos?

    Meu coração não aguenta o estado de euforia e angustia que estou agora por causa dessa conversa , o que ele dirá? Ai meu gzuis....
    Acho que não suporto ate a proxima Att. vou ter um piripaque .

    nem preciso dizer que estou ansiosa pra ler mais né??? mas caso precise EU ANSIOSA PRA LER MAIS , por isso para conservar uma leitora, por favor poste outro logo XD

    bjos

    ResponderExcluir
  78. espero que ela perdoe ele.....
    sobre bela ela e uma vadia.....tem que mais que apanhar muito para deixar de ser songa monga....
    quando humano era uma idiota... agora ficou pior....

    ResponderExcluir
  79. eu simplemente amo essa fic, ela tem uma visão diferente do que pensamos sobre aa impressão dos lobos
    em momentos de descontrole eles podem sim errar e então cabe ao objeto do imprinting decidir se os perdoa ou não.
    estou anciosa para ler o desfecho desta história.
    postado por LUCYNDA.
    É,estou tentando voltar
    e muito feliz por vc continuar essa escritora maravilhosa que VC é.
    bjs e té a proxima att.
    obs.: consegui ler todos os captls de onde parei.

    ResponderExcluir
  80. Adorei o capitulo!!! Principalmente a luta hahahahaha adorei ver a Bella apanhando hahahahahahahha
    Quebra a perna do meu lindinho e acha que vai ficar por isso mesmo? NUNCA!
    Adorei Jess!
    To curiosa com essa conversa q eles terão... E seria bem legal q eles conseguissem se reconciliar e aproveitarem q estao na floresta pra... hahahahaha vc entendeu ne? =P
    Bjos e posta logo

    ResponderExcluir
  81. vleu jess, maais uma vez vc fez uma leitora feliz.
    eu sou meio suspeita em dizer isso por que eu simplesmente AMOOOOOO metmorfose.
    Adorei que a PP reconheceu que seu amor por jacob vai alem de qualquer obstaculo e assim o perdoou, mais eu bem que goataria de ver o filho dela nascer primeiro que o da vad... bom deixaa pra la,
    mas vc entendeu meu ponto de vista né?
    então bjs., bjs., de uma leitora satisfeita e feliz e até a proxima.
    postado por Lucynda

    ResponderExcluir
  82. Ate que enfim esse casal resolveu se acretar, demoro em...
    Que safado sugerir isso, mas quer saber acho que ele ta certo, o primeiro filho dele não vai ser o da Elise, por falar nela qual será seu final?
    To curiosa e com saudade das ceninhas pervas desses dois que eu amo.
    Quero att logo em?!
    Beijos

    ResponderExcluir
  83. Omg! Enfim eles se reconciliaram, foi lindo e emocionante, ameeeei!!! *--*
    E realmente a idéia de terem um filho primeiro que a songa da Elise foi genial. Toma sua vaca!! ¬¬
    Seria bom mesmo ela engravidar e conseguir dar um primogênito ao Jake, mas lá vem uma luta aí e não seria nada bom mesmo para o bebê. :\
    Mas o que importa mesmo é vê-los se dando bem, ain, amei, amei!!
    Bjssss!!!

    ResponderExcluir
  84. Eu nunca gostei de Isabella (nunca a chamei de Bella), agora gosto menos ainda!
    Afe! Quem ela pensa que é?
    UHU! CONSEGUI DAR UMA SURRA NELA! OBRIGADA MEU DEUS EU ADOREI! SÓ QUERIA TER ARREBENTADO MAIS ALGUMAS COISAS...
    Ela mereceu! Quem ela pensa que é para machucar o Jake? Desculpe, mas eu meio que estou torcendo para a Elise sofrer um acidente e morrer ou perder o bebê.
    Seth e Renesmee... Ah! Que lindo! E a Renesmee tão fofa! COMPLETAMENTE DIFERENTE DA MÃE!
    Sou 100% Alice Cullen. Prefiro ela à Bella. Legal essa história de alma gêmea, reencarnação. Estou meio que começando a acreditar nisso. Tããããão lindo! s2
    Atualize mais, autora. Eu estou adorando. É uma das minhas fics favoritas desse site (a outra é Lua de Sangue).
    Beijos e Abraços,
    Clery

    ResponderExcluir
  85. Realmente... Tá muito perfeita cara! E eu to muito ansiosa pra ver no que essa guerra vai levar. Preciso demais dos outros capítulos!
    Incrível como nunca li uma fic ruim nesse blog gente HAHHA CONITNUA PELO AMOR!

    ResponderExcluir
  86. Lindo, Perfeito, Maravilhoso!!! Eu simplesmente adorei o cap. Eles se reconciliaram!!! Ai que tudo!!!
    Bem que eles podiam ter um filho agora hem. Boa ideia a do Jake! Ahhh esse cara é o melhor com certeza!!!
    Amo de mais!
    Continua please! Espero pelo próximo cap. ansiosamente. Bjos até.

    ResponderExcluir
  87. Como vc me para agora??? ¬¬ Estou com vontade de ler sexo de reconciliação... u.u
    Fico feliz q eles tenham se reconciliado, mas ainda assim eu n queria q o filho da Elise nascesse u.u Ela podia ter um aborto espontaneo sei la, pra aprender alguma lição u.u Nao quero dividir meu Jake u.u
    Posta mais logo,bj

    ResponderExcluir
  88. Leitora nova!!!!!!!!!!!!!
    Amei a fic e quero continuar lendo. Com muita raiva da Elise, podia dar turo errado para ela aprender a não me separar do Jake. kkkkkk
    Quero ler mais então não demore a postar.
    Bijjos

    ResponderExcluir
  89. AHHHH
    Quase morri, que att tripla foi essa, que saudade que eu tava dessa fic, Jess pelo amor de nosso deuzinho me diz que vc não vai matar ninguem, que o Jake vai fica a salvo que vai dar tudo certo que eles vão ter um filho, não gostei desse presentimento dela.
    Eu também morro de medo disso quando escrevo se alguem que me conhece ler? Te entendo perfeitamente, e oh não fico ruim não, esperando pela proxima att semana que vem que pena que vão ser as ultimas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  90. Post. por Lucynda

    Que d+, att tripla, depois de tanto tempo sem metamorfose, vc não tinha presente melhor para nos dar, e que presente, com direito a cenas hots.
    A respeito disso, não se preocupe com o que vão dizer, vc é uma otima escritora, e acho que para isso, não tem que escrever coisas que agradão somente alguns(Jesus foi perfeito em tudo e nâo agradou a todos e nem por isso deixou de nos amar), tem que sber lidar e transmitir através da escrita emoções e conflitos interiores, sentimentos HUMANOS, pois é isso que somos e estamos sujeitos à todos eles, e não podemos ser hipocritas ao ponto de querer excluir as emoções que o sexo pode nos trazer.
    Vc foi perfeita, e acredito que em sua proxima fic, serás melhor ainda.
    Bjs. e até a proxima.

    ResponderExcluir
  91. Sabe oque eu acho ? a vadia Elise podia tah mentido e não estar gravida dele u-u o primeiro filho dele devia ser da PP , ache Poco a surra q a PP deu na bela u-u , e se foce o meu caso eu nunca teria perdoado ele rápido assim eu fazia ele sofre primeiro hahahahaha'#sou má , e essas senas hot emm adorei ele falando aquelas coisa #ui Hehehehehe' , Vc tem que postar mais kra *-*

    ResponderExcluir
  92. Ain, que saudades eu estava de metamorfose!! :(
    E não acredito que você fará isso com a minha pessoa... Como assim o maldito Aro me mtou? o.O
    Espero sinceramente que seja uma trollagem. u.u
    Não quero ficar sem meu lobinho. :'(
    Buáaaaaa!!!!
    Não seja má Jess!!!
    E quanto a cena hot... minha nossa senhora, não precisava ter tanto receio, ficou maravilhosa. Nuss, realmente fazer as pazes foi incrível, ulálá.. Mas também sendo o meu moreno né... tudo fica incrível, ai,ai...
    Então não ouse me matar, please!!!
    Amandoooooo demais, demais!!!
    Bjinhosssss!!!!

    ResponderExcluir
  93. Jess eu sou sua fã leio todas as suas fic'scg,metamorfose e a escolhida junto com outras tantas aqui do blog mais isso vc já sabe né vc ve meus comentários.

    Em relação a fic s sou muito boba tenho cada reação lendo os capitulos(#previsa ver) coitado do jake e dos cullens.sabia q vc me fez chorar com esse capitulo? na hora eu pensei q ia aparecer alguém ou q fosse só uma visão com no filme mesmo.

    Como assim acabou?? essa fic é mais uma que irá deixar saudades

    ResponderExcluir
  94. Meu deus...
    deixa primeiro eu parar de chorar depois eu comento.
    Sabe aquela sensação de ser capaz de senti o frio da lamina adentrando no peito, e o corpo todo gelar?
    Foi isso que enti agora lendo essa capitulo.
    Mas eu ainda acredito que a magia que a pp carrega no sangue vai fazer ela ressuscitar e ela e o Jake vão ter os filhinhos deles e quem sabe ela não esteja gravida e essa essa criança que a traga novamente a vida em?
    Sif, snif, que do do meu Jake, Jess é com a cara do gato do shrek que te peço, mata eu não, sei que seria um fim memorável para a pp, mas e como os outros ficam?
    Aim, não sei mais o que pensar, esperando ansiosa pela próxima atualização.
    Ja ta ate dando saudade dessa fic diva.
    Beijos

    ResponderExcluir
  95. Ahhhh perfeito demaiiis!

    ResponderExcluir
  96. Uma conselheira sem descendente em vida não pode morre né ... Então please não a mate, eu me apaixonei por essa fic ...

    ResponderExcluir
  97. Senhoooooor, o que foi esse capítulo??? MEU DEUS, eu to chocada até agora, ela não pode ter se entregado assim, deveria haver outra maneira!!
    Realmente espero que ela não morra, seríssimo, preciso da PP com Jacob, e devo admitir que ,eu coração deu um nó imaginando-o lá chorando...
    QUE O ULTIMO CAPITULO VENHAAA

    ResponderExcluir
  98. Eu gostaria muito de conseguir descrever o que eu estou sentindo, porem eu não consegui pois nem eu mesmo consigo decifrar. Este penúltimo capitulo fez todas as minhas emoções se agitarem dentro de mim, por um lado eu estou triste por a fanfic estar chegando ao fim, mas a mesmo tempo eu estou feliz porque quanto ela chegar ao fim eu ire saber o final. Mas uma coisa eu sei vc é uma ótima escritora e eu vou sentir saudades dessa fanfic linda

    ResponderExcluir
  99. O que? Jesus to sem reação. Ela não pode se entregar assim. Não,eu não aceito isso!! E o Jake? O Edward? Os outros que a amam? Jass posta o ultimo cap logo isso não vai nem pode continuar assim ela vai reviver sei la alguma coisa TEM que acontecer!!!Continua!!!

    ResponderExcluir
  100. Não entendi, se o intuito do capitulo era fazermos chorar realmente vc conseguiu, não acredito que passamos tudo isso pra morrer no final, isso não é justo, me desculpe mais to até agora em prantos e inconformada. Por favor, não deixa a PP morrer, vai ser muito triste e injusto. Desesperada para o ultimo capitulo espero que seja um final feliz.
    Vc é uma ótima escritora, parabéns.

    ResponderExcluir
  101. Primeira vez q leo a fic e chorei litros no penultimo capitulo....
    Amei a fic, tem um desenrolar dos fatos surpreendente e altamente cativante.... o tipo de ficq eu releio mesmo sabendo de cor e salteado, de tras prea frente e afins.....
    To ansiosa pelo final....
    Adorei as citacoes as musicas do MCFLY.... e dificil achar autoras que facam essa mistura.... eu particularmente gosto...
    Parabens pela fic e por escrever bem....
    Bjos

    ResponderExcluir
  102. PUTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA QUE PARIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIU!
    EU NAO ACREDITOOOOOOOOOOOOOOOO! NAAAAAAAAAAAAAAAO! É MENTIRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! PORRA! ME DIZ QUE É MENTIRAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!
    ALGO MÁGICO TEM QUE ACONTECER...ELA PRECISA SOBREVIVER! NÃO É JUSTO! AHHHHHHHHHHHHH! SE ELA MORREU MESMO E NAO VOLTAR... EU VOU ATRÁS DE VOCÊ TE MATAR! ARGGGGGGGGH! POSTA LOGO ESSE FINAL(FELIZ)! SE NÃO EU ENLOUQUEÇO!

    ResponderExcluir
  103. MEU DEUS ESSA FOI A MELHOR FIC DO MUNDO METAMORFOSE PENA QUE ROSE, EMMET,JARED MORREU MAIS MESMO ASSIM AMEI TUDO ISSO VC É A MELHOR ISCRITORA.BJS

    ResponderExcluir
  104. 2 TEMPORADA POR FAVOR EU AMEI ESSA FIC SE NAO TIVER 2 TEMPORADA VOU FICAR TRISTE JESSICA VC É DE MAIS FABULOSA

    ResponderExcluir
  105. Melhor final n poderia ter,no começo eu fiquei triste e como é de praxe chorei com jake mais é pq eu pensei que o final seria mesmo esse jake sem a pp,mas você me surpreendeu com a volta dela .Lindo aquilo! Depois ela ainda acaba adotando o filho de Elise e o criando e o amando com se fosse seu e pra coroar tudo isso ela está gravidissima de uma garotinha.Ah que amo esse final!.
    Quanto a dedicatória é a mais puraverdade,eu gosto sempre de dizer,demostrar a verdade sendo falando ou demostrando meus sentimentos as vezes faço isso muito diretamente ou indiretamente e a vrdd sobre metamorfose é que AMEI.
    Ah e quanto as outras fics vou cont marcando pressença sim sempre.

    ResponderExcluir
  106. POST. por Lucynda
    Não sei como descrever o que estou sentindo, primeiro fiquei indignada, triste, decpcionada e bem eu quase surtei, mas em seguida li o ultimo capitulo e fiquei com um misto de alegria e tristeza, alegria porque adorei o final que vc deu a historia e triste porque vc deu um final a historia.
    Eu decidi ler os 2 ultimos capitulos juntos e me fixei tanto lendo que quando a ficha caiu era o fim e eu tenho que confessar, vc me fez chorar no final, mas valeu, se eu ja gostava do seu modo de escrever antes do final agora sou MAIS uma fã sua, sim mais uma, por que ai em cima ta cheio de fãs.
    espero poder ler logo suas outras fics.
    Bjs. de uma leitora muito, mais muito stisfeita mesmo.

    ResponderExcluir
  107. UFAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! Que alivio vc me deu! Nao era possivel q ela morresse dps de tudo o q passaram... Seria mta sacanagem! Bendita foi a falta de uma herdeira O/
    Meu coração ficou aos frangalhos com o choro e desespero do Jake...Tadinho do meu caramelinho...
    Esse final ficou mto fofo... Com o Jared... Quem diria ne? Ao menos a Elise morreu... BEM FEITO! u.u
    E pode dormir tranquila Jess... Nao irei mais atras de vc pra te matar hahahhahaha
    Enfim, flor sua fic foi maravilhosa! Adorei muito! Meus parabens!

    ResponderExcluir
  108. Nossa, meu core agora está batendo mais aliviado. Meu deus, que bom que a PP ainda não teve sua herdeira. Iupiiii!!! Quem diria que isso iria salvá-la. ^_^
    Ain, Jess, ficou tudo tão perfeito, chorei junto com o Jake a minha própria morte. :'( Tadinho do meu lobinho, realmente se tivéssemos lembrado dessa pequena fala de Wacanda não teríamos morrido antes do tempo. ¬¬ Pois eu tinha falecido junto com a PP. u.u
    E o final foi perfeito!! *o*
    Acabamos cuidando do filho de Elise, ela ter morrido no parto foi triste, mas cá entre nós, ela mereceu ter um fim assim. u.u
    E agora estamos livres dos Volturis, pois eles pensam que euzinha estou morta. u.u hehehehe Chupa sanguessugas!
    E nossa herdeira está a caminho. ^_^ Uhuuuuuuu
    Ain, a homenagem aos que faleceram ficou maravilhosa. É uma pena que eles tiveram que morrer, mas ainda continuaram vivos de um modo ou de outro nas lembranças daqueles que os amaram.
    Nossa, vou sentir falta dessa estória... foram tantos dias e meses acompanhando. :'(
    Me apaixonei pela fic e ameeeeei demais cada capítulo!!!
    E não precisa pedir, já estarei acompanhando todas as suas fics. Pois amoooo demais a sua maravilhosa maneira de escrever.
    Mais uma vez, meus parabéns por essa estória magnífica que com certeza vai deixar saudades. Eu já estou. u.u
    Bjinhossssss e até a próxima, Jess!!!

    ResponderExcluir
  109. AHHHH! Que lindooo! Final perfeito!!! Amei a fic. Vou sentir falta! tenha certeza disso Jess!!!
    Bem feito pra Elise! Tadinha da Rose!E o Emm e o Jared! Volturi's filhos da mãe!!!! Que ótimo q a PP voltou!! lindo, perfeito! Ai nem sei mais o que dizer!! Bom acho que... bom vou continuar lendo suas fic porque cara se escreve muito! e vou sentir saudades dessa(acho que eu ja disse isso). e até a próxima! Bjoss

    ResponderExcluir
  110. vc devia fazer uma fic com a filha da pp eu amo de mais essa fic a melhor fic bjsss

    ResponderExcluir
  111. Adorei, amei, foi incrível, espetacular, maravilhoso, ha que palavras mais usar, que saudade vou sentir dessa fic diva.
    Que bom que eu acertei o final, nõ conseguiria pensar em um Jake sozinho, e quanto ao filho dele com Elise, eu sabia que a pp iria cria-lo como se fosse dela, amei.
    Jess, vou sentir muita falta dessa fic, só não demora com as outras não ta, se não morro de ansiedade.
    Que lindo o final, esses dois mereciam toda a felicidade do mundo depois de tudo que aconteceu.
    Há, amei ver meu nominho escrito nas dedicatórias, somos nao que temos que agradecer por nos presentear com essa fic diva.
    Beijos té mais.

    ResponderExcluir
  112. AAAAAHH SEM PALAVRAS!!!
    Você está de parabens!
    simplismente me apaixonei por esta fic,simplesmente P-E-R-F-E-I-T-A,
    Adorei cada palavra de cada capitulo...
    Vai ter Metamorfose II nér??
    espero que sim!!
    Essa é uma das melhores fics que eu ja li sem dúvida!!
    U.u a PP podia ter batido mais na Isabella(Cobra)Swan não?! rsrs ameeeei. Nos últimos capitulos mal conseguia ler por causa das lagrimas nos meu olhos...
    s2s2s2
    bjos bjos
    -Joyciane Clearwater

    ResponderExcluir
  113. Apaixonei!!!
    Até chorei no final que a PP morre, mas ai depois que vi ela ressuscitar, comecei a rir de alegria! As perdas no final me deixaram triste, mas foi parte da história. E o Jake, depois de altos e baixos, finalmente eles pararam de brigar TANTO quanto deveriam.
    Simplesmente apaixonada e sem nenhuma palavra a não ser.... Fantastica!
    Tá de parabéns, ela é incrivel!

    ResponderExcluir