17 de fevereiro de 2011

Lendas da Paixão

| |
Lendas da Paixão






( n/a: não sei a autoria da capa, só achei no google)






Capitulo 1- Lembranças


Querido diário,
Agora eu sei que tudo vai mudar.....desde a morte da minha mãe as mudanças não param de acontecer , mais agora elas parecem piores, Deixar New York será um tarefa difícil , as lembranças mais vivas da minha mãe estavam aqui , seu cheiro, os moveis que ela escolheu , a decoração calma e colorida que trazia paz e......saudade, contudo a mudança mais drástica e dolorida será a que vou passar dentro de alguns instantes, o casamento do meu pai... não sou o tipo de filha problema que não aceita que o pai case de novo , não.... mas é complicado , é impossível esquecer tudo e recomeçar, quando se está terminantemente presa ao passado, e o maior problema é que eu não quero recomeçar, não quero esquecer... mas não me restam alternativas se meu pai e meu irmão estão bem , eu vou ficar também....ou pelo menos tentar .
.


Descansei o diário no colo e comecei a deslizar o dedo pelas palavras que tinha escrito, eu me contentava com a felicidade deles, isso bastava.Eu estava sentada no parapeito da janela do meu quarto, olhava a movimentação no jardim de casa , convidados, amigos, parentes, todos estavam presentes e prestigiavam meu pai, o jardim estava perfeito, flores espalhadas em arranjos em tons de lilás , bancos na cor de marfim davam uma elegância desnecessária ao jardim ... Ele já era perfeito, era estranho o fato de minha mãe te-lo feito e agora papai estar usando-o para se casar de novo, seria uma traição? ou mamãe ficaria feliz? o fato é que jamais saberia.

Olhei ao para trás e me perdi olhando meu quarto, me assegurando que guardaria em minha memória tudo ali, as paredes em tons claros de rosa , não deixei que tocassem na decoração, ela foi feita pela minha mãe , com todo o carinho e amor que podia, as cômodas brancas, e os furos na parede por conta dos quadros que eu arranquei a força, aquelas marcas que não estavam apenas na parede, estavam no meu coração, me lembro do dia em que fiz aquelas marcas na parede ,um dia que ficou marcado para sempre , o dia que perdi minha melhor amiga... minha mãe.

FLASH BACK
Estávamos todos na sala , minha mãe entrou trazendo um bolo com treze velas ,escrito ''PARABÉNS " e colocou-o em cima da mesa começando a cantar Parabéns, minha familia sempre me surpreendia , não sabia da festa organizada, quem dirá do bolo.

-faz um pedido amorzinho- Minha mãe disse me segurando meu cabelo para que assoprasse as velas.

Mais pedir o que? eu tinha tudo que uma pessoa queria, um irmão mais velho protetor e amigo, um pai palhaço e brincalhão , e uma mãe amiga e confidente, tudo que alguém pode querer.

-Pede uma namorada pro seu mano!- Edward disse fazendo com que todos ríssemos .

-Não liga pro Ed florzinha, peça o que seu coração mandar -mamãe disse.

E eu pedi, pedi que tudo fosse assim, que tudo continuasse assim para o resto da vida, e com um assopro acabei com as 13 velas acesas, fazendo com que todos batessem palma.

- Amor , o refrigerante acabou, eu vou buscar mais- meu pai falou pegando a chave do carro.

- Não , amor, deixa que eu busco- minha mãe disse dando um beijo nos lábios do meu pai- Só cuide das crianças tá amor? seja um bom pai como sempre foi, cuide deles ...

- Credo Renee, parece que você está se despedindo- meu pai disse rindo.

- Não estou me despedindo só senti que precisava te dizer isso- minha mãe disse rindo também - há!! espere eu tenho um presente , na verdade é um para cada um de você- minha mãe disse apontando para mim e meu irmão.

- Obá! o aniversário é da minha irmã e eu também ganho? - meu irmão perguntou rindo.

- Você ganha pro que é um conjunto - minha mãe disse.

-Como assim um conjunto? - eu perguntei.

-Olhe - minha mãe disse retirando um bracelete e um colar de um saquinho de presente- são símbolos de uma tribo, lembra que eu disse a vocês que morei em Forks quando era pequena? , pois então ,eu ganhei de um senhor esse colar e esse bracelete quando fui visitar La Push, o senhor me explicou o significado e disse que eu devia dar isso as pessoas mais importantes da minha vida, eu era pequena e os guardei sábia que chegaria o momento certo , e vejo que chegou.

minha mãe colocou o bracelete em Edward e depois o colar em mim.

-Qual é o significado mamãe?- Edward peguntou.

-O seu bracelete que dizer proteção, aquele que deve proteger , e você tem que proteger sua irmã amor , tem que se proteger.

-Do que mãe?

-Na hora certa saberá- minha mãe disse abraçando meu irmão e dando um beijo em sua testa- E o seu quer dizer guardiã , aquela com o maior poder existente...

- Que poder ??- perguntei achando que minha mãe estava ficando louca .

- o amor , , o amor, ele cura tudo, feridas , machucados , tudo imáginavel...

- Que louco... - meu irmão disse examinando seu bracelete.

-É eu sei, também pensei isso- minha mãe disse - quando ouvi o senhor dizer isso.

-Só eu fiquei sem nada ... - meu pai disse fazendo bico e fazendo-nos rir.

-O nosso símbolo está na sua mãe esquerda amor, no seu dedo anelar, esse anel de ouro que é a herança do nosso amor, esse anel que me deu no dia que nos casamos...

-É o símbolo mais lindo que já vi- meu pai disse , beijando minha mãe nos lábios.

-Agora deixa eu ir logo - minha mãe disse-Vou voltar logo, antes do que imaginem , eu prometo!.

- Mãe dexa quieto, acho que os convidados nem querem mais refrigerente.

-Eu não vou deixar que falte nada aos convidados filho! além do mais o mercado é no próximo quarteirão de carro é rápido!

-Ok , então até logo mãe.- Eu falei sendo seguida pelo meu irmão.

- Até logo amor,- meu pai disse.

-volto logo..

mamãe dobrou o quarteirão e eu subi ao meu quarto para levar os presentes que avia ganhado, um som de pneu cantando invadiu meu quarto. cerca de segundo o telefone tocou papai ficou tão pálido e deslizou até o chão, lágrimas o cercaram.

-Rnee.....-Foi o que ele disse.

Eu gritei e corri , corri o máximo que pude, soluçava quando cheguei ao local do acidente, a apenas um quadra da minha casa, vi minha mãe no chão , o sangue escorrendo, e a vida da minha mãe se esvaindo . Me ajoelhei ao seu lado sendo seguida por meu pai e meu irmão.

-Amo.... A....Amo vocês...

Essas foram as últimas palavras dela, meu irmão me levou para casa , eu ainda não tinha absorvido tudo, foi quando a fixa realmente caiu, eu gritava descontrolada, corri até meu quarto e me joguei na cama, ergui os olhos e vi os quadros, todos felizes e minha mãe..... comecei a arranca-los da parede e joga-los num canto do quarto soluçando e gritando, chamando pela minha mãe...
FIM DO FLASH BACK

Um motorista bêbado que ultrapassou no sinal vermelho matou minha melhor amiga naquele dia, mais ele não matou só ela , ele matou minha familia também, matou um pouco de cada um de nós , depois daquele dia viver era mais uma obrigação, não tinha sentido, meu irmão se fechou para o mundo, abandonou tudo que gostava, meu pai deixou de sorrir e eu... nunca mais fui a mesma , nunca mais toquei piano, nunca mais...

-Papai que falar com a gente mana- meu irmão disse entrando no meu quarto e sentando ao meu lado- Você estava chorando?

-Não....

-Seus olhos não mentem....

-Só estava recordando...

-Olha , ,sei que esta sendo difícil, mais por favor, papai esta feliz , pelo menos finja que está também - ele disse secando minhas lágrimas

- Ok...

Fingir, algo que eu nunca soube fazer, algo que odiava fazer...mais faria se fizesse papai feliz .

-Vamos ?

- vamos.

Entramos no escritório do papai e eu o vi, ele estava atrás de sua mesa , assim que nos viu veio nos abraçar, deu um beijo em mim e outro no Ed.

- Eu amo vocês mais que minha vida, vou cuidar de vocês sempre, vocês sempre vão ser meu primeiro plano viu ? sempre vou ama-los mais que tudo no mundo..

-Nós também pai - meu irmão disse.

-É- Sussurrei, sabia que quanto menos falasse melhor sairia, pelo manos não falaria besteira.

-Vocês vão gostar de Forks, eu recebi proposta muito boa de emprego, vão fazer novos amigos....

-E eu vou arrumar namorada....- Edward disse rindo.

- E quem disse que eu vou deixar?-Falei rindo, era incrível em como ficar com eles me fazia ficar feliz mesmo estando triste.

-Mais que irmãzinha ciumenta eu fui arrumar eim ??- ele disse bagunçando meu cabelo.

-Eiii cabeçudo, olha o penteado !! vai estragar!!- eu falei.

-Falando em penteado , não acha que este vestido está grudado de mais ao corpo não?

-Olha, quem escolheu foi a Esme estão se acha que eu estou feia vai reclamar com a noiva, e não comigo...

-Não estou falando que está feia só acho que é nova de mais para usar um vestido como esse!

-Ha, fala sério eu tenho 16 anos!!

- mais eu tenho 18 , sou mais velho e responsável por você!!

- Não vem não Edward !!

-Dá para parar vocês dois!- meu pai falou rindo -Se quiserem continuar tudo bem mais eu tenho um casamento para ir, que a propósito começa daqui a cinco minutos!

-Ok vamos!- eu falei entediada.

- posso te pedir um favor?- meu pai perguntou e eu assenti - Vai até a Esme e Vê se ela precisa de ajudar ?

-Eu......C-laro,- Não gagueje , não gagueje.

-Obrigada!

Eu caminhei até a porta e bati

-Entre.-ouvi a voz da minha Madrasta .

Entrei e fiquei deslumbrada com o que vi, Esme estava linda, seu vestido caia perfeitamente , deslizando até o chão.

-Nossa a .... a senhora está perfeita- Eu falei.

-, não me chame de senhora querida , não sou tão velha assim - ela falou rindo- |Na verdade nem eu nem seu pai...

-É eu sei...meu pai teve o Ed cedo, minha mãe tinha.....- Não terminei a frase uma lágrima escorreu de meus olhos- Me desculpe !

- Não tem problema amorzinho- ela falou me dando um lenço- Eu JAMAIS quero substituir sua mãe , ela ficara sempre aqui, ela esta em você, no seu irmão e no seu pai, eu amo você , você é a filha que Deus não me deu, você e seu irmão são tudo para seu pai e pode ter certeza que são para mim também.

-Eu gosto de você Esme , só que eu não superei a perda da minha mãe...-falei soluçando.

-Eu sei... mais sabe eu estou disposta a esperar!!- ela falou se levantando e pegando um kit de maquiagem- Posso?-ela perguntou indicando.

-Claro.-sussurrei .

- você está tão linda !!- Esme disse terminando a maquiagem

Eu apenas ri e a abracei.

-Obrigada Esme, por tudo de verdade!- falei dando um abraço ainda mais apertado nela- E cuide bem do meu pai tá?

-Vou cuidar flor!! e vou cuidar de você e do seu irmão também!

Eu entrei com meu pai e Edward acompanhou Esme, o casamento não foi tão ruim quanto esperava, na verdade não fiquei com odio, me emocionei, algo que não pensei que fosse capaz, a conversa com Esme me acalmou , e por incrível que pareça eu senti a presença da minha mãe, senti ela do meu lado, e ai sim eu cai na real que aconteça o que acontecer eu tenho meu pai e meu irmão sempre comigo, eles e agora a Esme são minha familia, não vão me abandonar nunca.

A festa foi mais divertida do que esperava, mais depois quando o sol estava raiando e todos estavam dormindo um sentimento de dor voltou a me invadir , o que eu fiz foi traição não foi?

Abri meu diário e comecei a escrever....

Querido diário,
Hoje me dei conta de que por mais que minha mãe tenha morrido , todos nós continuamos vivos, quer queiramos ou não, eu jamais vou entender o por que de Deus te-la levado e nós deixado aqui , mais depois me arrependi, não devia ter me divertido! MINHA MÃE ESTÁ MORTA E EU ESTOU AQUI rindo e brincando, devia ter ficado triste e não feliz.....
Me sinto tão confusa! hoje é o dia da viagem, papai e Esme não Fizeram Lua de mel, ela não se preocupou disse que quer ir logo, será que eles me deixariam aqui se eu pedisse?
.

Deitei na cama e deixei meus pensamentos flutuarem pelo quarto quando ouço a porta batendo, levantei e fui ver quem era.

- Teve um pesadelo garotão?- perguntei rindo do meu irmão.

-é quase isso... olha sei que sou mais velho , mais eu preciso de colo e você sempre me deu- ele falou meio sem graça.

Eu puxei-o pela mão e deitei sua cabeça no meu colo, ficamos algum tempo assim, o silêncio nunca foi constrangedor para nós dois, Edward e eu tínhamos uma ligação de amizade que vai além das formas imagináveis.

-Sabe no que eu estava lembrando?- ele perguntou.

-No que?

- De quando eramos pequenos e a mamãe recitava aquela poesia lembra?

-Claro...

E juntos começamos a recita-la.....


SE UM DIA SE ESQUECERES DE MIM
NÃO PENSE QUE É O FIM
VOLTAREI PARA LHE LEMBRAR
ESTAREI LÁ PARA LHE ACALMAR QUANDO CHORAR
SE OLHASTE PARA A AREIA DO MAR
E MEUS PASSOS NÃO ENCONTRAR
NÃO TEMA PEQUENINO GRÃO DE ÁREIA
SÃO SEUS PASSOS QUE NÃO ESTÃO GRAVADOS NA TEIA
VOCÊ NO COLO E ESTAVA A CARREGAR
SE AS PALAVRAS FOREM ESPALHADAS AO TEMPO
SE AS LÁGRIMAS FOREM JOGADA AO VENTO
SÓ A UMA COISA A SE LEMBRAR, EU ETERNAMENTE VOU TE AMAR


E aquelas foram as últimas palavras antes de um sono profundo me invadir, senti porem uma mão escorregando pelo meu rosto, mais não era meu irmão, era uma fumaça, eu sorri e lembrei de minha mãe.

-Te amo para sempre mamãe- sussurrei de modo quase impercepitível mais senti a fumaça mais uma vez acariciar meu rosto, e depois cai no sono profundo .





Capitulo 2- A Herdeira


Querido diário,
Não consigo...... não consigo viver, não consigo..... eu fico feliz, até uma certa hora, até a realidade bater em meu rosto, até ela chicotear minha alma, até o sol raiar mostrando que mais um dia sem uma resposta, sem um significado para viver , até a realidade me mostrar que nada vai ser como antes.... mesmo eu tentando , mesmo Esme esperando... mesmo meu pai tentando recomeçar... mesmo assim, não vou ser a mesma , nunca mais, minha mãe morreu naquela noite do meu aniversário, e junto com ela foram meus sonhos , eu fui junto, uma parte minha morreu com ela, a minha melhor parte, acabou, não sei o que estou fazendo aqui, não sei quem sou, por que estou aqui ... sentada em uma cadeira ao lado do meu irmão , ouvindo os planos do meu pai para a nova cidade,e me perguntando ......... por que eu continuo vivendo??

.


- Querida o que você tanto escreve neste livro?- Esme perguntou.

- Ele é meu diário......

- Que lindo!! Você tem diário? As garotas de hoje em dia geralmente não tem, acho bonito ter um, nunca consegui escrever em um diariamente!!- Ela disse rindo segurando a mão do meu pai.

- Não escrevo diariamente, só quando os pensamentos são tantos que minha mente não suporta guardá-los, ou quando um sentimento é maior do que meu coração suporta carregar, um simplesmente para esquecer... No caso isso sempre dá errado eu sempre acabo lembrando, algo que queira esquecer... -deixei as frases morrerem.

Todos ficaram quietos, eu não liguei, olhei pela janela e encostei minha testa no vidro, deixei minha mente vagar e acabei adormecendo, com a cabeça encostada naquele vidro frio, tão frio... Lembrava minha vida...

PDV EDWARD
As palavras da minha irmã foram tão sinceras e verdadeiras que ela soube demonstrar o que estava sentindo, na verdade aquilo era o que nós sentíamos, era um grande vazio, minha irmãzinha, tão pequena e já lidava com a dor de perder alguém... Na época minha irmã tinha 13 anos, foi no dia do aniversário dela, jamais comemorou um aniversário depois disso , não a culpava.... no dia em que minha mãe se foi ela disse que eu era o protetor, eu vejo a verdade daquelas palavras , a realidade , eu era o protetor da , eu tinha que protegê-la , tinha que ajudá-la, tinha que protegê-la...........

Vi que ela avia adormecido e coloquei sua cabeça em meu ombro, olhei para meu pai e ele sorriu...

- Você é um ótimo irmão Ed- meu pai sussurrou.

- Tenho que protegê-la , principalmente deste frio!- falei rindo.

- Você é um bom garoto Ed- minha madrasta disse- Não se esqueça disso viu querido?

Eu encostei minha cabeça na cabeça da e senti meus olhos pesarem e o mundo dos sonhos me invadirem.

PDV CARLISLE
Ver que Ed e eram unidos era o que mais me alegrava. Eu sempre soubera que não superara a morte da mãe, nem Edward , mais ele superava aos poucos, já guardava para si e para o diário seus pensamentos , isso me assustava, eu sentia vontade de abraçar meus filhos e ouvir o que eles pensam, mais isso nunca foi possível com , Edward sempre se abriu e me contava o que contaria para uma mãe, mais se reprimia em seu diário, guardava-se para que ninguém soubesse de seus pensamentos...

- Ela precisa de tempo, amor, - Esme disse- Ela precisa de espaço, vai se adaptar aos poucos...

- Obrigada por tudo amor, por cuidar deles por mim- falei segurando sua mão. Obrigada...

- Não há de que, eles são como se fossem meus filhos- ela falou olhando Ed e - Amo eles como se fosse.....

- Mãe?- perguntei

- É , mãe...- ela sorriu- Mãe de duas crianças que precisam de uma - ela disse apontando para e Edward.

Eu sorri e deitei sua cabeça em meu ombro adormecendo poucos segundos depois...

PDV ESMEE
Meu coração se despedaçava quando via tão triste, ou quando via Ed olhando um porta retrato na sala, quando Carlisle me pediu em casamento, pensei que as crianças não aceitariam, foi bem pior..... Eles se fecharam de tal forma que até Carlisle não conseguiria um desabafo de seus filhos, Edward sim, mais era complicado, no dia do meu casamento ela me permitiu isso, não foi apenas o dia mais feliz da minha vida por estar me casando com o homem que amo e construindo uma família com ele , mais por que ela me permitiu ser sua mãe, ela com aquele simples fato de desabafar que sentia falta de sua mãe e que não superou sua perda, eu sei como é perder alguém.... sei como é perder a razão de sua existência, sei de perder o controle e fazer besteiras, sabia o que sentia, ela tinha que continuar, assim como eu continuei , vou ajudá-la , prometi a mim mesma.

O sono me invadiu e deitei minha cabeça no ombro do meu marido, um sonho invadiu minha mente.....

Eu estava em um quarto escuro como se fosse um porão, ouvi os gritos de uma pessoa, fui mais adiante e percebi que se tratava de uma mulher dando a luz, cheguei perto o bastante e vi que se tratava de , um rapaz a segurava , ela se contorcia de dor e choramingava, o rapaz parecia desesperado ...

- TIRA ELA DE MIM! TIRA ELA DE MIM AGORA!!! ELA ESTÁ SUFOCANDO!! TIRAAAAAAAAA JACOOBBBBBB- ela gritava.

De repente o sonho mudou, Eu estava em um campina florida, nas cores de Lilás e branco, uma linda garotinha corria pelas árvores e avia um casal sentado na campina, seus rostos estavam fora de foco, dava para distinguir que se tratava de um casal, talvez a menina fosse filha deles, o moço abraçava a moça e os dois riam a menininha corria brincando... mais ela corria em uma velocidade incrível , ela não era humana, ela virou seu corpo em mim direção e sorriu para mim, fiquei sem reação, a garota era tão linda que chegava a ofuscar meus olhos , ela correu em minha direção , eu fiquei parada mais a moça a chamou:

- Onde vai amorzinho?- ela falou virando o rosto.

- A vovó mamãe, ela esta aqui , bem ali ô?- ela falou apontando em minha direção.

- amor a vovó está em casa , não tem ninguém ali!- o rapaz que agora dava para ver o rosto, ele era moreno e alto, forte e musculoso, tinha feições de um adolescente de 18 anos,parecia com o rapaz que avia feito o parto... mais não, ele não podia ser pai daquela garotinha, ele era jovem de mais.

A moça virou o rosto e eu me assustei , era , só que sua pele brilhava como se fosse cristal , ela tinha os olhos em um ouro puro, tão linda.... mais também com feições tão.... perigosas

-Papai mais eu tô vendo Ô?- a garotinha tornou a mostrar o lugar onde eu estava- Por que não vêem??

- Não sei amor, mais a vovó esta em casa lembra?- o rapaz disse.

- NÃO! a vovó esta aqui! bem ali- ela correu em minha direção e disse- Diz para ele vovó ! diz para a mamãe que a senhora está aqui!

Eu fiquei paralisada, me abaixei para ficar em direção a garotinha e sussurrei:

- Quem é você ?

- sou sua neta horas, lembra?- ela perguntou.

O rapaz e ficaram assustados, olhando para o nada e me procurando.

- Filha ,Para você esta me assustando!- disse a menina.

- Mais é a vovó mamãe!- a garotinha começou a chorar.

O rapaz veio até ela e mostrou a entrada da campina , onde quatro pessoas chegavam, elas foram se aproximando e conforme o sol batia suas peles brilhavam de uma forma encantadoramente perigosa.

- Olha a vovó lá amor !- a rapaz mostrou para uma mulher que entrava na campina só ai eu distingui quem era... eu, em uma forma muito mais linda, olhos da cor do de , ao meu lado vinha Carlisle, Edward e uma moça Perfeita, cabelos cor de chocolate e olhos em um ouro profundo assim como todos ali com exceção do rapaz pai da garotinha .

- o que ouve- O meu outro eu chegou perto da garotinha tomando-a nós braços e a ninando .

A menina só começou a soluçar causando o espanto de todos.

- O que ouve amorzinho- Carisle perguntou pegando a menina no colo.

- A vovó, vovô, a vovó tá ali- ela apontou para mim - e está aqui também - ela apontou para meu outro eu- Estou ficando louca!!

Todos olharam espantados e depois...


-Amor acorda... - ouvi Carlisle me chamando.

- EU , O QUE?- gritei assustada.

- Estava tendo um pesadelo amor, - ele falou me beijando.

- Não!! Parecia real de mais, estranho demais, - falei enxugando a testa cheia de suor.

- Tudo bem, fique calma... - ele falou

SENHORES PASSAGEIROS DO VÔO 125, APERTEM SEUS CINTOS DE SEGURANÇA QUE O AVIÃO JÁ VAI POUSAR, AGRADECEMOS A PREFERÊNCIA! OBRIGADA!

Soltei meu cinto e fui apertar o de Ed e que ainda dormiam tranquilamente, apertei o cinto deles e coloquei o meu, enquanto o avião pousava só pensei em meu sonho, me perdi olhando dormindo, Será que seria real ?? será que aquela menininha linda era filha da , da Minha querida ??




PDV



Dormi praticamente o vôo inteiro, isso foi bom, não avia descansado desde ontem a noite por causo da festa de casamento....casamento, é , voltando a realidade.....

Abri a porta do táxi , papai não trouxe os carros dele e do meu irmão , ele pagou para uma transportadora traze-los , entrei e minha familia entrou logo após, aviamos desembarcado em Port Angeles, um nome um tanto inapropriado, Porto Dos Anjos , até agora não vi nenhum , anjos não existem......

- Por favor, senhor, o senhor pode nos levar até Forks?- Meu pai perguntou.

- Claro!!A propósito sou Dawson, Diego Dawson - o senhor se apresentou ligando o carro.

- Nós somos os Cullen, Eu sou Carlisle, minha esposa Esme e meus filhos Edward e - meu pai fez as apresentações.

O caminho todo papai conversou com o senhor, olhava pela janela e só via uma coisa... Verde, verde,verde,verde,verde e verde, uma placa indicava onde eu ia morar .....


Sobre uma constante camada de chuvas fina Forks , uma cidade que mais parece brejo, população?? 3.175, isso dava só o numero de pessoas do meu Bairro em NY, é... Isso que é mudança, é para lá que eu estou me mudando....mudando literalmente...

- Onde devo levá-los Carlisle?- o senhor Dawson perguntou.

- Há espere um segundo- meu pai abriu a carteira e entregou o endereço para o senhor.

-Não... Vocês não podem estar falando sério, não podem morar aqui....

- Por que não?- Esme perguntou.

- Por que isso está errado!! É perigoso- o senhor freou o carro bruscamente o carro- Não podem!!!

- O que aconteceu de errado senhor?- meu irmão perguntou.

- Assassinatos!! Tantas mortes- o senhor suava- TODOS que moram ali morrem, todos......

- Por quê?- minha madrasta perguntou assustada.

- A Lenda da cidade, a casa que compraram fica exatamente na divisa de La Push e Forks, metade da casa em cada cidade...

- E o que tem isso?- perguntei.

- Tem que a cada metade da casa pertence a um mundo diferente, e segundo a maldição quem entra naquela casa não sai humano novamente, sai um mostro ou morto ...

- Que tipo de monstro?

- Não ousamos dizer o nome, criança, os antigos de La Push dizem que a mal naquela casa, que ali é guardado o grande segredo de La Push e quem descobri-lo libertara o horror e a maldição em Forks e a guerra recomeçara. -o senhor não tinha mais a voz normal, ele tremia e começou a dizer coisas em uma voz rouca e que não parecia nada com a dele - O herdeira se aproxima da toca, a união de duas raças , a criação de uma terceira , a dor da morte, o desejo proibido, a guerra... o herdeira vai descobrir...almas sendo arrancadas, sangue... Sede de vingança... Sangue, e mais sangue, a guerra recomeçara, o herdeiro vai descobrir... - o senhor começou a respirar com dificuldade e de repente parou, ele virou para trás e com os olhos vermelhos e lágrimas escorrendo de sua face olhou para mim e disse:- vai embora daqui criança, sai daqui com sua família, você vai morrer, você é alvo aqui menina, - ele apontou para meu colar e para o bracelete de meu irmão- Sua mãe cumpriu o destino dela. Ela está tentando proteger vocês, agora vão embora, saiam daqui, vocês vão morrer naquela casa o mal vai te possuir de tal forma menina que você vai se tornar um monstro, o colar e o bracelete não vão protegê-los por muito tempo, saiam daqui , vão embora enquanto podem, vão embora... - o senhor parou de respirar eu fiquei desesperada ele estava tendo um infarto na minha frente, meu pai correu até ele e começou a massagear seu peito, ele pegou a chave no bolso do senhor e correu o hospital, seguindo em alta velocidade as placas que encontrava pela frente, meu pai parou em frente do hospital e levou o senhor até o atendimento, meu pai seria médico cirurgião em Forks e logo foi reconhecido, levou o senhor até uma sala e eu fiquei estática , o desespero me consumia.

- Quero sair daqui...- falei para a Esmee- Quero sair agora daqui- eu estava em estado de choque.

- Vai ficar tudo bem filha!- Esme disse me abraçando.

- ,o senhor quer nos ver -meu pai apareceu até a porta - vamos logo ele quer falar com você.

Eu entrei na sala e me deparei com o senhor respirando com a ajuda de aparelhos e pediu para que chegasse mais perto, e eu olhei para minha família que também se aproximava.

- Criança, seu destino está traçado... Quando você pisou nesta cidade o mal já percebeu que a herdeira se aproximava....

- E se não mudarmos para aquela casa senhor Dawson?- perguntei afagando-lhe o rosto.

- Não tem mais a ver com a casa, tem a ver com o destino, tem a ver com isso que usa - ele apontou para o bracelete de meu irmão e para o meu colar- quando vi que usava isso, tive a certeza que eram os escolhidos, você o protetor e ela a guardiã, vocês tem que sair daqui, vocês tem que se protegerem tem que sair daqui!

- Senhor?- os aparelhos apitaram e o senhor antes de para de respirar disse em sua voz falhando:

- Va...vão.. Embora... - e ele parou de respirar.

Eu fiquei chocada, eu estava marcada mesmo para o desastre? vi duas pessoas morrerem na minha frente... Será que eu era a escolhida? Ou será que o senhor era apenas um louco?

- Quero ir embora daqui...- sussurrei desesperada.

- Filha, não tem nada a ver, ele estava só brincando- meu pai sussurrou.

- QUERO IR EMBORA DAQUI , AGORA!!!!- gritei saindo pela rua desesperada, desnorteada.

- Tenho que sair daqui ... Tenho que sair daqui..- eu ficava sussurrando para mim mesma quando trombei em alguém, olhei para cima ...

- Eii precisa de ajuda?- uma moça disse.

- Não!!

- Vem eu vou te ajudar !!- a moça segurou meu braço e me virou para ela, eu olhei em seus olhos ,vermelhos como sangue, mesmo assim ela era tão bonita.....mais com um sorriso tão assassino ... Olhei dentro de seus olhos e desmaiei, não consegui me manter em pé , a escuridão me consumiu o desespero de estar gritando e ninguém te ouvindo aquela escuridão ................


Capitulo 3- O diário de Jacob Black


PDV ARO VOLTURE
- Como foi ? Fez tudo direito?- Perguntei para a vampira em minha frente.

- Tudo mestre! Eles não se lembraram de nada!! criei uma falsa memória , não foi difícil !- Ela disse.

- Muito Bem!! Será recompensada querida!!- falei sentando-se em meu trono.

- Mais se me permite uma pergunta mestre o por quê apagar a memória daqueles humanos?? Eles por acaso sabiam de nossa existência?- ela perguntou.

- Isso não posso lhe falar, mais a mais motivos do que isso! A criação de algo poderoso, uma nova raça! Tudo depende de sua falsa memória!- eu disse.

Neste momento a porta se abriu e Isabella entrou batendo os pés com força no chão.

- Por que fez isso?? Por que apagou a memória deles!- ela perguntou indignada.

- Isabella...

- É BELLA!! QUANTAS VEZES VOU TER QUE DIZER!!

- NÃO FALE NESTE TOM COMIGO!! Eu sou seu pai menina!! então me respeite!!

- Pai??Nem sabe o significado de tal palavra!! eu não sou sua filha, sou apenas uma experiência!!

- SILÊNCIO!!!- gritei forte o bastante para ecoar por todo o Túnel .- Eu não queria criar uma nova raça quando nasceu Isabella...

-É BELLA!!!- ela gritou revoltada.

- QUE SEJA, BELLA, ISABELLA PARA MIM NÃO IMPORTA!!- falei.

- TAMBÉM NÃO ME IMPORTO COM VOCÊ ARO!! E SABE CRIE UMA NOVA RAÇA!! UMA MAIS FORTE E PODEROSA QUE VOCÊ, E TOMARA QUE ESTA RAÇA SEJA O FIM DESTE SEU IMPÉRIO! !!- ela gritou enfurecida.

- CALA A SUA BOCA !!! você não entende?? a guerra se aproxima, e se não agirmos vamos ser derrotados?? temos que atrair o lado mais poderoso isabella!!

- ENTÃO ATRAIA!! ATRAIA POR QUE EU ESTOU FORA!!- ela falou tirando o brasão dos volturi- ESTOU FORA DA SUA VIDA , FORA DESSE CLÃ ,FORA DE TUDO!!

- Você não pode.....

- Não só posso como vou!! quer meus poderes papai?? Pois não vai tê-los!! Não eles!!!- Gritou ela saindo porta afora.

- Quer que eu vá atrás dela mestre??- a vampira ao meu lado perguntou.

- Não! Deixa-a ir....

- Mais ela é poderosa, ela é....

- Minha filha??

- É, ela é sua filha!

- Não, não é mais!!- falei saindo porta a fora.


PDV BELLA
Odeio, odeio minha vida, odeio o que eu sou, odeio tudo isso.

Eu nunca fui normal, nunca fui humana , meu pai certa vez conheceu uma mulher, e o vamos dizer que eles.... ficaram. E eu nasci, não, não foi simples assim, minha mãe teve uma gravidez turbulenta, mais não quis me abortar, isso levou a morte dela, eu matei.... no dia em que nasci, me odeio por isso, mais odeio muito mais meu pai, eu não pedi para nascer, mais ele sabia das consequências de seus atos, ele queria isso.

8 anos depois aqui estou eu, uma meia vampira meia humana, com mente e corpo de 18 anos e paralisada para sempre nesta idade, que acaba de ir embora de casa , se é que posso chamar aquilo de casa.......eu sei que acontecerá com aquela família pela qual eu briguei hoje, eles vão morrer se eu não fizer nada.... mais eu vou fazer, eu sinto que tenho que fazer...

- Pois não senhorita?- a atendente me perguntou.

- Uma Passagem por favor....

- Para onde?

- Forks...................


PDV
Minha cabeça latejava, eu sentia algo estranho, um sentimento de medo, perda e principalmente confusão, forcei meus olhos para enxergar algo em minha frente e só distingui poucas coisas, eu estava em um hospital, o barulho dos aparelhos me forçavam a acreditar que eu continuava viva, abri devagarinho meus olhos e me deparei com Esme sentada ao meu lado ,ela dormia com a cabeça encostada na minha cama, olhei mais adiante e vi meus irmão com a cabeça encostada na parede, meu pai não estava ali...talvez estivesse de plantão, eu não lembrava.... não lembrava de nada, só de que conhecemos um senhor , dono de um taxi e ele teve um infarto em nossa frente depois tudo parece um borrão.

- ah! Graças a Deus!!- Esme falou acordando- como se sente querida?

- E...eu não sei...- sussurrei.

- Shi se acalme , está tudo bem!- ela falou alisando meu rosto.

- O que ouve? - perguntei.

- Nós pegamos um Taxi para ir para casa e o senhor teve um infarto, você ficou muito abatida e atravessou a rua sem prestar atenção, ai foi atropelada!- ela falou.

- Alguém... alguém mais se machucou?

- Não amorzinho, o carro que te atropelou não foi encontrado!

- E o senhor? Por que ele enfartou?- perguntei tentando me lembrar.

- Não sabemos ele só parou o carro e teve o enfarte, ele não disse nada, nem que tinha algum problema de saúde....

- Meus deus....

- Shi esta tudo bem, você vai receber alta hoje e vamos para casa...

- casa..... não sei mais alguma coisa me diz que não devo ir para lá...

- Shii vai ficar tudo bem!!

E assim foi minha tarde, conversei com Esme até meu próprio pai me liberar, nos fomos para casa.....minha nova casa.

Eu desci do carro e me permiti dar uma olhada, a casa era antiga, uma casa de dois andares com um belo jardim, ela parecia abandonada, me lembrava casas da Renascença Italiana, provavelmente ela fora uma das primeiras casas de Forks, nós entramos e um arrepio percorreu minha espinha quando passei da soleira da porta, juro que todos os pelinhos do meu braço se arrepiaram ...

- Que louco..- meu irmão sussurrou.

- Bom cada um escolhe um Quarto, pelo que fiquei informado esta casa tem 5 Quartos todos com a vista para o jardim então não vai ter briga né?- meu pai perguntou olhando para mim e Edward.

- Ok , sem brigas!- Ed disse rindo.

- Você esta bem ? você esta palida!- Esme disse.

- Estou sim- menti.

- Tudo bem então! Vamos nos organizar...

Cada um pegou sua mala e foi procurar um quarto, no meu caso deixai as malas , tinha 5 por isso fui procurar um quarto e depois pegaria as malas....

Passei pela cozinha e resolvi tomar um pouco de agua , tinha um copo no escorredor peguei ele mesmo, reparei na janela tinha uma minha a percorrendo cortando-a ao meio , provavelmente feita de prata, a borda da janela também , fui até a porta e vi uma linha de prata, avia uma linha tênue percorrendo toda a casa como se a cortasse ao meio...

- Que sinistro!- disse para mim mesma e sorri.

Subi a escada e fui escolher meu quarto, passei por uma porta de madeira branca e resolvi abrir, na verdade eu senti que tinha que abrir, era um quarto, ele tinhas as paredes pintadas em tons de pasteis ,os moveis como:cama, escrivaninha, guarda roupa, e uma poltrona todos em madeira, deitei na cama e senti um aroma diferente era um cheiro que eu jamais experimente, era doce e atrativo causava um desejo enlouquecido, o cheiro era almiscarado e selvagem, mais doce ao mesmo tempo.....Levantei relutante da cama e fui observar a vista, assim que pisei no lado direito da minha cama ouvi o piso de madeira ranger , pisei mais forte e ele tornou a ranger.

- Que esquisito....

Tinha um tapete velho cobrindo o piso de madeira, levantei ele com cuidado e vi que tinha um.... alçapão??

- Ficou com o melhor quarto eim?- Edward disse entrando.

- Que nada!!- falei rindo e saindo do meu estado de transe e deixando o tapete cair novamente para cobrir o alçapão.

- Bom a Esme e o papai estão nos chamando para jantarmos fora- ele falou.

Desci as escadas e fui até Esme e meu pai.

- Vamos jantar fora querida? Aqui não tem nada para cozinhar, então resolvemos ir....

- hum, Esme eu queria te perdir.. eu .. bem eu gostaria de ficar, não estou com fome e queria conhecer a casa...- pelo menos queria saber o que avia naquele alçapão.

- Não quer mesmo ir?- ela perguntou.

- Não, de verdade quero arrumar minhas coisas e conhecer a casa.

- vou trazer comida para você então!!- Ela falou me dando um beijo no rosto.

- Claro, então bom jantar para vocês!!.

- tem certeza filha?- meu pai perguntou.

- Absoluta!- sorri dizendo.

- Tudo bem então! - meu irmão disse- Vamos logo que eu estou com fome!

Nós rimos e eles foram embora, já era noite e a Lua clareava , a lua estava cheia totalmente aparente no céu, sem nenhuma nuvem para cobri-la.

Andei lentamente até meu quarto e tentei abrir o alçapão, foi difícil mais consegui, avia uma escadaria que levava a um lugar... que até o momento não sabia qual era.

Peguei uma lanterna e desci as escadas, ela levava até um tipo de porão, mais aquilo parecia mais um quarto, fiquei ali não sei quanto tempo olhando para aquele quarto subterraneo , avia uma cama de solteiro bem pequena, o lençol estava rasgado e amarelado,e a linha de prata marcava novamente o meio do quarto, avia também uma cômoda, e em cima um livro, na verdade um pequeno livro de anotações , a capa era de couro preto e para completar borda era de prata,

- Credo o pessoal gostava mesmo de coisas de prata!!- falei rindo.

Caminhei lentamente até a cômoda e peguei o livro avia algo escrito em prata também , numa caligrafia elegante encontrava-se as palavras ''JACOB BLACK, 1870'' Foi quando me dei conta de que não era um livro ,era um diário, tentei abri-lo mais nada, não conseguia forcei contra tudo e nada.. não abria, tentei forçar mais uma vez um bilhetinho caiu .

'' O Mal não se pode abrir,
A maldição quem ler conseguira distinguir,
mais será parte desta historia ,
nada além de uma simples memória,
deixa como deveria deixar ,
não toque no diário... sabe que não deveria tocar.....
Mais se mesmo o aviso não acreditar
só se uma gota da vida ao diário dar
E os segredos de um monstro conseguira revelar!

- mais como dar uma gota da vida? caraca eu só posso estar louca!! eu não vou acreditar nesta baboseira!!- sussurrei para mim mesmo- quando eu acordar tudo vai acabar e eu ainda vou estar na minha casa em New York, simples é só.....

- cadê você??? -meu irmão perguntou.

Deixei o diário na cama e sai correndo escada a cima ,fechei com cuidado o alçapão , fui até a porta e abri.

- Onde você estava??- ele perguntou.

-Só descansando um pouco...

- A Esme trouxe comida ...

Nós fomos até a sala e meu pai perguntou:


- E ai se divertiu?

- Muito- disse sorrindo.

- A casa é bem maneira né?- meu irmão perguntou.

- Não imagina o quanto....

E ele não imaginava mesmo... eu tinha que pesquisar o que aquele bilhete quis dizer e ler aquele diário, era mais forte que eu , tinha que descobrir quem foi JACOB BLACK e principalmente o que ele foi.

Capitulo 4- A sombra e A escuridão
Diário de Sangue.
Querido diário,
Já faz uma semana que estou nesta cidade, uma semana que sinto a estranha sensação de estar sendo observada, e a mesma dor de cabeça todas as noites, sinto como se uma parte de mim estivesse sido arrancada de minha mente, sei que é estranho mais a todo momento quando tento buscar na minha memória o motivo de me sentir tão insegura acabo me deparando com um grande ponto de interrogação e nada além disso, não consigo me lembrar de nada que me faça sentir medo.
A maioria das vezes não tenho nada para fazer aqui, meu pai trabalha como nunca, meu irmão esta saindo todo dia e eu quase não o vejo, e Esme se dedica a nova reforma da casa o que faz eu Me dedicar dias e noites para saber quem foi Jacob Black e acabo sempre sem respostas para minhas perguntas, e frustrada por não conseguir abrir um simples diário, não decifro as palavras do misterioso bilhete , e uma parte de mim, a maior parte de mim, me diz para não tentar mais, me diz para deixar tudo do jeito que estava e não me meter em algo que vai além do que eu imagino, Pena que eu sou teimosa...........


.


Parei de escrever e deslizei meus dedos finos e pálidos por entre as palavras. Estava mais uma vez naquele alçapão. Lá se tornou mais meu quarto do que o meu próprio, era estranho porque ele não era de longe tão bonito quanto o meu e nem tão confortável para se passar tanto tempo, mas ali eu tinha a estranha sensação de segurança.A sensação de estar sendo observada sumia quando eu podia sentir minha cabeça menos dolorida, mas essa sensação era passageira, eu só sentia ali e em nenhum lugar mais.

- cadê você??- Ouço meu irmão gritar do corredor.

Subi rapidamente do alçapão, coloquei o velho tapete cuidadosamente sobre o chão e abri a porta.

- Onde você estava?- Edward perguntou.

- No meu quarto. - Respondi rapidamente.

- Mais eu entrei e não te vi. - Ele disse franzindo as sobrancelhas.

-Talvez não tenha prestado atenção. - Disse e sai andando.

- o que houve?- Ele perguntou vindo atrás de mim.

- Nada Edward. - Falei seca.

- Para, sério o que houve?- Ele perguntou segurando meu braço.

- Só quero ficar sozinha, alias isso vêm ocorrendo muito esses dias. - Falei sarcástica.

- ..- Ele disse com os olhos fechados- É complicado.

- Complicado? Edward você é meu irmão, meu melhor amigo... O que está acontecendo? Você sai cedo e volta tarde, anda calado e... Edward? O que está acontecendo? - Perguntei olhando-o nos olhos.

- Não sei...- Ele disse triste.- Ainda estou tentando entender...

- Onde você está indo todos os dias?- Perguntei temendo sua resposta.

- Eu... não faça perguntas complicadas e eu não te darei respostas que seriam mentiras.- Ele disse.

- Onde Edward?- falei firmemente.

- Uma amiga... Ela precisa de ajuda. - Ele disse simplesmente.

-Que tipo de ajuda?- Perguntei desnorteada - Que amiga?

- ...- Ele parou de falar pela metade e segurou firmemente o bracelete.-Proteção.-ele sussurrou como se fosse para ele mesmo.- Quanto menos você se meter , menos arriscado.

Eu o olhei se distanciar, fiquei estática no lugar. A confusão se apossava do meu ser todos os dias...todos os momentos eu me sentia estranha, confusa, como se alguma coisa de errada estivesse no meu caminho, como se eu estivesse marcada para coisas ruins, a vida não estava sendo fácil.
Edward estava me escondendo algo... E eu escondia algo dele. Apesar, do meu coração, me mandar desabafar com ele, minha mente travava, como se meu segredo, o segredo que eu mesma tentava desvendar , pertencesse unicamente a mim e a Jacob Black.

Sentei lentamente no piso frio do meu quarto e fechei os olhos, inconsciência tomou conta de mim. Flashs retorcidos começaram inundar minha mente. Vi-me vindo para Forks, ouvia meramente as coisas, herdeira, sangue, morte, tudo era dito rapidamente e o choro frenético ao fundo. De repente a cena mudou. Agora eu me via em uma clareira, mais desta vez eu participava da cena, não era apenas uma fumaça que via ao longe, estava sentada no meio de flores em tons de lilás. Ouvi um riso que me pareceu tão familiar e ao mesmo tempo sossegado, era bom ouvir aquilo, me lembrava vários sininho badalando.

- Oi.- Ouvi uma voz ao meu lado e me virei, me deparei com uma garotinha de aparência bem novinha, devia ter seus 7 a 8 anos.- Tudo bem?

- Tudo....Quem é você?- Perguntei.

- Bom, quem sabe daqui algum tempo não descubra. - Ela disse rindo.

Não insisti, me virei para o lado e me permitir olhar mais uma vez para a campina.

- É lindo não é?- A garotinha perguntou.

- Perfeito. - Falei voltando a olhar para ela. - Nem adianta perguntar onde estou não é?- Perguntei achando graça.

Ela riu novamente, tive a estranha sensação de querer abraçá-la, era estranho mais algo dentro de mim queria protegê-la. Ela olhou em meus olhos e sorriu novamente, como se pudesse entender o que eu estava passando.

- Sabe... As vezes é mais complicado entender do que qualquer coisa.- Ela disse.- Mais você fará a coisa certa .... Tenho certeza.

- Não vai me dizer mesmo quem é você?-Perguntei novamente.

- Se eu falasse poderia mudar o futuro, mexer com o passado é a coisa mais arriscada que se pode fazer. - Ela disse abraçando os joelhos e deixando seu olhar se perder.

- Você pode mexer com o passado?- Perguntei já imaginando a garotinha trazendo minha mãe de volta.

- Não especificamente, posso visitar o passado, embora eu tenha certa dificuldade, e posso trazer pessoas para o presente.- Ela disse olhando para mim.

- Você pode....

- Não. - Ela disse tristemente. - Não podemos trazer pessoas que morreram, nem interferir na morte delas.- Ela disse triste.

- Já tentou?- Perguntei.

- Diversas vezes. - Ela falou me olhando com pena. - Demorei algum tempo para entender, Existe, em cada ser, o poder da livre escolha....

- Não. - Falei secamente. - Minha mãe não escolheu morrer.

- Claro que não!- Ela disse dando um sorriso torto - Mais ela escolheu estar ali, escolheu sair de carro, as escolhas interferem em nossa vida ma.....

Tive a leve impressão de que ela me chamaria de mãe, mais ela não terminou a frase, deixou a conversa morrer sorrindo de lado e voltando seu olhar para a campina, eu obviamente estava louca para perguntar em como ela sabia que minha mãe morreu num acidente de carro, mais preferi estar em silêncio.

- Quando vou ao passado, não estou realmente lá. - Ela disse depois de um tempo. - Sou apenas uma fumaça, meu corpo físico fica e eu vou, então não posso interferir na cena, eu apenas estou ali e posso presenciar as frustrações, medos, dor....

- Deve ser horrível para você.- Falei olhando-a.

- Nem tanto. - Ela disse rindo. - Eu posso reviver uma cena feliz, por exemplo, ou uma cena que eu queira ter visto.

- Tipo uma cena de novela que eles já gravaram e não está na televisão?- Perguntei rindo.

- Nem tanto!- Ela disse rindo - Só posso visitar o passado das pessoas que em si fazem ou fizeram parte da minha vida.

- E o futuro?- Perguntei.

- Eu não posso visitar meu futuro em si. - Ela disse fazendo bico, e me fazendo rir. - O que eu acho uma sacanagem, mais posso trazer uma pessoa do passado para um momento atual em que eu esteja presente.

- Tenho a leve impressão que você fez isso comigo!- Falei sorrindo.

Ela apenas sorriu e voltou a fitar o por do sol.

-Parece que eu te conheço. - Sussurrei.

- Como eu disse, eu só posso trazer para o futuro pessoas que fazem ou fizeram parte da minha vida. - Ela disse ainda sorrindo.

-Qual sua idade?- Perguntei ao olhá-la.

- Isso é um assunto complicado!- Ela disse sorrindo.

- Me conte, você de um jeito o de outro está interferindo no passado , não custa nada contar!- Falei rindo.

-Mamãe vai me matar... - disse para ela mesma mais eu pude ouvir. - Mais tudo bem né? Já que estou ferrada mesmo.

- Sua mãe não gosta que mexa com o passado?- Perguntei.

- Não. Ela meio que me proibiu de mexer no passado...- Ela disse com o olhar longe.- Ela e o papai disseram que eu não posso usar meu poder.

-Por quê?- Perguntei.

-Sabe, quando trazemos uma pessoa para o futuro que no meu caso vai ser sempre um momento atual meu, querendo ou não interferimos em sua mente, e mudamos o curso das coisas...

-Esta mudando o meu curso?- Perguntei.

-Estou. - Ela disse.

- Por quê?- Perguntei aquela conversa provavelmente me deixaria insegura em qualquer outra ocasião, ou com qualquer outra pessoa, mais ali, com ela, as coisas fluíam como respirar, era fácil manter uma conversa com ela, apesar de ser pequena e obviamente era mais nova do que eu pensava.

- Existem riscos, você é uma isca e todos os olhos estão focados em você. - Ela disse-Existem inimigos a solta, a vingança é pior que a cobiça, existem amigos e inimigos, mais às vezes o amigo faz mais mal do que o inimigo.

- Não estou entendendo... Está tentando mudar meu futuro interferindo no meu passado

- Sim. Preste atenção. Existem pessoas que só querem seu mal, mais outras só querem te proteger, porém a proteção sufoca, o medo e ódio interferem em nossas vidas.

- Por que isso está acontecendo comigo? Por que eu? Eu era uma garota normal, eu costumava ser, eu tinha família, tinha tudo. - A esta altura eu já chorava. - Por que eu?

- Por que não você? Você enfrentou bastante coisa, mais não é por isso que pode desmontar, existem pessoas que precisam de você, os riscos que correrá levaram e resultaram e vitórias, só estão interferindo, pois acho que existem coisas no seu futuro que talvez você não quisesse....- Ela disse fechando os olhos.

- Coisas como o que?- Perguntei.

- Como eu....como se tornar o que se tornou ...não sei se é feliz agora, não sei se fez a escolha certa....- Meu coração desmoronou ao vê-la chorando, era um sentimento estranho, como se a dor da menininha ao meu lado provocasse mais dor em mim do que minhas próprias , não hesitei nem um segundo puxe-a levemente pelo bracinho pequenino e a abracei, aquele simples gesto feito por mim me provocou um felicidade tremenda. Eu não sei que escolhas farei daqui para frente. Não sei com que o quem terei que lutar, mais eu sei que se aquela menininha fizesse parte do meu futuro eu estarei contente, e resignada com minhas escolhas.

- Você estará no meu futuro, se eu fizer essas escolhas que você acha errado?- Perguntei enquanto fazia cafuné em seus cabelos.

- Sim. - Ela disse com a voz entrecortada pelas lágrimas.

- Então, não precisa se preocupar, eu sinto, que não importa o que aconteça se você estiver no meu futuro eu estarei feliz.

- Mesmo que tenha que abrir mão de coisas importantes?- Ela perguntou.

- Mesmo assim. - Falei sorrindo e enxugando suas lágrimas. - Agora, você não vai me dizer o que será minha?

Ela deixou uma gargalhada ecoar e deitou-se novamente em meu colo, permaneci fazendo carinho em seus cabelos por algum tempo até ela se sentar ao meu lado e me fitar atentamente.

- O que houve?- Perguntei curiosa.

- Você é linda sabia. - Ela disse deslizando a mãozinha pequenina sobre meu rosto. - Eu sempre quis te ver assim....

- Assim como?- Perguntei sorrindo.

- Humana.- Ela disse.

Naquele momento senti meu corpo arrepiar, me senti sendo puxada dali com tamanha brutalidade que fechei meus olhos, porém antes vi aquele olhar sossegado da garotinha, ela sorriu para mim. Minha cabeça latejava ao abrir os olhos, lá estava eu, no meu quarto, com a cabeça encostada no chão frio atrás da porta.

- Foi só um sonho. - Disse-me encostado na porta, aquilo me pareceu mais uma lamentação, e o correto seria mesmo ser um alívio, mas eu, por mais insano que pudesse parecer, achei que seria legal ter aquela menininha em meu futuro, o preço pelo que entendi seria minha humanidade... Definitivamente tenho boa criatividade em sonhar.

-?- Meu pai disse batendo na porta.

Respirei fundo e a abri, dei de cara com meu pai e seu tão famoso sorriso, ele ainda usava seu jaleco , de certo devia ter chegado mais cedo do hospital hoje.

- Chegou cedo. - Falei.

-Que nada!- Ele disse entrando e sentando na minha cama. - Já são oito horas da noite.

- Parece que perdi a noção do tempo então. - Falei sentando ao seu lado.

-E o que estava fazendo para perder a noção do tempo?- Ela perguntou sorrindo.

- Dormindo. - Disse balançando os ombros e rindo.

- Pelo menos teve sonhos bons?- Ele perguntou.

Eu não respondi, também não teria cabimento falar ao meu pai que sonhei que uma garotinha veio do futuro me alertar que eu corro perigo, apenas balancei os ombros e deitei na cama de lado.

- Sabe ...-, eu e a Esme estamos preocupados, o Ed está saindo e se divertindo ,e você fica no quarto dia e noite, não sai daqui por nada.- Ele disse.

- Gosto daqui. - Falei simplesmente.

- Mais sair é bom, sei lá, conhecer gente nova.

- Pai... Estou bem. - Falei deitando minha cabeça em seu colo. - Eu vou conhecer gente nova quando for à escola.

- Mas ...-, é o último ano, seria legal se enturmar antes ,não?- Ele perguntou.

-Não pai, estou bem do jeito que estou, além do mais me parece que o Edward não quer muito minha companhia. -Falei já pensando em todas as tardes que passei esperando meu irmão e ele não apareceu.

-...-....eu acho que o Ed tem uma namorada.- Meu pai disse sorrindo.

- Mas ele não me disse nada. - Falei ressentida.

- Bom, ele não disse nada a ninguém, mais disse a mim que tem uma amiga. - Papai disse.

- É ele também me disse isso. - Falei.

- Então, faz sentido não faz?

-Na verdade não. - Falei sorrindo.

- Você cortou meu barato!- Ele disse rindo e bagunçando meu cabelo.

Meu pai era tão espontâneo que sempre me fazia rir.

- E como vai no hospital?- perguntei puxando conversa depois de um tempo.

- Vai bem, só alguns acidentes por causa da chuva e do gelo, e só um fatal.- Papai disse triste.

- Papai, você não tem culpa. - Falei.

-Eu sei que não, Mais eu me sinto mal por isso. - Ele disse ainda triste.

- Eu entendo mais você não é Deus e não pode salvar todo mundo papai. - Falei fazendo carinho em seu rosto.

- Queria poder salvar, eu sinto tanta angústia, ...-, sabe, ver famílias chorando,ver a vida se perdendo.
Eu sabia do que meu pai estava falando. Nós já havíamos passado por isso, já enfrentamos a dor da perda, da morte, a dor de não saber seguir em frente, e de ver alguém que amamos partir.

-Sabe... Na vida temos o poder de livre escolha. - Disse as mesmas palavras que a garotinhas do meu sonho me disse.

- Está me dizendo que as pessoas escolhem morrer?- Ele perguntou intrigado.

-Não. Mas elas escolhem estar onde estão, por exemplo, a mamãe escolheu ir comprar refrigerante, o motorista escolheu beber. - Falei triste.

-Mais nós não escolhemos ficar sem ela. - Ele disse.

- Talvez vá, além disso, papai vai muito além da morte ou da vida. - Falei.

Era incrível, eu jamais pensei desta forma, mais ainda tinha uma ferida em meu coração, ela dificilmente ficaria intacta novamente, mais pensar desta forma me fazia bem, talvez fosse verdade, talvez não, mas eu não via mais morte e vida, agora eu via etapa por etapa, pois era assim. O que era a morte se não mais um etapa da vida, talvez a mais difícil e cruel, e provavelmente a mais dolorida para ambos os lados, mais era assim. O estranho era que apenas um sonho foi capaz de mudar meus conceitos.

-...-?- Meu pai disse estralando os dedos na minha frente e rindo.- Acorda filha!

- Estou acordada papai!- Falei rindo.

- Então está no mundo da lua?-Ele perguntou rindo.

Mal abri a boca para falar e ouvi passos, alguns segundos depois, ouço batidas na porta.

- Poxa! É a Esme!- Papai disse batendo a mão na testa como se estivesse esquecido de alguma coisa.

Levantei da cama e abri a porta, Esme não parecia brava, pelo contrario tinha aquele belo sorriso estampado em seu rosto. Reparei em suas roupas, ela estava muito bonita, na verdade bonita de mais para ficar em casa. Ela obviamente tinha combinado de sair com o papai, e eu atrapalhei.

-Amor, desculpa, me esqueci completamente de avisar a ...-.- Papai falou indo até Esme.

- Me avisar do que?- Perguntei curiosa.

- Seu pai nos convidou para jantar fora hoje.- Esme falou sorrindo.

- É ,um amigo do hospital me indicou um restaurante em Port Angeles, ele disse que come sempre lá com a Família, e eu convidei a Esme para irmos hoje.- Papai disse abraçando os ombros de Esme.

- Legal.- Falei limitando-me a sorrir, eu provavelmente teria que fazer o jantar para mim e Edward, e minha relação com meu irmão estava meio estranha pra sentarmos na mesa e fingir que está tudo bem.- Tudo bem, eu me viro com o jantar.

- Não, ...-, Jantar em familia.- Esme disse sorrindo.- Eu, você, Edward e Carlisle.

- Legal.- Pelo ponto positivo, eu não teria que fazer o jantar.

- Quer que eu te ajude a se arrumar?- Esme perguntou sorrindo. Nossa! Ela acaba de entrar em uma fria.

- Claro. - Respondi dando passagem para ela entrar.

- Bom, então enquanto você se arruma eu vou falar com o Edward. - Papai disse. Ponto negativo, agora vou ser obrigada a passar o jantar com Edward quer queira ou não.

Entrei no quarto atrás da Esme e me sentei na cama enquanto ela ia até meu guarda roupas e procurava algo decente para vestir.

-...-, você precisa fazer compras.-Ela disse inspecionando minhas poucas peças de roupas.

-Não sou muito chegada em coisas fúteis, como roupas ou coisas assim. - Falei fazendo sinal negativo com a cabeça.

-...-, não é futilidade, são só roupas novas.- Ela disse sentado-se ao meu lado.- Eu venho percebido o quanto você é uma adolescente diferente....

- Diferente como.... Fisicamente aos dezesseis, mas psicologicamente aos quarenta?-Perguntei sorrindo. Não, eu não ficaria brava se ela falasse isso, os adolescentes ''normais'' em NY também falavam.

-Não....eu diria Especial.- Ela disse sorrindo.- É legal seu modo de ver as coisas, só fico preocupada pelo fato de você estar perdendo coisas que as garotas da sua idade gostam...

-Não me sinto perdendo nada. - falei deixando os ombros caírem.

- Bom... Acho que tenho algo no meu guarda roupa para você. - Ela disse saindo rapidamente do quarto.

Deitei na cama assim que Esme saiu e fiquei pensando, não sei ao certo no que, mas várias coisas passaram pela minha mente, por exemplo, em como eu queria saber quem foi Jacob, e em como eu bem provavelmente jamais fosse descobrir, no meu misterioso sonho com a menininha, o medo de que meu irmão estivesse tão envolvidos em mistérios quanto eu, e o modo em como estava triste, mesmo que sem razão, por ele me esconder seus segredos. Embora que tivessem tantos ou mais segredos que ele.

-Pronto!- Esme disse entrando no quarto com um embrulho na mão. - Eu comprei isso para você essa semana, era um presente de aniversário, mas... Não vejo entrega-lo antes.

A palavras aniversário fez minha cabeça girar, 4 anos........já se passaram quatro anos......

-...-.Esme disse.-Eu não tive a intenção.

-Tudo bem... -Falei virando de costa.

- Finge que é um presente de...de amigas.- Ela disse estendendo o pacote.

-Obrigada. -Disse sem sorrir, porém com um pouco de educação que me restava.

-Vou esperar você se trocar. -Ela disse sentando na cama.

Sai do quarto e entrei no banheiro, a casa era muito antiga então nem em sonho pensaram em uma suíte, Esme já cuidava disso, com sua mega reforma na casa.

Tirei minha camiseta e prendi minha atenção no espelho, o medalhão.... Eu não tirei embora a vontade de tirá-lo fosse muita, não conseguia, se minha mãe me disse que o amor cura, quem sabe o amor me corasse.
Coloquei o vestido lentamente e me permiti perder alguns segundo na tentativa frustrada de abotoar os sapatos de salto alto em pé, por fim desisti e sentei no chão para me dedicar inteiramente aos sapatos. Levantei meio tropeçando e olhei no espelho, lá estava a garota pálida de cabelos acobreados e semblante triste que eu me tornei ha quatro anos, limpei rapidamente essa lembrança da minha mente e comecei a escovar os dentes, enxagüei a boca rapidamente e passei um brilho nos lábios e tentei , sem sucesso , domar meus cabelos, por fim resolvi prende-los num rabo-de-cavalo mal feito e sai as pressas do banheiro.


-Você ficou linda!!- Esme disse sorrindo ao me ver entrar no quarto.

-Obrigada. -Falei.

Descemos lado a lado a escada e paramos na sala de estar um tanto bagunçada pela reforma, papai estava lá parado ao lado de um inquieto Edward.

-Vocês estão lindas. -Papai disse assim que entramos no carro.

A viagem foi um tanto quieta, Edward não falou um instante, ficou o tempo todo olhando para fora do quarto, como se devesse está em outro lugar naquele instante, e eu percebi que ele estava um tanto nervoso.

-Chegamos. -Papai disse alguns minutos depois.

-Comida Italiana?- Perguntei assim que descemos do carro.

Olhei para Edward que estava estático em meu lado.

- O que houve?- Perguntei, era estranho ficar tanto tempo sem falar com meu irmão.

-Nada. -Ele disse sem jeito.

Entramos no restaurante e sentamos em uma mesa reservada, tudo caminhou com calmamente, conversas chatas e muito tédio, a comida era boa, mais me parecia que todo instante Ed tinha que engolir um tijolo e não sua lasanha a quatro queijos.

Não foi um jantar muito animador nem para Esme nem para Papai, estava clara a desavença entre mim e Edward, as perguntas feitas a mim ou ele eram respondidas de forma rápida, sem esticar a conversa. Permiti-me terminar meu prato em silêncio enquanto papai pagava a conta.

-Vamos?-Papai disse assim que pagou a conta.

-Vamos.-Falamos eu e Esme.

Edward porém não se pronunciou, puxou papai para um canto e conversou rapidamente com ele, isso me deixou ainda mais intrigada, principalmente quando papai riu e deu um tapa nas costas dele, ele apenas saiu porta a fora, não disse nem a mim nem a Esme onde ia, quem dirá falou tchau.

PDV EDWARD.

Meu coração batia como lufadas contra o peito, eu estava triste, inseguro e com um tremendo medo de onde estava me metendo.

Sai rapidamente do restaurante não me despedi de ninguém, apenas disse a papai que ia ver uma garota, deixei que ele pensasse que eu estava namorando, era mais fácil omitir do que mentir passei o jantar pensando nela, ela provavelmente estava brava por eu não ter aparecido, torcia profundamente para que ela ainda estivesse lá.

O ar gelado de Forks cortava cruelmente meu rosto, eu podia ter pegado um táxi, mas andar me pareceu uma boa maneira de espairecer e pensar nos acontecimentos daquele dia...daquela semana....

Brigar com minha irmã foi a coisa mais difícil que enfrentei depois que minha mãe morreu, talvez por que ela seja a lembrança mais viva que tenho, embora ...- não parecesse fisicamente com mamãe ela costumava agir como ela, seu ar mandão, e sabe tudo sempre nos fazia comparar mamãe com ela.
Minha irmã é a coisa na qual mais sinto responsabilidade em proteger, talvez seja papo de irmão mais velho, mas embora papai tentasse apenas eu e ...- sabíamos de como era a dor....papai perdeu uma esposa, e embora estivesse recuperado e seguido em frente dava para ver a saudade que ele sentia da mamãe, e nós...nós perdemos uma mãe, não era simples que se pudesse seguir em frente, não se dava para cicatrizar,não dava para levantar a cabeça e ver que tudo estava bem, embora eu tenha sempre conversado com papai a respeito, eu tinha dores em meu coração que ficariam assim....sangrando e doendo para sempre, e ...- era a única que estava ali, que realmente sábia o que eu sinto, por que ela sente também, mais eu a magoei..... Não sei ao certo onde estou me metendo, nem no que estou me metendo....

-Demorou. -Ela disse pulando de uma árvore em minha direção. - Achei que não viesse mais.

-Jantar em Família.-Disse balançando os ombros.

Ela se sentou no chão da campina e eu a acompanhei, reparei em sua pele, sob a luz da lua ela me pareceu mais pálida ainda, seus olhos estavam negros e tão profundos quando uma noite sem estrelas, ela me pareceu tensa.

- O que ouve?- Perguntei.

-Vários problemas... -Ela disse abraçando os joelhos, quebrando regras....

-Mais regras são feitas para serem quebradas. -Disse após tomar seus lábios aos meus, um choque térmico de imediato percorreu meu corpo me fazendo arrepiar.

-Você não sabe onde está se metendo.-Ela sussurrou ainda com seus lábios encostados aos meus.

PDV ...-

Joguei-me com tudo na minha cama assim que cheguei em casa. Eu estava mais inquieta do que nunca, o sumiço do meu irmão foi a gota d'agua, eu não nasci para ser uma adolescente normal, apesar de tentar sempre alguém , ou alguma coisa tem que fazer as coisas ficarem difíceis e confusas, eu não culpava Edward, ele me escondia, eu escondia dele, mais me sentia frustrada pela falta de confiança dele comigo...se bem que eu também não estava dando provas de que confiava nele, mais ele nem sábia da existência do diário de Jacob..por que eu não contei.

Levantei da cama contendo a vontade de gritar, eu queria que ele confiasse em mim, mais em certo modo eu não confiava nele, pois se não eu contaria, mas.....

Respirei fundo e fui atrás do meu diário, ele devia estar na minha gaveta de camisetas, abri e não achei. Não me lembrava onde tinha colocado ele, e naquele momento eu precisava escrever, Abri novamente minha gaveta de camisetas e me lembrei que o avia deixado no quarto debaixo do alçapão, devo ter me esquecido quando Edward me chamou.

Desci rapidamente as escada tomando cuidado para não levar um tombo, vi meu diário ao lado do de Jacob, o meu com suas folhas levantadas pelas muitas vezes que o folheei com raiva , e o dele permanecia intacto, como que jamais tivesse sido tocado um dia.

-Será que um dia descobrirei quem você é Jacob?-Perguntei passando meus dedos pelas palavras em prateado que estampavam seu nome.

Levantei cambaleando da cama, o sapato era muito alto e eu nunca tive um senso de equilíbrio muito bom, derrubei o diário no chão, era típico, eu vivia fazendo isso, agachei lentamente me lamentando por ainda não ter tirados os sapatos,olhei por instinto embaixo da cama, e a coisa menos provável estava lá, uma rosa branca, totalmente aberta, suas pétalas intactas sem nenhuma faltando.

-O meu Deus!-Falei pegando-a com cuidado na mão, ela tinha espinhos tão pontiagudos que formavam um caminho continuo em seu caule. - Quem colocou você ai?

Aquela rosa só poderia ter sido colocada ali a pouco tempo, não sobreviveria se tivesse sido colocada a mais de uma semana.

-Mas só eu conheço esse lugar. -Sussurrei para mim mesma.

Sentei-me na cama ainda admirando a Rosa, ela tinha um modo indescritível de beleza, como se fosse única, não se tratava de uma rosa branca normal, se tratava se uma rosa desconhecida, com sua cor e pétalas delicada e seus espinhos pontudos e doloridos.

-Ai!-Gritei ao sentir uma pontada no dedo indicador, o sangue imediatamente jorrou o espinho ainda tinha meu sangue, as pétalas brancas agora tinham gotas em vermelho.

Por instinto chacoalhei o dedo indicador e uma pequena gota caiu sobre o diário, peguei-o na mão tentando limpar, mais por incrível que pareça o sangue ainda saia do meu dedo, era ridículo, um espinho de uma rosa não poderia causar isso, tentei limpar mais uma vez, um choque elétrico atingiu minha mão e todo meu corpo me fazendo derrubar o diário no chão, abrindo-se imediatamente.

-Basta uma gota de vida lhe dar e o segredo de um monstro irá revelar-Li rapidamente a última estrofe do bilhete que estava caído no chão.

Olhei curiosa para o diário, tentei pega-lo e mais uma vez não consegui, o choque elétrico arrepiava minha espinha toda vez que eu tentava colocar as mãos nele, virei às costas para ir embora, não iria ficar esperando e levar mais um choque, pisei em algo molhado no chão do quarto, me abaixei e toquei no piso de madeira que agora tinha uma grande poça de vermelho.

-Sangue?- Perguntei a mim mesma.

Virei-me automaticamente para trás , o diário jorrava sangue, meu corpo inteiro se arrepiou, tinha vontade de gritar, medo de que minha família se metesse nisso, o sangue continuava a escorrer por entre o chão, meus pés já estavam vermelhos, minha garganta seca, o cheiro de ferrugem e sal inundavam o quarto dando adeus ao cheiro almiscarado e único que costumava ter, Olhei mais uma vez desesperada, o diário começou a se estilhaçar e misturar com o sangue, uma luz seguia junto como se algo estivesse se reintegrando , e realmente estava, a forma de algo se reintegrava conforme o diário se dissolvia a cada parte uma luz ficava mais forte e uma forma saia da escuridão.

Corri para o outro lado do quarto, não tinha saída, eu não poderia subir até o alçapão sem ter que passar pelo diário, senti a parede em minhas costas, não tinha saída... O sangue já inundava todo o chão do quarto, o diário de desmanchava e a forma aparecia, eu olhava inquieta , nunca fui uma garota que sentia medo das coisas, os desastres da minha curta vida me ensinaram a ser forte e não sentir medo das peças que a vida nos prega, mais ali, naquele momento, meu corpo de arrepiava, o medo estava estampado em meu semblante, não por mim, mais por minha família que dormia lá em cima sem saber do que acontecia, sem saber o que eu tinha feito.

-Meu Deus! O que eu fiz?- Sussurrei amedrontada.

Fechei meus olhos, eu estava me controlando para não desmaiar, não sei se pelo medo ou pelo cheiro de sangue que queimava meu nariz, deslizei minhas costas pela parede e permaneci agachada com os olhos fechados, senti uma sombra se aproximando e abri meus olhos, a figura de um rapaz se encontrava parado em minha frente, seus olhos emanavam ódio, seu corpo firmemente definido e musculoso, seus ombros largos me deixava ainda mais inferior, ele estava nu, o que provavelmente seria muito constrangida se não estivesse com tanto medo.

-O que você fez?- Ele disse sussurrando para mim com tanto ódio que me deixava mais amedrontada ainda.

- E-u não sei.- Falei gaguejando.

Ele me soltou com tudo o que me fez desequilibrar e cair chão mais eu imediatamente levantei e tentei parecer menos preocupada.

-Quem é você? -perguntei indo até ele.

Ele se virou lentamente e a luz da lua iluminou seu rosto, eu fiquei pasma, a perfeição em si estava estampada em seu semblante, Ele era uma Sombra sobre si mesmo,e seus olhos negros tão profundos me deixava claro a escuridão da sua alma.

-Errado. Na verdade deveria perguntar o que eu sou.-Ele disse transparecendo estar tão irritado quanto me odiando naquele momento.

- Meu nome é ...-.- Falei estendendo a mão.

Ele me olhou intrigado, mais não retribuiu ao aperto apenas virou as costas e olhou a lua pela pequena janelinha, olhei em suas mãos e elas estavam apertando fortemente o parapeito da janela.

- Quem é você?- Perguntei mais uma vez.

- Jacob, Jacob Black...............................

42 comentários:

  1. Nossa, que emocionante vc soube passar muita emoção neste cápitulo , soube transparescer todo o sofrimento ,e o carinho de dois irmãos que se amam ,sem falar na poesia que é linda , parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Nossa,esse cap foi tão emocionante.Sabe vc demonstrou o que eles sentiram e o que sentem.Muito bom o cap.
    Gostei mto
    Posta logo tá
    Kisses

    ResponderExcluir
  3. Nossa! Fiquei emocionada com esse capítulo...a dor de perder alguem que se ama é realmente insuportável...vc passou as emoções dela muito bem!

    Gostei muito do cap!!

    BjaO

    ResponderExcluir
  4. Ju que capítulo lindo. Obrigada por deixar que fic seja postada aqui. Deixa te falar que adoreiiiiiiiiiii ser irmã de Ed...Mas me diz uma coisa Bella aparecerá nessa história. Se sim posso pegar no pé dela? auhauhuahauhauha Bjus!

    ResponderExcluir
  5. Que historia triste flor. Nem imagino perder minha mãezinha! Continua que tá muito bom!

    ResponderExcluir
  6. mais uma vez adorei o cápitulo,e quanto sofrimento, estou adorando o suspense dessa história ,suspense nos faz querer sempre mais rssrsrsrsr

    ResponderExcluir
  7. MEU DEUSSS!!! O que foi esse capítulo?!!!numa hora todos só estão tentando superar e recomeçar e nno outro o tiozinho do taxi começa a profetizar *O* coisa de filme...muito sinistro '_'

    e o sonho da Esme? todo mundo virou vampiro!!
    E a locona de olhos vermelhos?? Isso não é bom sinal *--*

    Nossa...essa fic tah tudo de bom!!
    E esse capítulo me deixou sem fôlego!

    Continua pq tah TENSO DEMAIS!!

    BjaO

    ResponderExcluir
  8. OMGGGGG
    Esta é com certeza uma das fics MAIS lindas que eu vi!
    Meu DEus parabéns!!! eu vi o trailler tbm e me APAIXONEI!
    tô sem palavras, chorei muito no primeiro, tremi de medo no segundo e quase morri esperando o terceiro!
    AMEI MUITO!
    meus PARABÉNS!!!! pliaseee não demore!
    (a não ser que queria me matar do coração!kk)
    bjks
    AMEIII
    já virei tua fã querida!

    ResponderExcluir
  9. OMGGGGG
    Esta é com certeza uma das fics MAIS lindas que eu vi!
    Meu DEus parabéns!!! eu vi o trailler tbm e me APAIXONEI!
    tô sem palavras, chorei muito no primeiro, tremi de medo no segundo e quase morri esperando o terceiro!
    AMEI MUITO!
    meus PARABÉNS!!!! pliaseee não demore!
    (a não ser que queria me matar do coração!kk)
    bjks
    AMEIII
    já virei tua fã querida!

    ResponderExcluir
  10. Ohhhh My GOoooood!
    eu AMO esta história!
    acompanho ela no twilight e quando entrei no google hoje para procurar ela vi este sit! E AIII MEU DEUS! interativa é fod* eu piro aqui!
    só tem um problema amore, muitas vezes aparece Renesmee, tipooo acho que vc trocou os nomes, quando é Nessie aparece meu nome, mais quando é RENESMEE aparece este mesmo! (espero que arrume!!)
    ameiii muitooo!
    quandop sai mais?? (embora eu ja tenha lindo em forma normal vou ler COM CERTEZA a interativa!
    AMEIIIII
    bjks

    ResponderExcluir
  11. Oi Amanda Black...A fic ja está arrumada. Qualquer outra coisa pode entrar em contato. Obrigada!

    ResponderExcluir
  12. #Leitora nova#

    acabei de conhecer o sit , e esta é a primeira fic que leio, tanto interativa, como aqui! e tenho todas as razões possíveis para me apaixonar!!
    Ja virei fã deste blog por esta história estar aqui!

    me emocionei muito! chorei horrores no cap 1 , achei a forma misteriosa que vc escreve inesquecível!
    Meus Parabéns, mas espero para o próximo cap! amei muitoo!
    bjos

    ResponderExcluir
  13. Wooowww! Me arrepiei com o trailler! Tá super fooodddaaa!
    Amei também os capítulos. Me debulhei em lágrimas. Você consegue passar todos os sentimentos ao máximo que parece quase real o que a gente está lendo! Tá perfeito demais.
    Você escreve super bem e com muita profundidade!

    P.S.-Se vc tiver uma beta, por favor, diga a ela para corrigir os erros ortográficos para que a fic fique mais gostosa de se ler. Eu sou beta do blog. Se não tiver nenhuma me contate.
    Semana que vem entro em ativa e o meu endereço de mail deverá aparecer na coluna das betas.

    Kisses da Baby

    ResponderExcluir
  14. Uau! Quanta emoção em um só capitulo. Muito bom hein?
    Estou louca para saber mais. Era Jane que me segurava? Uhhhhhhhh
    Posta mais viu?
    bj

    Ps: concordo com a Baby. Peçaajuda a ela. bj

    ResponderExcluir
  15. Ameiii de mais diva.
    Tipo assim,Jake ja ta aparecendo que isso hehe
    Posta mais tá
    Kisses

    ResponderExcluir
  16. Nossa!! Quanto mistério! Eu não sei se meu pobre coração vai aguentar mais!!

    Quanta loucura! A casa dividida por uma linha de prata, tem uma alçapão debaixo do meu quarto, o diário do Jake que só pode ser aberto com uma gota de sangue(porque convenhamos que "uma gota da vida" só pode ser isso), e cara quando eu li o "Jacob Black,1870" eu fiquei tipo:*O*!!!

    A Bella é filha do Aro O.O
    E ela não é sem sal O.O

    Eu sabia que tinha dedo dos Volturi quando eu vi aquela vampira doida e desmaiei '_'
    E ela APAGOU a nossa memória!! Coitado do senhor, falou tanto para nada *--*

    Mas deixa a Bella chegar em Forks!!

    Tô adorando isso \O/

    BjaO

    ResponderExcluir
  17. Ahhh cara!!! Que medo desse capítulo *O*
    O Edward tah lá com a Bella e tah escondendo tudo de todos...e ele discutiu cmg!! vê se pode!!

    Eu sonhei com a garotinha...a minha filha...eu tô em perigo!!!

    E quem será que colocou aquela rosa ali?!! Ou a rosa é mágica, ou alguém colocou ali pq queria que o Jacob aparecesse hum/
    Isso é um mistério p/ Sherlock Holmes '_'

    Gente mais foi muito do mal quando o diário se abriu...parecia que ela tinha aberto a porta p/ o inferno o.O

    Ai tô doida p/ saber o que vai acontecer agora que o Jake foi libertado \o/

    BjaO

    ResponderExcluir
  18. Caray! Estou sem palavras! Essa fic é bombastica de mais! Super arroz com ervilha!
    Adoro esse novo conceito de misticismo que você colocou em torno dos personagens.
    Bella sendo uma meia vampira e o Jacob saindo de dentro de um diário! Nuss, você tem uma criatividade insuperável!
    Será que o Ed sabe o que a Bella é? Nuss, eu gostava de saber um pouco mais o que aconteceu com a Bella desde que ela chegou a Forks, como ela conheceu o Ed e como eles começaram se relacionando!
    E estou mortinha pra saber o que vai acontecer comigo e com o Jacob!
    O que ele é? É um lobo ou é tipo um mágico da lâmpada (que nesse caso seria do diário - ela esfregou ele, depois de deixar cair o sangue! aushauhsuhaushuasuha)
    POSTA MAIS!
    Essa fic está brutal! Apaixonantemente viciante!
    Kisses da Baby

    ResponderExcluir
  19. Lembrei tb do sonho com a garotinha? OMG! Eu vou virar vampira? Minha filha será filha de quem? O Jake é vamp?? aushauhsuhauhsauhs
    Ok, viajei aqui! Mas sabe-se lá o que essa MARAVILHOSA fic nos reserva! NOS SURPREENDA, amore!
    Posta logo.
    Kisses da Baby

    ResponderExcluir
  20. a história esta des lumbrante .
    continue nos prestigiando com seus dons de escritora super criativa.
    parabêns!!!!
    posta logo
    bjs
    GINA

    ResponderExcluir
  21. uouuuuuuuuuuu que foi isso, quanto mistério, estou adorando como sempre rsrs posta mais.

    Bjos

    ResponderExcluir
  22. Meu deus! O que isso? Jesus! Me arrepiei aqui! Uma gota de sangue inundou o quarto fazendo o Jacob surgir do nada? gente do ceu... isso é mto doido. Mas.. Pq tanto ódio?
    E essa garota com o Ed? É uma vampira nao é? Eu to é na duvida se o Jacob tbm é... Enfim. Posta lgo por favor! Sua fic é maravilhosa. Adoro esse suspense, só não o perrogue mto se nao eu morro aki kkkkkk

    ResponderExcluir
  23. Gente se um furo com espinho e uma gota de sangue fizeram Jacob Black aparecer perai que eu vou correndo furar meu dedo tb, vai que um deus grego desse surge no meu quarto! Adorei a fic, posta mais...

    ResponderExcluir
  24. Esta fic é lindaaaaaa!!!! E concordo com a Nannah, vou logo furar meu dedo. rsrsrsrsrs
    Continue postando, a história é incrível!!!!

    ResponderExcluir
  25. muito bom escrevi mais...

    ResponderExcluir
  26. cara sua fic é perfeita é sério !!!! Continua postando eu adorei sua fic ta perfeita *-* PLEASE ñ demora na atualização RIRI Ja facinada *-* pela fic BJS

    ResponderExcluir
  27. Adoreeei *-*
    Continua continua >.<

    ResponderExcluir
  28. Leitora nova akie!
    O QUE?????? HÃ?! Eu não achedito!!! Voce não pode ter parado a fic logo nessa parte!!! Tipo agora eu to ferrada as aulas começam segunda agora e eu to totalmente viciada na sua fic.(tadesacanagemné?)
    Agora parando de reclamar...
    Tua fic é P E R F E I T A !!! Não, serio, eu tenho que concordar com a Nannah se um furo com espinho(de uma rosa branca coisa que tem muito aki em casa) e uma gota de sangue fizeram Jacob Black aparecer no meu quarto... Vou correndo no quintal arrumar umas rosinhas levar pro meu lindo quarto e furar meu dedo!!!
    Agora chega de enrrolação Paulinha vai logo ao ponto...
    Posta mais querida e rapido pq se não eu surto akie!!!

    ResponderExcluir
  29. Eu quero mais disso.!! Quero mais dessa história perfeita.!!

    ResponderExcluir
  30. Posta mais querida!!! Tipo eu li no inicio do mes tudinho em um unico dia entro na ner todos os dias pra ver se vc att mas nada?!:( poxa vida to mortinha de curiosidades akie!!!

    ResponderExcluir
  31. -Quem é você? - Perguntei mais uma vez.
    coração: -_/-_/-_/-_/ (significa que ta batendo)
    - Jacob, Jacob Black........
    coração: ---------------------- (tuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu, parô)

    ResponderExcluir
  32. Jess concordo com você! kkk
    Posta mais!!!!!

    ResponderExcluir
  33. Adorei, fico ansiosa a espera do proximo capitulo

    ResponderExcluir
  34. Cade o resto da historia???
    Posta mais!!

    ResponderExcluir
  35. Cade o resto da história????
    Posta mais!!!
    3/04
    3/05
    3/06
    Pow sacanagem né!!

    ResponderExcluir
  36. minha nossa que história mais,mais mais... Incrível! Pelo amor de deus,você deve continuar a história. Nescessito de mais.
    por favor continue!

    ResponderExcluir
  37. OMG que historia emocionante to boba please continua a fic urgente se não vou ter um treco!

    ResponderExcluir
  38. PLEASE, posta +++ capítulos. Essa fic é simplesmente maravilhosa, eu quero +++ to super curiosa, roendo as unhas para saber o que vai acontecer agora que o Jake apareceu para a PP. Mistérios e + mistérios, mas adooooro amei o video da fic. Está incrivelmente perfeito.Parabéns,Bjos.

    ResponderExcluir
  39. OMG.....AMEIA, amei mesmo sua fic :3 Espero que vc continue.... - Bjss <3 <3

    ResponderExcluir