11 de janeiro de 2013

6 Fases da Separação by Nina

| |



1ª Fase:
 Coração partido. Ao meio, em dois, pela metade. De qualquer jeito que você queira falar. Se quiser dizer em três pedaços, quatro, cinco e até seis, pode. Vai estar certo. Porque era assim que eu estava me sentindo. E eu estava morrendo aos poucos dolorosamente.
 Desde que descobri a traição, nunca fui o mesmo. Tenho estado em casa, 24 horas por dia. Não saía nem para ir ao supermercado, já que a casa onde estou tem empregada. A casa, já que toquei no assunto, que nem é minha. É de um anjo, uma amiga minha. Reese Whiterspoon. Pedi para ficar na sua casa por uns tempos. E estou aqui há quase um mês.
 Não pretendo ir embora ou aparecer na mídia durante um tempo. Quero ficar sozinho. Ou pelo menos, queria. O problema é que é difícil ficar sozinho e em paz quando a sua própria mente não deixa. A humilhação pela qual eu passei não vai embora. Eu vivia revivendo os momentos de quando eu descobri o que ela tinha feito. E o pior, eu descobri por fotos. Ela nem teve a coragem de me dizer o que tinha acontecido.
 Eu estava desolado e infeliz. Por alguns dias, a ideia de beber até cair no chão de tão bêbado me pareceu simpática. Só que depois de um tempo bebendo até desmaiar, acho que meu corpo ficou imune e eu não ficava mais desacordado. Pelo contrário, eu ficava acordado e chorando. Chorando que nem um bebê que quer colo, me perguntando o porquê dela ter feito o que fez, já que dizia que me amava.
 Quem ama não machuca os outros intencionalmente. Não estou dizendo que ela agiu desse jeito só pra me machucar, mas isso é errado. Completamente errado. E se ela estiver dizendo que sente muito por tudo isso, eu sinto muito mais. E tenho sentido durante todo esse tempo. Tenho sentido quando acordava com dor de cabeça, por causa da ressaca do dia anterior; quando eu me lembrava do porquê de ter bebido e ficado com ressaca; quando eu passava o resto do dia lamentando pela vida miserável a qual estava vivendo; quando eu voltava a beber à noite, até dormir de tanto chorar ou de cansaço mesmo.
 A minha vida estava ótima há alguns dias atrás, antes de eu saber da traição. Eu ia pedir Kristen em casamento, tudo estava preparado. Aí vem a notícia e eu jogo tudo para o alto. Com razão, é claro. Antes, eu não fugia das pessoas. Mas durante duas semanas aqui na casa, é o que eu mais tinha feito. Não importava se elas estavam longe ou perto de mim. Eu ignorava as ligações, até mesmo da minha família. Só não ignorava as de Reese, já que estou na casa dela. Ignorava, principalmente, as ligações e mensagens da Kristen. Fingia que ela não existia. Ignorava até a empregada da casa. Se eu estava na sala me afogando em mágoas e ela vinha limpar, eu ia para o quarto. Se eu estava no quarto e ela entrava, eu ia para a sala. E ficava assim até me cansar e ir para a área da piscina.
 Isso quando eu não assistia tv ou lia algum livro. Ou pelo menos tentava. Até tentei ler um livro sobre separação, mas não me adiantou nada. Parei de lê-lo quando ele me deu uma dica: seguir em frente. Bom, era isso que eu estava tentando fazer. Mas era extremamente difícil.
 E minha estadia durante duas semanas tem se resumido a isso: Choro, bebida, sono, tédio, bebida, choro e sono. Ah, esqueci o mais importante, o coração despedaçado. E esse estava sendo foda de curar.
2º Fase:
 Descobri que não sabia muito sobre as coisas, as pessoas e muito menos de mim. Mas uma coisa eu sei: Eu não tenho sido o mesmo desde aquela descoberta. Eu me escondi do mundo e me escondi tão bem que nem eu sabia aonde e como me encontrar. Ficava pensando que talvez seja por um bem maior que eu esteja passando por tudo isso. Que talvez eu iria ficar melhor sem ela. Mas naquele momento não dava. Eu não estava melhor sem ela.
 Tudo estava parecendo tão sem graça. As séries de comédia não estavam tão engraçadas quanto deveriam estar; As músicas estavam parecendo mais melancólicas do que antes; O mundo parecia estar em preto e branco. Ou até mesmo cinza. Só cinza.
 Todas as pessoas estavam parecendo patéticas e hipócritas para mim. Eu me sentia revoltado. Revoltado com o mundo, as pessoas, comigo e com a droga das garrafas de bebida que estavam quase acabando.
 Durante minha bebedeira da rotina, descobri que ela não me amava pra valer. Ela não podia. Se ela me amava, não teria me traído. Simples assim. E dane-se se foi um caso passageiro. Pode ter sido para os dois, mas pra mim tava demorando pra caralho pra ir embora e nunca mais voltar. Se é que vai embora. Ou na pior das hipóteses, se for e voltar. Mas um raio não cai duas vezes no mesmo lugar.
3ª Fase:
 Quando fez duas semanas que eu estava na casa, acordei com um sentimento bom. E a tristeza não tinha vindo, como de costume era. O pensamento de dar outra chance a ela também não. O que veio foi a minha suposição de que eu era muito bom para ela. Veio também aquelas frases clichês, dizendo que eu tinha que me manter positivo, mesmo que a minha vida estivesse um caos. Dentro da casa não estava. Tudo estava indo muito bem e quieto, mas não podia dizer o mesmo sobre lá fora. Eu não sabia de nada do que estava acontecendo e me sentia bem por isso.
 Sobre aquela hipótese de voltar a ter um relacionamento com a Kristen, eu me dei conta de que ela e eu temos opiniões diferentes. E a dela era a errada, evidentemente. Ela achava que podia ficar com outra pessoa e ainda dizer que me ama. Eu, obviamente, não achava isso.
 A minha cabeça dizia que eu tinha que falar com ela para nos acertarmos, para que o nosso amor crescesse de novo. Porque afinal, as pessoas erram, é humano errar. E tudo o que passamos juntos não foi em vão. Eu ainda me lembrava de todos os momentos que passei com ela. Mas ela fodeu com tudo ao me trair. Ela destruiu todas as memórias boas que eu tinha dela. E então, em resposta a minha cabeça, meu coração disse que não. Que ela foi uma filha da puta ao fazer aquilo e que ela não me merece. E realmente não merece.
 E devido a essa súbita melhora de estado de espírito, resolvi dar o ar das graças. Retornei todas as ligações dos meus familiares e amigos. Até me atrevi a digitar uma mensagem para Kristen dizendo que eu estava melhor e que não havia espaço para ela na minha vida, não mais. Se ela podia me trair, eu podia terminar com ela por mensagem. E ela respondeu, dizendo que me amava e que sentia muito e blá blá blá. Como eu disse antes, eu sentia muito mais por ela do que ela por mim.
4ª Fase:
 Eu estava melhor do que eu achava que estaria. Tão melhor que retornei a minha vida na Internet. Porém não saía de casa.  A notícia de que Kristen e eu tínhamos terminado definitivamente já estava em todos os sites. E isso fazia cinco dias E foi num dia desses, que eu vi uma imagem aterrorizante, que fez com que meus pesadelos voltassem. Eu tinha visto ela com outro cara. Eles não estavam se beijando, mas estavam se abraçando de lado, enquanto andavam. Ela sorria de lado, aquele sorriso que eu tanto amava.
 E merda. Eu percebi o que eu tinha feito. Eu tinha me iludido, achado que eu tinha a superado. Mas na realidade eu não tinha. Ela ainda estava viva dentro de mim, mas estava contida. Contida por mim mesmo, que a deixei sozinha para morrer, porque simplesmente era o melhor a se fazer.
 Ao ver aquela foto, não reconheci o cara com quem ela estava e agradeci por isso. O meu lado racional e meu lado emocional, que estava machucado, entraram em ação e disseram que ela não podia fazer aquilo. Que ela não podia me fazer me sentir diferente, me fazer amá-la e depois me largar. Tudo bem que eu que a larguei de fato, mas ela me largou primeiro, tecnicamente.
 E o que mais fodeu com tudo durante os dois dali em diante foi em imaginar o que teria sido da minha vida em duas hipóteses: A primeira, se ela não tivesse me traído. Nós provavelmente estaríamos noivos e felizes. A segunda, se eu tivesse voltado com ela e mandado todo mundo que me dizia pra fazer o contrário ir tomar no cú. Acho que a nossa relação ia ter esfriado um pouco.
 O que mais me atormentou, depois de três semanas na casa, era a imagem de como tudo deveria ser. A primeira hipótese tomou conta de mim e eu fiquei amargurado pela casa, sentindo a falta dos velhos e felizes tempos.
5ª Fase:
 Às vezes, a melhor coisa que você pode fazer é admitir que está com medo. E no meu caso, eu estava com medo de muitas coisas. Medo de voltar a amar a Kristen com todas as minhas forças; Medo de não voltar a amá-la, mas não amar mais ninguém; Medo do meu futuro ser sem graça e felicidade. Mas eu aprendi que se eu parar de desejar que as coisas não desmoronem, eu iria parar de sofrer quando elas acontecessem.
 Eu percebi que parar de falar com a Kristen de vez, foi a coisa mais difícil que já fiz. Eu era fissurado nela, apaixonado, obcecado - de um jeito bom – por ela. Mas foi o melhor que eu fiz. Cada segundo que eu passava consciente ou inconscientemente pensando nela, eu estava escolhendo uma coisa que não ia durar para sempre. Pode ter durado por três anos, mas não ia durar mais. Então eu a deixei ir e aceitei isso.
6ª Fase:
 Hoje fazia exatamente quatro semanas que eu estava ‘refugiado’. A Reese tinha me ligado mais cedo, dizendo que uma mulher que cuidava das flores ia aparecer por aqui para, bom, cuidar das flores. Disse que ia até tentar me enturmar com ela, já que eu estava me sentindo bem o suficiente para interação social. Tinha até conversado com a empregada da casa, me desculpei pelos meus modos anteriores e expliquei a situação. Ela me disse que já sabia do que tinha acontecido e entendeu que eu estava machucado. Gente boa a Rosa, a empregada.
 Eu tinha acabado de almoçar, quando o interfone tocou. Rosa o atendeu e me disse que era a mulher que cuida das flores. Assenti e disse que eu mesmo ia abrir a porta. Não olhei pelo olho mágico, já que não precisava. Abri a porta e fiquei surpreso.
 Olhei para os olhos da garota e eles transmitiam todos os tipos de paradoxos. Eles transbordavam alegria, só que ao mesmo tempo, tristeza. Como se ela tivesse sido muito infeliz, porém estava feliz agora. Eles irradiavam amargura, mas eram muito doces. E o mais inebriante sobre os olhos dela, era que eles podiam fazem com que você se predispusesse a apoiá-la em todos os sentidos, a fazer o que ela quisesse que você fizesse.
 Queria que ela me contasse todos os segredos que seus olhos teimavam tanto em esconder. Diria até que ela adorava mistérios. Tanto, tanto, que nem se deu conta que ela própria era um. E tenho certeza de que ela não tinha a mínima ideia do que efeito que tinha.
 Acordei do meu súbito transe e falei oi, dando um sorriso verdadeiro. Coisa que eu não fazia há um tempinho.
 E quando ela me respondeu com a voz suave, calma e com um sorriso também verdadeiro junto, eu nunca imaginaria que um simples ‘Olá’ poderia levar a um milhão de coisas.
n/a: Hello, girls! Vocês gostaram? Espero que sim! Eu queria fazer um especial de Natal, mas acabou saindo essa fic hahaha. Comentem muuuito, não só digam se foi regular, bom ou ótimo, porque comentários nos inspiram, além de nos deixar orgulhosas. E pra quem leu a tabelinha dessa fic, se muitas pessoas gostarem e comentarem, pode ter segunda parte. Obrigada e beijos! Xx




7 comentários:

  1. Omg, que fases pesadas e definitivas o Robert passou, não?!
    Ain, eu quero mais, preciso de continuação. A estória não pode terminar agora que ia começar a ficar melhor ainda. :(
    Adoooorei demais, bjkssss!!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei, amo fics e a sua tem que continuar, pq seria sacanagem deixar essa estória toda em off, vamos lá Kelly inspire-se e continue, please!!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito dessa fic, confesso q estou escrevendo uma baseada nisso tudo q aconteceu com o Robert e a Kristen, e q tudo q vc escreveu foi um ponto de vista perfeito de quem passa por uma coisa assim.

    ResponderExcluir
  4. AAAh . Adoreei a fic ser com o Rob pós traição da Kristen, pena ela nao ter feito o mesmo qe na história na vida real. seria menos pior pra ele. kkkk. Pelo qe vi do começinho me interessei . Vou acompanhar . Esperando prox post .
    Beijoos

    ResponderExcluir
  5. Nina parabéeens, que fic incriveeel! Eu adoraria que você fizesse a segunda parte, só que interativa ! noooossa, já sei que vou amar. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Clessiane Magalhães30 de julho de 2013 22:17

    Continua pelo amor de Deus!!!! PERFEITO! Parabéns!!!
    Nina, ficou muito bom, maravilhoso. Coitado do Rob! Tô louca pra ler a continuação. Por favor não demora! :D
    Beijos
    Xauz

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Perfeito!! Adorei principalmente o final! Vai ter continuação? Se sim eu vou ler! Bjos!!!

    ResponderExcluir